Resenha Política - Resenha Política por Robson Oliveira - Notícias
(1) 2 3 4 ... 52 »
Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 15/11/2017 11:28:27

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA



EMPODERAMENTO – É papo furado que repousa no ninho tucano tranquilidade com uma chapa única que empoderou a bicuda Mariana Carvalho na presidência do PSDB. A deputada federal - com ligações históricas com o senador Aécio Neves - tentava há mais de dois anos tomar do ex-senador Expedito Junior a direção regional do partido. Cedeu cargos na executiva com tucanos aliados do ex-senador, mas aboletou-se na presidência do partido para negociar as candidaturas em 2018.



REVOADA – Nos bastidores tucanos há uma inquietação que indica uma possível revoada em direção ao PSD, presidido pelo deputado federal Expedito Neto – rebento de Expedito Junior. Na hipótese dos tucanos ligados ao ex-senador voarem para se abrigar no PSD, o ninho dos bicudos diminuirá significadamente, o que exigirá de Mariana Carvalho muita habilidade para evitar uma debandada geral e impedir que seus projetos pessoais sejam prejudicados visando as eleições 2018.



LIDERANÇA – A principal liderança emergente do PSDB no estado é indiscutivelmente o prefeito da capital Hildon Chaves. Em reservado o prefeito já avisou que não hesitará em seguir o ex-senador caso este deixe o partido. No entanto, a saída de Chaves do PSDB não provocaria nenhum problema judicial visto que o STF, em julgamento em caso análogo de Marta Suplicy, firmou posição que os detentores de cargos majoritários não estão vinculados à incidência da infidelidade partidária.



POSSIBILIDADES - Em relação a outro aliado de Expedito Junior, deputado estadual Laerte Gomes, a desfiliação do PSDB para migração em direção ao PSD significará a perda do mandato, embora existam outras possibilidades jurídicas em que esta perda possa ser evitada. Todas as possibilidades serão avaliadas atentamente pelo grupo dissidente dos tucanos antes de bater em retirada para evitar que sejam abatidos em plena revoada.



SOCIALISTA MORENO – O PDT do provável candidato a governador Acir Gurgacz também realizou sua convenção em ritmo de campanha eleitoral. Gurgacz trouxe ao evento o presidenciável polemista Ciro Gomes que, além de confirmar o interesse de ser candidato a presidente, anunciou a candidatura a governador do anfitrião. A convenção do PDT selou definitivamente o apoio do PSB à postulação de Acir o que afasta, temporariamente, a ambição do vice-governador Daniel Pereira em disputar a titularidade do cargo pelo neosocialismo cabloco.



APARIÇÃO – A convenção do PDT tirou da quarentena o ex-prefeito Mauro Nazif (PSB). Desde que foi esmagado na campanha de releição, Nazif não fazia aparição em atos políticos públicos. A reestreia foi tímida, assim como foi os quatro anos na prefeitura de Porto Velho. Em pesquisas colhidas recentementes o ex-prefeito não consta entre os mais bem postados junto ao eleitor rondoniense. Na capital, Léo Moraes (PTB) e Mariana Carvalho (PSDB) são os melhores posicionados, com uma vantagem considerável para o primeiro.



REFERÊNCIA – Não passaram despercebidas dos presentes à convenção pedetista as boas referências feitas ao governador Confúcio Moura (PMDB) pelo pré-candidato Acir Gurgacz. Embora Moura tenha participado recentemente de um regabofe peemedebista anunciando a pré-candidatura de Maurão de Carvalho, em reservado, tem mantido conversas com o pedetista sobre uma eventual coligação entre as duas legendas. Na união entre PDT e PMDB numa chapa majoritária, o espaço que sobra para Maurão é de vice-governador. Já há nas duas legendas quem esteja imbuído nesse propósito.



ENGABELAÇÃO – Apesar do trabalho exaustivo e competente dos técnicos da Secretaria de Assuntos Fundiários da prefeitura da capital, com a entrega de títulos definitivos de terrenos, vários parlamentares tentam engabelar a população enviando assessores aos bairros com informativos afirmando que a regularização é obra sua. Não há problema em o político participar de eventos e cobrar dos órgãos competentes ações que ajudem a população, mas há uma diferença incomensurável quando imprimem “informativos” com mentiras para engabelar o eleitor com objetivo de angariar votos. Quem regulariza terrenos é a prefeitura municipal, embora muitos detentores do cargo não saibam.


VIOLÊNCIA - São alarmantes os índices de violência contra as mulheres registrados nos últimos meses em Rondônia. Não apenas contra a vida, aumentou também exponencialmente os índices de crimes sexuais contra vuneráveis. Aliás, a violência em geral cresceu, e ainda querem liberar o uso de armas de fogo como se a liberação substituísse a segurança que o estado tem a obrigação de promover.

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 31/10/2017 21:36:26



RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA



FUSÃO – Dois grandes escritórios de advocacia de Rondônia, NV Advogados Associados e Rocha, pertencentes a Dr. Diego Vasconcelos, Márcio Nogueira e Rochilmer Rocha decidiram se fundir. As negociações se deram ao longo de todo o ano com a assessoria da Consultoria Selem, Bertozzi & Consultores, de Curitiba. A mesma que conduziu as fusões dos maiores escritórios no país afora. A partir desta quarta-feira, as duas bancas passarão a ser uma única composta por trinta profissionais. Inclusive este cabeça-chata.



MISTÉRIO – A coluna recebeu um dossiê anônimo – razão pela qual ainda está checando as informações – que aponta um interesse muito suspeito do senador Romero Jucá pelo setor elétrico em Rondônia. Hoje, o PP e PMDB dividem as responsabilidades pelas indicações dos administradores da antiga Ceron. Aliás, há também suspeitas de que um recém fornecedor estaria na iminência de mudar de lado e virar diretor. Caso ocorra, restará saber se na condição de gestor público qual lado vai pender na hora de decidir. Mistérioooooo!



AGÊNCIA – As agências reguladoras são parte das sinecuras da União mais disputadas atualmente pelos congressistas para que os seus apaniguados sejam nomeados. A agência do setor elétrico, por exemplo, é uma das mais requisitadas. É provável que um rondoniense seja designado para uma vaga na ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, com anuência da maioria dos membros da bancada federal. A ver.



REGABOFE – Embora esta coluna tem destacado que política é como nuvem: uma hora está de uma forma e, em seguida, muda tudo, o regabofe promovido pela cúpula do PMDB que indicou a pré-candidatura do deputado estadual Maurão de Carvalho ao Governo de Rondônia, conforme a coluna apurou, foi de iniciativa do próprio governador Confúcio Moura.



MENU – Na avaliação de um proeminente peemedebista aboletado no palácio, Moura havia pensado em um nome novo que desse continuidade aos feitos do governo, mas se curvou aos apelos e obstinação de Maurão de Carvalho. No menu, não faltaram críticas ao aliado pedetista Acir Gurgacz. As relações entre o pedetista e os peemedebistas andam azedas, com intrigas e teorias conspiratórias para todos os (des) gostos. Ademais, pesquisas feitas ajudaram no processo de fritura do pedetista. Os comensais do regabofe prometeram juras de apoio a Maurão, enquanto a nuvem não mude outra vez.



APERITIVO – Entre uns goles de uísque e água – até que o cardápio principal fosse servido - os peemedebistas fizeram vários prognósticos sobre as eleições de 2018. No entanto, coube à deputada estadual Rosani Donadon fazer ao governador a pergunta mais aguardada da noite. Indagou ela – Confúcio, você vai ser candidato ao Senado Federal? “Não”, respondeu de forma lacônica o governador. O jantar foi servido, Maurão lançado e a dúvida em relação à pré-candidatura a senador de Confúcio Moura permanece. Embora tenha negado, o céu não é de brigadeiro para o PMDB. Todos vão aguardar a estação das chuvas passar.



PRÊMIO – A pedagoga rondoniense que levou o principal prêmio nacional de educadora do ano, Alisângela Dell-Armelina Suruí, professora na Escola Indígena de Ensino Fundamental e Médio Sertanista Francisco Meireles, em Cacoal, desenvolve um projeto inovador batizado de “Mamug Koe Ixo Tig”, que significa a ‘fala e escrita da criança’. O projeto inclui a elaboração de um material didático próprio em Paiter Suruí para alunos do 1º ao 5º ano fundamental. Poucos são os rondonienses que doam parte dos seus conhecimentos para as comunidades indígenas, e o prêmio comprova que vale a pena ajudar a mais brasileira das etnias. E tanto é espoliada nas suas tradições, riquezas e dignidade.



CPI – Mesmo não ocupando os mesmos espaços dos noticiários como outras CPIs instaladas pelo Congresso Nacional, a comissão parlamentar de inquérito instituída pelo parlamento nacional para investigar a JBS ouviu, nesta terça-feira, o ex-diretor internacional da empresa Ricardo Saud, preso na Papuda. No depoimento, Saud saiu com esta pérola: Estou há 40 anos aqui nessa Casa. Eu me sinto muito à vontade, nada de constrangimento, zero. Aqui no Senado, na Câmara, 40 anos. Me sinto perfeitamente à vontade", disse. Uma declaração honesta do delator que, além dos crimes cometidos, gravou a si próprio zombando dos delatados e do acordo de delação.



FALASTRÃO – Na maior parte do tempo do depoimento aos parlamentares, Saud decidiu permanecer calado invocando direitos constitucionais, mas adiantou que assim que os termos da colaboração premiada forem restabelecidos vai voltar a falar. O falastrão fez a declaração em tom de ameaça o que apavorou alguns parlamentares presentes na CPI. Foi um alívio quando ele (Saud) invocou o direito de ficar calado. Foi um silêncio ensurdecedor.

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 10/10/2017 17:33:10

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA



DESVIOS – Um balanço do setor público relativo ao desperdício de recursos por malfeitos dos senhores prefeitos, divulgado nesta terça-feira (10), aponta que os desvios de recursos públicos nos municípios são imensos, exatamente onde deveriam chegar como serviços à população mais carente. Norte e Nordeste são as regiões onde os alcaides surrupiam mais e, Mirante da Serra (RO), foi onde se constatou entre 2014 a março de 2017 os índices mais aberrantes. Segundo o relatório, o desvio de recursos públicos foi quase o valor total da arrecadação do município. Não foi pior porque os responsáveis foram apeados das funções que exerciam em ação forte dos órgãos de controle.


ALVOS – Há em andamento, conforme fontes da coluna, várias investigações abertas em Rondônia sobre malversação no setor público. Em alguns casos, de acordo a mesma fonte, os prefeitos e ex-prefeitos são alvos de procedimentos investigatórios. Deduz-se que, a qualquer momento, estes fatos venham à tona. E ao que tudo indica podem alcançar outras autoridades. É uma questão de tempo.


BAIXARIA – A troca de acusações públicas entre os senadores Acir Gurgacz (PDT) e Ivo K-Sol (PP) deixou os meios políticos perplexos com o baixo nível de ataques e contra-ataques. Os dois são declaradamente prováveis candidatos ao Governo de Rondônia – embora o pepista esteja supostamente impedido de registrar a candidatura por razões judiciais – e o clima de beligerância instalado é um indicativo de que a campanha tende a descambar para níveis reprováveis.


RECIBO – Para surpresa dos observadores políticos, após uma enorme mobilização dos taxistas e proprietários de vans em Ji-Paraná, o grupo Eucatur, de propriedade da família do senador Acir Gurgacz, em propaganda em horário nobre na TV Rondônia, filiada da Globo, passou o recibo do golpe dado por K-SOL ao veicular uma propaganda defensiva que expõe exatamente o ponto nevrálgico da querela, o suposto transporte ilegal de passageiros intermunicipais. Surpresa porque utilizou no VT taxativamente a palavra ilegal, em vez de tratar a questão como uma simples falta de regularização. A propaganda do grupo se enquadra na frase: a emenda foi pior que o soneto.



