‘A imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação - Justiça em Foco - Notícias
Justiça em Foco : ‘A imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação
Enviado por alexandre em 15/08/2012 00:13:09

‘A imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação dos réus’, diz advogado do Bispo Rodrigues
‘A imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação dos réus’, diz advogado do Bispo Rodrigues
Bispo Rodrigues, ex-deputado
No oitavo dia do julgamento do mensalão, o advogado Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, começou a sua sustentação oral em defesa de Carlos Alberto Rodrigues Pinto, o Bispo Rodrigues. Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de receber R$ 150 mil do valerioduto para votar a favor do governo no Congresso. Usou para isso, conforme a denúncia, o motorista de outro parlamentar para sacar os recursos na "boca do caixa". Ao Supremo Tribunal Federal (STF), ele negou a venda de votos e justificou a quantia como empréstimo para saldar dívidas de campanha em 2002. A defesa admitiu que seu cliente recebeu R$ 150 mil "exclusivamente para pagamento das dívidas de campanha contraídas no segundo turno das eleições presidenciais de 2002". Entretanto, ele assegurou que tratou-se apenas de um acerto financeiro entre o PT e o PL. De acordo com a denúncia da Procuradoria Geral da República, o então deputado do PL, hoje no PR, teria recebido dinheiro em troca de apoio político ao PT e ao governo Lula. A tese da defesa do Bispo Rodrigues é que o dinheiro se destinava apenas ao pagamento de dívidas de campanha. Para o advogado de Rodrigues, seria "anormal e ilógico" se o PL votasse contra os interesses do governo, uma vez que fazia parte da base. "É lógico que o partido que compõe esse governo, inclusive indicando o vice-presidente da República, mantivesse um alinhamento", afirmou. Mascarenhas Braga, como diversos advogados que fizeram sua sustentação oral anteriormente, reafirmou a tese de que o mensalão não existiu e que o pagamento seria para sanar dívidas de campanha, por meio de caixa 2. "Inexiste o necessário nexo de causalidade entre a quantia recebia e o eventual ato de ofício praticado pelo réu". O advogado afirmou que a acusação não conseguiu demonstrar nenhum ato para configurar a alegada corrupção passiva e a suposta lavagem de dinheiro. "A mídia e a imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação dos réus. Carlos Rodrigues tem absoluta certeza de sua inocência”, finalizou.


‘A imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação dos réus’, diz advogado do Bispo Rodrigues
‘A imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação dos réus’, diz advogado do Bispo Rodrigues
Bispo Rodrigues, ex-deputado
No oitavo dia do julgamento do mensalão, o advogado Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, começou a sua sustentação oral em defesa de Carlos Alberto Rodrigues Pinto, o Bispo Rodrigues. Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de receber R$ 150 mil do valerioduto para votar a favor do governo no Congresso. Usou para isso, conforme a denúncia, o motorista de outro parlamentar para sacar os recursos na "boca do caixa". Ao Supremo Tribunal Federal (STF), ele negou a venda de votos e justificou a quantia como empréstimo para saldar dívidas de campanha em 2002. A defesa admitiu que seu cliente recebeu R$ 150 mil "exclusivamente para pagamento das dívidas de campanha contraídas no segundo turno das eleições presidenciais de 2002". Entretanto, ele assegurou que tratou-se apenas de um acerto financeiro entre o PT e o PL. De acordo com a denúncia da Procuradoria Geral da República, o então deputado do PL, hoje no PR, teria recebido dinheiro em troca de apoio político ao PT e ao governo Lula. A tese da defesa do Bispo Rodrigues é que o dinheiro se destinava apenas ao pagamento de dívidas de campanha. Para o advogado de Rodrigues, seria "anormal e ilógico" se o PL votasse contra os interesses do governo, uma vez que fazia parte da base. "É lógico que o partido que compõe esse governo, inclusive indicando o vice-presidente da República, mantivesse um alinhamento", afirmou. Mascarenhas Braga, como diversos advogados que fizeram sua sustentação oral anteriormente, reafirmou a tese de que o mensalão não existiu e que o pagamento seria para sanar dívidas de campanha, por meio de caixa 2. "Inexiste o necessário nexo de causalidade entre a quantia recebia e o eventual ato de ofício praticado pelo réu". O advogado afirmou que a acusação não conseguiu demonstrar nenhum ato para configurar a alegada corrupção passiva e a suposta lavagem de dinheiro. "A mídia e a imprensa, a qualquer custo, anseia pela condenação dos réus. Carlos Rodrigues tem absoluta certeza de sua inocência”, finalizou.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo