Afagos de Temer em Doria irritam Alckmin - Mais Notícias - Notícias
Mais Notícias : Afagos de Temer em Doria irritam Alckmin
Enviado por alexandre em 11/08/2017 08:04:09

Afagos de Temer em Doria irritam Alckmin

Postado por Magno Martins

A crise que quase pôs fim ao governo Michel Temer continua causando estragos no PSDB. Com a última série de acenos a João Doria, o presidente aprofundou o desconforto entre o prefeito de SP e Geraldo Alckmin. Temer atribui ao governador a responsabilidade pelos 11 votos que tucanos paulistas deram por seu afastamento na Câmara. Nesta semana, como prova de que guarda o placar na memória, fez elogios a Doria, abriu-lhe uma porta no PMDB e despejou verbas na capital.

João Doria garante a aliados que sair do PSDB não está em seus planos, mas não deixou de registrar que as mensagens de que seria bem-vindo no DEM e no PMDB eram um “reconhecimento” ao seu trabalho.

O prefeito também enviou sinais a dirigentes do PSDB de que considera um erro a sigla definir candidatura presidencial em dezembro deste ano. Explica-se: com este calendário, programado por Aécio Neves (PSDB-MG), Doria teria que anunciar o desejo de deixar a prefeitura com menos de um ano de mandato.

Já o governador Geraldo Alckmin, em longa conversa com o senador mineiro, elogiou a iniciativa. Ele esteve na casa de Aécio, na quarta-feira (9), por quase duas horas. O calendário, como está posto, ajuda a manter sua candidatura como a mais provável no PSDB. (Painel – FSP)

PSDB tem recursos penhorados: campanha de Serra



Folha de S.Paulo – Rogerio Gentile

A Justiça de São Paulo determinou a penhora de 30% do faturamento dos diretórios estadual e municipal do PSDB por conta de dívidas da campanha de José Serra a prefeito no ano de 2012.

A apreensão dos valores foi solicitada pela empresa Campanhas Comunicação Ltda, do marqueteiro Luiz Gonzalez, que afirma ter R$ 8,4 milhões a receber por serviços prestados naquela eleição.

Considerando juros, correção monetária, multa e honorários advocatícios, a empresa teria um crédito a receber de R$ 21,5 milhões.

A penhora foi determinada pelo juiz Mario Chiuvite Junior, da 22ª Vara Civil, e confirmada pelo Tribunal de Justiça, que não aceitou o recurso impetrado pelo partido.

Em 2016, de acordo com documentos apresentados pela empresa, os diretórios do PSDB estadual e municipal obtiveram faturamento de pelo menos R$ 2,89 milhões.

CALOTE

Serra perdeu a eleição de 2012 para Fernando Haddad (PT) no segundo turno. O processo foi aberto em 2015 depois que o PSDB parou de pagar as prestações acordadas e as negociações para a retomada foram interrompidas.

Em sua defesa, os diretórios municipal e estadual do PSDB dizem que não são responsáveis pela dívida.

Argumentam que o comitê financeiro da campanha de Serra gozava de total autonomia na realização de gastos, "sendo o único órgão responsável pelas dívidas".

O PSDB estadual foi além e disse ainda que a dívida é nula, uma vez que o contrato de prestação de serviço teria sido assinado apenas pelo tesoureiro da campanha.

"O comitê financeiro de uma campanha é gerido, necessariamente, por duas partes: um presidente e um tesoureiro. Assim, em hipótese alguma, uma dessas partes poderá contrair dívida ou obrigação sem a anuência expressa de ambos os dirigentes", afirmou.

O juiz Luis Felipe Ferrari Bendeli, da 22ª Vara Cível, não aceitou a argumentação. "Os comitê financeiros das campanhas não são pessoas jurídicas dotadas de personalidade própria, mas meros entes despersonalizados criados com a destinação única de fazer a movimentação financeira da campanha."

Segundo o juiz, em razão disso, "as dívidas são contraídas em nome do candidato e do partido."

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo