Mais Notícias - Uma bomba contas de Eduardo, opinam políticos e magistrados - Notícias
« 1 ... 3 4 5 (6) 7 8 9 ... 3713 »
Mais Notícias : Uma bomba contas de Eduardo, opinam políticos e magistrados
Enviado por alexandre em 14/05/2019 08:25:14

Devassa nas contas de Flávio tem potencial ‘avassalador’, avaliam políticos e magistrados

Daniela Lima – Painel - Folha de S.Paulo

A abrangência da quebra dos sigilos fiscal e bancário do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) chamou a atenção de políticos e magistrados que observam, de longe, o desenrolar das investigações no Rio. Integrantes de órgãos de controle chamaram de “avassaladora” a devassa de mais de dez anos nas contas do filho do presidente, de sua mulher e de mais de 80 ex-funcionários, entre eles Fabrício Queiroz. A amplitude do material indica apuração de vida muito longa —e várias ramificações.

Cartomante - A quebra dos sigilos de Flávio, revelada pelo jornal O Globo, foi rapidamente associada por políticos ao “tsunami” anunciado por Jair Bolsonaro na semana passada. Integrantes de partidos de centro e centro-direita disseram que pai e filho, se antecipando à ofensiva, deram indícios de que houve vazamento.

Havia expectativa entre integrantes do Ministério Público do Rio que não atuam no caso de uma ação ainda mais incisiva sobre Fabrício Queiroz, como um pedido de prisão. Em local incerto desde o início do ano, Queiroz é apontado como a ponte entre o gabinete de Flávio e familiares de milicianos.



Delator cita Maia. “É mentira dele” diz deputado

Estadão - Coluna de Fausto Macedo

Um dos donos da Gol Linhas Aéreas, o empresário Henrique Constantino afirmou em delação premiada ter repassado R$ 7 milhões em propina a pedido do ex-presidente da República Michel Temer e de integrantes da cúpula do MDB. O empresário também cita “benefícios financeiros” pagos ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Além de Maia, foram citados como beneficiários o ex-senador e atual presidente do MDB, Romero Jucá (RR), o senador Ciro Nogueira (PP-PI), além dos ex-deputados Vicente Cândido (PT-SP), Marco Maia (PT-RS), Edinho Araújo (MDB-SP), Otávio Leite (PSDB-RJ) e Bruno Araújo (PSDB-PE), entre outros.

COM A PALAVRA, RODRIGO MAIA

Maia disse que Constantino está mentindo e que esse será “mais um” dos casos de investigação arquivada. “Nunca me pagou nada, isso é mentira dele. Não tem como provar e vai ser mais um inquérito arquivado na justiça brasileira”,

“Nunca tive relação com ele, nunca tive nenhum benefício deles. Como outras delações que já foram arquivadas, como da Odebrecht, essa vai ser arquivada também”, complementou o presidente da Câmara. Maia disse que não conhece o empresário e que vai dar explicações à Justiça com “a maior tranquilidade do mundo”. “Nunca falei com ele na minha vida”, afirmou.



Furioso com rasteira que levou do filho do presidente

Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo

O senador Major Olimpio (PSL-SP), que presidiu o partido em São Paulo até o final de abril, disse que ficou chateado com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O filho do presidente era vice de Olimpio e assumiu recentemente a legenda estadual. Eduardo disse em suas redes sociais que vai “moralizar o partido”. 

Fomos nós - “Eu estava dirigindo a executiva estadual e ele [Eduardo] era o meu vice. Segundo a manifestação dele, nós praticamos ou deixamos que se praticasse alguma imoralidade”, diz Olímpio.

Mais Notícias : Bolsonaro manobra para Moro não abandonar o barco
Enviado por alexandre em 13/05/2019 08:05:35

Aceno de Bolsonaro a Moro com vaga no STF dá força à discussão no Congresso para retardar aposentadoria de ministros

Daniela Lima – Painel – Folha de S.Paulo

A pretensão de indicar o ministro Sergio Moro (Justiça)para a primeira vaga que for aberta no Supremo, anunciada por Jair Bolsonaro neste domingo (12), pode ser frustrada pelo Congresso. Integrantes do STF foram avisados de que uma nova revisão da chamada PEC da Bengala está sendo discutida por deputados e senadores. A ideia é incluir no texto da reforma da Previdência uma emenda que eleva a idade de aposentadoria obrigatória de ministros da corte de 75 para 80 anos.

Na magistratura, a fala de Bolsonaro foi interpretada como um “sossega leão” no ministro da Justiça. A avaliação é o que presidente quis afagar Moro e impedi-lo de, diante das dificuldades que enfrenta, abandonar o governo tão cedo. A medida está sendo rascunhada por caciques do Congresso há algumas semanas

 A fala do presidente em entrevista ao programa do jornalista Milton Neves, da rádio Bandeirantes, neste domingo, tende a dar gás ao movimento. Se aprovada, a medida pode estender a permanência dos ministros Celso de Mello e Marco Aurélio Mello na corte. Pela regra atual, eles teriam de deixar o STF em 2020 e 2021, respectivamente.



Deputado governista teria dito: “Só bandido na Câmara?”

O PSL subiu o tom nas redes sociais para atacar o Centrão no fim de semana. No entorno de Rodrigo Maia, dizem que ele não gostou de saber que Major Vitor Hugo(PSL) supostamente afirmou só haver “bandido na Câmara”.

O PSL prefere correr o risco de não aprovar (ou aprovar no laço) a MP a se indispor com seu eleitor. Mas tem de combinar com o Planalto, que faz jogo dúbio.

O sentimento foi reforçado depois de dura reunião da bancada do PSL no Planalto com o presidente, solicitada pelos próprios parlamentares. (Estadão – Coluna)



Líderes temem embate público com Moro

Coluna do Estadão - Alberto Bombig

A forma como a MP que redesenha a Esplanada – e tira o Coaf de Sérgio Moro – vem sendo tratada na Câmara ligou um sinal de alerta em líderes do Centrão e adjacências.

Alguns já dizem que, se não houver acordo, a medida não vai para plenário

 Não querem o desgaste de derrotar Moro em uma longa sessão, transmitida ao vivo em redes sociais dos deputados tuiteiros. O PSL sabe que, matematicamente, não tem chances de ajudar o ministro.

Mas usa a tática de insistir no discurso eleitoral e deixar a digital do Centrãona provável derrota de Moro.

Mais Notícias : Após perder o Coaf, Moro falta responder se fica ou não
Enviado por alexandre em 10/05/2019 08:25:19

Após perder o Coaf, Moro falta responder se fica ou não

O comando do Coaf, que controla as atividades financeiras do país, foi uma das condições colocadas por Sergio Moro a Bolsonaro para assumir o Ministério da Justiça.

Questionado, via assessoria, se poderia deixar o cargo caso o órgão volte para o Ministério da Fazenda, Moro não respondeu até o fechamento da coluna.

Já o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, começará nos próximos dias a reestruturar o Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, coordenado hoje pelo ambientalista Alfredo Sirkis. (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)



Moro derrotado

A comissão mista que analisa a reforma administrativa do presidente Jair Bolsonaro (PSL) aprovou, ontem, o destaque que retira o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) da pasta da Justiça para retornar ao Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes. Foi uma derrota para o ministro Sergio Moro, que passou os últimos dias em reuniões com parlamentares para manter o controle do Coaf. Vários parlamentares citaram Moro em seus discursos, ressaltando o empenho do ministro.

“O ministro Sergio Moro deveria fazer a articulação política do governo, porque ele virou uns dez votos aqui nessa comissão. Mas a mim ele não convenceu”, disse Elmar Nascimento (DEM-BA). “Tivemos uma boa conversa, mas eu expliquei a ele que seria uma decisão partidária”, completou Camilo Capiberibe (PSB-AP). Foram catorze votos “Sim” e onze “Não”. Uma abstenção.

Parlamentares do Centrão e da oposição se juntaram para tirar o Coaf das mãos de Moro e se articularam para impor uma derrota ao governo. Assinaram o requerimento que devolve o órgão para o Ministério da Economia líderes de PT, PRB, PTB, PP, MDB, Pode, PSC, DEM, PR, Solidariedade e Patriotas. O ministro da Justiça e Segurança Pública já disse mais de uma vez que deseja que o Coaf permaneça sob sua pasta.

Na última semana, afirmou que o conselho estava “esquecido” no Ministério da Fazenda e garantiu que o ministro Paulo Guedes, da Economia, não quer o Coaf.  “Guedes não quer o Coaf, ele tem uma série de preocupações, tem a reforma da Previdência. A tendência lá é ele (Coaf) ficar esquecido e na Justiça temos ele como essencial”, disse. Se Moro tivesse dignidade entregaria o cargo. Sem o Coaf, órgão que controla a movimentação de contas e combate à lavagem de dinheiro seu poder sofre um tremendo abalo.

Moro já errou, aliás, ao aceitar o convite de Bolsonaro. Como juiz que mandou Lula para o xadrez, era tratado e revenerado como herói nacional. Agora, virou subalterno de um desgoverno. Bolsonaro parece uma batata tonta, se elegeu na onda antipetista, revela despreparo e desconhece a chamada liturgia do cargo.

Bezerra sai arranhado – A comissão de deputados e senadores também aprovou a transferência da demarcação de terras indígenas para a Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão que pelo relatório do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) volta ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, pasta comandada por Sergio Moro. A mudança foi aprovada por 15 votos a 9.O relator, porém, havia proposto que a demarcação continuasse com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), vinculado ao Ministério da Economia, o que foi rejeitado pelo colegiado. O relatório também precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado.



Pesquisa: desempenho do governo caindo mais

Nova rodada de pesquisa da XP Investimentos dá sinais de que a avaliação do governo segue em declínio.

O percentual que vê a gestão Bolsonaro como boa ou ótima ficou estável (35%), mas o índice dos que a classificam como ruim ou péssima oscilou quatro pontos, de 26% para 31%, de abril para cá.

A nota dos integrantes do governo que foram avaliados caiu –inclusive a de Sergio Moro, de 7,3 em janeiro para 6,5. A do presidente recuou de 6,7 para 5,7. Há só uma exceção: Hamilton Mourão. Tinha 5,5 e agora tem 5,6. (Daniela Lima – FSP)

Mais Notícias : Guru Bolsonaro deu um tiro no pé
Enviado por alexandre em 09/05/2019 08:20:47

Guru Bolsonaro deu um tiro no pé

O ex-comandante do Exército chamou para si a defesa dos militares e o embate com Olavo de Carvalho. Assessor especial do GSI, o general postou foto ao lado de Santos Cruz, nesta quarta. Um deputado da oposição viu a imagem e disse: “O guru do Bolsonaro deu um tiro no pé”.

Deputados articulam derrubar na Câmara a condecoraçãoconcedida por Bolsonaro a Olavo de Carvalho.

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), diz que vai colocar Villas Bôas e Olavo de Carvalho em contato nesta quinta (9). “Passou da hora de pacificar. Olavo e os militares são muito importantes para o governo. Ninguém ganha com essa briga”, afirma.  (Daniela Lima – Folha)



Porta-voz rouco

O papel do porta-voz, general Otávio Rêgo Barros, também pode ser reduzido .

Estuda-se algo mais burocrático, diminuindo as atribuições que ele tem hoje e são típicas de um secretário de imprensa.

Já a passagem do general Villas Bôas pelo Congresso, nesta quarta (8), foi marcada por atos de desagravo.

Além do ministro Sergio Moro (Justiça), parlamentares de diversas siglas fizeram questão de dirigir deferências a ele.(Painel – Folha)



Cidades: centro e centro-direita insatisfeitos

Presidentes de siglas de centro e centro-direita dizem que a decisão de Bolsonaro de recriar o Ministério das Cidades e entregar a articulação política ao Congresso melhora a relação, “mas não resolve”. “É só o começo do processo”, adverte um deles.

Esses dirigentes dizem que “até que se conclua a reforma da Previdência, o presidente vai perceber que um ministério só não atende a quatro ou cinco partidos”.

O Planalto de fato avisou que Bolsonaro não topa desalojar o ministro Gustavo Canuto quando o Ministério do Desenvolvimento Regional for diluído. Já o nome de Alexandre Baldy (PP-GO) para o de Cidades foi chancelado pelo presidente. 

Mas o governo apresentou um pacote completo aos dirigentes partidários. A Casa Civil abriu programas em seis ministérios —Educação, Saúde, Agricultura, Cidades, Integração Nacional e Cidadania— para escoar verbas demandadas por políticos.   (Folha)

Mais Notícias : Palavra de Bolsonaro não vale nada
Enviado por alexandre em 08/05/2019 08:02:49

Palavra de Bolsonaro não vale nada

Mais uma promessa de campanha do presidente Bolsonaro subiu no telhado: a redução do número de ministérios pela metade. Ontem, após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), anunciou que o Ministério do Desenvolvimento Regional será dividido em dois e serão recriados os ministérios das Cidades e da Integração Nacional.

O Governo já tem 22 ministérios, sete a mais do que o prometido inicialmente pelo presidente. Dezesseis pastas ficam na Esplanada, quatro no Palácio do Planalto e outros dois são transitórios. A Advocacia-Geral da União (AGU) e o Banco Central (BC), mais na frente, devem perder o status após mudanças legislativas. Ao fundir ministérios, a intenção anunciada pelo presidente foi reduzir custos.

Em alguns casos, porém, a unificação redundou em perda de protagonismo. Na pré-campanha, Bolsonaro disse que transformaria o Ministério da Cultura em uma secretaria, porque a pasta seria “apenas centro de negociações da Lei Rouanet”. A Cultura acabou sendo integrada ao Desenvolvimento Social e a Esportes no novo Ministério da Cidadania.

A escalação do Ministério foi marcada por idas e vindas e indefinições quanto ao novo organograma. O destino da Fundação Nacional do Índio (Funai), por exemplo, foi um impasse. Alvo de críticas de Bolsonaro e área constante de entraves que costumam resultar em protestos, a fundação virou pivô de um jogo de empurra. Atualmente ligada ao Ministério da Justiça, a Funai esteve cotada para ser transferida para as pastas da Cidadania, da Agricultura e acabou nos Direitos Humanos.

A articulação política, por sua vez, foi disputada entre a área militar e o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que ganhou a disputa. Com o aumento de pastas, o Governo, na verdade, se rende à velha política de loteamento de cargos para tentar aprovar a reforma da Previdência que tramita na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. O Centrão, o MDB e PP estão travando uma batalha no Congresso pelo arrebate dos novos ministérios.

O nó do COAF – Integração Nacional e Cidades tinham sido extintos na reestruturação feita pelo governo Jair Bolsonaro, que reduziu de 29 para 22 o número de ministérios. Parlamentares de partidos como MDB, DEM e do bloco chamado "Centrão" estavam pressionando o Planalto pelo aumento do número de ministérios a fim de atender às demandas por indicações políticas. Em troca, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) permaneceria subordinado ao Ministério da Justiça e Segurança, de Sérgio Moro – grupos de parlamentares pretendiam que o órgão fosse para o Ministério da Economia. Não é certo, entretanto, que o órgão permaneça com Moro porque depende de votação no plenário da Câmara e Senado.


Militares vão perder?

Aviso aos navegantes militares: Olavo Bolsonaro não vai perder

Helena Chagas

Dificilmente esse jogo terminará num empate, ou seja, numa composição, ou acomodação, duradoura entre os militares e os olavistas no governo Bolsonaro. Afinal, é uma briga desigual, na qual, por incrível que pareça, as Forças Armadas perdem para o guru Olavo de Carvalho – cujo outro nome é Eduardo Flavio Carlos de Carvalho, ou Olavo Bolsonaro. O presidente da República mostrou que está com os filhos e não abre.

Ontem, depois do twitter do ex-comandante do Exército Eduardo Villas Boas, uma espécie de aviso de que os militares têm limites para o desrespeito, o navegante Bolsonaro deu declarações contemporizadoras. Mas não duraram uma noite.

Já de manhãzinha, lá estava o presidente postando no Twitter  que continua “admirando o Olavo”, chamando-o de “ícone”  e repetindo que sua obra colaborou muito para que ele chegasse ao governo. Mesmo depois de o guru ter tuitado novas mensagens grosseiras contra os militares, fazendo alusão inclusive à doença que prende hoje Villas Boas a uma cadeira de rodas.

E assim as coisas devem prosseguir. Bolsonaro vai e vem, dá declarações apaziguadoras e depois assina embaixo das ofensas de Olavo. Não vai mudar, porque Olavo é seu filho, ou seus filhos…

Os militares estão perdendo a parada, e é grande a apreensão no meio político. Irá Santos Cruz tolerar os xingamentos diários? Vai aceitar perder a Secom, como quer a ala olavista, e ficar na Secretaria de Governo? E a guerra na Apex, cujo último movimento foi a demissão dos olavistas pelo Almirante Segovia? Isso não vai ficar assim.

Todo mundo se indaga o que os militares vão fazer. Continuar no governo sendo desmoralizados um dia sim, outro também? Sair do governo, o que seria um desastre maior ainda, de consequências imprevisíveis? Não ficar nem sair, deixando a decisão a cargo de cada um, mas arcar com o ônus de um fracasso do governo, desgaste que recairia sobre as Forças Armadas?

Ninguém sabe responder isso hoje, e cresce a sensação de que não há solução confortável à vista para esse impasse. Só a desconfiança de que não haverá desfecho bom, e mais perguntas.

Uma delas é o que acontecerá com o governo e sua capacidade de criar crises – e nunca soluções – quando a conjuntura das ruas, até agora favorável a Bolsonaro, mudar? Isso pode estar mais próximo do que se pensava, se levarmos em conta as manifestações de estudantes do início desta semana.


Novos ministérios: saíram a fórceps

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Coluna do Estadão – Alberto Bombig

O acordo entre governo e presidentes da Câmara e do Senado para o desmembramento do Ministério do Desenvolvimento Regional em duas pastas, Cidades e Integração Nacional, começou a ser costurado pelos relator da MP 870, Fernando Bezerra, no domingo, e foi selado na manhã de ontem, em reunião entre Jair BolsonaroDavi Alcolumbre e Rodrigo Maia.

Além de ter sinalizado sinergia e celeridade, algo raro até agora na gestão Bolsonaro, ele é uma demonstração do Planalto de que começa a jogar o jogo da chamada política tradicional.

No início, Jair Bolsonaro demonstrou resistência à recriação dos ministérios. Onyx Lorenzoni ajudou a dobrá-lo.

Líderes no Congresso ainda estão ressabiados, apesar da sinalização positiva do Planalto. Acham que até agora só os presidentes das Casas foram contemplados.

A MP recebeu mais de 500 emendas e muitas queriam recriar pastas, como Cultura e Esporte. Davi Alcolumbre, aliás, sempre disse ser favorável à volta de Cidades. Foi uma contenção de danos diante de derrota iminente.

« 1 ... 3 4 5 (6) 7 8 9 ... 3713 »