TC/RO atesta que não houve rombo de meio milhão de reais no IPSM de Ouro Preto do Oeste - Regionais - Notícias
Regionais : TC/RO atesta que não houve rombo de meio milhão de reais no IPSM de Ouro Preto do Oeste
Enviado por alexandre em 29/06/2020 14:33:51

O Tribunal de Contas do Estado de Rondônia decidiu em processo de tomada de contas especial que não houve qualquer rombo ou perda financeira para o Instituto de Previdência de Ouro Preto do Oeste.

No ano de 2010 foi amplamente divulgado na imprensa e acabou gerando medo e insegurança que a gestão do IPSM, na época presidida pelo professor municipal Aparecido Luis Gonçalves, havia causado um rombo, prejuízo, de mais de quinhentos mil reais aos cofres do IPSM.

O TCE/RO investigou a situação e, ao final, depois de uma apuração minuciosa, julgou regular o investimento feito em títulos públicos.

Esclareceu o Tribunal que os títulos públicos não causaram prejuízo, porém, a confusão na aquisição onde se apontava uma diferença de valores, seria normal nesse ramo de investimentos e que, ao final, o investimento em títulos públicos da dívida federal (títulos emitidos pela União), deram lucro, acima até da expectativa.

Segundo o TCE/RO, no voto do Relator o valor dos rendimentos (R$4.812.552,61), somado ao valor aplicado (R$5.242.015,47), tem-se um resultado final da ordem de R$10.054.568,08 (dez milhões cinquenta e quatro mil quinhentos e sessenta e oito reais e oito centavos), significando dizer que obteve um lucro de 91,80% do valor investido.

Assim, em 2017, no resgate dos títulos, retornou aos cofres do instituto o valor de R$10.054.568,08 (dez milhões cinquenta e quatro mil quinhentos e sessenta e oito reais e oito centavos), referente ao valor aplicado nos títulos (R$5.242.015,47), e o lucro(rendimentos) obtido com esse investimento (R$4.812.552,61).

Dessa forma, afastou a discussão sobre prejuízo ou eventual rombo, que jamais aconteceu, demonstrando o exemplo que durante esses anos a gestão democrática fortalece o IPSM e mantém suas finanças robustas e devidamente adequadas conforme a lei.

Entenda o caso: No ano de 2010 uma ampla campanha culpava o gestor então presidente Aparecido Luis Gonçalves e membros do Conselho Administrativo Financeiro de um prejuízo de mais de quinhentos mil reais. Tal situação foi amplamente utilizada durante a campanha para eleição da diretoria do IPSM, denegrindo a imagem de servidores municipais indevidamente, conforme restou comprovado no final do processo do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia.

 

 

APARECIDO LUIS GONÇALVES.

 

 

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo