Resenha Política - RESENHA POLITICA POR ROBSON OLIVEIRA - Notícias
(1) 2 3 4 ... 45 »
Resenha Política : RESENHA POLITICA POR ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 11/05/2016 00:52:04



Resenha política

Robson Oliveira



Impeachment

O processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) deverá ser confirmado no plenário do Senado federal, nesta quarta-feira, onde todas as atenções dos brasileiros estarão voltadas. Não há um petista no Congresso Nacional que acredite na salvação da presidente. Os senadores vão dar continuidade ao processo e, por consequência, afastar a presidente por 180 dias. Embora ninguém acredite que volte após o afastamento.



Holofote

Sessenta dos oitenta e um senadores se inscreveram até o final da tarde desta terça-feira para discursar na sessão de amanhã (quarta-feira) que analisa o impeachment. Ninguém quer perder a oportunidade de aparecer bem com seu eleitorado, a sessão histórica do Senado será um bom holofote para prestarem contas.



Cobrança

O senador rondoniense Valdir Raupp (PMDB), por exemplo, é um dos inscritos. Raupp dirá que é favorável ao impeachment e aproveitará a oportunidade para cobrar a fatura do próximo presidente, para que faça investimentos na infraestrutura de Rondônia. A manutenção e duplicação da BR 364, a implantação da Ferrovia Bioceânica, a conclusão dos viadutos da capital, a construção da ponte binacional Brasil/Bolívia, além da conclusão da ponte de Abunã são alguns das cobranças que o senador fará durante o seu discurso. O efeito imediato é pequeno, mas em longo prazo é possível que surta algum efeito.



Preparação

Em Brasília a cidade se prepara para a votação no Senado com grupos pós e contra o impeachment desembarcando na cidade. O acesso ao Congresso Nacional vai ser restrito e os manifestantes serão acomodados no lado direito e esquerdo das esplanadas dos ministérios. Aparentemente a capital federal está tranquila sem registro de confrontos.



Desmascarando

Apesar da assessoria da deputada federal Mariana Carvalho (PSDB) demonizar a coluna por ter sido a primeira a anunciar em janeiro passado que a parlamentar relutava em ser candidata à prefeita de Porto Velho, na medida em que nos aproximamos do calendário eleitoral, é possível confirmar que o anúncio antecipado feito pela coluna é verdadeiro.



Novidade

Com a indecisão de Mariana Carvalho os tucanos começam a sinalizar que podem lançar o empresário e ex-promotor de justiça, Hildon Chaves, à sucessão de Mauro Nazif. É um nome novo que mexeu com os bastidores políticos da capital, já que os eleitores estão ávidos por uma novidade diferente das figuras carimbadas.



Perdida

Mariana saiu das últimas eleições (2014) com uma votação surpreendente que a projetou ao estrelato político. Imediatamente seu nome passou a ser forte corrente em desalojar a administração desastrada do Dr. Mauro. Mas, embora bem avaliada, passou a emitir sinais de dubiedade em relação ao pleito, abrindo espaço para que novos nomes surgissem. A indecisão e a atuação parlamentar pouco produtiva tem desgastado a deputada que, esta semana, chegou a ser desmentida oficialmente pelo prefeito de Candeias por anunciar recursos para o município que nunca chegaram aos cofres municipais. Mesmo que decida disputar as eleições da capital, já não ostenta a mesma força de 2014, nem provoca suspiro de surpresa.



Mudanças

Todos os membros da bancada federal rondoniense farão parte da base de sustentação do novo governo Temer, caso se confirmem todas as previsões dessa quarta-feira. Todos vão querer indicar apaniguados para os cargos federais em Rondônia e as tratativas estão em andamento. Não será fácil acomodar os interesses divergentes, que não são poucos, podendo provocar dispersões. A coluna apurou que os cargos da Funasa, Incra e Eletronorte despertam os maiores interesses. Apesar de que há uma gana dos partidos de oposição em desalojar os petistas dos cargos menores.

