Resenha Política - RESENHA POLÍTICA ROBSON OLIVEIRA - Notícias
(1) 2 3 4 ... 69 »
Resenha Política : RESENHA POLÍTICA ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 20/04/2021 23:45:11

MENTIROSO 

Após a visita do governador de Rondônia Marcos Rocha ao presidente Bolsonaro, ocorrida uns quinze dias atrás - quando relatou ao presidente que em Rondônia não teria adotado nenhum ação mais restritiva contra a Covid -, o deputado federal Coronel Chrisóstomo (PSL), em retaliação, também procurou o presidente para desmentir o governador que, na reunião com o presidente, garantiu que não teria baixado decretos restringindo a abertura das atividades comerciais. Munido dos decretos baixados pelo governo rondoniense, o deputado mostrou ao presidente que o governador havia mentido.

VASSALAGEM 

Independentemente das questões de fundo que envolvem a pandemia, ambos (Rocha e Crisóstomo) são bolsonaristas de carteirinha e querem a qualquer custo agradar o presidente, mesmo que a adoção das medidas para conter a proliferação do vírus e salvar vidas seja relegada a segundo plano. A prova de que há uma relação umbilical de dependência do governador ao suserano, ficou patente quando o governador decidiu abrir todos estabelecimentos no final de semana, mesmo com o sistema estadual de saúde ainda estar sobrecarregado, depois que a caguetagem do deputado federal ao presidente começou a ser replicada nas mídias sociais.  

FROUXO 

Com a repercussão do vídeo feito pelo deputado Coronel Crisóstomo e que provocou impacto entre os eleitores bolsonaristas de Rondônia, colocando Marcos Rocha em situação vexatória, o governador cedeu e liberou geral as atividades econômicas, apesar do alto registro de óbitos. Por estas e outras razões que o  coronel deputado tem repetido onde passa que o colega de patente é frouxo. Aliás, o parlamentar não economiza adjetivos depreciativos quando o alvo é o governador. E atira para todos os lados.  

FILIAÇÃO 

Marcos Rocha certamente será candidato à reeleição e será obrigado a buscar um partido que viabilize sua pretensão, visto que pediu desfiliação do PSL assim que virou governador. Para retornar à legenda é obrigado a aparar as arestas que ele próprio criou com os integrantes da direção do partido, entre eles o deputado federal Coronel Crisóstomo e o ex-candidato a senador Jaime Bagotteli.  

ISOLADO 

Há um percepção no meio político estadual de que o único mandatário que se antecipou à pandemia e se isolou foi exatamente Marcos Rocha. Isto restou claro quando impôs no exercício do governo que dialogaria com a sociedade e os agentes políticos somente pelas redes sociais cuja ferramenta catapultou sua ascensão inesperada ao Governo de Rondônia. O que não imaginava é que a ferramenta que outrora ajudou em sua vitória é a mesma que hoje pode ser fatal na sua reeleição. Principalmente pela decisão de governar de forma isolada e sem um suporte partidário e político que sirva de contenção às críticas. 

BUFÃO 

Membro do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Geraldo de Rondônia vem se notabilizando em seu mandato mais pelas condutas incompatíveis com o cargo do que pela produção legislativa. Não são poucas as representações contra o parlamentar que colocam o Poder Legislativo em situação constrangedora, embora nenhuma delas tenha ainda sido apurada. Mas, ao que parece, o parlamento estadual está decidido a por fim aos vexames do deputado ao acolher uma denúncia que supostamente teria ferido o código de ética no exercício do mandato. As condutas reprováveis do parlamentar merecem uma reprimenda mais firme do legislativo estadual já que ele é contumaz na quebra do decoro.  

DUBIEDADE 

Embora a maioria dos membros do Conselho Federal de Medicina apoie a prescrição do tratamento precoce a base das drogas que compõem o “Kit Bolsonaro” contra covid-19 em seu estágio inicial, na última segunda-feira (19), durante audiência da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado, o vice-presidente do CFM, Donizette Giamberardino Filho, declarou que o órgão “não recomenda e não aprova tratamento precoce”. Também não recomenda nenhum tratamento do tipo protocolos populacionais contra o vírus. A declaração inova em razão da posição que o conselho adotou ano passado, no primeiro surto da pandemia, quando aprovou parecer que facultou aos médicos a prescrição da cloroquina e da hidroxicloroquina para pacientes com sintomas leves. Recomendação seguida majoritariamente pelos profissionais da área em Rondônia.  

HABEAS CORPUS 

A mudança inesperada de entendimento do CFM, revelada no Senado, segundo a vice-presidente, tem um alcance ainda maior quando afirmou que “ esse parecer não é um habeas corpus para ninguém”. Trocando em miúdos: o parecer do CFM emitido ano passado não é hoje uma orientação ao médico em prescrever as drogas do Kit precoce – que não tem comprovação científica de efeito curativo sobre o coronavírus – mas tão somente a proteção das prerrogativas do profissional em prescrever os remédios mais adequados a cada caso concreto que se depara. Os reflexos deletérios das prescrições sobre a saúde dos pacientes, seja em relação ao kit em comento, seja quanto à prescrição de outras drogas, estão sujeitas a apuração de infração ética. Portanto, as sequelas que eventualmente o “kit Bolsonaro” causar aos pacientes são de responsabilidade de quem o prescreveu e pode ensejar contra os profissionais ações administrativas disciplinares e criminais, sem prejuízos das ações civis indenizatórias.  

VAQUINHA 

A pandemia afetou várias atividades econômicas e uma das mais atingidas é sem dúvida o pequeno comércio: bares, restaurantes, mercadinhos, biroscas, enfim, as atividades formais e informais. Mas entre eles, aqui em Rondônia, assim como demais estados, existem alguns que fazem parte da história da cidade principalmente em razão da produção cultural. Porto Velho não é diferente. Em razão disto se formou uma grande corrente de empresários, professores, intelectuais, médicos, advogados, operadores do direito do estado, mentirosos, enfim, das mais variadas tendências para salvar o ‘Buraco do Candiru’, o boteco que consegue juntar todas essas pessoas sob o  mesmo teto e, com as restrições de funcionamento impostas pela pandemia, está sob a ameaça de fechar as portas. Para evitar esse prejuízo cultural uma vaquinha está sendo feita através da aquisição de uma rifa que sorteará um garrote. Quem quiser colaborar com a salvação da birosca quase intelectual contribua com a rifa. Pode ser que você não se torne um intelectual, mas contribuirá para que as estórias dos mentirosos sejam contadas e perpetuadas na capital. A vaquinha pode virar um bom churrasco. E tira o boteco do buraco que a pandemia quer enterrar.   

HOMENAGEM 

O rondoniense Manoel Carlos Neri da Silva, ex-presidente do COFEN e atual do Coren-RO, é uma das personalidades nacionais da saúde a ser laureado com o prêmio dos “100 mais influentes na Saúde da Década”. A premiação é uma organização da festejada Revista Healthcare Management, de São Paulo e ligada ao grupo Mídea. É considerado o “Oscar” da área. Um rondoniense escrevendo a boa história, em meio a tanta escassez de orgulho.

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 06/04/2021 23:23:07

RESENHA POLÍTICA 

ROBSON OLIVEIRA 

 

FILIAÇÕES 

Com  a proximidade das eleições de 2022 os caciques começam a arregimentar filiados com possibilidades eleitorais para garantir o coeficiente eleitoral e o maior número de eleitos, visto que não há mais coligações. PSD, PSDB, MDB, DEM E PODEMOS saíram na frente. O PSL perdeu Marcos Rocha e não tem conseguido seduzir nomes densos para sua legenda.  

 

MENU 

Embora ainda haja alguma ligação no estado entre Democratas e Tucanos, as relações dos principais caciques das legendas, senador Marcos Rogério e o prefeito da capital Hildon Chaves, andaram estremecidas depois que ambos passaram a ser especulados como prováveis candidatos a candidatos a governador. Os bombeiros das duas legendas entraram em campo e agiram rápido para apaziguar os ânimos. Domingo passado jantaram juntos e o cardápio devorado constava os adversários já conhecidos. 

 

VONTADE 

Perguntado sobre a hipótese de uma candidatura ao Governo de Rondônia o prefeito Hildon Chaves desconversa, apesar de que no semblante é perceptível a satisfação. Com o período das chuvas cessando nos próximos quarenta dias o prefeito pretende manter um ritmo de asfaltamento intenso, dando visibilidade à gestão. Quem o conhece sabe que a vontade de governar o estado é grande, mesmo tendo no grupo político outro pretendente à vaga que fará de tudo para inviabilizá-lo.  

 

INERTE 

Já o governador Marcos Rocha, ainda sem partido, se mantém inerte em relação à reeleição. Evita comentar publicamente sobre o tema e em privado avalia as probabilidades eleitorais. Como é um dos governantes que venceu as eleições passadas no vácuo do atual presidente Bolsonaro, não conseguiu até o momento atrair para um eventual projeto de reeleição alguém com capilaridade eleitoral capaz de ajudar a catapultá-lo para o segundo mandato. Em 2022 será compelido a defender os feitos da sua administração e obrigado a se defender das críticas dos adversários, o que exigirá muito mais do candidato do que a suposta amizade com Bolsonaro, o que, aliás, não serviu para trazer o volume consistente de recursos para Rondônia tão prometido em 2018.  

 

PESQUISA 

A coluna está monitorando de longe duas pesquisas que estão sendo encomendadas para maio sobre a sucessão estadual. Nesta terça-feira (6), pela primeira vez, uma pesquisa nacional mostra que se as eleições fossem hoje o ex-presidente Lula venceria em todos os cenários, inclusive contra Jair Bolsonaro. A pesquisa é de responsabilidade da XP, a queridinha do mercado financeiro nacional.  

 

ISOLADO 

Mesmo em queda, Rondônia é um dos pouquíssimos estados onde o presidente ainda goza de popularidade, apesar de que esta aprovação aparentemente não é suficiente para melhorar a imagem do governador, que com a incapacidade de conter a pandemia e vacinar a população ficou destroçada. Como não há em curso uma revoada partidária em direção à reeleição do governador – adesões que sempre ocorreram em reeleições -, as pesquisas servirão de guia para os caciques definirem o futuro.  Marcos Rocha continua sem partido, sem vacinas e sem defensores. Vive isolado, literalmente.  

 

DERROCADA 

Ainda é muito cedo para cravar um prognóstico eleitoral porque a política é como nuvem: “você olha ela está de um jeito, olha de novo e ela já mudou”. Mas a pesquisa da XP/IPESP é um indicativo de que o bolsonarismo começa a cair avassaladoramente na mesma velocidade que aumentam os óbitos pela Covid.  

 

QUINTA COLUNA 

Nem o kit precoce, composto por um vermífugo, um remédio para malária e um antibiótico,  tem ajudado a conter a derrocada do capitão, mesmo com a ajuda de parte dos médicos brasileiros que prescreve e defende a infamante medicação contra a Covid-19, sem comprovação científica. Essa quinta coluna também não acredita em pesquisa e tem contestado nas redes sociais os números apontando a derrocada do capitão. E a população tem percebido a incompetência do governo ao lidar com a pandemia, a mesma que nos Estados Unidos ajudou a sepultar a reeleição de Donald Trump e tende a se repetir abaixo da linha do Equador, conforme pesquisa.  


   ZÉ DO GORRO 
   O Secretário estadual da Saúde Fernando Máximo usa em qualquer ocasião um gorro (não é o hospitalar) como marca                       própria que o diferencia entre os auxiliares do governo. Máximo não dispensa o gorro nem quando viaja para outros         estados     e embarca nas aeronaves parlamentado com paletó, grava e o indefectível gorro. Em razão o acessório já ganhou o         
   epíteto de "Zé do Gorro".  De pandemia o secretário entende pouco, mas é eficiente em chamar atenção com o marketing no           quengo. 
   

