Brasil - ACESSO - Notícias
(1) 2 3 4 ... 373 »
Brasil : ACESSO
Enviado por alexandre em 23/05/2017 08:44:38


Viajar para o Peru ficou mais fácil, confira as novas regras de imigração
No último dia 30 de março o governo peruano fez publicar o “Reglamento para el ingreso, salida y permanencia temporal de vehículos de uso particular para turismo” por meio do DECRETO SUPREMO Nº 076-2017-EF, documento que estabelece novas regras para os estrangeiros que viajam em veículos ao Peru e para os nacionais daquele país que desejam viajar ao exterior.

Para o advogado e empresário da EME Amazônia, Cassiano Marques de Oliveira, um dos pioneiros no processo de integração terrestre com o Peru, essa nova norma é um feito a ser comemorado: “Melhor notícia do ano para o motociclismo, moto turismo e integração entre o Brasil, via Acre, com o Peru. Feliz de ver que apelos que fizemos ao longo dos últimos anos deram resultados. O Peru passa a reconhecer o direito aos brasileiros em viajarem em veículos em nome de terceiros, inclusive alugados, e procedendo o registro prévio on line, facilitando sobremaneira o acesso aquele país. Viva o turismo e a integração!” declarou em sua página numa rede social.

“Essa luta não é de hoje e compartilho essa alegria com os amigos e empresários Osvaldo Dias e João Tagino que se alinharam nesse esforço. Nos últimos anos, juntos investimos recursos privados em viagens à Brasília, Lima, São Paulo, Iñapari sempre participando de reuniões e mantendo o tema na agenda política dos governos, visando a facilitação dos procedimentos e a liberação do ingresso de veículos em nome de terceiros que não o condutor,” declarou ao Acreaovivo.com.

Já o empresário Osvaldo Dias, diretor do Grupo Star e que há 25 anos promove viagens de integração com país da América do Sul, a medida vem ao encontro e anseio dos empresários que sempre tiveram dificuldades de passar com seus veículos registrados em nome das empresas na fronteira: “Com essa nova norma mais pessoas farão a viagem ao Peru pelo Acre, fortalecendo nossa economia e os negócios com os gastos dos viajantes. Agora será possível com a agilização do procedimento de forma on lineque se perca pouquíssimo tempo na fronteira e possa se chegar no mesmo dia à Cusco, saindo de Rio Branco”, disse Dias.

Osvaldo Dias e Cassiano Marques foram homenageados pela Embaixada do Peru no Brasil como amigos distintos daquele país, pelos seus esforços nos processos de integração.

O dono da Tagino Adventure, acreano radicado em Porto Velho e cuja empresa faz locação de motocicletas para viagem à países América do Sul, o empresário João Tagino também externou sua alegria: “essa notícia é muito agradável para nós motociclistas e principalmente para pessoas e empresas que são do ramo e que trabalham com o mototurismo, como a Eme Amazônia, a Tagino Adventure e Amazônia Adventure, entre outras. O Peru era o único entre os países da América do Sul que não permitia que um terceiro ingressasse com veículo em seu nome. Esse país é preparado para o turismo nas grandes cidades e destino e tem a preocupação de crescer corretamente nos novos serviços, combatendo a corrupção. Esse novo formato de internação vai permitir muito mais agilidade, facilitando grupos grandes, como os que conduzimos de 10, 12 pessoas ou mesmo grupos como as Expedições Interoceânicas que a Eme Amazônia e o Grupo Star promovem com dezenas de participantes. Até então permanecíamos 3 a 4 horas parados na aduana. Agora teremos uma Aduana ágil, correta, tratado com mais respeito os turistas, inclusive pelos agentes aduaneiros que não terão que perder tanto tempo nos processos de internação. Lembro quantos vezes estivemos eu, Cassiano e Osvaldo em reuniões em diversos lugares e muita vezes éramos mal interpretados pela veemência que defendíamos essa medida. Mobilizamos os amigos da política, deputados, senadores, governos estaduais e ministério do Turismo e de relações exteriores, representantes empresariais como Fieac e Fiero, cobramos, acionamos e acompanhamos diuturnamente e estamos muito, muito felizes com esse resultado e tenho certeza que isso vá aumentar o fluxo do moto turismo ao Peru e ao Brasil”, declarou Tagino.

Entenda as novas medidas

O Regulamento para o ingresso, saída e permanência temporária de veículos de uso particular para o turismo está disposto em 4 títulos, 15 artigos, 1 disposição complementar final e 2 disposições complementares transitórias e as novas regras têm vigência a partir do dia 29 de maio (60 dias contados a partir do dia seguinte a da publicação, conforme estabelece art. 2º do referido decreto).

A norma diz respeito ao ingresso, saída e permanência temporária de veículos de uso particular para o turismo, definindo como beneficiário o turista qualificado como tal na autorização de ingresso temporário outorgada pela Autoridade Migratória e aquele residente no Peru em que a migração autorize sua saída temporária do país.

Entre as novidades está a modificação no Certificado de Ingresso Temporário/ Saída Temporária a ser emitida não mais somente de forma física, mas também eletrônica por meio de acesso ao web site da Superintendência Nacional de Aduanas e Administração Tributária – SUNAT do Peru (vide passo a passo ao final).

A norma mantém a definição de que o ingresso do veículo permitido é de uso particular, ou seja, não se presta a veículos de frete, retribuição ou contraprestação (como utilizado mediante cobranças de passagens).

Outra medida de destaque é a definição de que o veículo pode ser de propriedade do beneficiário ou apenas encontra-se sob sua posse legal, superando a restrição anterior que não permitia a condução de veículo em nome de terceiros (pessoa física ou jurídica), distinta do turista. O item 4.1 do regulamento deixa claro as condições do governo peruano:

“4.1 Para o ingresso e permanência temporária no país dos veículos, o beneficiário deve apresentar a Administração Aduaneira o seguinte:”

“1. Documento oficial apresentado perante a autoridade migratória.” (No caso de brasileiros o passaporte ou Registro Geral emitido no prazo de até 10 anos, destacando que não tem validade outros documentos nacionais brasileiros, como CTPS, carteiras profissionais ou mesmo a CNH para esse fim de identificação).

“2. Autorização migratória que consigne o prazo de estadia outorgado pela Autoridade Migratória.”

“3. Documento oficial que comprove a propriedade do veículo; ou contrato de aluguel ou documento que comprove a posse do veiculo, legalizado pelo consulado peruano ou apostilado pela autoridade competente no país da matrícula do veículo, conforme o caso.” (Nesse caso, o Detran de cada estado, na ausência de consulado, poderá emitir um registro complementar junto ao documento de propriedade indicando a posse ao beneficiário da norma).

“4.2 a Administração Aduaneira autoriza o ingresso e permanência temporária do veículo com a expedição do certificado subscrito pelo beneficiário com características de declaração juramentada. Com a expedição do referido documento o veículo se constitui como garantia vinculada em favor do Estado e pelo valor dos tributos que, se for o caso, afete a sua importação para o consumo e o beneficiário se constitui como depositário do veículo.”

O prazo para da internação temporária será sempre igual ao prazo estabelecido pela Autoridade Migratória. Destaca-se que no caso do veículo não ser do beneficiário, o contrato de locação ou mesmo a autorização/procuração para conduzir deve ter o prazo da estadia fora do país expressamente consignado. Assim é sempre importante que o turista declare o tempo que deseja permanecer em viagem ao Peru, podendo ser prorrogado a critério da Autoridade Migratória.

Os veículos que ingressarem no Peru devem obter o Seguro Obrigatório de Acidentes de Trânsito – SOAT, vigente por todo o tempo da permanência temporária no Peru. Esse seguro pode ser obtido na fronteira em Iñapari. Em Rio Branco, a empresa Eme Amazônia faz a intermediação do seguro previamente, facilitando o tempo de permanência na fronteira.

Norma prevê multa para quem não retirar do país o veículo no prazo

Outra novidade nessa nova Norma é a previsão de multa dentro do prazo de 30 dias uteis seguintes ao vencimento do prazo inicialmente consignado de permanência. Antes a pena nesses casos era de perdimento do veículo, o que causou grandes transtornos a turistas que tiveram problemas como pane ou acidente e não conseguiam se retirar do país no prazo de internação temporária. O perdimento ainda permanece se o beneficiário não pagar a multa no prazo de 30 dias e não se retirar do país em 48 horas após o pagamento da multa ou, ainda, utilizar o veículo com fim distinto do turístico particular.

Passo a passo para o registro on line

A empresa EME Amazônia elaborou um passo a passo para o registro prévio on line de veículos que pode ser efetivado no web site da SUNAT, utilizando o “Sistema de Información Anticipada de Vehículos y Pasajeros”.

Inicialmente tenha em mãos os documentos do veículo e pessoais (Passaporte ou RG).

Passo 1: acesse http://www.sunat.gob.pe/index.html



Passo 2: clique aba Aduanas



Passo 3: clique ícone Operatividad Aduanera lista Mis Servicios



Passo 4: na lista TRABAJO EN LÍNEA, no ítem Sistema de Información Anticipada de Vehículos y Pasajerosclique em – Registrar



Passo 5 e seguintes: proceda o preenchimento dos formulários:

I. Buscar Veículos

II. Datos de Viaje

III. Datos de Vehículo

IV . Datos de personas



Ao final, imprimir os dados informados e com as confirmações enviadas ao endereço eletrônico, juntando cópias dos documentos do veículo e do condutor (RG ou passaporte, CNH). Anexar cópia da “tarjeta da migración” que será entregue quando da entrada e registro no Peru e apresentar-se no posto aduaneiro da fronteira para validação do procedimento.

Serviço

A EME Amazônia presta serviços turísticos com organização de viagens a países da América do Sul e consultoria a grupos de motociclistas e viajantes em outros veículos. Contato: (+5568) 98100-8000 (Whatsapp) |contato@emeamazonia.com.br | Facebook: emeamazonia

A Tagino Adventure realiza faz locação de motocicletas para viagens on e off-road, baseada em Porto Velho. Contato: (+5569) 99265-8888 | tagino88@hotmail.com | Facebook: adventuretourtagino



Consulado Geral do Peru em Rio Branco, Acre, único estado brasileiro que tem interligação terrestre oficial com o país vizinho, está estabelecido na Rua Maranhão, 280 - Bosque - Centro, Rio Branco, Acre, CEP: 69908-240, telefones (+5568) 3224-2727 / 3224-0777, Email: consulperu-riobranco@rree.gob.pe.

Fonte: Acreaovivo

Brasil : GASTOS E GASTOS
Enviado por alexandre em 21/05/2017 21:35:03


OMS gasta US$200 milhões por ano em viagens, aponta relatório
O montante é acima do que o investido para combater doenças graves no mundo
A diretoria da OMS, inclusive Margaret Chan, já foi notificada por meio de um memorando com o tema "ações para conter custos de viagem" (foto: divulgação)

Um relatório interno da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que a agência gasta cerca de US$ 200 milhões por ano com viagens rotineiras, montante acima do que o investido para combater doenças graves no mundo, como a AIDS, tuberculose e malária.

Segundo relatório obtido pela Associated Press, em viagem recente à Guiné, a diretora-geral da OMS, Dr. Margaret Chan, ficou em uma suíte presidencial no hotel Palm Camayenne, cuja diária custa mais de US$ 1 mil. A OMS se negou a explicar quem pagou a conta, destacando que, às vezes, os custos são pagos pelo país anfitrião.

No ano passado, a OMS gastou aproximadamente US$ 71 milhões no combate à AIDS e hepatite. Contra a malária, o gasto da agência foi de US$ 61 milhões e na luta contra a tuberculose o investimento foi de US$ 59 milhões em igual período.

Apesar das inúmeras regras e regulamentações da OMS sobre as viagens, Nick Jeffreys, diretor financeiro da organização, já chegou a dizer que, às vezes, eles não conseguem confirmar se eles estão custeando as viagens da forma mais eficiente.

A diretoria da OMS, inclusive Margaret Chan, já foi notificada por meio de um memorando com o tema "ações para conter custos de viagem", em meados de 2015. O documento apontou que a agência estava sendo pressionada por países membros para economizar dinheiro. "Viagens são necessárias", dizia a nota, "mas uma organização deve demonstrar seriedade sobre como gerenciar seus fundos adequadamente".

Em nota, a OMS disse que sua atuação demanda viagens rotineiramente. A organização ponderou, entretanto, que reduziu seus gastos em 14% no ano passado ante 2015 - embora os gastos deste último tenham sido excessivamente altos por causa do surto de ebola na África em 2014.

Desde 2013, a organização gastou mais de US$ 800 milhões com viagens. O orçamento anual da OMS, de cerca de US$ 2 bilhões, é financiado pelos 194 países membros, sendo os Estados Unidos o principal doador. Depois de vencer as eleições, o presidente dos EUA, Donald Trump, chegou a criticar a atuação da agência e seus gastos.

"Quando você gasta em viagens como a OMS, você precisa ser capaz de se justificar", disse Dr. Ashish Jha, diretor do Instituto Global de Saúde da Universidade de Harvard. "Eu não consigo imaginar uma justificativa para sempre viajar de primeira classe", argumentou.

Jha destacou que essa postura da agência pode trazer problemas no futuro. Caso a OMS não consiga mudar essa postura, "vai ser difícil manter sua credibilidade quando eles forem solicitar o próximo orçamento". Associated Press (AE)

Brasil : EFEITO LAVA JATO
Enviado por alexandre em 21/05/2017 21:30:40


Investidores dos EUA manterão distância da JBS

Shannon O'Neil, pesquisadora do Council of Foreign Relations, avalia que a empresa estar envolvida em um caso de corrupção dificulta suas ambições no mercado americano e a coloca sob a mira do Departamento de Justiça do país. Investidores dos EUA materão distância da JBS, diz analista.

Da BBC Brasil

Desde a divulgação de detalhes sobre as relações entre os principais políticos brasileiros e os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo de empresas que inclui a JBS, muita gente especula que a delação premiada dos empresários seria uma estratégia para "limpar a barra" da companhia nos Estados Unidos.

Isso porque os donos da maior produtora de carne do planeta estão preparando um IPO (sigla em inglês para Oferta Pública Inicial de ações) bilionário na bolsa de valores de Nova York.

Com 65 frigoríficos espalhados pelos Estados Unidos, a JBS já é líder nas vendas de carne bovina, ovina e de frango no país e pretende expandir ainda mais sua atuação, com a subsidiária JBS Foods International.

Para alguns, a delação que culminou na autorização de uma investigação contra o presidente Michel Temer pelo Supremo Tribunal Federal seria uma forma de transmitir "transparência" e mostrar ao Departamento de Justiça americano que a empresa estaria disposta a deixar gestos de corrupção no passado. Nos Estados Unidos, entretanto, a leitura pode ser diferente.

Para Shannon O'Neil, pesquisadora sênior do think-tank Council of Foreign Relations (CFR), que edita a revista Foreign Affairs, a oferta de ações da empresa em Nova York pode ficar comprometida - mesmo com a delação em Brasília.

"Mesmo que a delação mostre que os líderes da JBS estão cooperando com a Justiça, o fato de eles estarem envolvidos (em um escândalo de corrupção) torna tudo mais dificil", disse O'Neil à BBC Brasil em Nova York. "Especialmente no caso dos investidores americanos, que podem não conhecer os meandros da política brasileira. Eles devem manter distância."

Brasil : SAÚDE
Enviado por alexandre em 21/05/2017 21:14:49


Depressão pode aumentar doenças cardíacas
Para enfrentar o problema, é fundamental monitorar alimentação, respeitar as horas de sono e fazer alguma atividade física


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é uma das doenças mais comuns da atualidade, afetando mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. De acordo com um trabalho publicado na revista Journal of the American College of Cardiology, a depressão se relaciona a muitas doenças cardiovasculares e pode aumentar o risco de infarto se não for tratada adequadamente.

De acordo com o cardiologista do HCor (Hospital do Coração), Dr. Abrão Cury, é muito comum termos a associação entre depressão e várias doenças cardiovasculares e, somados os dois problemas, englobamos as principais doenças do mundo moderno. Pacientes com doenças cardíacas podem chegar a ter uma taxa de depressão entre 20% a 36%. E por que tal associação ocorre tão frequentemente?

Pessoas com doença coronariana, por exemplo, possuem um agravamento da doença quando estão deprimidas. “Muitos justificam isso ao fato de que praticam menos atividades físicas e se alimentem mal, com pouca aderência ao tratamento cardiológico devido à falta de motivação e energia típicas de quadros depressivos. O entupimento das artérias pode ocorrer devido a um mal funcionamento do sistema nervoso em pessoas deprimidas, pois a doença é capaz de modificar o funcionamento de glândulas e alterar o funcionamento de células responsáveis pela coagulação sanguínea”, esclarece Dr. Abrão Cury.

Essa questão é tão importante que pessoas deprimidas têm um risco de mortalidade quatro vezes maior após seis a 18 meses do evento de infarto agudo do miocárdio. A Associação Americana de Cardiologia recomenda, como uma de suas principais diretrizes na atualidade, o tratamento antidepressivo obrigatório dos pacientes cardíacos deprimidos, a fim de melhorar o prognóstico da doença cardíaca.

Diversos fatores podem explicar esse elo entre depressão e doenças do coração sendo os mais estudados as alterações nas plaquetas, inflamação e o aumento da atividade do sistema nervoso simpático. “Depressão é uma doença multissistêmica, não é uma doença apenas cerebral, sendo que um dos aspectos mais estudados atualmente é seu caráter inflamatório. Substâncias pró-inflamatórias aumentam sua concentração sanguínea durante a depressão e isso, somado ao aumento do tônus simpático, piora o prognóstico das doenças cardiovasculares”, explica Dr. Fernando Fernandes, psiquiatra do HCor.

A depressão e os problemas cardíacos: de acordo com o cardiologista do HCor, cerca de ? dos pacientes que tiveram um infarto têm depressão, o que aumenta o risco de mortalidade nos doentes com doenças cardiovasculares. A doença faz com que as pessoas se mexam menos, ganhem peso, e cuidem menos de si, o que pode levar ao abandono da medicação.

A depressão aumenta também o risco de aparecimento da diabetes por mecanismos diversos, como o aumento de níveis de cortisol, além de levar a um pior controle metabólico no doente que já é diabético. “Desta forma, é importante que tanto o paciente como os seus familiares estejam atentos aos sinais de alarme, como as alterações no apetite, no peso e no sono, a perda de interesse pelas atividades que antes eram prazerosas. A depressão tem tratamento eficaz, quando devidamente reconhecida e medicada”, explica o psiquiatra do HCor, Dr. Fernando Fernandes.

Cuide da mente e evite problemas no coração: manter um estado emocional positivo e combater a depressão são atitudes fundamentais na prevenção de doenças. Diversos estudos científicos já comprovaram que as boas emoções são um excelente reforço contra gripes, resfriados, alergias, obesidade, problemas de pele, hormonais, cardíacos e gástricos. Essa maneira de agir também vale para quem passa por dificuldades emocionais.

“Independentemente do tamanho e do tipo de problema de cada um, é preciso ter domínio sobre os próprios pensamentos e aprender a enxergar a luz no fim do túnel. Esperança é um sentimento a ser cultivado. A depressão deve ser encarada como uma doença, semelhante ao diabetes e às doenças do coração. Ou seja, tem controle e tratamento”, alerta Dr. Fernando Fernandes, psiquiatra do HCor.

Dicas para combater o estresse e fugir da depressão:

Pare de se culpar

Perca o medo de envelhecer

Desabafe de vez em quando

Pratique exercícios

Se atenha à rotina normal

Evite álcool e drogas

Alimente-se e durma bem
Fonte: NOTÍCIAS AO MINUTO

Brasil : MISSÃO DE PAZ
Enviado por alexandre em 20/05/2017 16:45:50


Após 13 anos, missão no Haiti comandada pelo Brasil se aproxima do fim

Após 13 anos, missão brasileira no Haiti está próxima do fim.

Explodia a violência em Porto Príncipe, em 2004, quando o Brasil assumiu o comando militar da missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah).



O país caribenho vivia em guerra civil, com gangues armadas, depois da renúncia do presidente Jean Bertrand Aristide. Passados 13 anos, a operação tem data para acabar: até 15 de outubro deste ano, todos os militares do Brasil e dos outros 15 países que compõem a missão deixarão o Haiti.



Em todo esse período, além da miséria extrema, a operação ganhou novos contornos e perfil principalmente depois do terremoto de 2010, que deixou 220 mil mortos.


Veja também
Ataque a emissora no Afeganistação deixa três terroristas e dois civis mortos


A par do desgaste de mais de uma década, militares passaram a ter papel social e humanitário, ajudando na reconstrução do país.



Até outubro, terão passado pela missão aproximadamente 37 mil militares dos 15 países, incluindo o último contingente de 950 profissionais. Foram 30.359 integrantes do Exército, 6.299 da Marinha e 350 da Aeronáutica.
O Ministério da Defesa considera que os maiores desafios enfrentados pela tropa brasileira na Minustah foram a pacificação da comunidade de Cité Soleil, a atuação durante o terremoto em 2010 e a ação decorrente do Furacão Matthew.
“O comando militar da operação por parte do Brasil, por decisão da ONU [Organização das Nações Unidas], representa grande prestígio e experiência para o país, além de ser uma representação de projeção de poder muito importante”, analisa o professor de relações internacionais Antonio Jorge Ramalho, da Universidade de Brasília (UnB).
Para ele, após tantos anos de operação, as forças policiais no Haiti precisam ter condições de manter a segurança de forma autônoma.



Reconhecimento



Após 13 anos, missão brasileira no Haiti está próxima do fim



Pesquisador de segurança internacional, Ramalho dirigiu o Centro de Estudos Brasileiros no Haiti entre 2006 e 2008. “Depois do período mais crítico, nos primeiros anos de operação, os haitianos passaram a observar militares de capacetes azuis em ações também de reconstrução em nível de excelência.



Foi a primeira vez na história que os haitianos viram militares construindo algo”, afirma.



Obras de engenharia tocadas por militares passaram a fazer parte da rotina em um espaço que antes era ocupado pela violência.



Procurado pela Agência Brasil, o Ministério da Defesa afirmou que a participação dos militares brasileiros passou a ser reconhecida pelo povo haitiano e por autoridades internacionais pela “desenvoltura com que combinam funções militares, como o patrulhamento, com atividades sociais e de cunho humanitário”.



No ano passado, após a passagem do furacão Matthew, que causou cerca de 900 mortes, as tropas brasileiras também tiveram funções de reconstrução de estradas e pontes para a chegada de ajuda humanitária.



Para Ramalho, a participação dos brasileiros na operação colaborou para aperfeiçoar os sistemas de comando e controle, bem como para acionar recursos junto aos poderes Executivo e Legislativo. “Incluindo recursos materiais e humanos.



Na formação de militares para operações reais, por exemplo, foi necessário cuidar de forma especial das regras de participação e engajamento”, afirma Ramalho. Ele testemunhou que os brasileiros passaram a ser vistos como "parceiros" e admirados.



Custos





Ao mesmo tempo, a operação, ao longo de 13 anos, também sofreu resistências de comunidades em um Haiti que passou a enxergar a Minustah como uma tropa de ocupação.



“Em tanto tempo, sempre há desgastes naturais”, diz o professor.



No Brasil, a participação na missão também foi questionada, em função dos gastos.



De 2004 até o final do ano passado, os investimentos do Brasil com a Minustah chegaram a cerca de R$ 2,5 bilhões, segundo dados disponíveis no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI).



O Ministério da Defesa reconhece um aumento “significativo” dos gastos após o terremoto de 2010. Foram reembolsados pela ONU, até agora, cerca de R$ 431,3 milhões. Há aproximadamente mais R$ 500 milhões pendentes. Os valores devolvidos cobrem os gastos com o emprego da tropa na missão de paz.



Futuro



(Fotos: Marcello Casal / Agência Brasil)



O fim das operações está programado para acontecer até 1º de setembro e 90% do efetivo deve deixar o Haiti até o dia 15 do mesmo mês. Depois, por um mês, os 10% do efetivo restantes cuidarão do envio dos materiais e sairão do país.



O Ministério da Defesa aguarda um convite para integrar outra missão de paz, caso o Congresso Nacional autorize.



O Brasil já participou de mais de 33 missões das Nações Unidas e enviou mais de 50 mil militares no exterior.



“Atualmente, além do Haiti,o Brasil também possui integrantes nas missões de paz no Líbano, Chipre, Costa do Marfim, Libéria, República Centro-Africana, Saara Ocidental, Sudão e Sudão do Sul.



Os militares atuam principalmente como integrantes em Estado Maior e como observadores em áreas pacificadas", informa o Ministério da Defesa.





Agência Brasil

(1) 2 3 4 ... 373 »