Regionais - Agente Comunitária de Saúde de Urupá perde a luta contra a depressão e tira a própria vida - Notícias
(1) 2 3 4 ... 10485 »
Regionais : Agente Comunitária de Saúde de Urupá perde a luta contra a depressão e tira a própria vida
Enviado por alexandre em 01/08/2021 00:47:23


Jucelia da Silva ( 36 Anos) , era funcionária publica, esposa de Josimar, que também é funcionário publico, a mesma enfrentava problemas psicológicos (Depressão) e por nos últimos meses estava passando pelo tratamento contra doença Lúpus.

Lúpus é uma doença inflamatória autoimune, que pode afetar múltiplos órgãos e tecidos, como pele, articulações, rins e cérebro. Em casos mais graves, se não tratada adequadamente, pode matar.

Era Agente Comunitária de Saúde e desde a descoberta quando iniciou o tratamento, foi afastada da função e lotada em cargo administrativo, muito atenciosa, competente, perdeu a luta contra a depressão, acabando tirando a própria vida, amigos, familiares,

Jucelia era irmã do Popular JOABE da agropecuária, conhecido no município.


Amigos, e familiares, lamentam a perda e prestam apoio, a família enlutada, a Administração, juntamente com agentes de saúde e secretários, lamentam e prestam solidariedade.

 

 URUPA 190

Regionais : Exército vai perfurar poços no NE em agosto, diz Bolsonaro
Enviado por alexandre em 31/07/2021 22:58:02


Em entrevista concedida ao Programa do Ratinho, do SBT, na noite de ontem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou que o Exército Brasileiro vai perfurar poços artesianos no Nordeste em agosto. "No mês que vem, vou estar com o Exército e o comandante [general Paulo Sérgio Nogueira] no Nordeste furando poços artesianos", declarou.

Em maio deste ano, o Governo Federal divulgou a liberação de quase R$ 57 milhões para a perfuração de 790 poços e implantação de 2.194 cisternas em 191 municípios nordestinos. A expectativa é de que 50 mil pessoas em todos os estados da região sejam beneficiadas com as novas estruturas.

As obras fazem parte da estratégia do Governo Federal para a emancipação dos carros-pipa. Os recursos foram empenhados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

O Exército já vinha atuando em anos anteriores para esse fim. No governo do presidente Michel Temer (MDB), foram perfurados 593 poços artesianos entre 2016 e 2018. 

Ainda de acordo com o Exército, 307 atingiram água. Destes, 125 têm água potável, enquanto 182 possuem água que pode ser usada para outros fins, como agricultura e consumo de animais.


‘Ninguém precisa de recursos públicos para fazer campanha’ Bolsonaro voltou a criticar Fundão eleitoral de 5,7 bilhões


Presidente Jair Bolsonaro Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro voltou a sinalizar que poderá vetar mais de R$ 2 bilhões do fundo eleitoral e reforçou que, se pudesse, “vetava todo o Fundão”.

De acordo com Bolsonaro, ele ainda não sabe o valor exato a ser vetado, mas acredita que o corte ultrapassará R$ 2 bilhões de reais. O presidente manteve o discurso de que tem que aprovar a ferramenta para não incorrer no crime de responsabilidade. A declaração foi dada por ele em entrevista à rádio 89 FM (SP), na manhã desta sexta-feira (30).

Leia também1 Programa do Ratinho entrevista o presidente Jair Bolsonaro
2 Paes volta atrás e diz que não haverá grandes eventos no Rio
3 REDE quer multar Bolsonaro toda vez que ele falar em fraude
4 Shakira irá recorrer contra possível julgamento por fraude
5 Cachorro toca campainha para entrar em casa e viraliza na web. Vídeo!

O chefe do Executivo também declarou não concordar com o fundo eleitoral. Ele disse: “Ninguém precisa, no meu entender, de recorrer a recursos públicos para fazer campanha”.

– Quem tem mandato especial e quem faz uso do Fundão… têm oportunidade, ao longo de quatro anos, de trabalhar e consolidar o apoio junto à população. Agora, sou obrigado a sancionar aquilo que a lei diz – afirmou Bolsonaro.

De acordo com a legislação brasileira, se o fundo for vetado pelo presidente, o governo e os parlamentares deverão estabelecer o gasto com as campanhas, considerando os impostos arrecadados com o fim de propaganda partidária (em torno de R$ 803 milhões), e somá-lo a um percentual não definido da reserva destinada às emendas parlamentares de bancada, cuja somatória deve chegar a R$ 8 bilhões no próximo ano.



Quem quer dar o golpe: o presidente eleito ou aqueles que negam a Bolsonaro o direito de se reeleger? Democracia é ameaçada por todas as forças que não querem Bolsonaro nas eleições de 2022 — e que, para atingir esse propósito, estão prontas a promover e a aceitar qualquer ilegalidade

 JP

YURI MURAKAMI/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOO presidente Jair Bolsonaro participa de motociata em São Paulo com milhares de apoiadores

É possível ler pelo menos uma vez por dia que a democracia no Brasil está correndo os riscos mais sérios de sua história neste preciso momento — e todo mundo sabe perfeitamente quem é o responsável direto por isso, segundo nos dizem a mídia, as classes ilustradas e o Brasil equilibrado, europeu e social-democrata que tanto encanta a nossa elite. O culpado é ele mesmo: Jair Bolsonaro. Há, entre os riscos, os “atos antidemocráticos”, como as aglomerações de gente onde se pede o despejo dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Há as passeatas de motocicleta. São apresentadas ideias inconstitucionais, como a de que a presente Constituição não vale nada. Há a reivindicação de que o voto nas eleições de 2022 possa ser comprovado fisicamente. E há, acima de todas as outras ameaças fatais à democracia, a possibilidade de que Bolsonaro ganhe a eleição presidencial do ano que vem e continue presidente do Brasil por mais quatro anos.

Como assim? Isso aí é o que se chama de contradição absoluta. Como o resultado de uma eleição livre, direta, com voto universal e secreto, pode ser a pior ameaça à uma democracia? Pois é onde estamos hoje, exatamente. O debate político no Brasil foi sendo tão degenerado, mas tão degenerado, que eleição, conforme o resultado, passou agora a ser crime político. Há muita conversa, claro, sobre “movimentação militar”, coisas obscuras e imprecisas que ninguém foi capaz de definir até o momento. Aqui e ali murmura-se sobre algum tipo de “golpe de Estado” – sem que fique preciso, nunca, quem daria esse golpe, quando, como e onde. Como o presidente disse que o Brasil tem de ter eleições limpas, ou não terá eleição nenhuma, e como a eleição terá de ter voto auditável para ser limpa, e como não vai haver voto auditável, há uma confusão contratada para o no que vem. Há os “radicais” em volta de Bolsonaro, há o discurso do ódio (só do lado dele), há os “atos antidemocráticos”, há o general Braga — enfim, há uma infinidade de coisas que são relacionadas todos os dias para indicar que a democracia brasileira está em estado de coma. Mas tudo isso, em geral, é conversa para encher o noticiário. O problema, mesmo, é Bolsonaro ganhar a eleição.

Quem não admite que existe uma maneira diferente da sua para de ver o mundo é um militante do totalitarismo

E nesse caso, quem é a verdadeira ameaça à democracia? O presidente, que só continuará a ser presidente se ganhar a eleição de 2022, ou quem nega a ele, em qualquer circunstância, o direito de se reeleger? É cada vez mais comum, na esquerda, dizerem que não vão “esperar” a eleição para desembarcar Bolsonaro do governo. Que diabo significa isso? Todo o discurso de oposição fala em “excluir a possibilidade” de mais quatro anos com ele. Prega-se abertamente, também, que a democracia é um valor que está “acima de qualquer outro”; como Bolsonaro, nessa maneira de ver as coisas, torna “impossível” qualquer regime democrático no Brasil, tudo passa a ser admissível para “deter” a sua caminhada. Outra coisa: impedir o “fascismo” é um dever cívico acima de qualquer lei, e está na cara desse evangelho que Bolsonaro e “fascismo” são exatamente a mesma coisa. É um dever de todos, portanto, agir nessa direção.

Os verbos são esses mesmos: excluir, deter, impedir. A mensagem que transmitem, quando se desconta a hipocrisia, é que não existem dois lados na próxima eleição e que quem ganhou deve levar. Só existe um lado legítimo — o que é contra Bolsonaro. Se ele perder, ganha a democracia; se ele ganhar, ganha a ditadura. Eis aí, no fundo, o ovo dessa serpente: a exclusão do “outro lado” da vida política. Tanto faz, aí, se quem acredita nisso é de esquerda ou de direita. Quem não admite que existe uma maneira diferente da sua para de ver o mundo, ou oposta à sua, é um militante do totalitarismo. É assim em Cuba, na Venezuela ou na China — só há uma verdade, essa verdade é a do governo e quem discorda é um inimigo da sociedade. No Brasil de hoje, só pode haver um ganhador para a eleição de 2022 — o nome que não for Bolsonaro —, e quem discorda disso não deve ter voz. 

A esquerda, o centro equilibrado e o Brasil que se dá o direito de pensar por todos acreditam, como artigo de fé, que pessoas como Bolsonaro, com o seu temperamento, suas ideias, seu tipo de admiradores, sua atitude geral diante da vida, seus conceitos e preconceitos, suas simpatias e antipatias, suas reações etc. etc. não podem ser aceitas numa democracia. Gente assim não foi feita para participar da vida pública; são a negação dos valores “corretos” e uma fonte permanente de tensão. Pode ser, mas estas não são expectativas realistas, nem éticas, de uma sociedade democrática. Democracia, ao contrário, depende do conflito para existir — inclusive os conflitos trazidos por lideranças políticas como as do presidente Bolsonaro. Na verdade, as divisões, por mais duras que sejam, são essenciais num regime democrático. Todas elas, inclusive as representadas por Bolsonaro, que são tão legítimas quanto quaisquer outras. Por que não? Só os conflitos declarados virtuosos ou aceitáveis pelo STF, pela OAB e pelas classes intelectuais seriam permitidos? É o que se pretende no Brasil de hoje. Esquecem, todas essas almas tão preocupadas com as “instituições”, que se não houvesse divergências como as que são encarnadas por Bolsonaro, não haveria necessidade de democracia. Para que, se todos estão de acordo?

Regionais : Musa do Internacional, Micheli Rocha faz sucesso na TV e revela convite para ensaio nú. VEJA FOTOS
Enviado por alexandre em 31/07/2021 22:46:40


Atriz das pegadinhas da Rede TV revela assédio de famosa revista masculina

Após conquistar o título de Musa do Internacional de Porto Alegre, Micheli Rocha é só sucesso. A beldade recebeu o convite para atuar como atriz das pegadinhas do programa João Kléber Show e vem se destacando nas atuações, ganhando cada vez mais destaque na atração.

 

Tamanho sucesso chamou a atenção de uma famosa revista masculina e as negociações estão em andamento.

 

"Recebi o convite e fiquei muito feliz em saber do interesse. Estou estudando a possibilidade, já que estou com muito projetos e ainda temos a disputa final pelo Musa do Brasileirão. Estou focada."

 

Veja também

 

Poderosa e dona do Bumbum mais famoso do México, brasileira enche o ‘cofrinho’ com plataformas. VEJA FOTOS

 

Sarah Caus mostra nova foto de seu ensaio inédito: 'Que absurdo de mulher'. VEJA FOTOS

 

 

 

Durante ensaio para o catálogo de uma marca de lingeries, Micheli Rocha mostrou um corpo perfeito e sensualidade à flor da pele. Usando uma lingerie vermelha, cor do seu time do coração, a musa não mediu as palavras: "Amo me expor e mostrar o corpo. Me acho extremamente sensual e despertar o desejo dos homens me dá muito prazer", disse aos risos.

 

 

 

Micheli segue a preparação para a final do Musa do Brasileirão, que acontece em novembro, em São Paulo.

 

 

 

 

 

 

 

Regionais : "A diferença é fazer com amor", diz zeladora que trabalha há 20 anos em hospitais.
Enviado por alexandre em 31/07/2021 22:45:25

 Fotos: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

Zeladora por amor à profissão. Assim se autodefine Maricildes Rodrigues da Silva que tem dedidado praticamente metade dos seus 50 anos a manter limpos hospitais em Teresina. Somente na maternidade do bairro Promorar, na zona Sul da cidade, foram mais de 14 anos de trabalho. Após um tempo sem emprego fixo, o retorno ao ambiente hospitalar se deu no início da pandemia quando ela foi selecionada para trabalhar na ala Covid do Hospital Getúlio Vargas (HGV), a maior unidade de saúde pública do estado.

Com brilho nos olhos e um sorriso contido encoberto pela máscara, ela guarda consigo lembranças da profissão, como o dia em que auxiliou em um parto no banheiro; outro dia em que presenciou mais de dez mortes devido à pandemia e de tantos outros em que  deixou o material de limpeza de lado para ajudar quem precisava de apoio, seja para ir a um canto a outro do hospital.

"Quando eu via todos aqueles aparelhos ligados, eu imaginava logo como estava a família daquela pessoa. Houve dias em que quis me desesperar, o dia que teve mais de dez óbitos. Me desesperei, chorei e pedi a Deus para me fortalecer de novo. Não é fácil e me emociono só de lembrar. Sempre trabalhei em hospital, mas foi diferente, pois estava no meio de uma pandemia. O amor à profissão fez com que eu ficasse. Amo minha profissão, faço com gosto. Limpo o hospital de coração porque gosto. Amo limpar e sempre gostei de trabalhar. Ao todo já são quase 23 anos que trabalho em hospital. É meu dom limpar", disse a zeladora.

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

 

O amor pelo ambiente hospitalar vem com Maricildes desde quando era mais jovem. Ela conta que sonhava em ser técnica em enfermagem, mas os desafios e a necessidade de criar seus três filhos deixaram o sonho adormecido. Coincidência ou não, ela tem uma filha que é técnica em enfermagem, o outro maqueiro e a terceira trabalha em um frigorífico.

Do ano que trabalhou no setor Covid, limpando UTIs e enfermarias, Maricildes Rodrigues traz lembranças também de discriminação. 

"Uma pessoa na rua disse: afasta para lá que você trabalha na Covid. Eu só pensei comigo: Deus não escuta o que ele está dizendo. Ouvir isso doeu muito e não esqueci. Mas, vamos em frente. Dentro do hospital nunca ouvi nada assim. Já entre meus amigos e família, me chamam de mulher corajosa porque fui trabalhar na Covid. Eles dizem que todo mundo tá querendo sair e eu entrei", conta a zeladora que agradece por já ter sido imunizada. 

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

Atualmente, a zeladora trabalha na limpeza do setor de administração do HGV, em um turno de 12 horas, dia sim e dia não. Maricildes diz que tem orgulho da profissão que é igual a qualquer outra. 

"É daqui que eu como, que eu bebo, que pago minhas contas, que eu visto. A diferença está em fazer com amor e não no que os outros pensam", conta a zeladora. 

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

"Eu limpo chão, vidraça, banheiro e o que tiver. Trabalhar na limpeza é digno, é como se fosse qualquer outro serviço. É uma profissão que poucos lembram. Lembram do técnico, do médico, da enfermeira, mas dos zeladores não lembram e nossa profissão é muito importante, pois imaginem essas outras profissões sem a gente. Eram todos trabalhando na sujeira. Sou zeladora com orgulho, criei meus filhos e sou muito orgulhosa pela profissão que tenho. É muito puxado, pois é um serviço que nunca termina; é só dando continuidade", disse  Maricildes Rodrigues que, nas horas vagas, gosta de cuidar dos seus sete netos. 

Thelivery

Maricildes Rodrigues da Silva é nossa homenageada na campanha Thelivery – se entregue para Teresina – em comemoração aos 169 anos da capital. O grupo Cidade Verde – Portal, TV, Rádios Cidade Verde e CVMais – contam histórias de teresinenses que se doam para a cidade e contribuem para melhorar a vida de muita gente. Obrigada Maricildes, você nos representa. 

 

Graciane Sousa

Regionais : Rondonienseso na vão continuar pagando mais alto na conta de luz no mês de agosto
Enviado por alexandre em 31/07/2021 22:33:46

Os consumidores rondonienses vão continuar pagando conta de luz mais cara neste mês de agosto. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu na noite desta sexta-feira, 30, manter a bandeira tarifária vermelha, patamar 2, com custo de R$9,492 para cada 100kWh consumidos.

A Aneel justifica que, em julho, as afluências nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN) continuam entre as mais críticas do histórico. Agosto inicia-se com igual perspectiva hidrológica, com os principais reservatórios do SIN em níveis consideravelmente baixos para essa época do ano.

Essa conjuntura sinaliza horizonte com reduzida capacidade de produção hidrelétrica e necessidade de acionamento máximo dos recursos termelétricos, pressionando os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD). O PLD e o GSF são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada.

“Com a manutenção da bandeira vermelha em seu maior patamar é importante reforçar aos consumidores ações relacionadas ao uso consciente e ao combate ao desperdício de energia”, pede a Aneel.

(1) 2 3 4 ... 10485 »