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 04/04/2021 12:08:14

RESENHA POLÍTICA  ROBSON OLIVEIRA 

CONTRAMÃO 

No mesmo dia em que o país bateu recorde de óbitos por Covid-19, o Desembargador Roosevelt Queiroz, Tribunal de Justiça de Rondônia tornou sem efeito a correta decisão da juíza Juliana Couto Matheus Maldonado Martins de suspensão do decreto estadual que autorizava a abertura do comércio e templos religiosos durante o feriado  da Páscoa. O decreto vai na contramão dos relatórios epidemiológicos produzidos por pesquisadores que recomendam ações mais rígidas dos governos para conter a pandemia e diminuir o avassalador número de mortes. 

DESASTRE  

Todos os cenários dos especialistas indicam que atingiremos os cinco mil mortos diários em poucos dias, caso medidas de isolamento social mais rígidas não sejam adotadas. Em Rondônia já passamos dos quatro mil óbitos, inclusive no meio judiciário. Na maioria dos estados é o judiciário que tem sido um forte aliado para que os governos adotem as medidas mais adequadas sugeridas pelos especialistas da saúde para minimizar o número alto e amedrontador de mortos. Embora alguns governantes optem prioritariamente por salvar as atividades comerciais, aqueles juízes arbitram em favor da vida. O país vive um desastre sanitário obrigando outras nações a fecharem as fronteiras aos brasileiros. Não vê quem não quer. E ao que parece o desastre atinge outros setores...

GUARDIÃO 

Pode falar o que quiser, mas o Ministério Público colabora de forma incisiva com as autoridades sanitárias e tem sido diligente ao requerer ações mais afirmativas e firmes para que a pandemia seja contida, salvando, assim, novas  vidas. 

AGLOMERAÇÃO 

É uma empulhação intelectual alegar a liberdade religiosa como justificativa para escancarar as portas dos templos propiciando a aglomeração. Rezar é um direito de todos e essa liberdade pode ser exercida nas próprias casas, o que ninguém ou nenhuma autoridade vai proibir.  O que se evita com as igrejas de portas fechadas neste momento crítico da pandemia é a aproximação entre as pessoas e, portanto, a propagação do vírus e a doença. Afirmar que isto significa alguma tentativa de censura religiosa é um embuste letal. 

UTI 

Nenhuma autoridade, até mesmo o cidadão comum, desconhece a crise aguda por que passa todo o sistema saúde, seja público, seja privado, com as Unidades de Terapia Intensivas lotadas de pacientes de Covid. Também é de conhecimento público que as equipes de saúde multidisciplinares exigidas para cuidar da doença estão sobrecarregadas e não há profissionais disponíveis no mercado para serem contratados. Em razão disso os especialistas indicam rigidez nas medidas preventivas de isolamento para que o sistema ganhe fôlego e fique em condições de atender melhor seus pacientes. Não compreende a realidade quem não quer. 

IMPORTUNAÇÃO 

Embora também haja uma campanha nacional em curso combatendo crimes contra as mulheres que, com a pandemia, teriam aumentado, muitas delas são vítimas dos assédios mais variados e vulgares, principalmente em condomínios fechados. A coluna conhece um caso escabroso em que uma jovem assediada por uma autoridade terminou perdendo o emprego para evitar que o escândalo tomasse proporções maiores. A solução foi indenizar a jovem e rachar o prejuízo com os demais condôminos. Reza a versão que a jovem teria visitado o leito oficial e o local de trabalho para saciar a lasciva da autoridade enquanto a esposa viajava. A ironia é que a autoridade encapada professa publicamente uma vida casta, mas em privado a permissividade.  

VACINAS  

O prefeito Hildon Chaves confirmou ontem (1) que enviou a carta de crédito ao Fundo Americano que comercializa parte das vacinas produzidas pela AstraZeneca, concluindo todas as tratativas burocráticas exigidas pelas transações comerciais internacionais. Agora é aguardar que o Fundo cumpra a sua parte enviando as 400 mil doses da vacina para Porto Velho. Após este anúncio, Marcos Rocha, governador de Rondônia deu também uma ótima notícia de que estaria importando da Rússia um milhão de doses da Sputnik V.  

SPUTNIK 

Para surpresa de todos a Anvisa informou na quinta-feira (1) que nove estados haviam encaminhado o pedido para importação da vacina Sputnik V, da Rússia. 

SÃO TOMÉ 

Embora o governador de Rondônia tenha anunciado a aquisição de um milhão de doses exatamente da vacina Russa, na lista de importação revelada pela Anvisa não consta o pedido de Rondônia. É possível que Marcos Rocha esteja fazendo as tratativas de importação isoladamente dos demais entes estaduais, como fez Hildon Chaves, mas é bom dar transparência para evitar fake news; aliás, palavra tão repetida pelo governador. Até que provem o contrário, a palavra do governador é a que vale. Como cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, é melhor acreditar com parcimônia. 

FURIOSO 

De tanto abusar das redes sociais para culpar os antecessores pelas mazelas herdadas na prefeitura de Cacoal, o atual prefeito recebeu uma invertida da ex-prefeita Maria Simões que, entre outros adjetivos, o chamou de descarado. A invertida teria deixado o prefeito Adailton  furioso da vida, mas é bom ele baixar a bola e ouvir uma frase profética da antecessora antes que seja tarde.: “vai terminar mal”... Deduz-se da frase que a antecessora profetiza que o atual prefeito não concluirá o mandato. Algo que em Cacoal tem sido uma regra. 

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 30/03/2021 23:31:25

Lockdown não traz serventia; Marcos Rocha é prova real que o kit não tem serventia; Hildon tem se empenhado

A íntegra da coluna redigida pelo jornalista Robson Oliveira

 Lockdown não traz serventia; Marcos Rocha é prova real que o kit não tem serventia;  Hildon tem se empenhado

PERPLEXIDADE 

Ouvi atentamente uma entrevista concedida por um médico de São Paulo a uma emissora de rádio e TV da capital sobre o tratamento precoce da Covid-19, antes da infecção. É um tema que deveria ficar circunscrito aos especialistas, mas passou a ser abordado pelos generalistas, embora médicos. O que causou perplexidade a este cabeça chata foi uma afirmação do entrevistado garantindo que o lockdown não traz serventia nenhuma, ao contrário, teria provocado um aumento de 14% de mortes em relação às cidades que não adotaram. Para dar veracidade à declaração, o entrevistado indicou uma fonte que, verificada pela coluna, não é conclusiva da forma como foi dita. Perplexidade é pouco.  

LOCKDOWN 

Dois artigos publicados na revista Nature, disponíveis na internet, já apresentavam desde julho do ano passado estimativas dos efeitos iniciais das medidas restritivas. Um deles (Hsiang et al), tratando das medidas de redução de contágio adotadas em 1,7 mil diferentes localidades da Ásia, Europa e EUA, até então, sugeria que mais de 140 milhões de infecções haviam sido "evitadas ou adiadas" graças às restrições. Outro (Flaxman et al), sobre 11 nações europeias, calcula que 3 milhões de vidas haviam sido salvas pelas restrições. São números expressivos que majoritariamente a comunidade científica atesta como corretos. Não há um único trabalho sério dos negacionistas, com conclusões contrárias,  que seja utilizado como referência pelos especialistas e cientistas. Exceto os médicos generalistas.  

EXEMPLOS  

A literatura não para por aí. Em julho, artigo no British Medical Journal (Islam et al), avaliando medidas de distanciamento social em 149 países - de restrições ao transporte público, passando pela proibição de aglomerações públicas e chegando ao lockdown (definido pelos autores como controle da movimentação dos cidadãos) - estima que tais medidas, em conjunto, haviam causado uma redução média de 13% na incidência da Covid-19; sendo a adoção de lockdown nos estágios iniciais da intervenção um fator que amplificou o benefício. Tais informações podem ser encontradas no site Viva Bem, referência sobre Covid.  

FALSO 

Não bastassem os dados confusos e informações científicas questionáveis, durante a entrevista o médico disse sem nenhum pejo que as medidas restritivas adotadas pela cidade paulistana de Araraquara foram inócuas. Verificando os dados oficiais disponíveis no site do município vamos concluir que a declaração não se sustenta e que, o lockdown adotado no interior paulista, foi exitoso. Ora, afirmar que durante a decretação dessas medidas restritivas teria aumentado as mortes é um absurdo, em razão de que, para aferirmos os dados, os casos que confirmam as infecções ocorrem sete dias após o lockdown. Portanto, no números de mortos que eventualmente sejam computados durante a adoção destas medidas, a infecção ocorreu antes do decreto de isolamento. E não durante o lockdwon.  

CURIOSIDADE 

Para defender o chamado tratamento precoce, ou seja, o uso daquelas drogas que cientificamente não combatem o coronavírus (ivermectina, hidroxocloroquina, entre outras), os generalistas utilizam de contorcionismos farmacológicos como lastro terapeuta. Uma curiosidade não passa despercebida da coluna, visto que aqui é onde concentra uma parcela enorme de profissionais da medicina que defende o uso terapêutico precoce com o kit covid. E o curioso é que a capital rondoniense é proporcionalmente a segunda do país com mais óbitos. Daria um bom material de estudo investigatório se tais fatos têm a ver um com o outro. O resultado dissiparia a lorota que propagam por aí nossas autoridades.  

ADESÃO 

Em uma live feita pelo governador Marcos Rocha com profissionais da medicina ficou clara a defesa do chefe do executivo estadual do uso precoce com o kit covid na rede estadual. Como é um defensor do tratamento precoce, concluímos que Marcos Rocha seja também um usuário do kit. Nem assim se livrou de passar duas semanas internado numa unidade hospitalar privada da capital quando precisou dos cuidados para curar das consequências infeciosas provocadas pelo coronavírus, conforme anunciou ano passado pelas mídias sociais. Marcos Rocha é prova real que o kit não tem serventia, confirmando o que dizem os especialistas em doenças infeciosas e parasitárias e todo o mundo científico.  Tempos difíceis, impensáveis há pouco tempo, ter que lidar com a ignorância que mata.

DROGAS 

Apenas uma afirmação a coluna concorda com o médico entrevistado, utiliza o kit vermífugo quem quiser. Nem os médicos que fazem dessas drogas uma salvação podem prescrever sem que o paciente concorde. Embora seja uma justificativa igualmente falsa porque a pessoa doente segue toda a prescrição do seu médico. Somente os mais curiosos que leem as bulas e verificam a composição das drogas é que eventualmente questionam algumas prescrições. 

RUPTURA  

Independentemente das simpatias ou não com o governo do presidente Jair Bolsonaro, apenas o debate de uma suposta ruptura constitucional é algo grave em qualquer democracia digna de respeito. Os filhos e seguidores do presidente insistem em flertar com um golpe constitucional, o que é absolutamente reprovável, inclusive em razão dos acenos do mandatário. A crise aberta com a demissão do Ministro da Defesa, ao se opor que as Forças Armadas sejam envolvidas com a política, revela a faceta mais sombria de um governante que flerta desde o primeiro dia de governo com a ruptura constitucional. Ainda bem que nossas forças são fortes o suficiente para evitar aventuras de um louco qualquer. Pelo menos por enquanto... 

VACINAS EM PORTO VELHO

Todas as tratativas burocráticas exigidas pelas negociações internacionais para que o município de Porto Velho adquira as quatrocentas mil doses de vacinas AstraZeneca estão sendo concluídas. Mesmo com alguns setores políticos  torcendo contra por razões mesquinhas, as negociações estão avançadas com o Fundo Americano investidor da vacina produzida por Oxford. O prefeito Hildon Chaves tem se empenhado pessoalmente para vencer os entraves burocráticos em razão das normas rígidas envolvendo a compra. No momento, por exigência do Banco Central, o município está encaminhando a documentação suplementar para que a carta financeira seja expedida em favor do Fundo.  

PROGRAMAÇÃO 

Segundo o prefeito da capital, diferente da Sputnik V que ainda aguarda a liberação pela ANVISA, a vacina adquirida pelo município está liberada para importação. A programação de trintas dias, conforme anunciado, ainda se mantém. Embora sejam tratativas de importação complexas e que exigem uma logística eficiente.  

PROGRAMAÇÃO II 

Instado a falar sobre um eventual atraso, propagado pelos adversários, o prefeito disse que lamenta alguém torcer contra a compra da única salvação para conter a pandemia. “Minha parte estou fazendo. Não fiquei parado esperando que o Ministério da Saúde consiga enviar as doses suficientes para imunizar a população de Porto Velho, fui atrás e estamos comprando. Caberá agora o vendedor cumprir sua parte. O que espero que ocorra dentro do programado. Torço para que o governo estadual e outros municípios de Rondônia também consigam adquirir as vacinas para que possamos voltar à nova normalidade”, observou Chaves.  

GOLPE 

Hildon explicou que todos os cuidados foram adotados pela prefeitura da capital para que os recursos destinados à compra da vacina não sejam surrupiados. Por se tratar de uma operação comercial complexa a prefeitura exigiu da contratada um seguro que ateste as vacinas, a segurança do transporte até Porto Velho e indenização na hipótese de extravio da carga. A possibilidade de o negócio virar um engodo é mínima. “Tudo que está ao nosso alcance para a compra das vacinas está sendo providenciado. Sou um otimista e tenho certeza que o vendedor vai entregar o mais rápido possível, mesmo com a preferência de envio para os países que responsavelmente primeiro adquiriram”, frisou.  

REFELEXÃO 

O leitor, Maurílio Vasconcelos, um dos mais bem informados, envia à reflexão os seguintes dados: 

"Caro amigo, o governo do estado recebeu do Ministério da Saúde 70.408 doses, e o governador promete comprar mais 1 milhão de doses. Com as quatrocentos mil doses anunciadas pelo prefeito da capital teremos a disposição do estado um milhão e quatrocentas e setenta mil e quatrocentas e oito doses para uma população de um milhão setecentos e quarenta e nove habitantes. Caso tudo dê certo teremos um dos maiores percentuais de vacinação no Brasil, com 84,07% de pessoas vacinadas. Assim sendo só perderíamos para Israel. Hoje nosso percentual de vacinados é um dos menores entre os estados do Brasil".  Concordo com Maurílio Vasconcelos, intelectual da melhor cepa. Resta agora a pergunta: combinaram com os Russos? 

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 26/03/2021 22:27:24

RESENHA POLÍTICA  

ROBSON OLIVEIRA 

 

2022 

Ao subir o tom das críticas contra a administração estadual e a municipal da capital em defesa das providências para conter o coronavírus, o deputado federal Léo Moares (Podemos) sinaliza que tem interesse de entrar na disputa eleitoral para substituir o coronel Marcos Rocha (sem partido). É o parlamentar da bancada federal mais bem avaliado que se prepara para voos mais altos. Embora tenha desistido de disputar as eleições municipais da capital por razões ainda não bem claras, não é um político de se acuar quando decide encarar um embate. No segundo semestre, quando todos esperam (e oram)  que a pandemia esteja mais controlada com a vacinação, as eleições de 2022 assumem o protagonismo. O que é natural.  

 

VACINAÇÃO 

É um bálsamo a informação de que o Governo de Rondônia esteja prestes a adquirir um milhão de doses de vacinas - Sputnik V - da Rússia. Ainda comprada por um governador que seguia fielmente as (des) orientações do Governo Federal em desqualificar imunizantes oriundos de países ideologicamente de “esquerda”. Com mais as quatrocentas mil doses anunciadas semanas atrás pelo prefeito da capital, em poucos meses os rondonienses estarão bem servidos na vacinação para melhorar o percentual risível que hoje temos de vacinados. 

 

PLANO 

Mesmo que as vacinas a serem compradas pelo Governo de Rondônia e pela Prefeitura da Capital sejam incluídas no Plano Nacional de Imunização, as aquisições não perdem a importância para os rondonienses, visto que outros governadores estão também adquirindo e o que todos esperam é uma imunização em massa que diminua o mais rápido possível os percentuais de mortos.   

 

ANVISA 

A vacina Russa (Sputnik V) não possui ainda autorização da ANVISA para que seja utilizada no Brasil. Isto não significa que as tratativas de comercialização fiquem paralisadas aguardando os trâmites legais, ao contrário, uma coisa não inviabiliza a outra. Quando receber a certificação da agência reguladora brasileira, o que ocorrerá em breve, a burocracia internacional exigida nesses negócios estará avançada. O que evita atrasos na agenda de vacinação estabelecidas pelos governadores. O exemplo dado por Hildon Chaves fez com que Marcos Rocha se movesse e seguisse o mesmo caminho. A população agradece. Vacinas, já! 

 

MORTES 

É assustador o números de óbitos em Rondônia nas duas últimas semanas, em razão da Covid-19. A média diária tem ultrapassado a casa dos cinquentas mortos, inclusive alcançado os sessenta. Não há pessoa no estado que não conheça alguém que teve a vida abreviada pelo vírus. E cada dia o número de óbitos tem crescido. E o sistema de saúde público e privado colapsado. Aliás, é tanta gente infectada que nenhum sistema se sustenta. Seja aqui, seja alhures.  

 

LOCKDOWN 

Há uma desinformação em relação aos efeitos do lockdown na pandemia devido a uma politização estúpida que tomou as mídias sociais, muito por culpa do presidente Bolsonaro que tratou o vírus desde o início como uma “gripezinha”, visando impedir as ações preventivas adotadas mundo afora para conter o pico da pandemia. Somente uma mente tão doente quanto o vírus é capaz de manipular os fatos para falsear a verdade. 

 

OBTUSO 

O lockdown não é e nunca foi a solução para acabar com vírus, até porque não é vacina. É uma ação que visa exclusivamente conter a disseminação do vírus ao evitar que as pessoas se aglomerem, algo que tem surtido efeito em todo lugar onde foi adotado. Ainda assim só é imposto quando as autoridades sanitárias percebem que o número de infectados que precisam de tratamento médico nos hospitais é maior do que os leitos oferecidos. O lockdown é eficiente neste momento crucial, a exemplo do que ocorreu em Manaus. Somente uma pessoa obtusa não consegue compreender. O pior é que existem muitas por aí nas redes sociais disseminando mentiras e ódio. Enquanto mais conhecidos morrem.  

 

KSOLDADOR 

A maluquice do ex-governador Ivo Ksoldador que viralizou brasil afora, ao que parece, vai lhe custar algumas chateações. O Ministério Público decidiu abrir um procedimento para investigar a cura da Covid que ele (KSoldador) anuncia utilizando uma solda elétrica. Quando alguns acreditavam se tratar de uma brincadeira de mau gosto, eis que Ivo concede uma entrevista a um ex-deputado radialista e reafirma que a solda cura Covid, além de queimar a barriga do “paciente”. A galhofa de um ex-governador num momento tão doloroso não há precedente. Para impor limite somente a lei, ou um psiquiatra.  

 

ADESÃO 

Quaisquer que sejam as ações rígidas ou frouxas decretadas pelo governador ou pelo prefeito, sem a adesão voluntária das pessoas, não surtirá os efeitos nelas almejados. A principal ação para conter o aumento de infectados do vírus cabe a cada um de nós. Sem esta adesão, mesmo utilizando a força de segurança para impor a ordem, não haverá fiscal para todo mundo. O problema aumenta quando vemos autoridades que deveriam dar o exemplo, estimulando o contrário. Vivemos tempos bicudos e cada dia contando nossos mortos em razão da nossas falta de empatia.  

 


(1) 2 3 4 ... 69 »