Jesus - Por que a Igreja guarda o domingo e não o sábado? - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 32 »
Jesus : Por que a Igreja guarda o domingo e não o sábado?
Enviado por alexandre em 08/10/2015 18:47:41


Católico, saiba explicar o que você vive.
Respondendo de pronto, o simples, santo e justíssimo motivo de a Igreja guardar o Domingo em lugar do Sábado judaico é o fato de que Nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou no Domingo, – o primeiro dia da semana, – inaugurando assim a “Nova Criação” liberta do pecado, a nova e eterna Aliança entre Deus e a humanidade. Assim é que o Domingo, o Dia do Senhor, é a plenitude do Sábado dos judeus, da mesma forma como o Novo Testamento é a plenitude e o cumprimento do Antigo, e Cristo é a consumação de toda a história da salvação, desde Adão até o fim dos tempos e o Juízo final.
De modo semelhante, o Antigo Testamento é um figura do Novo; o Sábado judaico é uma figura do Domingo cristão. O Catecismo da Igreja assim explica:

“O Domingo distingue-se expressamente do sábado, ao qual sucede cronologicamente, a cada semana, e cuja prescrição ritual substitui, para os cristãos. Leva à plenitude, na Páscoa de Cristo, a verdade espiritual do Sábado judaico e anuncia o repouso eterno do homem em Deus. Com efeito, o culto da Lei preparava o Mistério de Cristo, e o que nele se praticava prefigurava, de alguma forma, algum aspecto de Cristo (1Cor 10,11).”
(CIC§2175)

O que a esmagadora maioria desses supostos “cristãos” judaizantes que persistem em guardar o sábado não sabem é que os Apóstolos já celebravam a Missa “no primeiro dia da semana”, isto é, no domingo, como ficou registrado na Bíblia Sagrada, em mais de uma passagem:

• Nos Atos dos Apóstolos (20,7): “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos para a fração do Pão (isto é, a Eucaristia)…”.

• Em Apocalipse (1,10), S. João diz: “No dia do Senhor (domingo), fui movido pelo Espírito…”.
• Em 1Cor 16,2, S. Paulo Apóstolo confirma que a coleta cultual era feita “no primeiro dia da semana” (domingo).

Trata-se de uma questão de tal maneira elementar que também a igreja ortodoxa e as protestantes históricas (mais antigas) guardam igualmente o Dia do Senhor, – o Domingo santificado, – e não mais o Sábado judaico.

Além do testemunho bíblico, o livro apócrifo Epístola de Barnabás (datado do ano 74), que é um dos documentos mais antigos da Igreja, – tendo sido redigido antes ainda do Livro do Apocalipse, atesta: “Guardamos o oitavo dia (domingo) com alegria, o dia em que Jesus levantou-se dos mortos” (15,6-8).
Sto. Inácio de Antioquia (107), mártir no Coliseu de Roma e bispo da Igreja primitiva, testemunhou de modo claríssimo:

“Aqueles que viviam segundo a ordem antiga das coisas voltaram-se para a nova esperança, não mais observando o sábado, mas sim o Dia do Senhor, no qual a nossa vida foi abençoada, por Ele e por sua morte.”(Aos Magnésios 9,1)

Devido à Tradição Apostólica, que tem origem no próprio dia da ressurreição do Cristo Salvador, a Igreja celebra o Mistério Pascal no dia que desde o início foi chamado “Dia do Senhor” ou “Domingo” (da mesma raiz semântica de ‘Senhor’/Dominus). O dia da ressurreição de Cristo é, ao mesmo tempo, “o primeiro dia da semana”, memorial do primeiro dia da Criação, e o “oitavo dia”, em que Cristo, depois de sua Morte Sacrificial e “repouso” no grande Sábado, inaugura o “Dia que o Senhor fez para nós”, o “Dia que não conhece ocaso” (CIC §1166).

S. Justino (165) Mártir legou-nos também o seu testemunho:

“Reunimo-nos todos no ‘Dia do Sol’, porque é o primeiro dia após o Sábado dos judeus, mas também o primeiro dia em que Deus, extraindo a matéria das trevas, criou o mundo e, neste mesmo dia, Jesus Cristo, nosso Salvador, ressuscitou dentre os mortos.”(Apologia 1,67)

Também S. Jerônimo (420), Confessor e Doutor da Igreja, atestou apraxis sempiterna da Igreja:

“O Dia do Senhor, o Dia da Ressurreição, o Dia dos Cristãos, é o nosso dia. Por isso se chama Dia do Senhor: foi nesse dia que o Senhor subiu vitorioso para junto do Pai. Se os pagãos o denominam Dia do Sol, também nós o confessamos de bom grado: pois hoje levantou-se a Luz do Mundo, hoje apareceu o Sol de Justiça cujos raios trazem a salvação.”
(CCL, 78,550,52)

Desta forma, tanto as Sagradas Escrituras quanto o testemunho de toda a documentação histórica, juntamente com a sagrada Tradição apostólica nos mostram porque, desde a Ressurreição do Senhor, a Igreja sempre guardou e continua guardando não mais o Sábado judaico, mas o Domingo da Ressurreição e do estabelecimento da Nova e Eterna Aliança como Dia do Senhor.


Fonte: Prof. Felipe Aquino / Canção Nova

Jesus : China condena seita que diz que Jesus reencarnou como mulher
Enviado por alexandre em 26/07/2015 19:07:07

China condena seita que diz que Jesus reencarnou como mulher

 

Membros da Igreja de Deus Todo-Poderoso, uma seita que acredita que Jesus Cristo reencarnou recentemente em uma mulher da China, foram condenados neste fim de semana em dois julgamentos realizados contra este culto perseguido pelas autoridades comunistas, informou a agência oficial Xinhua. Em um dos processos, que terminou neste domingo em um tribunal da cidade de Zigui, foram ditadas penas de prisão de entre 18 meses e três anos para nove seguidores da seita, detidos em julho de 2014. Outros cinco correligionários receberam no sábado penas de entre dois e três anos de prisão em outro julgamento realizado na província de Liaoning. A Igreja de Deus Todo-Poderoso, também conhecida na China com o nome de Raio Oriental, é uma seita milenarista fundada nos anos 90 por Zhao Weishan que considera que Jesus Cristo retornou à Terra tomando a forma de uma mulher chinesa chamada Yang Xiangbin, em paradeiro desconhecido. O grupo, com centenas de seguidores nos Estados Unidos, na China e em países do sudeste asiático, faz parte da lista de seitas consideradas perigosas e perseguidas por Pequim, especialmente desde o ano passado, quando supostos membros da seita mataram uma mulher em um restaurante e o incidente foi gravado por câmeras de segurança. Dois desses agressores foram condenados à morte em outubro do ano passado. Um total de 14 organizações religiosas são consideradas "cultos ilegais" na China, país que, por outro lado, é acusado por organizações internacionais de reprimir a liberdade religiosa de comunidades como a cristã, a muçulmana e a budista. (Terra)

Jesus : Católicos diminuem 26% no país
Enviado por alexandre em 26/07/2015 19:00:30

Católicos diminuem 26% no país


O catolicismo ainda é a maior religião brasileira, seguida por seis em cada 10 pessoas no país, mas encolheu 26% nos últimos 25 anos, segundo uma pesquisa da agência Hello Search. Segundo o levantamento, atualmente 57% dos brasileiros são católicos - em 1991, ano da visita do papa João Paulo 2º ao país, eram 83% na medição do Censo. Em contrapartida, as religiões evangélicas ganharam muitos fieis. Em 2015, os pentecostais, corrente que reúne a Igreja Universal e a Assembleia de Deus, atingiram 16% de simpatizantes, enquanto os não pentecostais, como a Igreja Luterana e Calvinista têm 9%. Em comparação, no ano 1991 os dois grupos somados não passavam de 9%. Entre entrevistados que declararam não ter religião o índice foi de 12%, com maior representatividade entre os jovens de 16 a 24 anos. Os simpatizantes do Espiritismo, Umbanda e “Outras Religiões” possuem 2% cada. Já Candomblé e outras religiões afro-brasileiras têm apenas 1%. A agência ouviu mil pessoas de 70 cidades de todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais e o índice de confiança é de 95%.

Jesus : Não imponho religião, diz autora de Os Dez Mandamentos
Enviado por alexandre em 16/07/2015 18:03:54

Não imponho religião, diz autora de Os Dez Mandamentos

h

A autora Vivian Oliveira assina o roteiro da novela “Os Dez Mandamentos”, a primeira novela com tema bíblico da Rede Record. A produção iniciada em março é o maior sucesso da emissora de Edir Macedo e vem conquistando o público brasileiro e alcançando ótimos índices de audiência. Mas por ser uma história bíblica exibida em uma emissora ligada à Igreja Universal, Vivian precisa explicar que a novela não fala de religião. “Conto uma história, não imponho religião alguma”, disse ela em entrevista à coluna Outro Canal da Folha de São Paulo. Nessa entrevista a autora – que assinou três minisséries bíblicas da Record “José do Egito”, “Rei Davi” e “A História de Ester” – diz que não sabe dizer se existe preconceito com produções de temas bíblicos e exalta os números obtidos pela novela. “Só sei que muita gente que não assistia à Record está assistindo. O retorno tem sido positivo”, disse ela sem esquecer que no começo alguns atores tinham receito de participar das produções, mas que hoje muitos querem participar. Vivian também revelou que mesmo usando histórias antigas, as tramas apresentadas falam sim de temas atuais e polêmicas e não é nada confortável tratar desses assuntos. “A gente está falando de uma história que tem bebê jogado no rio, apedrejamento de adúltera, quer mais polêmica? Não tem nada confortável ao tratar de temas e preconceitos gravíssimos que havia no Egito. Há questões delicadíssimas até para poder mostrar nesse horário. Temos o mesmo olhar cuidadoso de um autor de história contemporânea”, afirma. Desde sua estreia, a novela “Os Dez Mandamentos” tem alcançado números que há muito tempo uma novela da Record não alcançava. Com média de 12 pontos, o ibope da trama chegou a ter picos de 15 pontos. Cada ponto representa 67 mil domicílios da Grande São Paulo.

Jesus : Falando Sobre Ateísmo e Religião
Enviado por alexandre em 14/06/2015 12:14:32

Algumas pessoas dizem que religião não se discute, eu não penso assim. Não vou dizer que tudo é discutível porque não vou discutir com você se frango caipira é mais gostoso do que frango de granja, não vou discutir gosto; mas o caipira é mais saudável e o de granja leva menos tempo para cozinhar. Com algumas pessoas, como eu por exemplo, é possível discutir religião, já outras podem apelar ou sair pela lateral. Interessante que as pessoas têm uma certa dificuldade para lidar com esse assunto sem se sentirem ofendidas e ofender, eu diria que tenho até certa facilidade. Até porque quando um cristão me evangeliza e não conhece bem a doutrina da sua religião, eu procuro explicar a doutrina pra ele, depois ele me dá abertura para falar o que penso sobre ateísmo e sobre as religiões (incluindo o cristianismo). Alguns me chamam até de espiritual, aí eu digo em tom de brincadeira que estão me ofendendo, mas me dão abertura pra falar do ateísmo e das falhas das religiões.

Quando falamos com um religioso não devemos imaginar que ele não sabe das falhas da religião dele, normalmente ele sabe, mas ele as aceita, tal como sabemos que a ciência não pode explicar tudo e às vezes corrige algumas coisas que erra pelo caminho e aceitamos isso numa boa. A diferença é que eles não costumam aceitar falhas da ciência e nós não costumamos acertar falhas da religião (mas não estou dizendo que é tudo igual, relaxa). Vou contar uma história: Certa vez uma cristã veio criticar o espiritismo, mas eu nunca fui espírita, ela dizia que algumas doutrinas espíritas são incoerentes, ilógicas, contraditórias, etc. Eu disse a ela, você analisa a religião dos espíritas com a razão, mas você analisa a sua com o coração. A doutrina da trinidade é coerente, lógica, e faz sentido? Seja sincera! Ela respondeu que não faz muito sentido, mas aceita pela fé. E eu disse, mas você aceita. Assim também os espíritas costumam analisar a religião deles com o coração e criticar as incoerências da sua. Ela sorriu e disse: "É Rodrigo, agora você falou tudo rs". Mas onde eu quero chegar com isso? A questão é que eles costumam saber sim das falhas de suas religiões, no entanto relevam isso. Porém eles fundamentam sua crenças em algumas bases irracionais, essas se forem desconstruídas levam a fé a uma colapso.

