Amor e Sexo - Sexo morno no relacionamento: quando é só fase e quando é um sinal do fim? - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 80 »
Amor e Sexo : Sexo morno no relacionamento: quando é só fase e quando é um sinal do fim?
Enviado por alexandre em 22/11/2020 15:29:37


-
Imagem: Getty Images

Muito fogo, química e disposição. Todo início de relacionamento é marcado por uma enorme empolgação sexual. Toda hora é hora para transar, o desejo está sempre nas alturas e, se as circunstâncias não permitem ir às vias de fato, os casais arrumam um jeitinho de, pelo menos, dar uns bons amassos. Ah, o tesão do começo.

Com o tempo, porém, o entusiasmo vai arrefecendo. Isso acontece, principalmente, entre os pares que estão juntos há um longo período ou depois que passam a viver sob o mesmo teto ). A rotina e o fato de o outro estar sempre ali, por perto, diminuem significativamente a urgência sexual.

Para os especialistas, fases de sexo morno ou até sem atividade sexual alguma são comuns em relacionamentos duradouros – e não há problema algum com isso. “O ser humano não é estável. Em alguns dias as pessoas acordam com mais libido, em outras menos. Depois, tudo volta à frequência em que o casal estava acostumado. Há vários fatores que podem contribuir para isso”, diz o psiquiatra e terapeuta sexual Eduardo Perin.

No começo, o foco é descobrir o outro

No começo do namoro é comum um ficar 100% concentrado no outro. A saudade estimula o desejo e ambos ainda estão na etapa de descobertas. “No dia a dia, outras exigências vão surgindo, como as tarefas domésticas e as questões profissionais.

O período de sexo morno fica ainda mais evidente quando o casal tem filhos. É natural que haja um certo afastamento como casal”, afirma a psicóloga Marina Vasconcellos, terapeuta familiar e de casal.

Sexo verbal: é preciso falar sobre a seca

Além das demandas cotidianas um dos principais fatores por trás de uma fase de “seca” é a falta de comunicação entre os casais. “O que ocorre em diversas situações é que o sexo ainda é um tabu e, sendo assim, nada é falado sobre o tema e cada um fica calado na sua”, comenta o psicólogo Yuri Busin, diretor do CASME (Centro de Atenção à Saúde Mental), em São Paulo. Isso não quer dizer que a atração entre os dois acabou, mas que um fica à espera que o outro tome a iniciativa ou adivinhe seus desejos e necessidades – e daí nada acontece.

Um risco, para a maior parte das relações, é deixar de alimentar o tesão, se acomodar e passar a viver como amigos. Há uma cumplicidade, claro, mas o sexo, de tão negligenciado, passou a ser secundário e, finalmente, desnecessário.

Outro problema, conforme Yuri, é a vida sexual empobrecida ser um reflexo de outras questões que o casal tem e que, novamente, não são faladas. “Isso pode conduzir o casamento para um fim. É sempre bom reavaliar as atitudes e notar se é apenas na relação sexual ou se existem problemas que estão afetando o relacionamento”, observa.

Traições, mágoas acumuladas, raiva, ressentimento e discordância em pontos fundamentais, como finanças e educação dos filhos, podem abrir uma brecha enorme entre os dois que se reflete na cama. Se o casal não se dá conta disso ou até tem consciência, mas não sabe como resolver ou chegar a um consenso, o ideal é procurar uma terapia de casal.

Mas, calma, que dá para acender esse fogo novamente

A boa notícia é que, com empenho, disposição e, claro, atitude, a temperatura do sexo pode subir novamente. O primeiro passo é abrir o jogo a respeito. “A percepção se a relação está normal ou não depende de cada um. Para algumas pessoas, fazer sexo uma vez por semana, por exemplo, é pouco. Para outras, é o suficiente. O importante é o casal estar alinhado em seus desejos e expectativas e, para isso, o diálogo irá ajudar sempre”, diz Yuri.

Outra dica importante é que o casal invista na maturidade emocional, individual e como par, para compreender quais fases são normais e quais representam um sinal amarelo. Enfrentar uma perda na família ou uma situação de desemprego são questões pontuais que afetam a libido e merecem compreensão, mas nutrir rancor por alguma pisada de bola e, por conta disso, evitar o sexo exige uma providência – ou melhor, um diálogo franco.

Outra saída, de acordo com Marina, é provocar situações eróticas ou diferentes para que o clima de sedução volte a fazer parte da relação. A novidade sempre é um bom afrodisíaco. “É possível, sim, reverter um sexo mais ou menos se as pessoas estiverem dispostas a isso e voltarem a cuidar, juntas, do relacionamento. O sexo é fundamental, pois aproxima e fortalece o vínculo e a cumplicidade. Sem isso, o que rola é somente uma amizade”, fala.

Heloisa Noronha – Colaboração para Universa

Amor e Sexo : Quais são os principais tabus da sexualidade feminina?
Enviado por alexandre em 17/11/2020 15:11:04


Você tem itens para masturbação, relaxamento e até mesmo para apimentar a sua relação.

O primeiro passo é aceitar o eu corpo. Não importa o número que você veste, se você é bem resolvida, tem alto-aceitação da su imagem  já é meio caminho andado para superar os tabus e dificuldades de tatrar como assunto.

 

 Tabus femininos que devemos quebrar

 

Sexualidade Feminina: TABU - Instituto Abathon

 

Aceite suas curvas

 

Com curvas ou sem, ele é seu instrumento de prazer. Está sem confiança? Então, então veja os itens de moda íntima em lojas de sex shop, por lá, você encontra fantasias, conjuntos de lingeries e outras peças para você ficar mais sexy.

 

Veja também

 

Mãe diz que não conseguia fazer sexo após o parto. ENTENDA

 

Em ensaio, atriz pornô revela que quase 'Esqueceu como fazer sexo de verdade'. VEJA FOTOS

 

Anatomia da sua parte íntima

 

Conheça 12 mitos e verdades sobre a higiene feminina | Donna

 

Você sabe onde fica a vulva, clitóris, canal urinário, ponto G e mais do seu corpo? Com certeza, assim como a maioria das mulheres, você deve ter respondido não. Isso ocorre, pois não há a normalização da sexualidade feminina.

 

Então, além das curvas, você deve conhecer sua vagina. Faça o reconhecimento dela, fique frente a frente ao espelho, veja a anatomia do seu clitóris, lábios, vulva e muito mais. Além disso, converse com profissionais da saúde que possam te ajudar nas descobertas das suas zonas erógenas.

 

Seja sem vergonha, entre no sex shop

 

Você tem vergonha de ir ao Sex Shop? - Crescendo aos Poucos

 

Isso mesmo, seja sem vergonha e pesquise itens que possam ativar seu prazer – sozinha ou com seu parceiro. Há cosméticos, vibradores silicone, fantasias e muito mais. Com eles você pode gozar da vida muito mais.

 

O que comprar em uma sex shop?

 

Curiosidades sexuais: produtos mais vendidos em sex shop

Fotos: Reproduções

 

Nos maiores sex shop do Brasil, você consegue comprar tudo que precisa em um click, com descrição total. Veja alguns exemplos do que comprar:

 

Fantasias: comestíveis, femininas, plus size;


Próteses: pelúcia, plugs e próteses;


Moda Sensual: body, conjuntos, corselet e muito mais;


Acessórios: coletor menstrual, preservativos e vibrador silicone;


Sado: arreios, chibatas, chicotes, vendas e mais;

 


Brincadeiras: kama sutra, baralhos, dados e outros.

 

We Fashion Trends

Amor e Sexo : DEPILAÇÃO TOTAL! É ruim remover ou depilar todos os pelos da região íntima? Descubra!
Enviado por alexandre em 11/11/2020 09:05:50


Os pelos pubianos cumprem a função de proteger a área genital contra os agentes patogênicos e agressores externos. É importante também prestar atenção à irritação nesta área do corpo.

Depilar-se ou não… esta é a questão. Existem muitos debates em relação a este tema e por isso várias mulheres não sabem o que fazer. Afinal, é ruim depilar a região íntima? Responderemos a esta pergunta neste artigo!

 

Devemos deixá-los crescer ou tirar os pelos pubianos em sua totalidade? Algumas mulheres afirmam que os pelos as protegem de doenças, e outras, que se depilam por razões estéticas.

 

É ruim remover ou depilar os pelos da região íntima? Neste artigo, compartilharemos informações importantes para que você possa tomar a decisão certa para o seu caso.

 

Veja também

 

Nada de ácidos: veja alternativas para cuidar da pele facial no calor

 

O que fazer se o absorvente interno ficar preso dentro de você


As funções dos pelos pubianos

 

Depilacao

 

Embora nosso corpo não tenha deixado nada ao acaso no momento da criação, muitas mulheres (e cada vez mais homens) decidem barbear-se ou se depilar. Para poder tomar uma decisão em relação à remoção dos pelos pubianos, é necessário estar bem informado

 

Para começar, os pelos nessa região cumprem várias funções, entre as quais destacamos:

 

Criam uma barreira para evitar que os vírus e bactérias exteriores causem infecções ou doenças.


Permitem que os órgãos genitais femininos estejam sempre a uma temperatura agradável e adequada para garantir o seu funcionamento adequado.


Retêm o aroma pessoal (criado pelos ferormônios) que transmitem sinais sexuais para estimular a libido do parceiro.


Previnem a irritação da área genital durante o ato sexual, já que o contato com a pele pode causar vermelhidão e incômodo.
Razões para não tirar os pelos da região íntima


Ainda não está totalmente convencida se quer ou não manter os pelos pubianos? Você deveria prestar atenção nos seguintes motivos para entender que o melhor seria deixá-los como estão (ou, simplesmente, cortá-los um pouco).

 

1. A pele sofre

 

Pele

 

Em primeiro lugar, eliminar os pelos pubianos inflama e irrita os folículos. Além disso, pode deixar feridas abertas (que não podem ser vistas a olho nu) incômodas e dolorosas. A depilação constante causa também pelos encravados dolorosos e queimaduras, no caso de usar a cera. Se, em vez disso, se utiliza a lâmina, pode causar cortes.

 

Também devemos levar em consideração as condições da pele. A psoríase ou eczema podem piorar devido à depilação. Se você sofre de algum desses distúrbios da pele, é melhor consultar um médico para descobrir qual método de remoção de pelos é recomendado para você. Caso contrário, você pode agravar a situação e sofrer muito desconforto ou dor.

 

2. Acelera a proliferação de bactérias


A depilação com cera quente (também conhecida como sistema espanhol) é uma das mais prejudiciais para a região íntima, já que causa a vermelhidão e o enfraquecimento dos poros.

 

Quando isso se combina com a umidade e a temperatura na região, converte-se em um local propício para a proliferação de bactérias. E se não houver pelos, não podemos impedir que os microrganismos entrem no nosso corpo!

 

Virus

 

No entanto, essas alegações, embora sejam baseadas em estudos científicos, também têm detratores. Estes afirmam que é possível realizar uma remoção segura dos pelos pubianos e que não tem porquê levar a nenhum tipo de problema.

 

O melhor, em caso de dúvida, é perguntar ao seu médico de confiança.

 

Mais possibilidade de ter herpes


São vários os estudos que demonstram que as mulheres completamente depiladas são mais propensas a ter herpes genital. Quando se raspam ou depilam, causam feridas que expõem o organismo ao vírus que provoca esta doença sexualmente transmissível.

 

3. Maior possibilidade de ter herpes e HPV


Este estudo realizado entre 2011 e 2012 na França faz uma avaliação negativa da depilação íntima. Mostra que as mulheres depiladas são mais propensas a sofrer de herpes genital. Quando se depilam e causam feridas, o organismo é exposto ao vírus que causa essa doença sexualmente transmissível.

 

Por outro lado, o papilomavírus humano tem proliferado rapidamente. Esta doença é transmitida em muitos casos sem que as pessoas saibam (porque não apresenta sintomas automáticos) ou devido à falta de informação. No entanto, neste caso, ainda não existem estudos que estabeleçam algum tipo de correlação com a depilação.

 

4. As modas são passageiras

 

Corpo-de-mulher

 

Não se esqueça que esse tipo de depilação é uma tendência entre as mulheres e oferece trabalho para muitas clínicas. No entanto, você não precisa fazer isso apenas por moda ou porque acha que, se os outros o fazem, você também deveria.

 

Se você não se sente confortável ou lhe dói demais, é melhor ficar como está. Sempre é hora de mudar de ideia ou valorizar outras opções.

 

Além disso, devemos ter em mente que, não por nos depilarmos, aumentaremos nossa higiene. O mau cheiro não tem nada a ver com a quantidade de pelos nos órgãos genitais, mas sim com a higiene pessoal.

 

Atenção às doenças da pele


A psoríase e os eczemas podem se agravar devido à depilação. Se você sofrer de algum destes transtornos da pele, é melhor consultar um médico para saber qual método ele recomenda para retirar os pelos da região íntima.

 

Caso contrário, você poderia agravar a situação e sofrer muitos incômodos e dores.

 

 

?Depilar-se não é mais higiênico

 

Dicas para conversar com sua filha adolescente sobre depilação | Venus BR?

 

Também não é um afrodisíaco!


É certo que muitas mulheres se sentem mais seguras de si mesmas quando estão depiladas e por isso se sentem melhor no sexo. No entanto, a satisfação íntima vai mais além da quantidade de pelos de cada um.

 

Também depende muito do parceiro. Muitos homens gostam de mulheres que se depilam por completo, mas também há muitos que as preferem de forma natural, ou seja, com seus atributos intactos.

 

Conselhos para genitais depilados


Pode ser que nada do que você leu anteriormente a convenceu de não tirar os pelos pubianos porque você se sente muito cômoda sem eles, não há problema! Entretanto, recomendamos alguns bons hábitos para que esta decisão provoque as menores consequências possíveis.

 

Durante a depilação


Comece pouco a pouco: se você nunca tirou os pelos da região íntima, é aconselhável começar aos poucos. Desta maneira, você sofrerá menos dor e efeitos colaterais. Comece cortando com a tesoura e depois passe para a lâmina ou a cera.


Preste atenção à irritação: Não importa o método que você escolheu para depilar a região íntima, não deixe de lado os efeitos na pele. Se ela estiver muito vermelha, se arder ou incomodar, passe um bom creme hidratante. Fique atenta para possíveis pelos encravados.


Depois da depilação


Analise como você se sente: Talvez você tenha tomado a decisão de se depilar por completo porque o seu parceiro pediu, porque você vai para a praia de férias ou porque queria experimentar algo diferente. Compare as suas sensações com as que você tinha quando conservava os pelos.
Use calcinhas de algodão: Descarte certos materiais como a lycra. Também não devemos usar roupas muito justas (inclusive as calças). Use saias ou vestidos mais folgados e cuidado com o biquíni.

 


Não tome sol na região depilada: Pode ser que você tenha se depilado por completo porque o seu biquíni é pequeno ou porque o verão começou. No entanto, não é aconselhado que durante os primeiros dias após a depilação, seja ela com lâmina ou com cera, o sol entre em contato com a área. Evite a irritação e a vermelhidão usando um fator de proteção elevado se for à praia ou à piscina.

 

Melhor Com Saúde

Amor e Sexo : O melhor das posições sexuais: descubra como ter mais prazer no sexo em pé
Enviado por alexandre em 09/11/2020 22:36:44


A posição pode ser desconfortável para algumas mulheres, mas existem truques que podem torná-la mais estimulante. Descubra.

 Nas semanas, o iG Delas está publicando a série O Melhor das Posições Sexuais, em que conversamos com sexólogos sobre maneiras de sentir mais prazer em diversas práticas e posições sexuais . Até agora, a gente falou sobre sexo anal , de quatro , papai-e-mamãe , sexo oral , sexo na cadeira e de conchinha . Hoje é dia de explorar as possibilidades do sexo em pé.

 

A sexóloga Carla Cecarello afirma que o sexo em pé é uma das posições sexuais mais desconfortáveis para as mulheres e pode não ser muito prazeroso para muitas delas. A sexóloga e fisioterapeuta pélvica Débora Pádua cita ainda que uma das dificuldades da posição é o fato de que, às vezes, os parceiros podem ter alturas diferentes , o que pode desfavorecer a posição.

 

No entanto, existem técnicas e truques que podem ajudar a reverter essas situações e tornar a transa bem gostosa. As duas profissionais explicam como adaptar o sexo em pé e curtir essa posição ideal para sair da rotina.

 

Veja também

 

Sexo no banho: saiba como evitar complicações a aproveitar ao máximo

 

O melhor das posições sexuais: como ter mais prazer no sexo na cadeira

 

Adapte a posição com móveis

 

Sexo em casa: aventure-se e experimente fazer sexo em cima da mesa - Amor e  Sexo - iG 

 

Para driblar o problema de diferença de altura, os parceiros podem adaptar a posição usando outros móveis. “Um deles pode ficar de pé enquanto o outro pode sentar em algum lugar, como na pia da cozinha, na máquina de lavar ou em qualquer lugar diferente que consigam imaginar” ensina Débora.

 

A parede é sua aliada

 

Débora explica ainda que para tornar a posição confortável, o casal pode se apropriar das paredes da casa. A mulher pode apoiar com as costas e ficar de frente para o parceiro ou pode ficar de costas pra ele.

 

Saia do quarto

 

Desafio do sexo: 52 experiências, uma para cada semana de 2019 - 01/01/2019  - UOL Universa

 

O sexo em pé pode incentivar o casal a sair da mesmice ao deixar o quarto para trás e explorar outros cenários. Débora sugere que a posição seja feita durante o banho . “O casal aproveita para engatar das preliminares na água quente para a hora H”, diz. “Ideal para deixar as pessoas mais relaxadas ou até mesmo para quem tem mania de limpeza antes do sexo”, acrescenta.

 

Dê colo para ela


Carla afirma que o que torna a posição mais interessante para as mulheres é quando o homem a pega no colo. “A partir daí ela o abraça com as pernas e faz a penetração ao mesmo tempo. Essa cena é extremamente estimulante porque as mulheres costumam se visualizar nos filmes”, justifica. A sexóloga diz ainda que é uma opção adorada por mulheres que gostam de ser dominadas.

 

Explore o corpo com caricias

 

Zonas erógenas do homem: explore-as! - Sexo e Prazer

Fotos: Reproduções

 

Quem estiver penetrando pode aproveitar a vista das curvas do corpo da parceira. Além disso, é possível usar as mãos para acariciar as costas e apalpar o bumbum e a perna.

 

 

Controle os movimentos


Durante a penetração, a parceira pode deixar as pernas mais fechadas para apertar o canal vaginal e sentir com mais intensidade a penetração. Também vale fazer movimentos com o quadril para intensificar o prazer para quem está penetrando.

 

 IG

Amor e Sexo : Conheça 5 condições que podem causar irritação vaginal
Enviado por alexandre em 03/11/2020 09:01:58


A ginecologista Eloisa Pinho dá dicas para prevenir e identificar as principais causas do surgimento de coceira, ardor e secreção na vagina

Quando há algo de errado com o nosso organismo, nosso corpo apresenta sinais de alerta. Por exemplo, quando a saúde da pele é prejudicada, um dos primeiros sintomas a surgir é um processo irritativo da região afetada, incluindo a vagina. Neste caso, a irritação vaginal é caracterizada geralmente pela presença de coceira, queimação e secreção na vagina e na vulva.

 

"Isso acontece porque a vagina contém uma série de bactérias responsáveis por protegê-la de agressores externos e qualquer desequilibro hormonal pode causar uma alteração nessa composição, favorecendo o surgimento de irritação", explica Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU.

 

Quando a irritação vaginal se torna intensa, recorrente e persiste por longos períodos, a irritação pode ser sinal de uma condição mais séria e que pode representar riscos à saúde”, explica. Para ajudar quem sofrem com o problema, a especialista listou as principais causas da irritação vaginal. Confira.

 

Veja também

 

Tratamento caseiro para candidíase funciona?

 

É por isso que mulheres bem resolvidas atraem homens babacas, afirma estudo. VEJA OS MOTIVOS

Vaginose bacteriana

 

De acordo com a médica, a vaginose bacteriana figura entre as razões mais comuns para a irritação vaginal, ocorrendo devido a uma mudança no pH da vagina com consequente desequilíbrio na microflora bacteriana local. “Além da irritação, a vaginose bacteriana também é caracterizada pela presença de corrimento amarelado, bolhoso e de odor fétido, o que muitas pessoas chamam de ‘cheiro de peixe podre’”, completa.

 

Confira mitos, verdades e curiosidades sobre os pelos pubianos - Amor e  Sexo - iG

 

Infecção fúngica

 

Similar à vaginose bacteriana, a infecção fúngica também é causada por um desequilíbrio do pH vaginal e por fatores como estresse, uso de antibióticos, práticas sexuais e mudanças na dieta. As mulheres diabéticas costumam ter maior predisposição a sofrerem com o problema, afirma a ginecologista.

 

Vaginite atrófica

 

A vaginite atrófica, ou atrofia vaginal, é caracterizada pelo ressecamento e inflamação da vagina devido à diminuição da produção de estrogênio. Ela ocorrendo geralmente na menopausa, mas pode se desenvolver também durante a amamentação ou devido a condições que afetam a produção natural de estrogênio.

 

Odor vaginal, coceira e dor na relação são normais? Descubra!

 

"A vaginite atrófica pode ser identificada pela presença de irritação e corrimento na região intima, além de ressecamento vaginal, dor ao urinar, necessidade constante de ir ao banheiro, incontinência urinária, infecções do trato urinário e desconforto e sangramento durante relações sexuais”, diz a médica.

 

Alergias e dermatites

 

Certos produtos que entram em contato com a região íntima podem causar hipersensibilidade com consequente surgimento de irritação vaginal. “Os principais culpados são os produtos com fragrâncias, incluindo preservativos, sabonetes, espermicidas e lubrificantes. Absorventes e roupas intimas de tecidos sintéticos também favorecem o surgimento de irritação na região.

 

ISTs

 

Muitas infecções sexualmente transmissíveis apresentam irritação como sintoma. Porém, entre as IST’s, a tricomoníase é uma das principais causadoras do problema. “Geralmente, o quadro da tricomoníase é assintomático, mas podem surgir sintomas como corrimento amarelo-esverdeado, irritação e odor fétido". Se não tratada, a condição pode evoluir para uma doença inflamatória pélvica e até mesmo causar infertilidade”, alerta a especialista.

 

O que pode causar dor na vagina | Blog dr. consulta

Fotos: Reprodução

 

A médica explica que grande parte das causas da irritação vaginal pode ser prevenida através de cuidados básicos, como higienizar a região íntima diariamente e enxugar bem a área para evitar que fique úmida, o que a torna um ambiente propicio para a proliferação de fungos e bactérias.

 

"Além disso, cuidado com o uso de sabonetes bactericidas e duchas vaginais, que causam alterações na microbiota responsável pela proteção da região”, aconselha a médica. “Evite ainda utilizar roupas íntimas sintéticas, dando preferência para aquelas que são feitas de tecidos que permitam a respiração adequada da região íntima, como o algodão. E sempre use preservativo para ter relações sexuais”.

 

 

Sempre bom lembrar que caso você apresente irritação vaginal persistente, o mais importante é consultar uma ginecologista, que poderá diagnosticar o problema corretamente e recomendar o melhor tratamento para cada caso. Sua saúde íntima agradece.

 

iG

« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 80 »