Aos poucos a farsa montada pelo militante disfarçado de jornalista e seus comparsas vai ruindo - Regionais - Notícias
Regionais : Aos poucos a farsa montada pelo militante disfarçado de jornalista e seus comparsas vai ruindo
Enviado por alexandre em 14/06/2019 09:22:10


O jornal Estadão divulgou, na tarde de hoje (13), que ao menos uma – das mensagens que foram roubadas de aplicativos de autoridades – foi adulterada.
“Fontes da PF desconfiam que o hacker que copiou mensagens publicadas pelo The Intercept não é o mesmo que tenta dialogar com os procuradores. Seria apenas alguém tentando pegar carona na história. A desconfiança ocorre porque não é um padrão de comportamento desse tipo de criminoso.
Até agora, já se sabe que ao menos uma das mensagens divulgadas pelo The Intercept foi adulterada. Quem participou do determinado diálogo diz que a conclusão não foi a mesma divulgada pelo site.”
Aos poucos a farsa montada pelo militante disfarçado de jornalista e seus comparsas vai ruindo.
“E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”. – João 8:32
Ex-chefe da Força da Tarefa da Lava Jato, procurador Carlos Fernando dos Santos Lima se pronunciou sobre esse fato
As informações são do jornal da cidade online

Diretor de jornalismo da Globo diz que Glenn Greenwald ‘mente’ e ‘queria um cheque em branco’ da emissora

Conexão Política
No início desta semana, Glenn Greenwald, que comanda o site ‘The Intercept’ concedeu entrevista ao portal ‘Agência Pública’ e fez duras críticas à Rede Globo.
Posteriormente, em seu Twitter, o jornalista declarou que “A Globo é sócia, agente e aliada de Moro e Lava Jato – seus porta-vozes – e não jornalistas que reportem sobre eles com alguma independência. É exatamente as sim que Moro, Deltan e a força-tarefa veem a Globo. Então não esperem nada além de propaganda”.
O Grupo Globo respondeu com uma nota oficial que o Conexão Política publicou nesta quarta-feira, 12, (leia aqui). No texto, a TV afirma que o jornalista chegou a oferecer as matérias com mensagens roubadas à emissora.
Hoje (13), em entrevista ao Pânico, Glenn voltou à carga e afirmou que o diretor de jornalismo da Globo proibiu que jornalistas trabalhassem com ele após seu marido, David Miranda, escrever artigo no ‘The Guardian’ acusando a emissora de apoiar o “golpe” contra Dilma Rousseff.
Ali Kamel, o diretor citado por Glenn, emitiu a seguinte nota na tarde desta quinta-feira (13):
“Glenn Greenwald mente quando diz que há seis meses ouviu de mim que João Roberto Marinho proibiu qualquer pessoa de trabalhar com ele. Não vejo Glenn Greenwald desde 2013. A mentira se desfaz por si: se fosse verdade que ele ouviu tal absurdo do próprio diretor de jornalismo da Globo, o que o faria procurar o Fantástico semana passada com nova proposta de trabalho?
Tampouco se sustenta o motivo sobre o veto que nunca existiu. Se o motivo foi o artigo que o marido de Glenn, David Miranda, publicou no Guardian, como se explica que o próprio David tenha participado de programa de entrevista na GloboNews, por mim dirigida?
Por fim, Glenn também mente quando diz que perguntou há uma semana se a Globo tem algo contra ele e não ouviu resposta. Por três vezes, ele ouviu do jornalista que o atendeu, na redação do Fantástico, que a Globo nada tinha contra ele. E justificou: ‘Se tivesse problema, eu o receberia em plena redação?’ 
Repito: Glenn exigiu que a Globo se comprometesse, de maneira irrevogável, a publicar a tal bomba sem que o assunto fosse revelado a ela antes. A isso se chama cheque em branco. A Globo não dá cheque em branco a ninguém, especialmente a Glenn Greenwald.”

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo