MOSSAD - Policial - Notícias
Policial : MOSSAD
Enviado por alexandre em 08/03/2019 22:36:27

O serviço secreto israelense é considerado o mai temível

O Mossad, o serviço secreto israelense, é considerado o mais temível do mundo e ficou conhecido por suas operações especiais durante a Guerra Fria.

Mossad – Serviço secreto israelense
Símbolo distintivo do Mossad, o serviço secreto israelense
O Mossad (palavra em hebraico que significa “O Instituto”) é o serviço secreto ou o instituto de inteligência e operações especiais do Estado de Israel. Criado em 13 de dezembro de 1949, a partir de sugestão do primeiro-ministro de Israel, David Ben-Gurion, o Mossad é considerado por muitos analistas o serviço secreto mais eficiente e mais temido do mundo, ultrapassando a CIA, americana, e a antiga KGB, soviética.


Origens do Mossad

As origens do serviço secreto de Israel remontam às primeiras ações de espionagem e contraespionagem feitas por membros da Haganá, organização paramilitar judaica atuante na Palestina nos anos 1930 e 1940 e que precedeu as Forças de Defesa de Israel. Um dos primeiros espiões da Haganá foi Ezra Danin, um agricultor que começou a passar informações à Haganá sobre endereços, placas de carros, hábitos cotidianos, entre outros aspectos, de árabes envolvidos em milícias antissionistas da época. Danin incorporou-se à Haganá e, anos mais tarde, criou o Shai, unidade da Haganá especializada em espionagem.

Por outro lado, o Mossad também foi constituído por membros do Jewish Brigade Group, a brigada judaica que foi lutar em Tarvisio, Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. Essa brigada recebeu autorização de comandantes da época para levar, secretamente, judeus europeus para a Palestina, naquilo que ficou conhecido como Operação Brecha. Entretanto, durante essa operação, os membros da brigada descobriram os campos de concentração nazistas. A visão dos judeus mortos nos campos levou esses combatentes à formação dos nokmin, esquadrões de assassinos vingadores encarregados de caçar e eliminar os oficiais nazistas da SS e da Gestapo.

Ainda no ano final da Segunda Guerra, em 1945, esses esquadrões passaram a atuar na Alemanha e em outras regiões onde os oficiais pudessem estar escondidos, como diz o pesquisador Eric Frattini:

Disfarçados de policiais militares, os nokmin dedicaram-se a prender, um a um, todos os que faziam parte da lista. Depois de lhes serem lidos os direitos, eram executados mediante estrangulamento. A equipe de Vingadores era formada por Israel Karmi, Maier Shorea e Haim Harkov. O executor era Shev Kerem, que, anos depois, se uniria ao recém-criado Mossad. A unidade atuava sempre num raio de ação de cem quilômetros ao redor de Tarvisio, e as operações, realizadas perto de lagos, rios e barragens, não deixavam o menor rastro. Sua única meta era executar o maior número possível de assassinos nazistas. Toda tarde, o chefe dos nokmin recebia uma lista de alvos e, à noite, vários esquadrões saíam em missão sem que nenhum dele soubesse o que os demais faziam. A unidade de executores judeus atuaria apenas durante alguns meses e jamais se soube o número de nazistas mortos. [1]

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Alguns dos líderes desses esquadrões fizeram parte da primeira leva de agentes secretos do Mossad, como foi o caso de Abba Kovner, que atuou como nokmin no Leste europeu.

Operações do Mossad

Apesar de formalmente criado em 13 de dezembro de 1949 como “Instituto Central de Coordenação”, o Mossad só foi formalizado em março de 1951. O seu primeiro memuneh (diretor) foi Isser Harel, que foi responsável pela primeira operação de grande porte do Mossad: o sequestro e a condução do ex-tenente-coronel da SS nazista, Adolf Eichmann, na Argentina. Essa operação recebeu o nome de “Garibaldi” e foi posta em prática por um grupo do Mossad liderado por Raphael Eitan.

A partir de 1963, Ben-Gurion, então primeiro-ministro de Israel, nomeou outro diretor para o Mossad, Meir Amit. Por ordem de Gurion, Amit criou a unidade Kidon (“Baioneta”), responsável por pôr em prática operações de execução de inimigos de Estado. As normas gerais da Kidon eram:

“Não haverá matanças de líderes políticos; estes devem ser tratados através de meios políticos. Não se matará a família dos terroristas; se seus membros se puseram no caminho, não será problema nosso. Cada execução tem de ser autorizada pelo então primeiro-ministro. E tudo deve ser feito segundo o regulamento. É necessário redigir uma ata da decisão tomada. Tudo limpo e claro. Nossas ações não devem ser vistas como crimes patrocinados pelo Estado, mas sim como a última ação judicial que o Estado pode oferecer. Não devemos ser diferentes do carrasco ou de qualquer executor legalmente nomeado.” [2]

Com base nisso, o Mossad levou a cabo uma série de ações contra alvos considerados ameaçadores. Entre as principais, destacam-se: a Operação Riga, de 1965, na América do Sul (Brasil e Uruguai), que caçou e executou Herbert Cukurs, responsável pelo massacre de 30 mil judeus no gueto de Riga; a Operação Cólera de Deus, em 1972 e 1973, que teve como alvo os terroristas palestinos envolvidos no massacre da delegação israelense das Olimpíadas de Munique; a Operação Engenheiro, de 1996, cujo alvo foi Yehlya, especialista em explosivos e membro do Hamas, grupo terrorista palestino; e a Operação Netron, levada a cabo entre 2006 e 2011, que liquidou três cientistas do Irã acusados de estarem envolvidos no projeto desse país de produção de armas nucleares.

Assuntos Relacionados

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo