Brasil - EDUCAÇÃO - Notícias
(1) 2 3 4 ... 411 »
Brasil : EDUCAÇÃO
Enviado por alexandre em 07/12/2017 19:31:15


Temer sanciona novo Fies e diz que medida é exemplo de educação para o século 21

Marcelo Brandão e Yara Aquino*
Brasília - Os ministros da Integração Nacional, Helder Barbalho, da Educação, Mendonça Filho, o presidente Michel Temer e o deputado Alex Canziani durante solenidade de sanção da Lei do Novo Fies (Wilson Dias/Ag

Os ministros da Integração Nacional, Helder Barbalho, da Educação, Mendonça Filho, o presidente Michel Temer e o deputado Alex Canziani durante solenidade de sanção da Lei do Novo Fies (Wilson Dias/Agência Brasil)Wilson Dias/Agência Brasil

As novas regras para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foram sancionadas nesta quinta-feira (7) pelo presidente Michel Temer, em cerimônia no Palácio do Planalto. Temer classificou a medida como um exemplo da “educação do século 21”. “O Fies novo se reporta ao Fies antigo, mas é uma novidade. É a educação do século 21, é trazer o país para o século 21”.

O presidente também destacou a utilização dos fundos constitucionais, utilizados apenas em políticas de desenvolvimento nacional, no Fies. “A primeira ideia que as pessoas tinham era que o desenvolvimento nacional se ancorava apenas na indústria, comércio e serviços, e não exatamente na educação. Em uma interpretação sistêmica, conseguimos revelar que seria possível a utilização do fundo constitucional na educação. Porque educação é desenvolvimento”.

Para o ministro da Educação, Mendonça Filho, as novas regras auxiliam o estudante a ingressar no ensino superior ao mesmo tempo que respeitam o ajuste fiscal preconizado pelo governo. “Precisamos levar em consideração a sustentabilidade também no aspecto econômico. Não adianta ter picos de crescimento, de oferta de crédito e logo mais a conta volta para o contribuinte. O Fies novo é um Fies que segura uma política pública dirigida aos mais pobres, preservando o equilíbrio fiscal”.

Entenda o novo Fies

O novo programa traz mudanças na taxa de juros, no prazo para pagamento do saldo devedor e amplia a faixa de renda para os interessados no financiamento.

As regras começam a valer para os contratos firmados a partir do primeiro semestre de 2018. O estudante que já tem contrato em andamento poderá migrar para as novas regras. De acordo com o Ministério da Educação, no total serão criadas 310 mil vagas para o próximo ano.

Uma das principais mudanças do novo Fies é a oferta de 100 mil vagas a juro zero para estudantes mais carentes. As demais vagas terão juros variáveis de acordo com o banco onde for fechado o financiamento. Atualmente, a taxa de juros é fixa em 6,5% ao ano.

Segundo o ministro da Educação, Mendonça Filho, as taxas devem ficar bem menores que as praticadas hoje. “É possível financiar 100% do curso. As taxas de juros do Fies II serão determinadas pela política de crédito dos fundos constitucionais administrados pelos bancos regionais. Para cerca de 150 mil contratos [Fies II] você vai ter uma taxa de 3,5% no máximo, o que é um ganho enorme para jovens do nosso país”.

Fim da carência

Ficou estabelecido também o fim do prazo de carência de 18 meses, após a conclusão do curso, para que o estudante comece pagar o financiamento. O estudante deverá iniciar o pagamento no mês seguinte ao término do curso, desde que esteja empregado.O prazo máximo para pagamento será de 14 anos.

O dinheiro será descontado diretamente do salário do empregado que tiver emprego formal, por meio do eSocial, sistema já utilizado atualmente pelas empresas para pagar contribuições e prestar informações ao governo. Caso o estudante não tenha renda, o saldo devedor poderá ser quitado em prestações mensais equivalentes ao pagamento mínimo do financiamento. O mesmo critério será utilizado para o estudante que perder o emprego e para quem desistir do curso.

Para ser financiado, o curso de graduação deve ter conceito maior ou igual a três no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ou ter autorização do MEC para funcionamento. Segundo Mendonça Filho, haverá cursos prioritários para financiamento. Cursos de formação de professores estão entre os priorizados.

Novas modalidades

Antes, o Fies era concedido apenas a quem tem renda familiar per capita de até três salários mínimos. O novo Fies tem novas modalidades destinadas também a estudantes com renda de até cinco salários. Os interessados devem ter nota mínima de 450 pontos e não podem zerar a redação no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), em uma ou mais edições desde 2010.

O novo Fies apresenta três modalidades. Na primeira, serão ofertadas as 100 mil vagas a juro real zero para estudantes com renda familiar per capita mensal de até três salários-mínimos. Os recursos para este financiamento virão da União.

A segunda modalidade é destinada a estudantes com renda per capita mensal de até cinco salários-mínimos. A fonte de financiamento serão recursos de fundos constitucionais regionais com risco de inadimplência assumidos pelos bancos. Serão ofertadas 150 mil vagas em 2018 para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

A terceira modalidade também vai atender estudantes com renda per capita mensal de até cinco salários-mínimos com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O risco de crédito também será dos bancos. Serão ofertadas 60 mil vagas para todos as regiões do país.

Pagamento de atrasados

Para quem está devendo prestações do plano, foi criado o Programa Especial de Regularização do Fies. O programa permite que aqueles que tiverem contratos atrasados, com parcelas vencidas até 30 de abril de 2017, possam fazer o pagamento quitando 20% do saldo em cinco vezes e o restante em até 175 parcelas.

Fundo Garantidor

A lei que altera o Fies também cria o Fundo Garantidor do Fies (FG-Fies) que será de adesão obrigatória pelas faculdades que participam do programa. O objetivo do fundo é garantir o crédito para os financiamentos. Dessa forma, mesmo com o aporte da União, o fundo será formado principalmente por aportes das instituições. A previsão é de tenha caixa de R$ 3 bilhões.

Sustentabilidade

De acordo com o Ministério da Educação, as mudanças têm o objetivo de garantir a sustentabilidade e continuidade do programa. Dados do ministério apontam que a taxa de inadimplência do Fies atingiu 50,1% e, em 2016, o ônus fiscal do fundo foi de R$ 32 bilhões. A expectativa do ministério é que a taxa de inadimplência caia para uma média de 30%.

*Colaborou Débora Brito – Repórter da Agência Brasil

Brasil : MULHER
Enviado por alexandre em 06/12/2017 21:09:55


Governo cria rede para combater violência e ampliar direitos das mulheres

Para articular governo e setores da sociedade no enfrentamento da violência contra a mulher e na promoção da igualdade de gênero, o governo criou hoje (6) a Rede Brasil Mulher. O decreto que institui a rede foi assinado pelo presidente Michel Temer em cerimônia no Palácio do Planalto. O Brasil Mulher atuará com base nos eixos da autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho; enfrentamento e combate da violência contra e mulher; saúde, educação e fortalecimento da participação das mulheres nos espaços de poder e decisão. O objetivo é mobilizar governos, setor empresarial e organizações da sociedade civil para o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), em especial do quinto objetivo, de alcançar a igualdade de gênero e empoderamento de todas as mulheres e meninas.Temer disse que a intenção da rede é envolver também os homens nas ações voltadas para promover a autonomia das mulheres, além de aumentar a participação feminina na política.

“Esta mensagem que estamos hoje aqui comemorando é tão prioritária que é preciso união de esforços e não apenas das mulheres, mas de homens e mulheres”, disse Temer em breve discurso após a assinatura do decreto. “Com a rede haverá melhor entrosamento, melhor emprego de recursos e melhores resultados”, acrescentou.

Feminicídios: A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, lembrou que o Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídios do mundo e disse que a Rede Brasil Mulher buscará contribuir para mudar essa realidade. “A rede é uma iniciativa que ultrapassa os limites de governo e anima e orienta a luta da sociedade e do Estado para novos e melhores tempos”. De acordo com a secretária, as ações da rede serão orientadas pela Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres e acordos internacionais dos quais o Brasil é signatário. A Rede Brasil Mulher terá um comitê executivo, com participantes de ministérios como Cultura, Trabalho, Desenvolvimento Social, Saúde e Justiça, que vão desenvolver ações direcionadas às mulheres. (EBC)

Brasil : PESQUISA
Enviado por alexandre em 05/12/2017 20:38:38


No Brasil, pelo menos 72% das crianças de 10 a 12 anos têm celular próprio

Foram entrevistados 545 adultos brasileiros que possuem smartphone e têm filhos de 0 a 12 anos de idade.

Nas famílias brasileiras em que os pais têm smartphone, 72% das crianças entre 10 e 12 anos também possuem um aparelho próprio – os outros 28% não têm, mas usam o dos pais. A bicicleta deixou de ser o presente mais desejado, que agora passou a ser o celular.

Foi isso que apurou pesquisa inédita Panorama Mobile Time/Opinon Box, que também revela os hábitos dos pais brasileiros em relação ao acesso dos filhos a smartphones.Foram entrevistados 545 adultos brasileiros que possuem smartphone e têm filhos de 0 a 12 anos de idade. As entrevistas foram realizadas online ao longo do mês de outubro. A margem de erro é de 4 pontos percentuais.

“Isso significa uma grande responsabilidade, tanto para as crianças quanto para os pais, que concedem tal liberdade, mas precisam controlá-la de perto”, comenta Fernando Paiva, editor do Mobile Time. O estudo aponta que desde cedo as crianças brasileiras estão tendo acesso a smartphones, seja por meio dos aparelhos dos pais ou com os seus próprios. Na média, 33% das crianças de 0 a 12 anos têm smartphone; 39% não têm, mas usam o dos pais; e 28% não têm e nem usam o dos pais. Apenas uma minoria de 7% continua sem acesso, pelo menos no âmbito familiar.




“Quando analisado por faixa etária da criança, nota-se um gradual crescimento da proporção que tem smartphone próprio e diminuição daquela que não tem. Na faixa de 0 a 3 anos, metade das crianças não têm qualquer acesso a smartphones, enquanto a outra metade tem, sendo 41% através do aparelho dos pais e 9% já com o seu próprio, por incrível que pareça”, aponta Paiva. No grupo de 4 a 6 anos, há uma virada drástica: uma minoria de 18% segue sem qualquer acesso, enquanto mais da metade (60%) acessa através do smartphone dos pais e outros 22% já têm o seu aparelho.

No grupo de 7 a 9 anos, pela primeira vez há mais crianças com smartphone próprio (46%) do que acessando o dos pais (34%), enquanto 20% ainda não usam smartphones. Por sua vez, na faixa entre 10 a 12 anos quase três quartos das crianças já têm o seu smartphone próprio, ou 72%, para ser exato. Outros 21% acessam somente pelo aparelho dos pais e uma minoria de 7% continuam sem acesso, pelo menos no âmbito familiar.

Outro dado alarmante é o fato de que apenas 12% dos pais afirmou que possuir ferramentas para monitorar o que os filhos de 0 a 12 anos acessam em seus smartphones. A grande maioria, 81%, deixa que seu filhos naveguem livremente, sem ficar atento ao conteúdo acessado.

Bicicleta perdeu espaço


Se antigamente as crianças pediam bicicletas de presente, agora elas querem smartphones. O aparelho toma o lugar dos brinquedos entre os itens mais desejados pela garotada, mesmo entre aqueles que mal aprenderam a falar.

Na média, 52% das crianças de 0 a 12 anos já pediram um smartphone de presente para os seus pais. O desejo cresce conforme a idade. Entre aquelas de até 3 anos, 28% já fizeram esse pedido. Na faixa de 10 a 12 anos, 92% já pediu um aparelho. Os amigos dos filhos são os “culpados”: na opinião dos pais, são eles quem mais influenciam seus filhos a quererem um celular. A TV aparece em segundo lugar, apontada por 22% dos entrevistados.


Mega Curioso

Brasil : ORGIA SEXUAL
Enviado por alexandre em 05/12/2017 10:53:08


Bruxas estão em guerra após relatos de orgias e extorsão

METRÓPOLES

O mundo nasceu do gozo feminino. Frequentadores do Templo da Deusa, uma vila de bruxas seguidoras da religião Wicca, em São Sebastião (DF), acreditam nessa versão. “O big bang é um orgasmo da Deusa”, explica a fundadora da comunidade e servidora da Câmara dos Deputados Márcia Maria Bianchi Prates – também conhecida como Mavesper Cy Ceridwen, seu nome místico.

Não é apenas o universo, porém, que gravita ao redor da energia sexual. Os conflitos que motivaram uma guerra de bruxas em Brasília também circundam esse tema. São dignos de um roteiro de ficção: envolvem sexo, supostas orgias, magias, feitiços, rituais de prazer e opiniões muito diferentes sobre o trabalho desenvolvido no Templo da Deusa, onde se pratica a religião Wicca nos arredores da capital do país há 13 anos.

Trata-se de uma crença neopagã (que acredita em vários deuses) com influência de práticas europeias. Seus adeptos são bruxos e bruxas. Eles creem em poderes sobrenaturais (como a magia) e em princípios físicos e espirituais (masculinos e femininos) que interagem com a natureza.

Há várias formas de praticar a Wicca. No templo brasiliense, segue-se a Tradição Diânica do Brasil (TDB), criada por Márcia. A Deusa, centro do culto, não apenas fez o mundo, ela é o mundo. “Tudo faz parte dela. Eu, você, a mesa, a cadeira, a árvore”, descreve a fundadora. Ali, respeita-se a máxima: “Faça o que quiser, se a ninguém prejudicar”. Há também a lei tríplice: tudo que fizeres a outra pessoa voltará três vezes para você.

Eles celebram os ciclos da vida e os festivais sazonais, conhecidos como Sabbats, que ocorrem oito vezes por ano. Dançam e cantam, muitas vezes “vestidos de céu” (ou seja, nus), diante da Lua e do Sol. Também fazem trabalhos espirituais de cura e preservação do meio ambiente, entre muitas outras atividades.

A princípio, frequenta-se o espaço. Depois, é possível ser “dedicado”. Por fim, após estudos e avaliações, torna-se um “iniciado”. No último nível, é preciso viver a religião e participar de vários encontros semanais. É nesse momento que se ganha um nome místico. A maioria dos adeptos apenas visita o local, mas muitos chegam a morar na chácara.

João*, um homem gay, morou no templo por oito anos. Conheceu o local aos 17, na mesma época em que lidava com a dificuldade de entender e assumir sua própria sexualidade. “Encontrei na Márcia uma mãe acolhedora e, na Wicca, um espaço de aceitação. O problema veio com a instituição dos rituais sexuais. Quem não participava era massacrado. Transei com várias mulheres, mesmo sendo gay”, relata.

Ele também alega ter tido um prejuízo de R$ 10 mil. “Minha mãe morreu e me deixou o dinheiro como herança. Emprestei para a Márcia, pois o templo passava por dificuldades quando ela comprou a chácara. Achei que teria o valor de volta um dia, mas isso jamais ocorreu”, conta.

João diz que trabalhou como motorista do templo, em troca de comida e moradia, quando o pai dele o expulsou de casa, após a morte da mãe. “Estava muito frágil e vulnerável. O Templo da Deusa é onde pessoas nessa situação são exploradas”, dispara.

Mas nem só de contato com a natureza, feitiços, vassouras, caldeirões e tarô vivem as bruxas brasilienses. Elas também lidam com problemas dentro da religião. Quem pratica Wicca enxerga o corpo como parte da Deusa, algo sagrado e que, portanto, deve ser reverenciado em rituais.

Ela e outras quatro pessoas acusam a líder do Templo da Deusa, Márcia Bianchi, de coagir e manipular os integrantes da religião a participarem de rituais abusivos. Luana conheceu o marido na propriedade Wicca em São Sebastião, onde celebraram a união. A ex-participante diz ter sofrido pressão para morar no local e fazer parte de uma família poliamorosa com a criadora do coven.

Brasil : O CHARME
Enviado por alexandre em 03/12/2017 20:47:25


Homens com 'barriga de cerveja' são melhores na cama, diz estudo. VEJA VÍDEO!

Homens que tenham uma barriga um pouco maior do que as outras podem vir a apresentar um desempenho melhor quando estão com sua parceira?

Se os homens estão buscando muito ficar com o corpo atlético para poderem surpreender as mulheres, pode ser que quando elas ficarem sabendo deste estudo algo venha a mudar sobre isso, afinal, de acordo com o que esta especialista está dizendo, homens que tenham uma barriga um pouco maior do que as outras podem vir a apresentar um desempenho melhor quando estão com sua parceira?. Será que isso é verdade? Evidentemente que isso não faz com que os homens que tenham barrigas estilo tanquinho não possam apresentar um bom desempenho quando estão com suas parceiras, mas se isso que esta mulher que está sendo entrevistada está dizendo for realmente verdade, o fato de um homem poder ter uma barriga maior ele pode vir sim a apresentar um papel bem mais satisfatório.

Mas como a entrevistada mesmo disse, também é preciso apresentar algumas explicações razoáveis para que os homens não comecem a sair comendo exageradamente só para poderem ficar com um desempenho melhor com sua parceira, além do que ela explica o tamanho certo de barriga sendo que não pode ser exagerado por que senão outros problemas podem vir a aparecer. Dito isso, o vídeo foi gravado em Portugal, portanto é necessário que se preste bastante atenção para se entender com perfeição o sotaque dos portugueses, mas é possível perceber com clareza tudo o que a mulher diz.

Veja vídeo

http://portaldozacarias.com.br/site/noticia/homens-com--barriga-de-cerveja--sao-melhores-na-cama--diz-estudo.-veja-vadeo-/

(1) 2 3 4 ... 411 »