PELOTÃO - Política - Notícias
Política : PELOTÃO
Enviado por alexandre em 16/04/2018 08:27:47


Impeachment e Bolsonaro: cenário favorável à esquerda

Companheiro impeachment e companheiro Bolsonaro criam cenário favorável à esquerda

Celso Rocha de Barros – Folha de S.Paulo

O novo Datafolha mostra claramente o custo que o impeachment de Dilma Rousseff impôs para a centro-direita brasileira. Se algum candidato de esquerda conseguir deixar o pelotão intermediário e formular um discurso unificador e razoável, será o favorito para vencer no final do ano.

A intenção de voto de Lula caiu depois da prisão, mas ele ainda tem quase o dobro do segundo colocado. Que outro candidato ainda lideraria a pesquisa depois de ser preso? Os candidatos ligados ao governo Temer também manteriam a mesma intenção de voto que têm agora, mas a ciência política já provou que isso é bem mais fácil quando você começa com zero.

Na bolha conservadora, a explicação da persistência do voto lulista é que só a esquerda tem bandido de estimação. Filhão, não é que vocês não tenham bandido de estimação. Vocês não tem bandido que tenha voto, por isso precisam trocar de bandido o tempo todo.

Bolsonaro continua em segundo com um desempenho muito impressionante, mas parece ter atingido seu teto. Se continuar assim, pode ser o maior aliado da esquerda esse ano, dividindo o voto de Alckmin em São Paulo e barrando o crescimento da centro-direita.

Também é possível que, diante da perspectiva de uma vitória da esquerda, a centro-direita perca o pudor e feche com Bolsonaro. Seria mais fácil se Bolsonaro não fosse tão obviamente propenso a dar um autogolpe e fuzilar a centro-direita. De onde Bolsonaro está olhando, Alckmin, Lula, Boulos, são todos parte da conspiração comunista do Soros.

Se o talento de Marina Silva para construir partidos fosse 20% de sua capacidade de atrair votos, a Rede Sustentabilidade venceria a eleição presidencial no primeiro turno. O número de eleitores de Lula que migram para Marina mostra claramente que se, nos últimos anos, a candidata tivesse dito um mero "Oi, sumida" para a esquerda, levaria essa fácil. Talvez ainda leve.

Mas o grande teste para Marina acabou de chegar na cena. Joaquim Barbosa, que não fez campanha nenhuma e anunciou sua filiação ao PSB em um post do Facebook que só seus amigos podiam ler, já entra na pesquisa com quase 10%, mais do que a soma de todos os candidatos governistas acrescida de nove pontos percentuais.

Ciro Gomes começa a colher os frutos da estratégia que adotou até aqui. Ciro vinha fazendo um discurso bem próximo ao do PT, esperando atrair os órfãos do lulismo. Com Lula na campanha, era uma redundância, um quase nanico. Sem Lula, pula para níveis competitivos. Na verdade, a campanha de Ciro só começou para valer agora.

Assim como Marina ainda não sabe o estrago que Barbosa fará sobre sua candidatura, Ciro ainda não sabe o que acontecerá se o PT anunciar um candidato próprio, explicitamente apoiado por Lula.

E, finalmente, temos Alckmin. O ex-governador paulista, que acaba de escapar da Lava Jato daquele jeito maroto, entra na eleição com cartas muito ruins na mão. O PSDB é associado ao governo Temer, mas não tem a máquina federal a seu favor. E Bolsonaro já garante que os tucanos começam a eleição com metade de seu potencial de voto. Alckmin não está errando, mas a subida é íngreme.

A aliança entre o companheiro impeachment e o companheiro Bolsonaro cria um cenário favorável à esquerda. Vamos ver se os outros companheiros não o desperdiçam.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo