Câmara aprova texto que garante merendas a alunos mesmo sem aulas - Regionais - Notícias
Regionais : Câmara aprova texto que garante merendas a alunos mesmo sem aulas
Enviado por alexandre em 26/03/2020 10:31:23


O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (25) a proposta que garante merenda escolar durante período de suspensão das aulas em decorrência da pandemia do coronavírus. O texto vai para análise no Senado Federal.

Aprovado por unanimidade em votação virtual, o Projeto de Lei nº 786/20 autoriza estados e municípios a destinar os ingredientes das merendas às famílias desses alunos.

Apesar de o posicionamento do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), ser contrário ao fechamento das escolas, o líder do governo na Casa, major Vitor Hugo (PSL-GO), e o filho do presidente Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foram favoráveis à medida.

De autoria do deputado Hildo Rocha (MDB-MA) e da deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), o texto altera o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

O sistema de merendas escolares está sob gestão do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e destina parte dos recursos para os lanches dos alunos da rede pública da educação básica.

De acordo com o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, o governo federal deve usar aviões da FAB para entregar equipamentos de proteção individual, como máscaras, às secretarias de saúde dos estados do norte e nordeste.

“Cerca de 30% das máscaras que já conseguimos foram encaminhada aos estados. Todos receberam menos o Norte e Nordeste, pela dificuldade em encontrar voos — muitos foram cancelados ou já estavam cheios. Para não perder mais tempo, a primeira leva foi de caminhão. Em função do atraso, a segunda remessa vai de avião e já solicitamos apoio da FAB”, afirma Gabbardo.

Segundo ele, a ideia é abastecer os estados semanalmente. O Ministério da Saúde pretende adquirir, por licitação, ainda 240 milhões de máscaras. As informações foram repassadas em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (25) em Brasília.



O presidente Jair Bolsonaro liberou crédito de R$ 3 bilhões para o programa Bolsa Família. A decisão foi por meio da Medida Provisória nº 929/2020, publicada em edição extra do Diário Oficial da União desta quarta-feira (25).

Eis a íntegra da MP.

Pelo Twitter do Ministério da Cidadania, o ministro Onyx Lorenzoni afirmou que mais de 1,2 milhão de famílias serão incluídas no programa, totalizando 14,3 milhões de famílias e 57 milhões de pessoas beneficiadas. O número seria, segundo ele, “um recorde histórico”.

No total, a MP destina R$ 3,4 bilhões para mitigar o impacto da covid-19 no Brasil para os seguintes ministérios:

  • Relações Exteriores: R$ 62 milhões;
  • Defesa: R$ 220 milhões;
  • Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações: R$ 100 milhões, para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico;
  • Cidadania: R$ 3,04 bilhões para a inclusão de famílias no Bolsa Família.

As medidas provisórias passam a valer com força de lei a partir da sua publicação. Elas perdem a validade se não forem votadas pelo Congresso em 60 dias, prazo prorrogável por igual período.

Foi o que aconteceu, também nesta quarta-feira (25), com a MP que tornava o pagamento do 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família uma política permanente. O texto estava na pauta da semana passada da Câmara dos Deputados, mas acabou não sendo votado devido às discussões sobre o surto de covid-19 no Brasil e perdeu a validade.

No início da semana, a Advocacia Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que os prazos das MPs fossem prorrogado em virtude da pandemia. A AGU quer que a contagem do prazo seja suspensa inicialmente por 30 dias, conforme ocorre no recesso do Congresso.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo