Resenha Política - Resenha política-Robson Oliveira - Notícias
« 1 ... 50 51 52 (53) 54 55 56 ... 65 »
Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 19/02/2013 18:43:45

Resenha política

Robson Oliveira

 

Gesto

A ida do governador Confúcio Moura à abertura do ano legislativo foi um gesto de grandeza, visto que o presidente da Assembleia Legislativa não perde uma oportunidade na frente dos holofotes para fustigar e criar constrangimento ao chefe do Executivo. Já o gesto do chefe do Legislativo ao receber a ilustre visita continua sendo de beligerância. Na medida dele.

 

Aloprado

A denúncia de ser alvo de um suposto dossiê ilegal anunciada pelo deputado estadual Hermínio Coelho, presidente da ALE, indicando como autor as digitais do Secretário da Segurança Pública, Marcelo Bessa, não foi novidade pra este cabeça-chata. Em maio do ano passado, numa conversa informal com uma autoridade estadual, ouvi pela primeira vez o assunto. Com uma diferença: o governador também seria alvo de supostos grampos e não autor intelectual da alopragem.

 

Fonte

Como a fonte que nos fez a revelação bombástica goza da confiança da coluna e por se tratar de uma pessoa qualificada e de uma dignidade incontestável, levei a informação a sério e caí em campo para checar: cruzei dados, ouvi sob  “off” auxiliares do Secretário de Segurança, investiguei ações desencadeadas pelo delegado antes de assumir ao cargo rondoniense e ouvi outras fontes. Nada. Não consegui confirmar a informação e optei em deixar pra lá. Minha incompetência não desqualifica a fonte, mas não escrevo uma linha sem provas.

 

Provas

Hermínio Coelho, além de acusar peremptoriamente Marcelo Bessa pela execução do suposto ardil, indicou como mandante o governador Confúcio Moura. Alegou que a suposta tramoia tem o objetivo de chantagear o chefe do  Legislativo estadual a aprovar o nome de Marcelo Bessa para o Tribunal de Contas do Estado. Lorota, para que tenha o nome chancelado Bessa necessitaria dos votos da maioria dos deputados estaduais e não apenas do seu presidente.

 

Prerrogativa

Como o denunciante não apresentou cópia do suposto dossiê nem uma mínima prova de grampos, a denúncia soa como ato preparatório para barrar qualquer nome encaminhado pelo governador que, aliás, tem a prerrogativa constitucional na ordem da indicação.

 

Dissimulação

A Assembleia Legislativa indicou Wilber Coimbra e Francisco Carvalho (ex-Chico Paraíba) nas duas últimas vagas abertas para o TCE e trama em surdina para indicar mais uma.  Apontar um governante desgastado com a opinião pública como autor intelectual do suposto malfeito caiu como uma luva para dar aparente verdade à dissimulação em curso e proteger o nome que o parlamentar esconde para impô-lo ao TCE.

 

Guardião

Desde que instituições adquiriram a engenhoca conhecida no submundo policial de 'Guardião' as denúncias de grampos ilegais se multiplicaram país afora. O STJ já colocou freios em algumas investigações que utilizaram a engenhoca ao arrepio da lei e mandou às calendas denúncias intentadas ao judiciário. Se a Secretaria de Segurança estiver envolvida em grampos ilegais, como sugere o deputado Hermínio Coelho, o caminho é uma CPI.  O resto é lorota.

 

Desgastado

A coluna teve acesso a uma pesquisa que aponta um estrago considerável na avaliação pessoal do governador e sua administração. Os números apurados (não fui autorizado a divulgá-los) revelam que Confúcio Moura vai precisar repaginar por completo o governo para tentar pensar em reeleição.  Mesmo assim, pelos percentuais, poucos acreditam que ele (Moura) seja capaz de mudar o rumo do governo, haja vista que nem ele muda seu jeito solitário de governar. 

 

WO

Os principais interlocutores do governador apostam na lei da ficha limpa para desobstruir o caminho da reeleição de Confúcio Moura. A seguir por esta premissa Confúcio estará fadado a perder para WO. Ou para um qualquer aventureiro que apareça por aí com promessas mirabolantes e arauto da moralidade.

 

Capengando

Uma coisa é certa: apostar apenas na lei da ficha limpa não é o melhor caminho para a  reeleição. Para limpar a barra com o eleitor rondoniense, em especial o servidor público, Confúcio Moura terá que viabilizar primeiro a capenga administração estadual. Outro problema é o tempo.... que nunca para.

 

Relatório

A coluna teve acesso a um relatório de engenharia que aponta várias irregularidades técnicas do movimento de veículos sobre o viaduto da capital que dá acesso à BR 364, sentido Candeias. A pressa em liberar o trânsito e falta de competência podem provocar responsabilidades civis e penais.

 

Tragédia

Pelo relatório, as autoridades que autorizaram a passagem dos veículos por cima dos viadutos podem ser responsabilizadas por uma eventual tragédia que venha a acontecer. Ocorre que, ao liberar o trânsito, não se atentaram para o projeto original que previa contenções metálicas, contenção da saia de aterro, análise de solo para conter erosões, entre outras. Nenhum desses itens foram obedecidos o que impediria qualquer possibilidade de desastre. Um engenheiro consultado pela coluna garante que há perigo.

 

CREA

O Conselho Regional de Engenharia deveria também prestar um serviço público e informar também à população sobre os problemas dos viadutos, mas anda ocupado demais em recolher dividendos multando as pessoas humildes que constroem modestas casas por aí. 

 

'Otomano'

Deus queira que nada de mal ocorra à população, mas as autoridades precisam resolver a pendenga urgente e impedir que desastres surjam por incompetência daqueles que deveriam cumprir com suas obrigações. Esses viadutos são a prova da mais absoluta incompetência de um gestor. Nada indica que o novo alcaide de Porto Velho consiga concluir aquelas obras com a brevidade almejada pelo contribuinte, mas os problemas herdados terão que ser solucionados. Por isto foi eleito. Chega de lero lero e é bom colocar o  poderoso secretário 'otomano' pra trabalhar. Com a palavra Dr. Mauro!

 

Renúncia

Após a renúncia o santo padre Bento XVI ao papado, em Cacoal a torcida é enorme para que o padre renuncie à prefeitura municipal. A diferença é que o primeiro é santo e dado a gestor nobre, o segundo, não. Os fiéis da igreja católica querem que Bento fique, os eleitores cacoalenses querem que o padre vá embora.      

 

Inflamado

Ontem, da tribuna do Senado Federal, o senador Ivo K-Sol (PP) fez um discurso inflamado contra as denúncias formuladas pelo Ministério Público Federal que, segundo o parlamentar, tratar-se de uma perseguição pessoal. O problema é que a denúncia foi recebida e acolhida pelo juiz de primeiro grau, cabendo ao senador recorrer. Ele alegou que direitos constitucionais comezinhos ao devido processo, a exemplo de ouvir testemunhas arroladas pela defesa, foram descumpridos na instrução processual. Caso este fato seja comprovado a revisão ocorrerá com tranquilidade.

 

Agressividade

Já são corriqueiras as reações destemperadas do senador rondoniense em relação as ações intentadas contra ele pelo procurador Reginaldo Trindade. Mas em todas oportunidades em que o senador ajuizou ações contra a suposta perseguição do procurador não conseguiu lograr êxito: esse deve ser o motivo pelo qual o humor do senador azeda e aumenta a agressividade quando menciona o nome de Reginaldo Trindade.

 

Controvérsias

Ivo K-Sol voltou a desmentir que estaria inapto a disputar as eleições estaduais de 2014 por causa da lei da ficha limpa. Lembrou que partiu dele a limpeza política do país quando divulgou vídeos com parlamentares tentando extorquir os cofres públicos em troca de apoio político na Assembleia Legislativa de Rondônia. A primeira fala feita da tribuna está correta: neste momento o senador ainda não está totalmente inelegível porque aguarda o julgamento de recursos no TSE. Em relação a segunda peroração, há controvérsias...

 

Suspicácia

No que pese a desconfiança dos barnabés em relação a um possível atraso dos salários pelo Governo do Estado, a suspicácia ainda não se confirmou e, pelas receitas dos últimos dois meses, dificilmente as suspeitas se confirmem. Tanto o Fundo de Participação do Estado quando as receitas próprias aumentaram consideravelmente em Rondônia. O governo já está agendando o pagamento de dívidas estocadas para honrar compromissos descumpridos. O que a coluna não descobriu é o critério a ser utilizado para priorizar as primeiras quitações.

 

Oi

Está cada dia mais complicado a comunicação com as operadoras de internet para que o consumidor resolva o problema. Nas últimas trinta horas tentei me comunicar com a oi para que informasse o problema pelo qual minha internet não funcionava. Como sempre a atendente virtual (um voz metálica gravada) não atende. A oi oferece um serviço de baixa qualidade, mas cobra religiosamente a conta em dia. Não falha nunca.  As operadoras de tefonia e internet são responsáveis pelo maior número das ações ajuizadas. Com a adesão da Justiça a era digital já começo a visualizar os problemas que aguardam os advogados brasileiros. E os prejuízos decorrentes deles. Nem um oi?  Assim é abuso.

 

Gaudério

Como a coluna da semana passada caiu na folia momesca e não saiu por aqui, registro hoje o meu pesar pela passagem para o andar de cima do amigo Nei Leal. Advogado preparado, boêmio por convicção, gaiato por natureza e violeiro por acidente. Dias antes de morrer ligou e disse: - cabeça-chata estou na tua terra, vamos comer um bode com uma rainha (cachaça paraibana conhecida pelo sua pureza e sabor incomparável)? Infelizmente, já havia retornado um dia antes pra Porto Velho. Não passou nesta cabeça deformada que o gaudério ligou pra se despedir deste leal amigo. Exatamente no primeiro dia de carnaval. Desconfio que no andar de cima encontrou Paulo Queiroz, Manelão e Juvenal Sena e fizeram a maior fuzarca com Pedro, porteiro do paraíso. Nem na última despedida perdeu a verve. Como não tenho pressa de subir e tenho pavor de altura, fico no andar de baixo a relembrar dos causos que Nei Leal contava aos amigos em comum. E tomando todas por ele. Dê lembranças ao PQ, ao general da Banda e ao Biuva. E não faça fofoca de mim ao Homem!

 

 

 

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 07/02/2013 20:55:29

Resenha política

Robson Oliveira


Fiero

Demorou, mas ruiu a insustentável permanência do empresário Denis Baú na presidência da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero) com a decisão judicial que o afastou e determinou que a entidade patronal passasse a ser gerida por uma junta interventora. Quem acompanha os bastidores dessa 'sinecura' não ficará surpreendido com o que possa vir a ocorrer daqui pra frente.


Carimbadas

A justiça agiu acertadamente ao intervir na Fiero e verificar com mais cuidado as acusações que pesam sobre a forma pela qual a diretoria defenestrada tenta se perpetuar na instituição. O que surpreendeu foram os nomes indicados para a junta, visto que não escondem interesse no litígio. O ideal seria ter designado pessoas alheias às brigas intestinais da Fiero. No que pese estarem aptos a comporem a junta interventora.


Tributos

A Fiero, a exemplo de outras corporações de representação classista ou profissional, mesmo de característica privada, está submetida à fiscalização do Poder Público porque as contribuições obrigatórias pagas pelos seus associados possuem natureza fiscal. Exceção apenas para a OAB que, segundo o STF, não está vinculada às obrigações daquelas.


Iguais

O grupo que vem tentando se apoderar das estruturas administrativas da Fiero não é muito diferente do grupo afastado e liderado por Denis Baú. Como diria o poeta popular: “São iguais nos interesses e nas práticas”. Uma renovação com nomes alheios aos grupos seria a melhor saída para a crise. O problema é achar um que se habilite a assumir a espinhosa missão. Voltaremos ao assunto.


Prestígio

O auditório da OAB-RO ficou pequeno e abafado para atender o número de advogados e convidados que foram à posse solene de Andrey Cavalcante na presidência da seccional. Muitos colegas advogados foram obrigados a voltar porque não havia mais espaço para acomodar todos os presentes. O que revela o prestígio do empossado.


Reforma

O auditório da OAB-RO, mesmo com suas instalações confortáveis, não tem mais condições de acomodar eventos grandes porque as cadeiras disponíveis atendem apenas às autoridades convidadas. Construído na gestão arrojada de Hiram Marques, na época era o mais moderno e maior disponível na capital. Hoje não atende à demanda dos próprios inscritos, mas continua sendo o mais moderno. Caberá ao novo presidente melhorar as instalações. Capacidade e prestígio não vão lhe faltar.

Discurso

Com o caixa da instituição no vermelho, Andrey Cavalcante optou por uma solenidade sem ostentação nem exageros. Até o coquetel foi pago com recursos de parte dos empossados. Os advogados presentes saíram satisfeitos com o tom e a qualidade do discurso de Andrey Cavalcante, um dos melhores já proferidos em eventos da mesma natureza.


Confusão

Para quem não conhece a dinâmica interna da OAB se confunde quando seus dirigentes falam em recurso em caixa e recurso da Caixa. A primeira são receitas que a instituição dispõe na conta correte. Já a segunda, a Caixa de Assistência - CAARO, é um órgão interno da OAB que tem administração e recursos próprios. São recursos repassados obrigatoriamente pelo presidente da Seccional para manter as ações específicas e obrigatórias. O caixa da CAARO é desvinculado do caixa da seccional. Não se confundem.


Manipulação

Os dirigentes empossados na OAB-RO demonstraram inconformismo com o discurso de despedida do ex-presidente Hélio Vieira quando declarou que deixou na “Caixa” quatrocentos mil reais. O que levou os presentes a concluir que eram recursos na conta corrente da instituição.


Vermelho

A verdade é que Andrey Cavalcante recebeu o caixa (conta corrente) no vermelho e prometeu divulgar os números após receber a conclusão de uma auditoria feita. É bom registrar que não há nenhuma ilegalidade sendo questionada, apenas e tão somente gastos excessivos.


Dialogar

Mas nem isto pode servir de empecilho para que os membros da atual gestão deixem de dialogar com os que encerram o mandato na seccional rondoniense. Uma OAB fortalecida e unida sempre será maior do que as querelas políticas internas. Juízo e ponderação não causam transtornos a ninguém. Já que Andrey prometeu um novo tempo e muito diálogo, mãos à obra!


Ausência

Mesmo enviando um representante ao evento da OAB-RO, a ausência do governador Confúcio Moura foi percebida. Não que fosse imprescindível, mas pelo comparecimento na solenidade do presidente nacional da OAB, Marcos Vinícius Furtado Coelho, e do Conselho Federal de Medicina, Roberto Luiz d' Ávila...


BBB

A presença do chefe do Executivo Estadual demonstraria respeito à OAB, visto que os chefes do Legislativo e Judiciário marcaram presença. As más línguas juram que a ausência ocorreu porque o evento estava marcado para a mesma hora do indefectível BBB 13. Em 2014 é ano de eleição e o eleitor já começa a olhar atentamente cada um dos pré-candidatos. É também ano de eliminação. Antes mesmo de começar o jogo, já tem candidato no paredão.

Velho estilo

O senador Ivo K-Sol (PP) anunciou que é candidato em 2014, baixou a 'poa' na administração de Confúcio Moura e desdenhou das sentenças judiciais que podem impedir as pretensões de retornar ao Palácio Vargas. O polêmico senador retornou à mídia utilizando o mesmo estilo que caracterizou sete anos do seu reinado: bateu, levou. Quem deve ter ficado assustado é o servidor público que conhece como ninguém os métodos 'kassolistas' de governar.


Limbo

Se as eleições fossem hoje Ivo K-ssol seria compelido a buscar junto ao TSE uma liminar para registrar a candidatura, visto que foi condenado pelo TRE e seu recurso ainda não foi julgado, o que geraria indubitavelmente um desgaste incalculável na suposta campanha. Como as eleições são em 2014 é possível que nem por liminar consiga o registro. É uma pretensão fadada ao limbo.


Premonição

Com o advento da lei da ficha limpa em pleno vigor nos próximos anos a renovação da classe política rondoniense vai acontecer independentemente da vontade dos atuais dirigentes. A maioria está encalacrada com a justiça e deverá ficar fora dos pleitos por oito anos, pelo menos. A situação é complicada para os que são ordenadores de despesas. Como a lei é dura, basta um pequeno deslize para ficar inabilitado a concorrer a um cargo eletivo.


Momesca

Nesta quinta-feira, início das festas momescas, o Galo da meia noite percorre uma das principais avenidas da capital. Se repetir anos anteriores, tudo indica que sim, perde apenas para a Banda em número de brincantes. É um dos maiores e melhores blocos. Arrasta uma multidão. A preocupação é a violência que campeia por aqui.


Blitz

É preciso coibir os bêbados que transformam seus veículos em armas e ceifam vidas de inocentes. Neste carnaval o Detran ainda não anunciou nenhuma operação extra. Por aquelas bandas as conversas indiscretas e com teor abjetos estão em alta.


Injúria

A divulgação feita pela Coluna Panorama Político, do jornalista Alan Alex, com um diálogo nada republicano entre o ex-secretário Jair Ramires e o vice-governador com injúrias contra a vereadora Elis Regina, redundou numa reação de desaprovação dos vereadores e do prefeito de Porto Velho. A matéria foi da melhor qualidade, no que pese os conteúdos de qualidade rasteiras. Alan Alex, mais uma vez, fez jornalismo de primeira ao retratar autoridades com diálogos de segunda. Um furo e tanto.

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 29/01/2013 02:17:55

Resenha política

Robson Oliveira


Registro

A coluna não poderia deixar de registrar a perda do colega Sued Pinheiro, vítima de um infarte fulminante. Profissional polêmico e criativo, deixa saudades e uma lacuna imensa ao jornalismo local.


Divergências

Em dezembro passado, durante uma confraternização natalina, conversamos longamente com Sued sobre o quadro político local. Discordamos de toda avaliação que fez sobre os cenários eleitorais para 2014 e ele, igualmente, rejeitou o prognóstico que ousamos fazê-lo. No final, nos confraternizamos com boas gargalhadas. Que Deus o receba. Era um cara de bom coração, mas que faltou com ele.


Quiproquó

O clima é hostil nas entranhas petistas desde que um grupo de filiados em Porto Velho passou a cobrar uma punição ao ex-prefeito Roberto Sobrinho, ao ex-secretário Joelcimar Sampaio, ao professor Israel Xavier e Miriam Saldaña. O advogado Ernande Segismundo lançou um manifesto duro contra o silêncio da direção do partido em relação à encrenca judicial que envolve os 'companheiros'.


Coerência

Ernande Segismundo rompeu com a administração de Roberto Sobrinho ainda no primeiro mandato e nunca escondeu as críticas a cada um dos aliados do ex-prefeito. Portanto, está em condições de fazer cobranças e uma assepsia interna.


Diagnóstico

Outro militante histórico que exige correção de rumos no Partido dos Trabalhadores é Neumar Silveira. Em conversa com a coluna Neumar avisou que vai reunir um grupo de filiados contrários ao rumo que tomou o partido em Rondônia. Denominado de “Nova Esquerda” o grupo também quer o expurgo do ex-prefeito e dos seus seguidores. 'É preciso refundar o PT', diagnosticou Neumar.


Mosca azul

O deputado estadual Hermínio Coelho (PSD) deverá ser confirmado na Presidência da Assembleia Legislativa para o biênio 2013 e 14. Antes mesmo de consumar a entronação um grupo de asseclas infla o ego do parlamentar com a proposta de um suposto lançamento de candidatura ao Governo de Rondônia.



Lembrança

Os antecessores do deputado Coelho que foram entronizados na presidência da Assembleia Legislativa e que sonharam com o Governo, deixaram o parlamento escorraçados e encalacrados de processos judiciais. Já os asseclas, continuam os mesmos. Relembrar é viver!



Desistiu

O deputado federal Carlos Magno (PP) garantiu que não é candidato à reeleição e vai abrir uma vaga nas eleições de 2014 para a Câmara dos Deputados. O parlamentar não esconde a decepção com o mandato por conta da submissão do Legislativo ao Palácio do Planalto. Explicou que não virou deputado para mendigar liberação de emendas. Jogou a toalha. Mas avisa que permanece na militância política e poderá disputar um outro cargo.


Lixo

Hoje, às 17 horas, na Câmara dos Vereadores da capital, acontecerá uma audiência pública da maior importância para os munícipes de Porto Velho quando as autoridades municipais vão debater os destinos do lixo e resíduos. É fundamental a participação do cidadão e dos órgãos de controle. Depois não adianta reclamar.


Marquise

A empresa responsável pela varrição e recolhimento do lixo da capital vem sendo alvo de denúncias por ganhar um fábula de recursos sem que todo o lixo seja recolhido das ruas. Nos distritos, onde a fiscalização é frouxa, as denúncias pipocam. Há ainda críticas por falta de transparência nos contratos e até acusações de supostas ilegalidades na forma como a Marquise é contratada para limpar a sujeira. O atual prefeito, antes da posse, prometeu acabar com o monopólio da empresa. Chegou a hora de cumprir o prometido.


Prestígio

O jovem presidente da OAB-RO, Andrey Cavalcante, além do dinamismo que está imprimindo numa seccional endividada, demonstrou prestígio ao ser visitado sexta-feira passada pelo candidato mais forte à presidência nacional da Ordem, o piauiense Marcos Vinícius Furtado Coelho. Praticamente com os votos assegurados para se eleger no Conselho Federal, Marcos Furtado disse que fez questão de vir a Rondônia para homenagear a liderança emergente de Andrey Cavalcante e pedir apoio.


Jantar

Após um delicioso jantar com frutos do Madeira oferecido por Andrey Cavalcante em sua residência, os advogados convidados ao regabofe ouviram e aprovaram as propostas de Marcos Vinícius para toda categoria, em especial relacionadas às prerrogativas profissionais. Este cabeça-chata, presente ao encontro, ficou ainda impressionado com as falas e as boas posições assumidas por Andrey e pelos colegas advogados rondonienses Elton Assis e Diego Vasconcelos em saudação ao candidato. Lamentei apenas não ter podido degustar o bom vinho servido por motivos de saúde. A festa de posse de Andrey é na próxima segunda-feira, na sede da seccional.


Internauta

Um leitor da coluna sugeriu que fizéssemos alguns comentários sobre uma suposta perseguição política que estaria ocorrendo contra o atual prefeito de Costa Marques. Tentamos apurar a informação e não conseguimos respostas. Razão pela qual fica impossível tecer qualquer comentário. Por enquanto.


Concurso

Outro leitor repudiou a decisão governamental em optar por realizar um novo concurso público na área de Segurança quando havia um banco de reservas de concursados aguardando apenas a convocação.


Prejudicados

Bastaria que a Secretaria de Segurança tivesse prorrogado o concurso anterior evitando gastos desnecessários com um novo certame. O que concordamos. Estamos investigando os motivos pelos quais o governo optou pelo caminho mais longo para contratar servidores numa área onde a violência assusta a população estadual. O pior é que desmotiva quem investiu para passar no anterior. Além de causar prejuízos.


Colegiado

Enquanto não houver confirmação de sentença por uma instância colegiada o senador Ivo K-Sol (PP) continuará gozando das suas prerrogativas de elegibilidade e pode pensar em voltar a disputar mais uma vez o Governo de Rondônia. A situação jurídica do senador é complicada, mas ainda não está inelegível. Pelo menos por enquanto.


Inelegíveis

Já alguns deputados estaduais em pleno mandato estão fora do próximo pleito porque foram condenados em segunda instância e vão ser alcançados pela Lei da Ficha Limpa. A lista é extensa.


Companheira

Tem provocado comentários elogiosos a assessora que acompanha o prefeito petista de Cacoal (padre Franco) em algumas viagens que faz a Brasília em busca de recursos para o município. Desde que assumiu o cargo de prefeito o padre afastou-se das obrigações paroquiais.


Carnaval

Foi correta a decisão da prefeitura de cancelar a liberação de recursos para as escolas de samba da capital. Aliás, sempre achei absurda a destinação de recursos públicos da saúde, educação e infraestrutura municipal para brincantes de escolas de samba utilizarem no carnaval. A própria legalidade desses patrocínios é questionável. A municipalidade arcar com sonorização, arquibancada, segurança, banheiros químicos para o carnaval de rua não tem problema, mas alocar recursos para a 'escola' que tem caráter privado é inaceitável.

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 23/01/2013 18:11:56

Resenha política

Robson Oliveira


Fiero

É saudável a posição do Ministério Público do Trabalho ao recomendar o cancelamento das eleições da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero). Esta coluna, ano passado, denunciou em primeira mão a tramoia que concedia a perpetuação de mais um mandato para a atual gestão. Informando, inclusive, a manipulação da ata com uma eleição antecipada de forma fajuta.


Sinecura

Não se engane o industrial, o outro pretenso candidato à presidência que está tentando se apoderar do sistema liderado pela Fiero não é diferente do atual. Esses organismos patronais necessitam ser passados a limpo porque o que ouvimos nos bastidores em “off” revela malfeitos que deixam casos similares no chinelo. A verdade é que viraram sinecuras de grupos que apenas se revezam no poder com interesses inconfessáveis. Voltaremos ao assunto com boas revelações.


Sinalização

Pelos outdoors que fixou nas principais avenidas da capital, o candidato derrotado a prefeito Mário Português (PPS) está disposto a continuar na vida pública e sinaliza que vai disputar as eleições de 2014. É uma opção de renovação na política rondoniense.


'Mosca azul'

Apesar da derrota, os votos obtidos pelo Português em Porto Velho, quando estreou nas eleições, lhe credenciaram para uma nova disputa. Precisa apenas juízo e perspicácia para avaliar os próximos passos antes que os aproveitadores o coloquem em mais uma fria. Esta é uma seara fértil à mordida da 'mosca azul' e propícia à bajulação. Especialmente para quem tem o patrimônio que ostenta. É uma pessoa de temperamento ríspido e muito franco. Apesar dos arroubos, é uma pessoa humana notável com mais virtudes do que defeitos.


Renovação

Outros dois empresários que avaliam a possibilidade de disputar cargos eletivos são Kazan da Fox e Ivan da ex-Saga. O primeiro provocou polêmica no início do ano por ter doado recurso equivalente a uma Ferrari para as obras de caridade das irmãs Marcelinas (aliás, uma ação elogiosa e que merece aplausos). Filiado ao PEN, Kazan vem ensaiando uma candidatura há algum tempo e chegou a ensaiar uma filiação ao PCdoB. O segundo, já criticado em outras oportunidades nesta coluna, revelou-se uma pessoa sensata e imune ao improviso. Ivan, filiado ao PP, decidindo disputar um cargo em 2014, vai dar trabalho aos velhos e cansados profissionais da política de Porto Velho. Além do respeito que conquistou desse cabeça-chata.


Coerente

Um dos principais defensores no Congresso Nacional da aprovação do PL das 30 horas para a enfermagem brasileira, o ex-deputado federal e atual prefeito de Porto Velho, Mauro Nazif (PSB), prometeu adotar a carga horária de trinta horas semanais para a enfermagem da capital, demonstrando coerência entre o discurso e a prática. Bem que o Estado deveria seguir o mesmo exemplo. Mas, coerência, nem todos políticos são o que julgam ser...


Promessa

Gilson Nazif, irmão do prefeito da capital e Secretário Municipal de Obras, em entrevista numa emissora de TV local, prometeu asfaltar cem porcento os bairros de Porto Velho nos próximos quatro anos. Segundo ele, os problemas municipais são de fácil de solução. Basta querer fazer. Vamos aguardar a promessa ser cumprida para verificarmos se Gilson é tão coerente quanto Mauro, irmaozão alcaide.


OAB

O presidente da OAB-RO, Andrei Cavalcante, anunciou que vai dar divulgação a um relatório produzido pelo Conselho Federal que auditou as contas de nossa seccional. Os advogados rondonienses creditaram no jovem Andrei muita esperança e esperam dele uma grande gestão e maturidade. E não caia na tentação da soberba.


Perdulários

A assessoria da Ordem não explicou quais os motivos pelos quais ainda não divulgou os dados que estão nas mãos do atual presidente, mas a coluna apurou que a situação econômica da instituição é crítica com furo orçamentário que pode passar do meio milhão de reais. Ou seja, gastaram mais do que deveriam. Destoando das críticas que a OAB faz aos gestores perdulários.


Geni

O ex-prefeito Roberto Sobrinho virou uma espécie de Geni (aquela dona retratada pela música de Chico Buarque) depois que o final de sua administração foi abreviado por encrencas judiciais. Esta coluna foi crítica a toda segunda administração do petista, mas querer impedir que ele volte ao trabalho antes do trânsito em julgado das denúncias é negar direitos constitucionais comezinhos caros à sociedade e garantidos a qualquer pessoa: bandido ou mocinho. O leitor pode e tem o direito de discordar do escriba. O que não muda nossa opinião sobre garantias individuais.


Intolerância

O problema é que não falta gente investida de autoridade, com discurso midiático, cobrando o rigor da lei e desrespeitando direitos individuais consagrados nas cartas constitucionais dos países civilizados. A guerra aberta conta a Geni petista de Rondônia lembra muito a intolerância descrita na obra 'A Rainha Margot', de Alexandre Dumas, no século XIX. Isso não significa que seja inocente das acusações que lhes pesam. Ou que não sabia de nada.


Enrolado

A condenação em primeira instância da Justiça ao senador Ivo Cassol (PPS) por ato de improbidade é o maior problema dele daqui pra frente (independente dos demais), pois bastará a confirmação por um colegiado que ele ficará automaticamente inabilitado por oito anos para disputar a eleição. Pela lei da ficha limpa nem precisa aguardar o trânsito em julgado. Eis aí o problemão, pois dificilmente estará apto para as eleições 2014. Mesmo sendo duro na queda.


Burrice

O Secretário de Administração, Rui Vieira, termina sendo responsabilizado pelas nomeações que são feitas no Palácio do Governador sem que ele opine. O problema é que não fizeram a reforma prometida e incharam a SEAD com os cargos comissionados que atenderiam às novas nomenclaturas que o governo pretendia implementar com a reformulação da administração estadual e desistiu. Coisa de jerico.


Desconhecido

Basílio Leandro de Oliveira, desconhecido Superintendente de Turismo de Rondônia, anuncia a presença com empresários para discutir ações voltadas para o setor. Ora, depois de dois anos, ele anuncia que pretende fazer algo pelo Turismo rondoniense. Deve ser este o motivo pelo qual o estado capenga na exploração de uma área rentável até no Piauí, castigado pela seca. Quem é mesmo Basílio?


Vaga

Uma vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE) vai ser aberta com a aposentadoria compulsória do Conselheiro José Gomes. Nos bastidores a disputa começou e vai render muita confusão.


Preferidos

A vaga no TCE é de indicação do governador, mas necessita que o nome ungido por Confúcio Moura seja submetido e aprovado pelos deputados estaduais. Aí é que a confusão se instala porque os atuais nomes mais fortes junto ao Chefe do Executivo, Marcelo Bessa e Gilvan Ramos, Secretário de Segurança e ex-Secretário de Saúde, respectivamente, não agradam à maioria dos parlamentares. Tem deputado que sonha com a vaga.


Antecipação

Hoje é imprevisível apostar em um nome para o TCE. Mas vamos nos esforçar para antecipar o favorito. Já identificamos movimento de setor que sequer vota ou indica, mas pressiona para influenciar. Aguardem!

 

Cretinice

Não vi a assessoria do Detran informar a imprensa sobre quais foram os procedimentos adotados em relação a prisão um  dos seus importantes funcionários numa blitz da Lei Seca. Quando algum figurão é pego dirigindo embriagado o Detran faz o maior escândalo e a assessoria alimenta a imprensa com informações. Em relação ao chefe da sua  procuradoria  fisgado na blitz bebum, nada!  Dois pesos e duas medidas no tamanho cretino.

 

 

Descartado

Por enquanto o atual titular da Casa Civil pode ficar tranquilo porque o governador descartou novas mudanças no primeiro escalão e quer mais eficiência nas ações administrativas para melhorar a popularidade do governo nos municípios mais densos onde o desgaste é maior. Assessores próximos a Confúcio Moura garantem que ele não revela se é candidato a reeleição. Lorota, não torna público porque a avalição atual é um desastre. Conseguindo melhorar (o que a coluna duvida) coloca o bloco na rua. 

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 16/01/2013 17:56:40

Resenha política

Robson Oliveira



Retorno

Depois de um mês de férias na aprazível João Pessoa estamos nós aqui de novo. As férias não foram melhores porque fui obrigado a me submeter a uma cirurgia no ombro direito para recompor os tendões, retirar um esporão e lubrificar uma bursite que está obrigando este cabeça-chata a ficar com o braço imobilizado por trinta dias e gemer toda vez que vai dormir. Já a coluna, com ajuda da esposa, vamos ditando e ela digitando para retornar ao batente.


Nazif

Ontem assisti a uma entrevista concedida pelo prefeito Mauro Nazif ao programa Câmara 11, da TV CANDELÁRIA. Seguro, pés no chão vi um prefeito consciente do problema que está encarando e não reclamando da herança recebida.


Lua de mel

Diferente dos prefeitos que optam em passar meses criticando os alcaides que saíram para esconder a própria incompetência, Nazif explicou algumas ações que pretende implementar e agradeceu o apoio que vem recebendo do munícipe. Ora, se a população vota contra a administração que está no poder é porque já sabe antecipadamente que vai ruim e precisa mudar. Nazif não inovou, foi apenas sincero. Esta lua de mel com o munícipe tem data de vencimento.


Mentira

As obras inacabadas dos viadutos foram parte do desgaste que corroeu a reputação do ex-prefeito da capital, hoje endemoniado Roberto Sobrinho. Mauro Nazif garantiu ao CQC que os recursos para a conclusão das obras existem e saberá concluí-las. A afirmação não foi totalmente sincera, pois esta coluna tomou conhecimento de uma reunião ocorrida segunda-feira passada, na sede do Dnit em Brasília, exatamente sobre estas obras, que desmentem o que disse o prefeito ao programa da Band.


Inviável

O Dnit decidiu requerer da prefeitura de Porto Velho a prestação de contas dos gastos com as obras inacabadas dos viadutos. Significa dizer que, independentemente do prefeito de plantão, a prefeitura é obrigada a apresentar os gastos e eventuais saldos.


Batata turca

O problema é que o Dnit tem revelado em conversas informais que a obra não será concluída este ano e quer repassá-la para o Estado. Tudo o que o governo confuso do Confúcio Moura não precisa para inviabilizar-se de vez no maior colégio eleitoral estadual. A batata quente deverá ficar mesmo nas mãos do turco (Nazif). Aí a lua e o mel se esvaem.


Permissividade

Ao nomear o irmão Gílson Nazif para a Secretaria de Obras da Capital, o prefeito Mauro Nazif repete o mesmo erro de alguns governantes colocando nos cargos públicos familiares que passam a exercer verdadeiramente o poder outorgado pelo povo.


Burrice

Mauro ainda incorre no mesmo risco de Confúcio Moura que foi obrigado a demitir as irmãs do primeiro escalão por exigência do Legislativo. Portanto, Gílson passar a ser o calcanhar de 'Aquiles' de Nazif. Os zelosos vereadores, que não são bobos, sabem disso. Nem o histórico político limpo do prefeito foi capaz de impedi-lo de praticar tamanha solene burrice no dia da posse. Quem viver verá.


Camarilha

Recebi um e-mail do conceituado advogado e militante do PT, Ernandes Segismundo, denunciando uma suposta manobra do presidente municipal petista (Porto Velho), Tácito Pereira, visando impedir que o ex-prefeito Roberto Sobrinho seja julgado pela Comissão de Ética do partido, apesar de haver três representações. Esta coluna já havia alertado que a vida partidária do ex—prefeito não seria fácil nas entranhas petistas. Piorou depois das operações policiais que desvendaram supostos malfeitos. Nada de novo.


Blindagem

Comenta-se nos gabinetes parlamentares em Brasília que o Diretório Nacional do PT poderá sair em socorro do Sobrinho, evitando expurgos em Rondônia. Há quem aposte na reabilitação do ex-prefeito. Como na política e na medicina não podemos assegurar “nem nunca nem sempre”, a ressurreição pode ocorrer. Assim como a blindagem. Apesar do escriba ser um incrédulo convicto.


Fritura

O competente Diretor do DER, Lúcio Mosquini, foi apontado como sendo o responsável pela indicação de Emerson Castro para a Secretaria de Estado de Desenvolvimento, mas é pura lorota. A verdade é que há gente no próprio governo detonando Mosquini. Aliás, caberá ao Lúcio Mosquini a responsabilidade de tocar um conjunto de obras com os recursos do BNDES assim que as chuvas cessarem.


Sugestão

Emerson Castro já havia sido sugerido ao governador pelo setor empresarial ligado ao turismo para assumir a pasta da área. A sugestão havia sido acatada, mas diante da inoperância do titular da SEDES, Moura aproveitou e optou por nomear Castro para o Secretaria de Desenvolvimento. Uma boa aquisição.


Perseguição

Ninguém em juízo perfeito acreditaria que na administração de Confúcio Moura alguém fosse perseguido independentemente das “razões”. Mas pelo que denuncia o professor Francisco Xavier Nunes a toda poderosa Secretária Estadual de Educação, Izabel Luz, anda metendo os pés pelas mãos e perseguindo aqueles diretores que ousam discordar de suas sapiências e suas ordens. Em artigo bem articulado Xavier revela as perseguições e critica a forma com Luz age contra quem não se alimenta de suas energias. Exagera apenas ao cotejar esta permissiva prática do governo passado com o atual. Em se tratando de caça as bruxas nada se compara ao passado.


Frouxo

O governador Confúcio Moura decidiu não meter o bedelho na sucessão da Assembléia Legislativa evitando, no entanto, voltar a ser chamado de frouxo pelo deputado Hermínio Coelho que notabilizou-se neste primeiro biênio pela incontinência verbal contra o chefe do executivo. A ordem de Moura aos seus auxiliares é esquecer de abater as pretensões de Coelho em permanecer por mais dois na presidência da ALE. Deputados aliados do palácio discordam da ordem do governador.

« 1 ... 50 51 52 (53) 54 55 56 ... 65 »