Saúde Bem Estar - Andar de bicicleta melhora vida sexual, trabalho e relações pessoais, diz estudo - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 »
Saúde Bem Estar : Andar de bicicleta melhora vida sexual, trabalho e relações pessoais, diz estudo
Enviado por alexandre em 30/08/2014 15:02:56

Andar de bicicleta melhora vida sexual, trabalho e relações pessoais, diz estudo
Foto: Divulgação
Quer se sentir mais feliz no sexo? Que tal começar a andar de bicicleta? Uma pesquisa feita no Reino Unido, pela campanha Cycle to Work Today, revelou que pedalar até o trabalho pode melhorar a vida sexual, o relacionamento e a carreira. O levantamento contou com dados de 2,5 mil ciclistas e constatou que 89% acreditam que fazer o trajeto entre o escritório e a casa na “magrela” permite que se desliguem dos afazeres do trabalho e tenham melhor estado de espírito para conviver com parceiros, amigos e familiares. Como resultado, 66% acham que suas relações têm melhorado desde que começaram a andar de bicicleta, enquanto 39% afirmaram que o exercício lhes deu energia extra entre quatro paredes. Quase metade dos entrevistados disse que agora pode gerenciar um grande volume de trabalho mais facilmente e 82% se sentem menos estressados. Um terço afirmou que se considera mais criativo depois que começou a pedalar, já que tem as melhores ideias justamente enquanto anda de bicicleta. Fora isso, 15% acham que suas carreiras estão progredindo mais rápido do que a dos colegas que não apostam nesse meio de transporte. As informações são do jornal Daily Mail

Saúde Bem Estar : Apesar da fama de mau, glúten não é vilão e evitá-lo não ajuda a emagrecer
Enviado por alexandre em 18/07/2014 22:54:45

Perde de peso se deve à dieta restritiva; apenas celíacos, alérgicos e hipersensíveis devem cortar glúten da dieta

Thinkstock/Getty Images
Alimentos a base de trigo, aveia, centeio e cevada, como pães e massas, contêm glúten

De tempos em tempos um alimento é demonizado. Já aconteceu com o ovo, com a manteiga e agora é a vez do glúten. Cada vez mais famosas emagrecem e atribuem a perda de peso ao não consumo dessa proteína presente no trigo, na cevada, no centeio e na aveia. Se uma celebridade fala, vira febre e as dietas da moda começam a apregoar distância desse vilão malvado que arruinaria qualquer tentativa de perda de peso ou de manutenção da beleza. Felizmente, tudo isso é mentira. 

O nutrólogo Roberto Navarro explica que em pessoas sem intolerância à proteína, o glúten não faz mal algum. Logo, o sacrifício de não comer pão de trigo, cevada, centeio e aveia achando que a atitude refletirá em algum benefício à saúde é perda de tempo. O emagrecimento, diz ele, é apenas uma coincidência calórica. “É claro que se alguém retirar pão, biscoito, pizza e macarrão da dieta, vai perder peso. Mas não é por causa do glúten, é pela dieta restritiva. Se retirar a lactose também, que é outro modismo, não vai tomar sorvete nem leite e vai emagrecer muito, mas é apenas coincidência”.

Retirar o glúten, em vez de fazer bem, pode ser prejudicial no caso da farinha de trigo. Por medida de saúde pública, ela é enriquecida de ácido fólico, substância responsável por ajudar a diminuir a anemia da população, bem como ajudar no aporte vitamínico para diminuir os casos de bebês com má-formação gestacional.

Somente devem abandonar o glúten os celíacos, os alérgicos ao trigo e os hipersensíveis. 

Doença celíaca

No mundo todo, 2% da população é celíaca. O gastroenterologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Flávio Steinwurz, explica que, para esse grupo, o glúten causa uma reação imunológica no corpo, inflamando o intestino e impedindo a absorção de nutrientes. Qualquer mínima partícula de glúten causa desconfortos, diarreias, gases em excesso, náuseas e até mesmo anemia, resultando em fraqueza, queda de cabelo e unhas fracas.

Leia também:
Macarrão de farinha de banana verde é opção para menu sem glúten
Conheça os mitos em torno da doença celíaca

Mesmo se a pessoa estiver disposta a conviver com todas as reações, comer glúten se torna muito perigoso, pois a reação causa uma atrofia no intestino delgado, como consequência das inflamações sucessivas, que pode mesmo levar à morte. Quem suspeita sofrer desse problema pode fazer um exame de sangue e diagnosticar, quanto mais precocemente melhor. Uma vez o glúten retirado da dieta, a vida segue normalmente.

Veja substituições para quem é celíaco:

O trigo do pão contém glúten. Portanto, é melhor substituí-lo.... Foto: Getty Images
1/17

Alérgicos ao trigo

Existem também os alérgicos ao trigo, que, para se sentir bem, precisam excluir da dieta todo o derivado do alimento. Essa turma corresponde a 5% da população mundial. Mas atenção: o problema dos alérgicos é somente com o trigo, não com o glúten, que também está presente na cevada, no centeio e na aveia. O nutrólogo Roberto Navarro explica que essa alergia é fácil de ser identificada e costuma acometer mais a pele, com coceiras e urticárias. “Também pode acontecer diarreias, cólicas, falta de ar, queda de pressão, mas não inflama o intestino como na doença celíaca”, detalha.

A princípio, somente o primeiro grupo de pessoas deveria fugir do glúten e o segundo, manter-se afastado do trigo. Mas a ciência descobriu que há um terceiro grupo que relata alguns desconfortos quando ingere o glúten.

Hipersensíveis ao glúten

Quando ingerem alimentos com glúten, essas pessoas reclamam de dores de cabeça, dores musculares, intestino preso ou muito solto, coceiras na pele, cansaço e fadiga. Se sofrer de artrite reumatóide, pode acontecer uma piora dos sintomas. Segundo dados de um estudo britânico com sete mil pessoas, 10% delas foram consideradas hipersensíveis. Segundo Navarro, foi a partir disso que surgiu toda a polêmica de que o glúten é um “veneno”.

O nutrólogo dá a dica para descobrir essa hipersensibilidade. Para quem relata esses desconfortos, basta retirar todo o glúten da dieta durante quatro semanas e avaliar como se sente. Se não mudar nada, o glúten não tem nada a ver com isso. Se, porém, a pessoa se sentir bem, ele recomenda inserir novamente o glúten na alimentação para ver se o quadro piora. Por fim, se isso acontecer, para o próprio bem-estar, é bom que a pessoa se mantenha longe do glúten.

Leia tudo sobre: saúdeglútendietacelíacodoença celíacahipersensibilidadealergia
Texto

social
fechar ×
  • Nilta Bieniek postou no gplus
    Nilta Bieniek
    17 alimentos que previnem contra a gripe - Minha Saúde - iG Reforce o seu cardápio e seu sistema imunológico para ficar longe das doenças oportunistas do tempo frio
    gplus
ver mais antigos
comentários
fechar ×

Saúde Bem Estar : Bebidas isotônicas não melhoram o rendimento no esporte
Enviado por alexandre em 13/07/2014 11:10:16


As bebidas isotônicas que os jogadores bebem durante a pausa de uma partida não contribuem para melhorar o rendimento no segundo tempo, de acordo com um estudo científico citado nesta sexta-feira por um meio de comunicação australiano. Assim revela um experimento liderado por Michael Kingsley, da Trobe University, no qual analisa a eficácia das bebidas isotônicas na manutenção dos níveis de glicose sanguínea dos jogadores de elite, segundo a rede "ABC". Neste estudo que foi publicado na revista "Journal of Athletic Training", Kingsley e seus colegas demonstram que as bebidas isotônicas não têm um impacto no aumento dos níveis de glicose sanguínea no momento passivo crítico prévio ao segundo tempo. Ao invés disso, tudo parece indicar que estas bebidas ativam a absorção dos tecidos dos músculos e o fígado da glicose, o que provoca uma rápida diminuição da glicose sanguínea, necessária para manter o rendimento dos esportistas. Kingsley comentou que este achado é importante porque pode ajudar na resistência da diminuição da atividade intensa dos jogadores durante o segundo tempo das partidas, que é quando a maioria dos gols se devem aos erros da defesa. "Nossa mente precisa de glicose para operar, mas não armazena carboidratos e portanto, necessita de um contínuo fornecimento de glicose sanguínea", explicou o pesquisador ao ressaltar que a redução da concentração da glicose no sangue pode influenciar na tomada de decisões dos jogadores. Pesquisas prévias mostram que uma queda na disponibilidade de glicose pode ter uma potencial influência negativa nas funções motoras e cognitivas que são vitais na atuação de esportes intermitentes como é o futebol, segundo o cientista. Para verificar os efeitos do estudo, Kingsley e seus colegas elegeram dez jogadores de um clube da primeira divisão inglesa e deu bebidas isotônicas ou placebo duas horas antes da partida, durante o intervalo e a cada 15 minutos durante os treinamentos. Além disso, tomaram amostras de sangue antes e a cada 15 minutos durante a partida e dez minutos após o início do segundo tempo. As concentrações de glicose eram maiores nos jogadores que beberam as bebidas isotônicas entre os 30 e 45 minutos depois da ingestão, mas após isso foi registrada uma queda de 30% nos níveis de glicose no sangue em ambos grupos. No segundo tempo, as concentrações de glicose sanguínea eram similares em ambos grupos, mas os níveis de glicose no grupo das bebidas isotônicas começou a aumentar quase 10 minutos antes de terminar a partida. A equipe de pesquisadores atualmente analisa se é possível variar a composição das bebidas energéticas e determinar o momento adequado para bebê-las, assim como incluir exercícios em bicicletas estáticas durante a pausa para evitar a queda da concentração da glicose e melhorar o rendimento.

Saúde Bem Estar : Bumbum mais que perfeito
Enviado por alexandre em 02/06/2014 17:21:34

Bumbum mais que perfeito

Um guia para você ficar com tudo em cima no verão

por Redação

Ao primeiro sinal de calor, as pessoas correm para as academias para recuperarem o tempo perdido e eliminar os quilos adquiridos. É só o verão chegar para as salas de ginástica ficarem lotadas. Barriga, braços, pernas… tudo tem que estar perfeito! Entretanto, mesmo em tempos de silicone, o bumbum continua sendo preferência nacional e é uma das maiores preocupações das mulheres. Além de durinho, ele tem que estar livres das temíveis celulites. É aí que entram os exercícios, massagens linfáticas e os cremes para nos ajudar nesta árdua tarefa.

Leia também:
Turbine o bumbum ou disfarce o volume usando o biquíni certo
Conquiste um bumbum durinho com os exercícios certos
Que atividade física mais combina com você? Faça o teste

Ginástica combinada com uma dieta balanceada é a fórmula para enrijecer os glúteos. No entanto, quanto o assunto é malhação, ir com muita sede ao pote pode trazer malefícios ao corpo. É preciso moderação na hora de se exercitar. Mesmo para quem não tem tempo para ir a uma academia, é possível trabalhar a musculatura da região em casa. “Recomendo a elevação do quadril com a barriga para cima. Ou seja, a pessoa deita de barriga pra cima com o joelho dobrado, faz força no chão e levanta o quadril. Depois, é só levantar apenas o quadril, sendo que os pés continuam no chão. Vai levantar e voltar. Fazer essa repetição em três séries de 20 vezes já é o suficiente”, ensina Janaína Farias, professora de educação física da academia Ibeas Express, no Rio de Janeiro.

Já desde muito nova, eu sempre achei que não tinha curvas e sofria muito quando colocava uma calça jeans e me olhava no espelho. Tive que esperar completar a maioridade para aumentar meu bumbum. Eu amei o resultado da bioplastia

Outra dica de Janaína para ficar com o bumbum ‘em cima’ para esse verão é “pegar um banquinho qualquer da cozinha, apenas chegar o quadril bem perto e subir novamente. Depois, jogar o quadril para trás e contrair o abdômen”. Segundo ela, o joelho não pode ultrapassar a ponta do tênis. E lembre-se de não apoiar a mão no banco e fazer força apenas com o quadril. “O ideal é colocar um bastão ou um cabo de vassoura na frente e segurar com as mãos”, complementa.

Mas, segundo a professora, o exercício mais indicado e prático para se fazer e ficar com o glúteo bonito é o da escada. Ela ensina suas alunas a colocarem uma perna no degrau de cima e a outra abaixo, deixando um espaço de um degrau no meio. “Ali a pessoa vai dobrar o joelho sem ultrapassar a ponta do tênis da perna da frente e depois descer o joelho a 90 graus e deixar o abdômen contraído. Vai descer e subir. É legal fazer três séries de 10 repetições, alternando as pernas, é claro”, explica ela, que afirma que a musculação é o exercício ideal para quem quer ter o bumbum durinho. “Um trabalho progressivo e sem excessos é a escolha mais inteligente para quem quer ficar em forma”, adverte a clínica geral, Carolina Castro. Ou seja, o segredo é paciência, perseverança, constância – e, ah, um pouquinho de esperança também, claro.

Síndrome do ‘bumbum sarado’

Engana-se quem acredita que o uso de suplementos alimentares ou anabolizantes acelera os resultados. “Na verdade, estes produtos sem acompanhamento de um nutricionista podem causar sobrecarga nos rins ou no aparelho digestivo. É bom ficar atento quanto a isso”, adverte a Dra. Carolina Castro. Ela ainda afirma que fazer ginástica em excesso é um perigo, não só para os glúteos, como também para todo o corpo. Levantar peso além do permitido pode trazer sérios problemas para a coluna, joelhos e quadris. “Fazer com que uma das partes do corpo que mais acumula gordura e sofre com a ação da gravidade se torne empinada de uma hora para outra pode custar muito caro. Cuidar do corpo também inclui manter sua saúde. Por isso, é sempre bom seguir recomendações médicas e saber o limite na busca pela formal ideal. E claro, acompanhar os exercícios com uma dieta alimentar balanceada, sem dúvida, acelerará ainda mais os resultados”, esclarece a médica.

Especialistas na área recomendam alongamentos antes e depois dos exercícios, além de pausas regulares. Apesar de alguns problemas serem de fácil solução, existem outros que podem levar meses para recuperar, como a ‘Síndrome do Piriforme’ (também chamada de ‘Síndrome do Bumbum Sarado’), em que o músculo com o mesmo nome cresce demasiadamente e comprime o nervo ciático, causando fortes dores e desconforto. Essa doença ocorre em mulheres obcecadas por um ‘bumbum perfeito’ e que passam horas e horas na academias fazendo exercícios específicos para esta parte do corpo. A ‘Síndrome do Piriforme’ é um problema ainda pouco comum, mas que vem chamando a atenção dos médicos por conta do aumento de casos provocado pela ‘cultura do corpo perfeito’. “Há uma incidência maior em mulheres entre 20 e 40 anos que malham com muita intensidade os músculos das regiões das nádegas e coxas”, explica a Dra. Carolina Castro. Para a médica, é essencial que se passe por uma avaliação antes de se dar início ou de se retomar uma atividade física. Depois de iniciada a atividade escolhida, a pessoa também deve procurar ficar atenta aos sinais emitidos pelo corpo. “Dores ou incômodos devem ser relatados logo a um médico. Na ânsia de perder peso, de ganhar massa muscular ou de melhorar com rapidez a performance, muitas pessoas ultrapassam os próprios limites, se lesionam ou agravam um problema pré-existente. O aumento rápido e exagerado dos glúteos pode causar, por exemplo, a compressão do nervo ciático, provocando uma inflamação denominada neurite. E aí, a dor e o incômodo são inevitáveis”, alerta a Dra. Carolina Castro.

O sonho do bumbum lisinho

Nenhuma mulher gosta daquele aspecto de ‘casca de laranja’ no seu derrière. E muito menos daquelas estrias que também tanto incomodam. Vítima inapelável do passar do tempo, a famosa ‘lei da gravidade’ chega e há uma hora em que não tem jeito: o bumbum cai. Ciente dessa circunstância, o mercado de produtos e tratamentos que prometem modelar glúteos e adiar seu ‘desabamento’ movimenta enormes quantidades de dinheiro, entre cremes e diversos aparelhos. A celulite e a estria são, sem dúvida, os maiores pesadelos estéticos do sexo feminino. Mas, fiquem tranqüilas, pois existem soluções.

Sem estrias…

Segundo o coordenador da área de cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia do Rio de Janeiro, Dr. Marcelo Molinaro, as melhores formas de prevenção das estrias no bumbum são o uso de medicamentos à base de ácido retinóico e o tratamento feito com peeling de cristal. “O ácido age melhor nas estrias vermelhas que são as mais recentes. Mas também tem um bom efeito sobre as mais antigas, geralmente localizadas na área”, afirma. Ele diz ainda que a melhor forma de evitar o aparecimento de estrias, seja no glúteo ou em qualquer outra parte do corpo, é procurar manter uma alimentação saudável e balanceada e evitar perdas ou ganhos de peso constantes. “A hidratação cutânea, apropriada a cada tipo de pele, também ajuda a prevenir as estrias”, aconselha o médico.

… nem celulite…

Quando o assunto é prevenir ou combater a celulite no bumbum, os tratamentos são muitos. O tratamento “Dicell”, da Clínica Dicorp, por exemplo, começa com uma massagem com creme termoativado nas regiões das nádegas e das coxas. Em seguida, é colocado um gel crioterápico e logo depois é feita uma massagem com movimentos drenantes para melhorar a absorção do creme e do gel. E é exatamente esse contraste de temperaturas que ajuda a quebrar os nódulos da celulite. Logo em seguida, a paciente ainda recebe uma sessão do aparelho francês ‘Skintonic’, que trabalha manobras mais fortes de massagem e consegue dissolver ainda mais os nódulos de celulite. Segundo a médica Marinez Peracchi, especialista em Medicina Estética, o aparelho promove uma drenagem linfática sete vezes superior à convencional, melhorando, assim, a circulação sanguínea, eliminando as toxinas acumuladas e auxiliando na recuperação das fibras colágenas e de elastina. Já na terceira sessão é possível ver uma grande melhora na hidratação da pele e no aspecto feio causado pelas celulites”, afirma.

Agora, para as que querem perder um pouco das medidas, deixando o bumbum mais ‘modelado’, digamos assim, a clínica Longevitá indica o tratamento ‘Lipen Gold’. Uma das novidades apresentadas no Congresso Brasileiro de Estética e Beleza, que aconteceu no último mês de novembro no Rio de Janeiro, o tratamento faz a redução de medidas através de cristais de magnésio, zinco, sais de íons e elementos ortomoleculares. “Em cada sessão é possível perder até cinco centímetros de medidas nos quadris, culotes e glúteos. Mas antes a cliente deve fazer uma avaliação, que vai indicar qual o melhor cosmético a ser utilizado”, diz a fisioterapeuta Mônica Batista, da Clínica Longevitá.

A sessão começa com a aplicação de um esfoliante fitomineral e, em seguida, a pele recebe uma mistura de cristais de magnésio, sais com íons em uma intensa massagem modeladora. Depois, é feita uma bandagem com calor para potencializar a queima de gordura, com um creme à base de substância lipolíticas como chapéu de couro, alcachofra, cavalinha, centelha asiática, zinco, fósforo e cálcio. Após a aplicação dessa substância, é feita uma máscara contendo somente os elementos que faltam no organismo da cliente (como sais minerais e vitaminas, por exemplo, conforme detectado em exame realizado logo no primeiro dia do procedimento) para tonificar e manter firmeza da pele.

… muito menos flacidez!

Já para a flacidez, seja do bumbum, do abdômen ou das coxas, é indicado o tratamentoTonic’, da clínica Dicorp, que combate o problema com um rígido tratamento que combina os equipamentos F1 e S1. O ‘Tonic’ trabalha a contração da musculatura corporal, proporcionando firmeza do corpo, a queima de calorias e a modelação dos músculos, tonificando os tecidos (trabalhando 50% a 60% das fibras musculares), sem alterar seu volume. O tratamento tem início com o S1, equipamento italiano que atua em vários grupos de músculos ao mesmo tempo em que queima calorias – uma espécie de aquecimento e preparação para o corpo receber em seguida o F1, equipamento que trabalha os músculos por grupos individuais, em separado. Esta etapa é fundamental, pois cada músculo tem uma necessidade específica de rigidez. Por fim, é trabalhada a flacidez com um outro aparelho francês que aumenta fortemente a circulação em todas as camadas da pele, ativando a produção de colágeno e elastina, os responsáveis pela firmeza e sustentação. O tratamento é feito por área e custa a partir de R$ 129,00 cada sessão.

Bioplastia: bumbum turbinado e sem cicatriz

Agora além dos seios, o bumbum também pode ficar ‘em pé’, ou seja, ‘durinho’. Em busca do formato perfeito, muitas mulheres estão utilizando procedimentos especializados para deixar o corpo da maneira desejada. Com a bioplastia de glúteos os especialistas na área podem dar forma ao bumbum, aumentar o seu volume e elevá-los, dando um aspecto mais empinado. Existem muitas indicações de aplicação da bioplastia na área, como o formato achatado, glúteos pequenos, desproporção na harmonia corporal, entre outros. Os músculos do bumbum sofrem muito com o acúmulo de gordura, com a falta de exercícios físicos e também com a vida sedentária, que os sujeitam à flacidez. Corrigir ou não esse ‘problema’ é uma questão que envolve além da estética, satisfação pessoal e melhora da auto-estima. “Sentir-se atraente, despertar a atenção do parceiro e relacionar-se melhor com as pessoas que convivem ao seu redor são alguns dos motivos que levam as pessoas a procurar tratamentos especializados, principalmente com a chegada do verão”, confirma a Dra. Carolina Castro. Sendo um dos novos recursos da medicina estética, a bioplastia é capaz de aumentar e definir a musculatura desejada. Trata-se, na verdade, de uma associação entre a lipoplastia – lipoaspiração em pequenos volumes para definir contornos – e a bioplastia. Essa técnica consiste na injeção do polimetilmetacrilato (que é o implante que utilizam na bioplastia), material inerte e definitivo, no grupo muscular desejado. São moléculas, com microesferas associadas a moléculas de água, capazes de moldar a musculatura. E o tratamento produz um efeito natural e seus benefícios podem ser sentidos já nas primeiras aplicações. Ele é indicado para pessoas com todos os tipos de pele, desde que não haja infecção local. Pessoas com os glúteos de todos os formatos e tamanhos podem fazer a cirurgia, mas apenas a partir dos 18 anos.

A universitária Tainá Soares, 20 anos, teve que esperar para turbinar o seu bumbum. “Já desde muito nova, eu sempre achei que não tinha curvas e sofria muito quando colocava uma calça jeans e me olhava no espelho. Tive que esperar completar a maioridade para aumentar meu bumbum. Eu amei o resultado da bioplastia”, festeja a capixaba. Segundo a jovem, o procedimento não deixa cicatriz. “O melhor de tudo foi ter ficado exatamente do jeito que eu queria e sem marca nenhuma no meu bumbum. As pessoas que olham nem percebem, o resultado ficou bem natural”, comenta Tainá.

O procedimento da bioplastia é feito com anestesia local, pode ser realizado em consultório e, geralmente, não ultrapassa 60 minutos de duração. Todos os pacientes são submetidos a testes antialérgicos antes da aplicação para não haver contra-indicações. Diferentemente de outras substâncias, o polimetilmetacrilato não é absorvido pelo organismo, como ocorre com a aplicação de gordura, por exemplo. Esse é um procedimento bem menos agressivo que os implantes de silicone também. “Pode ser feito em várias sessões, com aplicações de 10ml a 20ml em cada glúteo, com resultados já na primeira sessão. Ele não deixa marcas, nem provoca perda de sensibilidade. É o procedimento mais adequado para a correção de defeitos congênitos, como depressões causadas por injeções contra celulite, cavidades e variações anatômicas provocadas pela flacidez, por falta ou diminuição de gordura em uma ou ambas as nádegas”, esclarece o cirurgião plástico paulista Dr. Sérgio Oliveira. É recomendado após o procedimento que não se faça exercícios físicos por, em média, cinco a sete dias.

Na corrida para o verão vale tudo. É só escolher o tratamento ideal para você!

Assista também: Vídeo ensina a fazer exercícios para deixar seu bumbum durinho

Saúde Bem Estar : Estudos apontam que prática exagerada de exercícios aumenta risco de infarto
Enviado por alexandre em 18/05/2014 22:30:27

Estudos apontam que prática exagerada de exercícios aumenta risco de infarto
Foto: Reprodução
Praticar exercícios físicos em excesso pode prejudicar a saúde do coração. Segundo estudo feito por pesquisadores da Alemanha e Suécia, atividades físicas em demasia aumentam o risco de morte por ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral em pessoas com doenças no coração. Na Suécia, uma pesquisa concluiu que homens jovens que realizam exercícios de resistência por mais de cinco horas por semana têm mais chances de desenvolver arritmia quando mais velhos. Já os jovens que correm maratonas são mais propensos a precisar de tratamentos para o coração na velhice. As duas pesquisas mostraram que exercícios nem sempre fazem bem à saúde e precisam ser praticados com intensidade e duração adequadas. No estudo alemão, a equipe acompanhou a frequência e intensidade de atividade física de mais de mil pessoas cardíacas ao longo de dez anos. Na pesquisa, todos os participantes, muitos na faixa etária de 60 anos, já haviam passado por ataque do coração ou acidente vascular cerebral. A orientação atual recomenda que pacientes com doença cardíaca façam até uma hora de atividade aeróbica de intensidade moderada pelo menos cinco vezes por semana. Dos voluntários, cerca de 40% eram fisicamente ativos de duas a quatro vezes por semana, 30% faziam mais vezes e 30% menos do que o recomendado. Os mais sedentários apresentaram duas vezes mais chances de sofrer uma parada cardíaca ou AVC em comparação às pessoas que seguiam atividade física regular. De forma surpreendente, os pesquisadores descobriram que aqueles que fizeram exercícios diários mais intensos também apresentaram duas vezes mais probabilidades de morrer de um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral. No estudo sueco, os pesquisadores entrevistaram mais de 44 mil homens, com idades entre 45 e 79 anos, sobre o tempo de lazer, padrões de atividade física nas idades de 15, 30, 50 anos, e no ano anterior quando a idade média da maioria era 60 anos. Os voluntários tiveram a saúde do coração monitorada por 12 anos, desde 1997, para o diagnóstico de batimentos irregulares. Informações do Daily Mail.

« 1 2 3 (4) 5 »