(IN)JUSTIÇA - Justiça - Notícias
Justiça : (IN)JUSTIÇA
Enviado por alexandre em 19/10/2021 09:29:12

Promotor de Justiça é demitido por ter apoiado a Lava Jato

Diogo Castor foi o responsável por instalação do item em uma via pública com homenagem à Operação Lava Jato


Procurador da República Diogo Castor de Mattos Foto: Reprodução/RPC

Em sessão realizada nesta segunda-feira (18), o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu pela demissão do procurador da República, Diogo Castor, ex-integrante da Operação Lava Jato em Curitiba. Castor foi o responsável pela instalação de um outdoor em uma via pública de Curitiba, em março de 2019, com uma homenagem à operação.

O painel havia sido instalado em uma via de acesso ao Aeroporto Afonso Pena, na Região Metropolitana de Curitiba. No outdoor, eram exibidas imagens de nove procuradores e a frase: “Bem-vindo à República de Curitiba. Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a lei se cumpre. 17 de março — 5 anos de Operação Lava Jato — O Brasil Agradece”.

Leia também1 No Equador, presidente decreta exceção para combater o tráfico
2 CPI: Após atrito sobre relatório, Aziz e Renan estão sem se falar
3 'O que ia resolver?', diz Lira ao afastar chance de impeachment
4 Eduardo Bolsonaro provoca Bruno Gagliasso no Twitter
5 Colunista é intimado pela PF por criticar Nunes Marques

Para a maioria dos membros do CNMP, porém, em concordância com a relatora do processo, conselheira Fernanda Marinela, o procurador cometeu ato de improbidade ao promover a instalação do item. Agora, o CNMP encaminha o caso para a PGR para que o procurador-geral da República, Augusto Aras, escolha um subprocurador para ajuizar a ação judicial de demissão do procurador.

Ao comentar a decisão, a defesa de Castor informou que ficou surpresa com o ato do colegiado e destacou que há jurisprudência no CNMP para converter a sanção de demissão em suspensão em casos em que o investigado é primário e as condições são favoráveis. O advogado Alexandre Silva, que defende Castor, disse ainda que não houve improbidade no ato do procurador.

– Não há improbidade em ato desconectado da função e financiado com recurso estritamente privado – completou Alexandre.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo