A briga para botar a mão no dinheiro das campanhas - Mais Notícias - Notícias
Mais Notícias : A briga para botar a mão no dinheiro das campanhas
Enviado por alexandre em 11/08/2017 08:00:44

A briga para botar a mão no dinheiro das campanhas



Helena Chagas - Blog Os Divergentes

Se formos resumir a reforma política que está sendo aprovada na comissão especial da Câmara a um único ponto, este é o financiamento público de R$ 3,6 bilhões para as campanhas eleitorais de 2018. O resto é o resto, e tem grandes chances de cair pelo caminho na longa tramitação que ainda tem pela frente, com duas votações por maioria de três quintos no plenário da Câmara e mais duas no Senado. Há expectativa de que o polêmico distritão para eleger deputados, por exemplo, não resista até lá.

Mas o dinheirinho público para as eleições não corre o risco de cair do texto – e, mais do que isso, é o que dará o tom das discussões e articulações partidárias e eleitorais a partir de agora. A distribuição desses recursos não foi definida ainda, e provavelmente será regulada por uma lei ordinária a ser votada, segundo destaque do PT aprovado nesta tarde retirando a delegação dada pela PEC às direções partidárias para resolverem tudo.

Vai ser uma briga de foice, como nunca vista antes, porque travada à luz do sol. Na modalidade antiga, com os caixas 1 e 2 das contribuições empresariais, boa parte da disputa interna nos partidos para botar a mão no dinheiro se passava de forma subterrânea. Agora, haverá vigilância da mídia, do Ministério Público e da Justiça Eleitoral, e será a primeira eleição geral após as delações da Lava Jato.

Só essa situação já muda tudo, inclusive a correlação de forças internas em cada partido, dando súbita importância aos cargos de direção da burocracia partidária – que vão autorizar os gastos.

Cada partido terá que fazer uma opção preferencial e escolher a campanha na qual pretende investir de verdade: quem tiver candidato à presidência, gastará menos com governos estaduais e com a eleição para o Congresso, por exemplo. De outro lado, haverá quem prefira dar prioridade às bancadas federais e estaduais, apresentando uma chapa camarão- sem cabeça – para engordar seu cacife como base de apoio do futuro governo, qualquer que seja ele.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo