(1) 2 3 4 ... 62 »
Coluna Qualidade de Vida : Saiba qual mineral cuida do coração e ajuda a fortalecer os músculos
Enviado por alexandre em 12/04/2024 09:58:12

Este mineral está presente em uma grande variedade de alimentos e traz inúmeros benefícios para a saúde. Confira!

 Não é novidade que uma alimentação equilibrada precisa fornecer todos os nutrientes necessários ao corpo. Por isso, é importante ficar atento à proporção de macro e micronutrientes em cada refeição. O potássio, por exemplo, é um mineral que traz inúmeros benefícios para a saúde.

 

Embora a maioria das pessoas associe o potássio à recuperação muscular, essa não é sua única propriedade. Esse mineral é essencial para regular o equilíbrio de fluidos e a pressão arterial, além de manter a função cardíaca e preservar a densidade óssea, fortalecendo os músculos.

 

Um estudo feito na Universidade Southwestern, no Texas (EUA), apontou que os níveis baixos de potássio podem causar retenção sódica e hídrica, diminuindo a excreção de sódio pela urina. A boa notícia é que é simples repor os níveis por meio da dieta, uma vez que há uma variedade de alimentos que contêm esse mineral.

 

Veja também

 

Americana morre na Espanha após 'sexo extremo' com o marido, que foi preso

 

Motoristas escondem mais de 250 kg de drogas em carros e acabam presos

 

Vale lembrar que a banana não é a única fonte de potássio. De acordo com o Banco de Dados Espanhol de Composição de Alimentos (BEDCA), alguns alimentos também entram na lista, como soja, feijão branco, pistache, quinoa, castanha, aveia e coco fresco.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram

 

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que os adultos consumam, no mínimo, 3.510 mg de potássio por dia.

 

Fonte: Metrópoles

LEIA MAIS

Coluna Qualidade de Vida : Exercícios para o assoalho pélvico beneficiam homens, mostra pesquisa
Enviado por alexandre em 11/04/2024 09:25:49

O escape de urina costuma aparecer a partir dos 30 anos. Pesquisadores defendem fortalecimento do assoalho pélvico para evitar o problema

O fortalecimento do assoalho pélvico pode resolver problemas de escape urinário em homens, mostrou um estudo clínico realizado na Alemanha. Os resultados da pesquisa foram apresentados, nesta segunda-feira (8/4), no Congresso da Associação Europeia de Urologia, que ocorre me Paris, na França.

 

Pesquisadores do Hospital Universitário de Freiburg recrutaram 237 homens com mais de 18 anos que sofriam de incontinência urinária. Os participantes foram convidados a registrar seus hábitos de micção e também preencheram questionários sobre a gravidade dos sintomas e como isso impactava a vida deles.

 

Parte do grupo recebeu um aplicativo que ensinava exercícios de fortalecimento para o assoalho pélvico e direcionava os usuários para mudanças de hábitos com técnicas de terapia comportamental. A outra parte utilizou o tratamento medicamentoso convencional. Nos homens, a região conhecida como assoalho pélvico está na base da pélvis e é limitada pelo osso púbico e na parte detrás pelo coxis.

 

Veja também 

 

Frutas engordam? Elas podem ser vilãs em uma dieta?

 

É normal ter enxaqueca depois de um orgasmo? Entenda condição

 

Os exercícios para assoalho pélvico podem ser realizados de três maneiras – deitados, sentados ou de pé – e consistem em séries de repetições que buscam a contração da musculatura pélvica. Após 12 semanas, a pesquisa realizada na Alemanha encontrou uma melhora significativa nos sintomas e na qualidade de vida dos participantes que adotaram a jornada de exercícios em comparação com os relatos dos voluntários que ficaram no grupo controle.

 

Exercícios de Kegel - Saúde em Pauta - Unimed Nacional

( Foto: Reprodução)

 

Os sintomas de incontinência urinária costumam aparecer a partir dos 30 anos e afetam uma grande proporção de homens maiores de 50. Embora as diretrizes clínicas recomendem fisioterapia, terapia comportamental e mudanças no estilo de vida como o tratamento de primeira linha, elas são frequentemente negligenciadas pelos médicos devido à falta de evidências disponíveis.Os medicamentos à venda, por sua vez, possuem vários efeitos colaterais e a cirurgia só é recomendada para os que sofrem com sintomas graves.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram

 

“Os limitados medicamentos que temos disponíveis não são adequados para estes pacientes devido aos seus efeitos colaterais. Para aqueles com sintomas urinários leves a moderados, a terapia digital, que não tem efeitos colaterais, melhora os sintomas em uma magnitude nunca vista antes”, afirmou o professor Christian Gratzke, do Hospital Universitário de Freiburg, que liderou a pesquisa. 

 

Fonte: Revista IstoÉ

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Coluna Qualidade de Vida : Não coma! Nutricionista revela os 5 piores ingredientes para o coração
Enviado por alexandre em 10/04/2024 14:55:09

A nutricionista estadunidense Brierley Horton listou quais são os cinco piores ingredientes para a saúde do coração. Saiba o que evitar!

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em todo o mundo. No Brasil, os problemas cardíacos estão associados a 30% dos óbitos, índice que corresponde a 400 mil vítimas por ano, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Entre os fatores que afetam o coração, estão a genética e o estilo de vida, o que inclui a alimentação.

 

A nutricionista estadunidense Brierley Horton listou quais são os cinco piores ingredientes para a saúde do coração em um artigo compartilhado no portal EatingWell. A especialista em dietética e ciência alimentar pela Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, sugeriu evitar consumir ou adicionar determinadas substâncias nas refeições.

 

Veja também 

 

Nova vacina previne infecção urinária recorrente

 

Em roda de conversa, SES-AM discute seletividade alimentar em crianças autistas no Caic Alberto Carreira

1. SAL

 

De acordo com a nutricionista, cortar o sal — mineral composto principalmente por cloreto de sódio — das refeições ajuda a reduzir a pressão alta e, também, o risco de desenvolver hipertensão, acidente vascular cerebral (AVC) e doenças cardiovasculares.O consumo excessivo da substância está ligado a cálculos renais, osteoporose e câncer de estômago. Segundo a Brierley, um método fácil para diminuir a ingestão de sal é não colocá-lo se não sentir o gosto.

 

“Jamais adicione à água fervente para macarrão ou batata, mas sim ao prato no final do cozimento, quanto o impacto será mais forte”, indicou.Outra recomendação da especialista em ciência alimentar para diminuir a ingestão de sal requer a substituição de alimentos processados ricos em sódio por opções frescas. Ela aconselhou recorrer a alimentos com rótulos que tenham os termos “baixo teor de sódio” ou “sem adição de sal”.

 

2. GORDURA SATURADA

 

Manteiga, queijos, requeijão, creme de leite integral, maionese e determinados cortes de carne recheiam a lista de alimentos ricos em gordura saturada. Conforme explicou a nutricionista, pesquisas publicadas mostraram a associação entre comer opções fontes desse tipo de gordura e o risco de doenças cardíacas.

 

Foto de manteiga em diversos formatos sobre pratos, que estão em cima de uma toalha xadrez - Metrópoles

 

Pela orientação da American Heart Association, um indivíduo com uma dieta de 2 mil calorias deve consumir até 22 gramas de gorduras saturadas por dia. Já pacientes que apresentem colesterol alto precisam se atentar a ingerir entre 11 a 13 gramas diariamente.

 

3. AÇÚCARES ADICIONADOS

 

“A maioria de nós come muito açúcar adicionado. Se fizermos disso um hábito regular, será uma má notícia para o nosso coração e também para a nossa saúde em geral”, salientou a especialista em dietética. Ela enfatizou a respeito da substância “provocar inflamação no corpo” e, consequentemente, aumentar o risco de desenvolver doenças cardíacas e diabetes.A expert em nutrição declarou que está permitido ingerir “um pouco de açúcar adicionado todos os dias“.

 

Foto colorida. Blocos de açúcar em uma colher

 

No caso, é necessário limitar a ingestão de 5% das calorias diárias provenientes da substância. “Para alguém que segue uma dieta de 2 mil calorias por dia, equivale a 25 gramas ou cinco colheres de chá. No máximo, não deve ultrapassar 10% do total”, acrescentou.A nutricionista alertou que essas recomendações valem apenas para os açúcares adicionados por fornecerem calorias e nada de valor nutricional, presente na maioria das vezes em produtos processados. O mesmo não ocorre para o açúcar obtido em alimentos saudáveis, a exemplo de frutas.

 

4. GORDURA TRANS

 

Na avaliação da nutricionista, a gordura mais fácil de limitar ou evitar na dieta é a trans. A expert relatou que esse tipo de gordura é “bastante prejudicial à saúde do coração” por aumentar significativamente o colesterol ruim e reduzir o colesterol bom. Brierley Horton ressaltou sobre ler os rótulos mesmo os que tenham a expressão “zero gordura trans”.

 

Foto de tábua com presunto, biscoito e azeitonas - Metrópoles

 Fotos: Reprodução

 

A especialista ensinou um truque: “A quantidade por porção pode ser inferior a 0,5 gramas e, por isso, pode ter sido arredondada para zero. Portanto, a única maneira de ter certeza de que você está obtendo um produto sem gordura trans é na lista de ingredientes Se você ver óleo parcialmente hidrogenado, o alimento contém gordura trans”.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram

 

5. CARNES PROCESSADAS

 

Salame, bacon, presunto, salsicha, linguiça e qualquer outra carne conservada por defumação, salga ou adição de conservante é prejudicial para a saúde. “Pesquisas mostraram que comer regularmente carnes processadas aumenta o risco de morrer de problemas cardiovasculares em 34%”, sustentou a Brierley.

 

Fonte: Metrópoles

LEIA MAIS

Coluna Qualidade de Vida : Mente obesa: o impacto da alexitimia na sua relação com a comida
Enviado por alexandre em 08/04/2024 09:18:24

Em conversa com Paola Machado, Hélio e Andréia Tonelli, psiquiatra e psicóloga, revelaram o que é alexitimia e como ela afeta as pessoas com obesidade, tendo uma mente obesa comprometendo a relação com a comida.

Reconhecer o que sentimos, nossas emoções, é muito difícil, principalmente para quem tem dificuldades nessa percepção. A alexitimia é um condição que dificulta a pessoa de reconhecer os próprios estados emocionais, sendo muito recorrentes em quem tem obesidade, levando a uma piora do quadro.

 

Hélio e Andréia Tonelli, psiquiatra e psicóloga, fundadores da Córtex Educação, convidados do quadragésimo segundo episódio do Podcast Bem-Estar com Paola Machado, destacaram que a alexitimia é uma característica da mente obesa que, sem saber identificar o que está de fato sentindo, quais são suas emoções quanto a determinada emoção, acabam recaindo na comida, confundindo outras sensações com a fome.

 

“A alexitimia é uma das características da mente obesa. Então são pessoas que têm muita dificuldade em reconhecer os próprios estados emocionais, e não é só isso, eles confundem com fome. Então você imagina uma mãe com obesidade e com alexitimia, ela vai ter muita dificuldade em distinguir quando que o bebê está chorando, tá chorando de fome ou está chorando de outra coisa. Os bebês não choram só quando eles estão com fome”, revela Hélio.

 

Veja também 

 

DIA MUNDIAL DA SAÚDE: com o respirar, exercícios físicos transformam vidas e previnem doenças no Amazonas

 

7 alimentos que melhoram a saúde da pele e dos cabelos

Eles enfatizaram que essa relação que a mãe passa ao bebê com a comida acaba o acostumando a relacionar comida com conforto, dificultando o desenvolvimento de uma relação saudável com a alimentação.“Ela conforta tudo com comida”, diz Andréia.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram

 

Andréia é formada em psicologia, é pesquisadora de regulação emocional e comportamento e obesidade e atua como psicóloga e professora na pós-graduação da FAE. Hélio é formado em medicina pela faculdade evangélica, e em psiquiatria pela USP, com mestrado em farmacologia pela UFPR. É pesquisador de cognição social e sobre a interface obesidade comportamental. É professor na pós-graduação da FAE em Curitiba – PR. São fundadores da Córtex Educação.

 

Fonte: Revista Veja

LEIA MAIS

Coluna Qualidade de Vida : Câncer: os 5 alimentos que comprovadamente ajudam a diminuir o risco de tumores
Enviado por alexandre em 07/04/2024 12:44:42

Saiba quais são os alimentos recomendados por pesquisadores para a prevenção de câncer

Os cientistas têm uma boa ideia dos alimentos que devem ser evitados para reduzir o risco de câncer: carnes vermelhas, alimentos processados, álcool e bebidas açucaradas. Mas, de acordo com a pesquisadora de prevenção do câncer no Fred Hutchinson Cancer Center em Seattle, Johanna Lampe, saber o que comer nem sempre é fácil.

 

— Muitos estudos de nutrição dependem de pessoas lembrarem com precisão o que consumiram até um ano atrás e é complicado entender como alimentos individuais podem influenciar a saúde quando fazem parte de uma dieta maior. Estilo de vida, ambiente, hormônios e genes também precisam ser considerados — explica.

 

Segundo o vice-presidente de pesquisa no American Institute for Cancer Research em Washington, Nigel Brockton, nenhum alimento isolado pode prevenir o câncer por si só, mas seguir uma dieta saudável pode ajudar.

 

Veja também

 

7 alimentos que melhoram a saúde da pele e dos cabelos

 

Câncer silencioso: o que é preciso saber se os sintomas não são óbvios

Quais alimentos que ajudam a diminuir o risco de tumores?


Saiba quais são os alimentos que os especialistas dizem valer a pena incluir na dieta.

 

BRÓCOLIS 

 

Brócolis: características e benefícios - Brasil Escola

 

Segundo a pesquisadora Johanna Lampe, vegetais crucíferos — como brócolis, couve de Bruxelas, couve-flor e repolho — são ricos em isotiocianatos. Esses compostos vegetais ajudam as células a eliminar toxinas e se reparar, o que é crucial para a prevenção do câncer.

 

— Os brotos de brócolis, por exemplo, são ricos em isotiocianato sulforafano, que impulsiona as defesas naturais do corpo contra danos diários nas células. O composto tem sido associado à proteção contra vários tipos de câncer, inclusive de próstata, mama, bexiga e colorretal — acrescenta.

 

Pesquisas sugerem que consumir mais de quatro ou cinco porções de vegetais crucíferos por semana promove a redução do risco de câncer e outras condições crônicas.

 

TOMATES

 

7 curiosidades sobre o tomate - Blog do Pão

 

Estudos têm conectado há muito tempo os tomates ao risco reduzido de câncer de próstata, devido às abundantes reservas de licopeno: um antioxidante que confere aos tomates a sua cor vermelha. Mas, de acordo com a professora assistente de nutrição na Baylor College of Medicine, Nancy Moran, o licopeno pode ser apenas um dos muitos compostos que ajudam a defender o organismo contra o câncer de próstata, mama, pulmão e colorretal.

 

— Processar os tomates, como cortá-los ou cozinhá-los, ajuda na absorção do licopeno, que fica mais fácil do que quando os comemos crus. Consumi-los com gordura também ajuda. Comer os tomates cozidos, como em um molho ou com uma gordura saudável como azeite de oliva, pode aumentar os benefícios à saúde que obtemos — ela detalha.

 

GRÃOS INTEGRAIS

 

A substituição de alimentos do dia a dia por opções intergrais é recomendada por especialistas para reduzir o risco de câncer — Foto: Freepik

 

Os grãos integrais são ricos em fibras, vitaminas, minerais e compostos vegetais, que juntos podem reduzir o risco de câncer. De acordo com um estudo publicado em 2020 pelo Cancer Research UK, as reduções de risco para as grandes ingestões de grãos integrais variaram entre 5% e 12%. Em uma análise geral, a ingestão de 30g por dia de grãos integrais foi associada a um risco 7% menor de mortalidade por câncer.

 

Segundo o Instituto Americano de Pesquisa do Câncer, há fortes evidências de que comer pelo menos três porções de alimentos integrais por dia diminui o risco de câncer de cólon ou do reto. É recomendado trocar os alimentos do dia a dia, como pão, macarrão ou arroz, por alternativas integrais.

 

FRUTAS VERMELHAS

 

Podcast CBN - Frutas vermelhas: quais são seus benefícios? - Cristina Trovó

 

Frutas como morangos, mirtilos, cranberries, romãs e amoras são ricas em antioxidantes que ajudam a proteger as células do estresse e danos no DNA, que podem aumentar o risco de câncer.

 

— Compostos vegetais chamados antocianinas dão às frutas vermelhas suas cores vibrantes e sua capacidade anti-inflamatória. Reduzir a inflamação é importante, porque ela é um grande impulsionador do câncer — afirma Brockton.

 

A professora de nutrição clínica na Universidade do Maine, Dorothy Klimis-Zacas, explica que um número crescente de evidências sugere que certos compostos nas frutas vermelhas podem ajudar a reduzir a capacidade do câncer de se desenvolver, crescer e se multiplicar.

 

— Para obter os maiores benefícios anti-inflamatórios, o objetivo é consumir cerca de meia a uma xícara de frutas vermelhas frescas ou congeladas (idealmente orgânicas) por dia — indica Dorothy.

 

UVAS

 

Uvas - Videira - Espécies e Variedades, Benefícios - InfoEscola

Fotos: Reprodução


As uvas de tonalidade vermelha apresentam em sua casca grande concentração de uma substância chamada resveratrol. Estudos mostram que esse composto tem o potencial de impedir o início do câncer na mama, fígado, estômago e sistema linfático.


Segundo uma nova pesquisa publicada na revista Science Translational Medicine, o suco de uva vermelha é mais eficaz em doses menores na prevenção do câncer de intestino em ratos do que em doses altas. Um estudo publicado ano passado também sugere que o resveratrol demonstrou ter atividade anticancerígena, passando a ser considerado uma alternativa para o tratamento e prevenção de vários tipos de câncer.

 

Segundo uma nova pesquisa publicada na revista Science Translational Medicine, o suco de uva vermelha é mais eficaz em doses menores na prevenção do câncer de intestino em ratos do que em doses altas. Um estudo publicado ano passado também sugere que o resveratrol demonstrou ter atividade anticancerígena, passando a ser considerado uma alternativa para o tratamento e prevenção de vários tipos de câncer.

 



— Essa pesquisa não significa que tomar uma taça de vinho tinto reduzirá o risco de câncer, porque você não consegue separar o resveratrol do álcool. O aumento do risco de câncer associado ao álcool supera quaisquer possíveis benefícios do resveratrol — alerta Julie Sharp, chefe de Informações de Saúde do instituto britânico Cancer Research UK. 

 

Fonte: O Globo

LEIA MAIS

(1) 2 3 4 ... 62 »
Publicidade Notícia