Regionais - Justiça Eleitoral estabelece prazo para remoção de propagandas - Notícias
« 1 ... 3 4 5 (6) 7 8 9 ... 7293 »
Regionais : Justiça Eleitoral estabelece prazo para remoção de propagandas
Enviado por alexandre em 30/10/2014 16:12:32

Justiça Eleitoral estabelece prazo para remoção de propagandas

O prazo para a remoção de propagandas eleitorais instaladas nos municípios de Jaru, Theobroma e Governador Jorge Teixeira, vence no próximo dia 26 de novembro. O limite de 30 dias após a eleição, para que seja retirado o material, foi comunicado pela Justiça Eleitoral da 10ª e 27ª Zona de Jaru, que em edital publicado no dia 27, informou partidos, coligações e candidatos o que dispõe o art. 88 da Resolução TSE nº 23.404.Caso haja o descumprimento da determinação sujeitará os responsáveis às consequências previstas na legislação comum aplicável.

Fonte: JaruOnline

Autor: JaruOnline

Regionais : PILOTOS SEQUESTRADOS HÁ 40 DIAS NO MATO GROSSO SÃO LIBERTADOS EM GUAJARÁ
Enviado por alexandre em 30/10/2014 16:11:32

PILOTOS SEQUESTRADOS HÁ 40 DIAS NO MATO GROSSO SÃO LIBERTADOS EM GUAJARÁ

30102014-122517-pilot.jpg
O piloto Evandro Rodrigues de Abreu e o copiloto Rodrigo Frais Agnelli, que estavam desaparecidos há 40 dias, foram liberados por seqüestradores na madrugada desta quinta-feira (30), em Guajará-Mirim, cidade brasileira que faz divisa com a Bolívia. Eles foram levados do Aeroporto de Pontes e Lacerda (480 km de Cuiabá), quando trabalhavam na campanha da então candidata ao governo Jantete Riva (PSD).

Após a liberação, que ocorreu espontaneamente pelos seqüestradores, os pilotos procuraram a polícia local e posteriormente, entraram em contato com a família e com o deputado estadual José Riva (PSD).

“O Evandro ligou do seu próprio celular, quando estava dentro da viatura da Polícia Militar. Disse que está bem, tranqüilo e também me pareceu sereno. Contou que não foram judiados, que colocaram arma na cabeça deles apenas na hora da abordagem. Assim que recebi a notícia, já pedi para um avião ir buscá-los em Guajará-Mirim”, explicou o deputado estadual, que teve o avião de propriedade da família desaparecido, no dia 20 de setembro, em Pontes e Lacerda, quando participavam de evento de campanha da então candidata ao governo, Janete Riva (PSD), sua esposa.

Riva contou que os pilotos foram liberados espontaneamente, após desentendimento entre os próprios seqüestradores sobre a venda do avião, modelo King Air, modelo C90GTI, de 2006, prefixo ATY.

“O Evandro contou que eles estavam sendo usados para pilotar o avião na Bolívia para o tráfico de drogas, que tem muita pista de tráfico na região, a cada 5 km. Como houve o desentendimento entre os sequestradores, soltaram na divisa de Rondônia e foram embora”.

Os pilotos retornam para Cuiabá ainda hoje.

Sequestro

Pilotos andaram por 2 dias até Guajará; avião foi vendido para traficantes

O piloto Evandro Rodrigues de Abreu e o co-piloto Rodrigo Frais Agnelli, que foram encontrados após 40 dias do sequestro e roubo do avião da família Riva em Pontes e Lacerda, precisaram caminhar por dois dias em uma mata até chegarem a cidade de Guajará-Mirim, na fronteira de Rondônia com a Bolívia. A informação foi confirmada pela esposa do piloto Evandro, Márcia Abreu, que falou por telefone com o marido nesta madrugada.

Aliviada com o aparecimento do marido e do companheiro de serviço, Márcia revelou que os seqüestradores não fizeram nenhum tipo de pressão a família durante os 40 dias de seqüestro. “A única vez que entraram em contato foi 2 ou 3 dias após o seqüestro. Ligaram para meu cunhado e disseram que eles seriam liberados e estariam bem”, disse em entrevista a Rádio CBN (AM 590).

Evandro e Rodrigo entraram em contato com a família e com o deputado estadual José Riva (PSD), proprietário do avião, na madrugada desta quinta-feira. De acordo com o parlamentar, os pilotos já estavam na Polícia Militar e falavam de seus próprios aparelhos celulares.

De acordo com o deputado, a informação passada pelos pilotos é de que o avião foi comercializado e que foram liberados após um desentendimento entre os sequestradores. "O Evandro contou que eles estavam sendo usados para pilotar o avião na Bolívia para o tráfico de drogas, que tem muita pista de tráfico na região, a cada 5 km. Como houve o desentendimento entre os sequestradores, soltaram na divisa de Rondônia e foram embora".

O roubo da aeronave aconteceu no dia 20 de setembro no aeroporto de Pontes e Lacerda (480 km de Cuiabá), quando os pilotos trabalhavam na campanha da então candidata ao governo Jantete Riva (PSD). O caso está sendo investigado pela polícia boliviana e era acompanhado pelas polícias civil e federal brasileira. A família Riva providenciou um avião para ir buscar as duas vítima que devem chegar a Cuiabá por volta das 13h.

Fonte: FOLHAMAX

Autor: FOLHAMAX

Mais Notícias : Feliz aniversário
Enviado por alexandre em 30/10/2014 15:20:26

Feliz aniversário

Hoje, faz oito anos que nasceu o Radar on-line, uma extensão da coluna publicada semanalmente em VEJA desde os anos 70 e editada por mim a partir de janeiro de 2000.

Neste mês, que ainda não terminou, a coluna alcançou o seu recorde de acessos: 7 462 321 nestes trinta dias. De janeiro a outubro, o volume de acessos cresceu 101% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Se você teve curiosidade – e paciência – pôde ler aqui 33 021 notas, que receberam 530 458 comentários publicáveis. Outros milhares de comentários impublicáveis foram devidamente deletados.

O meu compromisso (e o de Thiago Prado e do estagiário João Pedroso de Campos que comigo formam a equipe do Radar) é o de publicar informações exclusivas e bastidores de tudo o que for relevante.

Da política à economia; do esporte à área cultural; do mundo dos negócios à segurança pública – tudo cabe no Radar, desde que seja uma informação confiável  e inédita. De vez em quando, se a nota fizer o leitor sorrir, melhor ainda.

Obrigado a todos.

Por Lauro Jardim

Racha Universal e PMDB

Crivella e Pezão: reconciliação difícil

Crivella e Pezão: reconciliação difícil

Por ora, depois da campanha eleitoral, é irreversível a reconciliação entre o conglomerado Igreja Universal, Record e PRB com o PMDB do Rio. Pelo PRB, o presidente Marcos Pereira garante:

- Enquanto (Jorge) Picciani, (Sérgio) Cabral e (Luiz Fernando) Pezão estiverem no poder, o PRB será oposição.

Além de não ter ido ao debate da Record no fim do primeiro turno, Pezão ainda não deu entrevista para a emissora depois de eleito.

Por Lauro Jardim

Lobão diz adeus

Provocação de correligionários

De volta ao Senado

Edison Lobão não tem a menor dúvida de onde despachará a partir de 2015: do seu gabinete no Senado. Aos mais próximos, assume que não integrará o ministério do segundo governo Dilma. Voltará ao Senado, onde tem mais quatro anos de mandato pela frente.

Por Lauro Jardim

O time de Pezão

Salário polêmico

Beltrame sai ou fica?

Luiz Fernando Pezão tem um quebra-cabeças para montar nos próximos meses – montar um governo que contemple as alianças com mais de 20 partidos e que não pareça subserviente a Sérgio Cabral e Jorge Picciani.

Um dos secretários mais criticados no governo passado, o deputado federal reeleito Julio Lopes, não voltará para a pasta responsável pelo Transporte. Lopes sempre foi mantido no cargo pelo futuro vice de Pezão, o senador Francisco Dornelles. A atual secretária Tatiana Carius e o deputado estadual Carlos Roberto Osório são os mais cotados para o cargo.

Na segurança, José Mariano Beltrame escolhe se fica. Se sair, o subsecretário Roberto Sá é o mais cotado para o cargo.

Por Lauro Jardim

Mais Notícias : Ecos da campanha
Enviado por alexandre em 30/10/2014 15:19:13

Ecos da campanha

Dilma e Pimentel

Dilma e Pimentel: amizade de longa data

Durante boa parte da campanha que agora acabou, um incômodo se instalou na relação entre Dilma Rousseff e Fernando Pimentel, de longe o petista mais ligado à presidente.

O motivo foi a decisão dos marqueteiros de Pimentel de, no início da campanha, sumir com Dilma da propaganda de TV e rádio, de cartazes, jingles etc. A ideia era não entrar no confronto Dilma versus Aécio Neves, que poderia afastar o eleitor mineiro da candidatura de Pimentel logo de cara.

Pimentel chancelou a operação do marketing de sua campanha. Mas Dilma não se conformava.

No dia 20 de agosto, num evento em Belo Horizonte, onde fora visitar escolas do Pronatec, Dilma puxou Pimentel num canto. Juntando sua irritação natural com a intimidade que tem com o amigo de quase cinco décadas, Dilma despejou sua indignação.

Pimentel, com diplomacia, pediu paciência:

- Dilma, o Aécio é muito forte aqui. O momento não é agora.

Um mês depois, quando a vitória de Pimentel ao governo de Minas parecia assegurada e Aécio penava com a ascensão de Marina Silva, Dilma apareceu na propaganda do amigo para não mais sair.

Por Lauro Jardim

Teto maior

Dilma: campanha milionária

Dilma: campanha milionária

A campanha de Dilma Rousseff elevou mais uma vez o seu limite de gastos para a campanha: o teto chegou a 383 milhões de reais.

No dia 20 de outubro, a campanha petista já havia aprovado a elevação do teto de 298 milhões de reais para 338 milhões de reais.

A alteração solicitada foi deferida pela ministra do TSE Maria Thereza de Assis Moura.

Com a vitória, não será difícil passar o chapéu nas grandes empresas e arrecadar a grana.

Por Lauro Jardim

Mais Notícias : Lula e Sérgio Cabral
Enviado por alexandre em 30/10/2014 15:17:43

Na boa

cabral e lula

Conversa pelo telefone

Depois de meses sem se falar, Lula e Sérgio Cabral voltaram a conversar no domingo.

O motivo do telefonema foi o mesmo que os separou por tanto tempo: a eleição do Rio de Janeiro. Lula telefonou para dar os parabéns a Cabral por ter feito o sucessor.

O candidato de Lula, Lindbergh Farias, foi o quarto colocado, com 10% dos votos.

Por Lauro Jardim

Enigma dos trens

trem

Trens desaparecidos no Rio

Continua o mistério sobre onde foram parar 54 trens da Supervia, concessionária ferroviária fluminense, revelado no início do mês por VEJA (Leia mais aqui).

Os carros – substituídos por novos – não foram encontrados no patrimônio do próprio Estado ou da Supervia. Quando um vagão é trocado, o contrato de concessão prevê um leilão da composição e o repasse do dinheiro arrecadado para os cofres públicos.

Um relatório assinado pelo técnico do governo do Rio de Janeiro Wagner Ribeiro de Oliveira atestava o problema. Depois que entregou o documento a VEJA, Wagner – acompanhado de outros técnicos – depôs na polícia e negou que tivesse feito o relatório.

Por não leiloar os trens? No passado, inicialmente a Supervia reconheceu um débito de 96 milhões de reais. Depois, foi a vez do governo abater o mesmo valor de desequilíbrio econômico financeiro no contrato do mesmo valor. Ou seja, as partes se acertaram e os trens continuam desaparecidos.

Por Lauro Jardim

Dedicação à vida cultural

Lembrado em dois estados

Fora da política

José Sarney segue no início de novembro para Madri, onde lançará um livro, numa versão em espanhol.

Por Lauro Jardim

O teatro

temer

Temer: encenação com Cunha

Na semana passada, Eduardo Cunha e Michel Temer protagonizaram uma briga pública em torno do comando do partido.

Cunha, em tese, ficaria melhor na foto se Aécio Neves vencesse; e Temer, naturalmente, ficaria em alta com a vitória de Dilma Rousseff.

Hoje, estão mais unidos do que nunca estiveram. O que parecia ser uma disputa por espaços na verdade deve ser entendido como um teatro cuidadosamente encenado para ficar no poder seja quem fosse o vencedor.

(Atualização, às 16h55. Michel Temer telefonou agora para negar com veemência a nota acima. Informou que não fala com Cunha há quatro semanas e que “esse tipo de coisa não faz parte do meu caráter, é uma maldade inominável espalhar essa mentira”)

Por Lauro Jardim

O teatro

temer

Temer: encenação com Cunha

Na semana passada, Eduardo Cunha e Michel Temer protagonizaram uma briga pública em torno do comando do partido.

Cunha, em tese, ficaria melhor na foto se Aécio Neves vencesse; e Temer, naturalmente, ficaria em alta com a vitória de Dilma Rousseff.

Hoje, estão mais unidos do que nunca estiveram. O que parecia ser uma disputa por espaços na verdade deve ser entendido como um teatro cuidadosamente encenado para ficar no poder seja quem fosse o vencedor.

(Atualização, às 16h55. Michel Temer telefonou agora para negar com veemência a nota acima. Informou que não fala com Cunha há quatro semanas e que “esse tipo de coisa não faz parte do meu caráter, é uma maldade inominável espalhar essa mentira”)

Por Lauro Jardim

« 1 ... 3 4 5 (6) 7 8 9 ... 7293 »