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA POR ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 03/05/2016 21:14:37

Resenha política

Robson Oliveira



Apertadinho

O envolvimento de Eduardo Cunha com o submundo das negociatas políticas alcançou Rondônia. A Procuradoria Geral da República investiga uma tramóia entre emissário do parlamentar e o grupo Schahin que envolve a usina apertadinho, em Vilhena. A usina causou um dos maiores desastres ecológicos em solo rondoniense com prejuízos até hoje irrecuperáveis. As relações políticas obscuras envolvendo apertadinho foi pauta de uma reportagem da repórter Malu Gaspar, na Revista Piauí, em agosto do ano passado e repercutida na época por esta coluna. Com a investigação aberta pelo STF muita lama relativa a usina deverá vir à tona.


Atraso

Mesmo em andamento algumas obras de pavimentação asfáltica em bairros e avenidas da capital, ônibus novos que acabaram de ser colocados à disposição dos usuários do sistema público e o final de uma paralisação, são ações proativas de uma administração municipal que passou três anos e cinco meses sem justificar a que veio, provocando à população prejuízos de toda natureza. Apesar de serem ações administrativas necessárias e essenciais, chegam tarde demais para o eleitor que acreditou em Mauro Nazif.



Privatização

A Câmara Municipal de Porto Velho aprovou de afogadilho – já que não houve um processo transparente de discussão com os segmentos organizados e interessados na área – um projeto que destina à iniciativa privada a gestão da saúde municipal. Vários municípios país afora em que o mesmo modelo foi implantado, restou detectado todo tipo de malandragem que causou prejuízo ao erário. É possível que em Rondônia funcione e não haja malfeito, mas os exemplos nacionais não são nada animadores. Os órgãos de controle devem estar de olho na implantação, o que é um alento para o contribuinte da capital. Especialmente em ano eleitoral...



O óbvio

Em outras oportunidades o Estado de Rondônia tentou implantar um modelo de gestão privada da saúde e em todas elas os órgãos de controle impediram que a saúde estadual fosse parar nas mãos na iniciativa privada, visto que este setor tem como fim tão somente o lucro. A constituição reservou prioritariamente aos estados e municípios, além da União, a gestão da saúde por razões óbvias. Em regra esta obviedade não consegue entrar nos neurônios dos nossos governantes. Pior quando ele é oriundo do serviço público da mesma área (saúde) em que fez carreira política. Por que será?



Impeachment

Quem percorre os corredores do Congresso Nacional sabe antecipadamente que o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) é fava contada. Também percebe que os discursos de arrumar o Brasil e extirpar as mazelas feitas na hora do voto dos zelosos deputados federais não podem ser levados a sério, com raríssimas exceções. Os gabinetes das lideranças partidárias viraram mercado persa onde todos buscam uma boquinha que será desocupada por um “companheiro” para ser destinada a um compadre. Enquanto parte do povo vai às ruas protestar por mudanças (?), nossos políticos vão aos acordos para manter seus privilégios. O impeachment trocará seis por meia dúzia, ou coisa pior.



Incendiário

O principal impasse hoje para que Eduardo Cunha seja afastado da presidência da Câmara Federal devido às imensas e reiteradas estripulias de que é acusado é a situação jurídica do presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, também alcançado pela operação "Lava Jato", entre outras investigações, já que ambos estão encalacrados em denúncias. O problema é encontrar uma saída para defenestrar Cunha sem levar junto Calheiros: o primeiro tem incendiado a praça dos três poderes, enquanto o segundo, com expertise em salvação, tem procurado manter uma estabilidade politica num ambiente tão hostil.



Puxão

O governador Confúcio Moura voltou a dar puxão de orelhas em seus auxiliares por não buscarem as alternativas inteligentes para as soluções dos problemas. Deu como exemplo a área da juventude e esporte, onde há recursos próprios e externos que não são utilizados por falta de competência e agilidade dos seus auxiliares.



Registro

Duas perdas esta semana que deixaram saudades foram os falecimentos da jornalista Nara Vargas e do roqueiro e motociclista Ney Haver. Foram pessoas que fizeram parte do nosso dia a dia em Porto Velho que merecem registro da coluna, apesar do lamento.



Resgate
Aprovado no voto da comunidade acadêmica e referendado no Conselho Universitário da UNIR, o professor Ari Miguel Teixeira Ott aguarda apenas os trâmites burocráticos para ser empossado reitor pelo MEC. Intelectual reconhecido inclusive pelos eventuais críticos, Ott quer dar continuidade ao trabalho de resgate da instituição iniciado pela atual reitora Berenice Tourinho e avançar na pesquisa, ensino e extensão: tripé fundamental para qualquer boa academia que pretender ser de qualidade. A UNIR estará em boas mãos!

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA POR ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 19/04/2016 17:44:55

Resenha política
Robson Oliveira

Grude
Dois dias após a Câmara Federal aprovar a admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff, com repercussão internacional, nas redes sociais em solo rondoniense o deputado federal Lindomar Garçon é quem conseguiu as atenções dos internautas pela forma com a qual se postou ao lado do microfone onde os parlamentares declararam o voto. Durante mais de dez horas o deputado se postou na frente das câmeras para aparecer nas TVs. Quando algum outro parlamentar tentava se aproximar, Garçon empurrava e distribuía até cotoveladas. Grudou no local feito papagaio de pirata. Tem TV que até hoje não conseguiu desgrudar da tela a cara lavada de Lindomar Garçon.

Palhaçada
Com toda escusas aos artistas circenses, mas na sessão da Câmara Federal os eleitores tiveram a oportunidade de ver a qualidade de político que elegeu. Um dos poucos que não apelou para a “palhaçada” foi exatamente o palhaço Tiririca. Transformaram uma sessão séria de julgamento num picadeiro. O parlamento parecia uma peça vulgar com atores igualmente ruins.

Caricatura
Embora tenha sido uma sessão tensa e com uma pauta da maior significância que culminou com a autorização para abrir caminho para o impedimento da Presidente da República, as falas caricatas dos senhores deputados federais se destacaram: justificaram votar em nome das esposas, dos filhos, pais, avós, tios, papagaios, periquitos, enfim, a tudo, bem menos aos eleitores. Não houve um deputado que tenha votado e lembrado daqueles que em seu nome exercem as funções parlamentares. Há quem diga que o congresso é a cara da população, mas nosso povo não é a caricatura dos nossos representantes. Nem tudo está perdido!

Deposição
O processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff chegou ao Senado e, para que seja afastada, é necessário que quarenta e dois senadores (maioria simples) acolham as denúncias. De acordo com o senador Raupp, ouvido pela coluna, esta votação deverá ocorrer na primeira quinzena de maio. O senador acredita que no Senado o recebimento e o afastamento são favas contadas. Para o impeachment serão necessários cinquenta e quatro votos, um quórum qualificado. Uma esperança ainda que mínima para Rousseff. O problema é que esperança também morre. Raupp adiantou que acompanhará a decisão do PMDB favorável ao impedimento.

Devolução
Uma fonte revelou à coluna que o município de Porto Velho estaria devolvendo um volume enorme de recursos ao tesouro nacional porque a administração municipal não está sendo capaz de utilizá-los. Um exemplo concreto são os recursos destinados ao esgotamento sanitário que retornaram aos cofres da União (noventa milhões de reais) sem que as licitações fossem feitas. Há quem diga que os recursos federais são devolvidos porque o município tem medo de errar e se enrolar na prestação de contas. Sendo verdade esta informação, o prefeito deveria era devolver o mandato aos eleitores e cair fora.

Retaliação
Luís Flávio Carvalho Ribeiro foi exonerado hoje das funções de superintendente do Incra em Rondônia. Embora seja um servidor de carreira e com um desempenho bem avaliado como gestor, a dispensa é creditada à ligação com o PMDB, visto que a indicação era considerada da cota do senador Valdir Raupp. Com a decisão do partido em votar pelo impeachment, as nomeações políticas ligadas aos parlamentares da legenda estão sendo desfeitas. Os servidores do órgão querem que a presidente de plantão nomeie para o lugar do Flávio o ex adjunto, Brito do Incra, que, pela ilustração nominal, é também dos quadros do instituto.
Coerência
O deputado federal Expedito Neto (PSD), oposição ao governo desde a posse, foi o único da bancada rondoniense a dizer na fuça do encalacrado Eduardo Cunha que votará também pela cassação do presidente da Câmara assim que o processo chegar ao plenário. Especula-se nas coxias da Câmara Federal que há um conchavo em andamento, entre boa parte dos parlamentares que acolheram o pedido de impeachment de Dilma, para salvar Eduardo Cunha da cassação mesmo com o farto conjunto probatório da quebra de decorro quando disse que não possuía contas no exterior. Neto mostrou coerência ao antecipar o voto já que os demais membros da bancada federal incoerentemente fogem do assunto. Não esqueçamos que os oito votaram a favor do impeachment sob alegação de que Dilma cometeu crime (apesar das controvérsias que a questão permite).

Meios
Enquanto a maioria avassaladora da imprensa nacional se postou favorável ao impeachment e não manifestou nenhuma incongruência com Eduardo Cunha conduzindo o julgamento de admissibilidade, no último domingo a mídia estrangeira que acompanhou a sessão questionava a legitimidade de um julgamento presidido por um réu. É o que denominamos: os meios justificam os fins. Será?



Resenha Política : RESENHA POLÍTICA POR ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 05/04/2016 19:44:52

Resenha política

Robson Oliveira



Avião

A informação dada nesta coluna de que o deputado federal Marcos Rogério (DEM) estaria tirando um brevê para pilotar uma aeronave que teria adquirido não se confirmou. O parlamentar em conversa com este cabeça chata explicou que não pretende se habilitar para pilotar avião. Confirmou, no entanto, que comprou uma aeronave Baron.



Sociedade

De acordo com Marcos Rogério, a aeronave é usada e foi comprada em sociedade com mais dois amigos e a um preço acessível aos seus vencimentos (em 15 parcelas). Possuindo, portanto, um terço do bem que constará em seu imposto de renda a partir desse exercício financeiro já que a compra foi realizada ano passado.



Calúnia

O deputado Marcos Rogério explicou que, após a aquisição da aeronave, os adversários passaram a distorcer os fatos com as versões mais escabrosas com único intuito de desgastá-los, embora saibam que é uma aeronave antiga comprada em sociedade. “Como sou relator do principal processo no Conselho de Ética (processo de Eduardo Cunha), o que dá uma visibilidade nacional, fazem ilações sobre este bem de forma criminosa. Colocaram, por exemplo, nas redes sociais uma foto de um moderníssimo avião King Air como se meu fosse. Qual objetivo? Distorcer a verdade e tentar colocar meu nome na vala comum que chafurda aqueles políticos com conta a acertar com a justiça. Não vão conseguir”, desabafou Marco.



Ilação

A bem da verdade a nota dada nesta coluna visava também provocar o parlamentar a vir a público esclarecer aos eleitores a forma pela qual adquiriu um avião, visto que a remuneração de um deputado federal poderia não suportar gastos tão perdulários. Com os esclarecimentos dados à coluna, as ilações arrefecem mesmo que os desafetos continuem a propalar os boatos mais mirabolantes. Ademais, num congresso envolvido em malfeitos, poucos são aqueles que estão salvos pela transparência.



Vácuo

Desde que o prefeito Jesualdo Pires (PSB) decidiu não concorrer à reeleição que os partidos políticos batem cabeça para viabilizar seus candidatos à prefeitura de Ji-Paraná. O vácuo aberto deixa a eleição em igualdade de condições para todos os prováveis concorrentes, inclusive aventureiros. É a primeira vez na história do município que os grupos políticos não possuem nomes densos para oferecer à disputa.



Ressuscitado

Os Democratas de Ji-Paraná tentam convencer o ex-prefeito José Bianco a disputar pela quinta vez as eleições municipais. Embora derrotado de forma humilhante nas eleições estaduais passadas, quando disputou uma vaga na Câmara dos Deputados, Bianco sempre conseguiu obter vitórias nas disputas pela prefeitura de Jipa. Aceitando ao convite, conseguirá ressuscitar politicamente e não deve ser subestimado. Até porque os nomes especulados atualmente não empolgaram.



Consenso

A ex-deputada estadual Rosária Helena está conseguindo reunir em torno da sua pré-candidatura à prefeita de Ouro Preto os grupos antagônicos liderados pelo atual prefeito Alex Testoni e pelo ex-deputado federal Carlos Magno. Uma engenharia política capaz de fortificar qualquer pleito naquele município.



Desastre

Depois do aumento de apenas quarenta reais nos vencimentos dos professores da rede municipal de Porto Velho, com uma greve em andamento, a eventual reeleição de Mauro Nazif se afunda ainda mais. Para piorar a situação, muitos aliados de outrora começam a pular do barco em direção a outros pré-candidatos. A administração é um desastre total, aplaudida apenas por aqueles que possuem uma nomeação, e não vai ser fácil ampliar o arco de alianças.



Marajá

Há uma máxima na política de que o mau não deve ser feito aos eleitores em época de eleição. Ao que parece esta máxima não se aplica na Câmara dos Vereadores da capital: além de aumentar os vencimentos dos vereadores de forma acintosa, concedeu-se míseros quatro notas de dez reais de aumento aos barnabés. Uma provocação descomunal de quem vai às ruas no segundo semestre pedir votos para manter um salário de marajá.



Quimera

A proposta de uma nova eleição geral para dar cabo ao impasse político que se abateu sobre os poderes Executivo e Legislativo em Brasília pode ser utópica ou constitucionalmente questionável, mas é uma saída para a crise que se apresenta. O país tem que seguir normalmente antes que seja jogado ao fundo do poço por aqueles que apostam no caos. A situação é tão crítica que a intolerância tem prevalecido sobre a razão. E viva a utopia!

Resenha Política : RESENHA POLÍTICA POR ROBSON OLIVEIRA
Enviado por alexandre em 08/03/2016 20:14:28

Aliados
O senador Acir Gurgacz (PDT) revelou à coluna que está decidido a disputar as próximas eleições de governador. Adiantou que a decisão é irreversível e não dependerá de uma eventual aliança com o PMDB, partido que está filiando Maurão de Carvalho, presidente da ALE. Não é segredo pra ninguém que Maurão anseia em ser ungido candidato pelos peemedebistas à sucessão de Confúcio Moura. Acir e Confúcio estão mais aliados do que antes, e caminham para manter essa união nas eleições de 2018.

Embate
Embora evite antecipar projetos políticos pessoais, Confúcio Moura deverá disputar uma vaga senatorial. Quem não vê com bons olhos os movimentos do governador mirando as eleições de 2018 é o senador Valdir Raupp, candidato a um novo mandato. Este embate tende a colocar os dois peemedebistas em campos opostos. Razão pela qual a aliança de Moura com Acir seja estratégica na hipótese do governador ser compelido a mudar de partido para concretizar seu projeto em 2018.

Adesismo
Está havendo um adesismo significativo em direção ao PMDB, visando às eleições municipais. O ingresso em massa ao PMDB reflete a preocupação com financiamento nestas eleições que, depois da Lava Jato, afugenta empresários dispostos a contribuir. Os novos filiados ao PMDB sonham em utilizar a máquina estadual em seus pleitos para compensar a falta de financiadores de campanha. Falta combinar com os "Russos". .


Reencontro
A candidatura do professor Ari Ott à reitoria da Unir é um reencontro com a própria história da universidade. Trata-se de um dos melhores intelectuais da academia que conhece como ninguém as entranhas da Unir. Hoje, com mais idade e experiência, Ott tem condições de dar continuidade aos avanços alcançados pela universidade rondoniense no ensino, pesquisa e extensão - tripé indispensável para se construir uma boa educação.

Esculhambação
Depois do episódio envolvendo a ex-secretária de saúde do município de Candeias do Jamari, que simulou um suposto sequestro, a crise política se instalou definitivamente no município com sucessivas informações de renúncia. O atual prefeito “Careca” anunciou hoje renúncia deixa a prefeitura para o presidente da Câmara Municipal. Alega, em reservado, pressões nada convencionais dos ilustres vereadores. Pressões essas que a população e os órgãos de controle deveriam ser avisados. O paço municipal virou “casa de mãe Joana”.


Síndrome
O suposto sequestro foi desmascarado pela polícia e a ex-primeira dama e ex-secretária de saúde não confessou os motivos pelos quais simulou o crime depois que apareceu misteriosamente a trezentos e sessenta quilômetros da capital, em Guajará-Mirim. Onde contou uma versão permeada de contradições e invencionices. Embora tenha passado horas na companhia do suposto sequestrador, não conseguiu identificá-lo nem relatar uma única característica pessoal que corroborasse com a versão. Este fato lembra outro ocorrido na Suíça que ficou mundialmente conhecido como “Síndrome de Estocolmo”.


Indecisão
Um mês atrás esta coluna informou que a deputada federal Mariana Carvalho (PSDB) não seria candidata à prefeitura de Porto Velho o que gerou uma nota provocativa e atrevida contra este escriba da assessoria da parlamentar. A mesma fonte tucana que havia assegurado à coluna que Mariana não seria candidata revelou ontem, em “off”, que ela solicitou uma reunião no próximo sábado com o diretório tucano para tomar uma posição definitiva e a tendência seria anunciar que é candidata à sucessão de Mauro Nazif. A indefinição da deputada tem deixado os tucanos da capital com o bico torto, pois desconfiam que perto da convenção Mariana Carvalho desista de concorrer mais uma vez. Como dizia Ulisses Guimarães, “Política é como nuvem: muda conforme os ventos”. O pior é que biruta de aeroporto também!


Caindo fora
Lindomar Garçon, deputado federal do PMDB de Rondônia, decidiu se desfilar da legenda para ingressar no PRB, agremiação com ligações fortes com o bispo Edir Macedo. Garçon é um dos parlamentares da Câmara tido como voto certo a Eduardo Cunha numa eventual votação de cassação do mandato do deputado carioca por decoro caso o processo siga seu curso. Com ligações políticas fortes no Candeias, esta poderá ser a primeira eleição no município que eleja um prefeito sem vinculações com Garçon.


Piloto
Quem também está trocando de legenda é o deputado federal Marco Rogério, atual relator do processo que pede a cassação de Eduardo Cunha. Marco deixa o PDT para se filiar ao DEM, partido que mais definhou desde o final da ditadura militar. Dizem que o parlamentar está tirando o brevê já que adquiriu uma moderna aeronave para cortar os céus de Rondônia.


Bravatas
O Departamento de Estradas e Rodagens parece que parou de vez e as obras anunciadas ficam apenas nas promessas do bravateiro de plantão. Exemplo é a obra inacabada do Espaço Alternativo que continua paralisada. Apesar das promessas do diretor do órgão que até agora não justificou a nomeação.

Tour
Dizem que a autoridade municipal da capital está organizando tour para os munícipes interessados em conhecer os buracos de Porto Velho, além das alagações. Mauro Nazif vai entrar para a história do município como o alcaide amis inoperante que sentou na cadeira da prefeitura municipal. Os antecessores que saíram com as

(1) 2 3 4 ... 45 »