RINHA & SERPENTÁRIO – Esta briga entre os dois senadores não é boa para nenhum deles. Ambos não perceberam que o eleitor está “P” da vida com os políticos em razão da corrupção e devido à falta de compostura do Congresso Nacional. Quem analisa a política com um mínimo de isenção pode intuir que é um abraço de afogados, ou seja, ao persistir o clima bélico, ninguém sairá vencedor. Os estragos provocados por esta rinha ou este serpentário atingem inclusive quem não tem nada com a briga.



OUTSIDER – Há quem aposte que o ambiente eleitoral de 2018 esteja tão contaminado pelos malfeitos que o eleitor possa rejeitar a maioria dos nomes conhecidos na política estadual e optar por alguém fora do establishment. É uma possibilidade, visto que na política nada é impossível.



MATURIDADE – No entanto, não é uma tarefa tão simples assim como preconizam os ideologicamente engajados por alternativas imediatistas, pois o ‘novo’ tem que ser alguém com o mínimo de expertise política para administrar a máquina pública e maturidade para lidar com as amarras e as contradições da própria política. Isto sem falar num legislativo que a cada legislatura vai de ruim a pior. Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém na medida em que o “novo” pode surgir com velhos ranços de origem.


PODEMOS – A crise política e moral que afetou os partidos em geral tem parido “novas” legendas que de novo não têm nada, exceto a forma de tentar ludibriar o eleitor com palavras desconexas e apelos midiáticos. PODEMOS, por exemplo, é nada mais que o ex-PTN, partido que tempos recentes elegeu Celso Pitta prefeito de São Paulo e que foi considerado o pior alcaide paulistano de todos os tempos. Quem acessar o Google no nome Pitta constará o rol de desvios ligados a precatórios que o antecessor do PODEMOS fez.



ANTECEDENTES - É uma legenda que nada tem a ver com o PODEMOS espanhol. Aquele (PODEMOS da Espanha), foi um movimento criado por intelectuais de Madri, em 2014, no auge da crise espanhola, para opor-se aos cortes com gastos públicos que estavam sendo levados a cabo como consequência da crise econômica que atravessava o país. Um partido com coloração de esquerda. Enquanto que o partido homônimo tupiniquim defende exatamente o oposto: “Nós Pode” privatizar geral e cortar os gastos no setor público. O que o eleitor não pode e não deve é entrar nessa onda.


LIVRES – Mais uma legenda que se apresenta como moderna, e é tão velha quanto as propostas que fundamentam a criação partidária. Anteriormente fundado de nome PSL, tem como principal proposta a menor participação do Estado na economia e credita que o mercado, dominado por este empresariado atolado até a alma na lama que assola o mundo político, é capaz de resolver todos os problemas. Esquece de dizer que empresário brasileiro é, em sua maioria, predador e quer ganhar mais e mais. Não raro, corrompendo agentes públicos para obter vantagens indevidas. A Lava Jato vem trabalhando com afinco, entre erros e acertos, para que as tetas governamentais fiquem livres da fome insaciável de um empresariado capaz de voltar a delinquir e amealhar riquezas fáceis.



ENGODO – A situação política do país é tão delicada que não há muitas saídas milagrosas, embora haja nas diversas agremiações partidárias gente de bem que se possa votar. Mas ninguém está livre das propostas mais mirabolantes e sem nexo dos salvadores da pátria que eventualmente aparecem em crises agudas. Não há outra saída senão na política e o eleitor precisa é separar o joio do trigo para não se arrepender depois. Olho vivo no “novo” que pode esconder na forma o velho engodo da prática.



CHANCES – Embora venha alimentando desde 2014 disputar as eleições para o Governo de Rondônia, o deputado estadual Maurão de Carvalho (PMDB) dificilmente consiga uma legenda estruturada no estado capaz de alavancar sua pretensão. Esta coluna foi a primeira a alertar no início do ano – na época assessores do parlamentar zombaram da coluna – que o PMDB não homologaria o nome do parlamentar. Tudo se encaminha para que em 2018 os peemedebistas apoiem um nome de outra legenda, já que as lideranças do PMDB fazem conta e sabem que as probabilidades de um naufrágio eleitoral com Maurão sendo o timoneiro são enormes. As pesquisas preliminares confirmam.


TRAIÇÃO – Maurão anunciou que vai exigir do PMDB uma decisão imediata e, em reservado, se queixa de uma suposta traição. Pura lorota. Ninguém de bom senso abraça uma candidatura fadada a priori ao fracasso. É verdade que política é como nuvem e muda constantemente. O problema é que em três pesquisas consecutivas os percentuais obtidos pelo deputado não são animadores já que na base governamental há outros nomes mais promissores eleitoralmente. Pode ser que em 2018 Maurão consiga melhorar os percentuais e convencer o PMDB a homologar seu nome. Exigir agora uma definição é prematuro. Para tentar apressar a definição manda publicar fotos flertando com dirigentes de outros partidos. O engraçado é que tais dirigentes, igualmente ao PMDB, têm projetos próprios e Maurão de Carvalho não se enquadra neles. Depois fica choramingando que é traído.



DESGASTE - A Câmara dos Deputados vai analisar e vota mais um pedido de autorização para processar o presidente Michel Temer durante estes dias. Todos sabem o resultado caso não haja uma mudança inimaginável de insurretos de última hora. Contudo, as atenções do eleitor estão voltadas para os seus representantes. Membros da bancada federal que tem apoiado o desgastado Temer tem sofrido com protestos em todos os eventos públicos. A tendência é piorar na medida que aproximam as eleições. O desgaste tem sido devastador. Marcos Rogério (DEMO), Expedito Neto (PSD) e Mariana Carvalho (PSDB) votaram contra Michel Temer na primeira denúncia. Tudo indica que manterão a mesma posição. Os demais vão sofrer com as vaias.



ACESSOS – A coluna tem alcançado números de acesso expressivos, conforme relatório do provedor. Este cabeça chata agradece a cada leitor (a) que perde um pouco do seu tempo para ler essas maltraçadas linhas. Nem todos concordam com nossos comentários, o que não diminui nossa gratidão a cada internauta. Obrigado!

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 03/10/2017 23:43:39

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA





AVULSO – O STF vai decidir se é possível que algum eleitor possa registrar candidatura avulsa, depois que um juiz goiano acolher uma ação de um advogado permitindo que ele possa ser candidato nas próximas eleições, sem que seja obrigado a se filiar a um partido político.



FILIAÇÃO – Pelo sistema eleitoral brasileiro qualquer pessoa apta a ser candidata é obrigada a se filiar numa agremiação partidária, senão não consegue registrar candidatura.



FALÊNCIA - A atual legislação eleitoral, tão combatida atualmente, ainda permite que nas eleições de 2018 os partidos se coliguem, o que influencia na lista dos parlamentares eleitos, visto que a regra para definições das vagas dos parlamentos é a da proporcionalidade. Aceitar candidatura avulsa sem uma reforma profunda é a negação final dos partidos que, aliás, estão em processos falimentares.



INCONGRUÊNCIAS – Ficaria complicado a Suprema Corte acolher a tese do voto avulso quando em outra votação exigiu a fidelidade partidária. A primeira anularia a segunda e, em última análise, seria uma incongruência. Ademais, esta é matéria afeta ao Congresso Nacional e não ao Poder Judiciário. Embora ultimamente haja uma tendência enorme de intromissão de um poder no outro, quebrando o princípio da tripartição entre eles.



PRORROGAÇÃO – A Secretaria de Finanças acertou em prorrogar para quinta-feira (05), o prazo do pagamento de tributos estaduais administrados pela coordenadoria da Receita Estadual, cujo vencimento estivesse datado para a última sexta-feira (29 de setembro). A prorrogação tem como motivação as falhas ocorridas no sistema de informática da secretaria que ficou fora do ar por dois dias para que a Sefin migrasse para um sistema mais moderno.



APOSENTADORIA – O Tribunal de Justiça de Rondônia publicou nesta terça-feira o ato nº 1336/2017, concedendo a aposentadoria voluntária ao desembargador Péricles Moreira Chagas. Ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral que presidiu a última eleição de forma competente, Moreira Chagas assumiu a presidência do próprio Tribunal de Justiça de Rondônia num dos momentos mais delicados e doloridos de sua história. Tirou de letra as adversidades e construiu uma boa relação com a imprensa e a sociedade, sem as amarras adotadas por alguns dos seus pares quando assumem tais funções. Moreira foi um grande magistrado sem deixar de viver normalmente como um cara da melhor qualidade. Só lamento que em nossa mesa ficará faltando ele... Ócio por merecimento!



ABUSO – Revoltou a comunidade acadêmica brasileira a forma pela qual órgãos de repressão do país submeteram o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, culminando com o seu suicídio. A prisão injustamente decretada contra o magnífico reitor, Luiz Carlos Cancellier, é o viés mais cruel do abuso de autoridade.



SUICÍDIO - Sua magnificência o reitor da UFSC foi preso por supostos malfeitos do reitor que o antecedeu, não por ato próprio de improbidade. Após a prisão, acometido por uma depressão profunda, atirou-se do quinto andar de um shopping em Florianópolis. A pirotecnia policialesca desencadeou em reprovação no país afora.



FIM – Embora sejam possíveis novas fases da operação ‘Lava Jato’, o juiz Sérgio Moro disse nesta terça-feira, em São Paulo, que já é possível vislumbrar o seu final. Lembrou, no entanto, que há muito trabalho a ser feito. Lembrança que deixa os políticos com cabelos arrepiados. O fim das ações em Curitiba pode estar próximo, mas as ramificações seguem em outras instâncias.



DEMOCRACIA – Mesmo sendo considerado um magistrado linha dura ao julgar os réus sob sua jurisdição, Sérgio Moro foi firme ao afirmar que o período da ditadura militar não foi bom para o país. Endeusado por setores que defendem um golpe militar, a fala do magistrado em defesa da democracia deve ter provocado uma baita decepção às “viúvas” do golpe de 64.



PESQUISAS – Uma nova rodada de pesquisas sobre os cenários para as eleições de 2018, em Rondônia, deverá ser publicada esta semana. Pelos dados obtidos em "off", os percentuais atribuídos aos pesquisados batem com os números recentes comentados pela coluna. Há quem conteste qualquer número que não atenda aos interesses pessoais ou ao achismo, mas são reações naturais numa sociedade plural. Ainda mais quando atinge interesse contrariado.

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 27/09/2017 17:02:52

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA





ATA – Uma adesão da prefeitura municipal de Ariquemes à Ata Registro de Preços nº 001/2009, realizada pela Fundação da Assembleia Legislativa de Rondônia para contratação de empresa especializada na digitalização e indexação de documentos de processos administrativos e jurídicos, recentemente fiscalizada pelo Tribunal de Contas do Estado, ainda poderá provocar algumas dores de cabeça ao atual governador que, na época dos fatos, respondia como alcaide pela municipalidade. Embora os procedimentos da adesão tenham sido averiguados contabilmente, essas “Atas de Registros de Preços” vem sendo alvo de críticas dos órgãos de controle exatamente pela falta de medida dos agentes públicos em controlar os excessos eventualmente ocorridos nessas adesões.



PENTE FINO – Falando em órgãos de controle, várias prefeituras, entre outros órgãos públicos, estão sendo fiscalizadas por excessos cometidos. Não demora muito para que a população rondoniense seja informada de malfeitos perpetrados por autoridades perdulárias e traquinas. O pente é fino e o barulho ressoará!



FALÊNCIA – Os governos insistem nas mesmas políticas públicas adotadas há anos na área de segurança e que demonstraram serem equivocadas, ou no mínimo ultrapassadas. A falência do sistema de segurança pública é real e a falta de inteligência das nossas autoridades em investir em tecnologia para combater com mais eficácia a criminalidade, revelam o desmonte da máquina governamental. Construir presídios é importante, mas não resolve em nada o problema da violência porque o aumento da população carcerária significa que o modelo de combate ao crime faliu. É a falência do estado enquanto promotor da paz social.



GOVERNADOR – Esta coluna avaliou avexada quando intuiu que as probabilidades do deputado estadual Maurão de Carvalho (PMDB) assumir o Executivo Estadual eram mínimas. Eis que o parlamentar foi ungido ao Governo de Rondônia – é o terceiro na linha sucessória – por alguns poucos dias com as ausências no estado do atual titular e do vice. Maurão, enfim, pode ficar em paz, já foi governador por uns dias.



OBTUSO – Cabe ao jornalista avaliar cenários e antecipar ao leitor fatos que possam balizar interpretações da forma mais próxima da realidade. Não cabe ao escriba falsear tais fatos sob qualquer alegação meramente intuitiva. Esta coluna, por exemplo, avaliou uma pesquisa espontânea sobre as eleições governamentais de 2018 que, após tabulada, apontou o polêmico e contestado ex-governador Ivo K-Sol em primeiro lugar. Como a pesquisa mensura o cenário momentâneo, e não o futuro, a coluna foi obrigada a descrever com honestidade o resultado real da pesquisa. Não inventou nada. Já os obtusos, ou engajados em projetos diversos, falseiam os fatos com ataques igualmente estúpidos.



INDEPENDÊNCIA - Esta coluna nem sempre acerta em suas avaliações, algo natural por ser escrita por alguém que não está imune ao erro. No entanto, não é manipulada por ódios ideológicos, nem garroteada por relações pessoais com autoridades. A independência tem sido a marca da coluna. Portanto, o compromisso sempre foi com o leitor.



ÓBICES - Ademais, quem acompanha a coluna semanalmente ou eventualmente é testemunha de críticas acerbas ao ex-governador K-Sol, sempre quando este mereceu. O que não pode e nem tem como esconder que é um pré-candidato com apelo eleitoral enorme. A coluna apontou o resultado da pesquisa corretamente porque este foi o resultado apurado. É de bom alvitre lembrar que em colunas anteriores destacamos os reveses judiciais que o senador está encalacrado e que podem ser óbices intransponíveis para uma eventual candidatura. Mas sequer estamos no ano eleitoral. O momento é de avaliar cenários. Cometemos vários erros aqui, mas não somos obtusos.



REPUTAÇÕES – Uma das maiores críticas que a advocacia faz às operações espetaculares envolvendo em geral autoridades, em particular pessoas em posições políticas, é a falta de cuidado com as reputações dos alvos dessas operações. Um exemplo foi a prisão do ex-presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia, desembargador Sebastião Teixeira, levado à capital federal acorrentado e execrado em horário nobre como se o mesmo fosse um facínora. Poucos divulgaram nos mesmos espaços da execração que o desembargador hoje aposentado foi absolvido em todos os processos que figurou como preso daquela operação espetaculosa. Quem repõe a reputação agora destroçada?



SANGRANDO – Os parlamentares federais que estão votando contra os pedidos de abertura de processos do presidente Michel Temer estão sendo alvo de protestos de populares todas as vezes que participam de eventos públicos. E sangram porque querem ou por interesses políticos nada republicanos. Não percebem que 2018 está próximo e as críticas tendem a acentuar na medida que o período eleitoral se avizinha. Apostar na memória curta do eleitor é brincar com a sorte, visto que ao defender um governo ilegítimo e com níveis de aprovação baixíssimos é suicídio coletivo. Vão pagar caro, isto se não pagarem com o próprio mandato. Quem viver verá!

(1) 2 3 4 ... 52 »