Estive conversando com uma cristã amiga minha sobre o natal e um assunto puxa outro. Ela sabia que o natal é uma festa pagã baseada em outros mitos mais antigos do que o próprio cristianismo, mas não sabia que a estória de Jesus foi baseada principalmente na de Horus, eu entrei nesse assunto com ela pensando que ela soubesse. Ela ficou chocada, ela mesma disse que estava chocada porque as histórias (ela diz história, eu estória) dos dois são idênticas. Algumas falhas de suas religiões as pessoas aceitam, mas sempre existe a base que sustenta a crença e se essa for removida... adeus crença. Claro que não é minha intenção desconverter ninguém, não me importa o que as pessoas acreditam ou deixam de acreditar, cada um cuida de sua vida como bem entende. Eu só tento desconverter quando vejo que a religião prejudica. Peguemos por exemplo o caso da cristã que apanha do marido e não separa dele porque o cristianismo só aceita divórcio motivado por infidelidade. Claro que eu vou tentar livrar essa mulher da fé que ela sustenta porque está prejudicando-a.

Voltando ao assunto que eu pretendia falar. Bom, considero muito bom quando o indivíduo dá abertura pra falar de religião e faz isso como quem fala de futebol por exemplo. Eu não torço pra times de futebol, mas sempre vejo os caras falando "seu time perdeu", "mas o seu perdeu pra fulano", "meu time ganhou do seu", e ficam zombando uns aos outros amigavelmente. O que é mais comum entre homens, essa coisa de zombar é mais aceita entre homens. Vou citar um exemplo interessante. Um cara chega pro amigo e chama ele de corno, o outro chama ele de cachaceiro e os dois se abraçam e não se importam com isso, sempre vejo acontecer. Mulheres não costumam gostar de brincadeiras assim. Mas então, vamos supor que você tenha amizade suficiente e liberdade suficiente pra falar de religião com seu amigo nesse tom de descontração, de brincadeiras, de competição de futebol e que os dois levam isso numa boa. Eu gosto é disso. Tenho um amigo que ele diz que sou à toa, eu digo que ele é a mulher do padre, e nós damos risadas e tudo bem. Mas também sentamos pra discutir ateísmo e religião seriamente às vezes, e são diálogos produtivos. Existe essa liberdade pra dialogarmos, e é assim que entra a possibilidade de você esclarecer o que é o ateísmo. Precisamos falar sobre o ateísmo, as pessoas pensam que ateísmo é uma revolta contra deus e querer ser intelectual. Precisamos esclarecer do que se trata realmente o ateísmo, isso é assunto pra outro post.

Com a maioria das pessoas você precisará de certo tato para expressar suas opiniões sobre ateísmo e religião, e com essas pessoas não adianta você só chegar e dizer que a bíblia se contradiz e que o deus delas é um zumbi porque elas ficarão ofendidas, apenas isso. Não adianta. Melhor não falar do ateísmo pra alguém do que perder a amizade, talvez quem sabe com o tempo a pessoa dê abertura? Não somos obrigados a falar do ateísmo, não temos esse dogma. Talvez alguém diga que tem seu direito de livre expressão do pensamento ateu e eu concordo, porém prefiro me calar do que fazer inimizade. Claro que se o sujeito que te escuta for seu amigo realmente ele deverá te escutar sobre o ateísmo numa boa, e vale à pena manter amizades falsas? Mas todo mundo sabe como é difícil ter amizades verdadeiras e você tem o direito de liberdade de expressão. Se a pessoa prefere falar, eu respeito da mesma forma. Cada pessoa é de um jeito, devemos respeitar e admiro a multiforme exuberância da natureza, fez cada pessoa de modo diferente.

Bom, existem pessoas para quem eu jamais falaria do ateísmo e espero que me compreendam. Certa vez eu estava no orkut desconstruindo a bíblia e um rapaz comentou algo que me fez parar de fazer isso. Ele disse que é ex-dependente químico e que só conseguiu isso através da igreja, que se a bíblia for um mito ele vai voltar pras drogas, e disse que estava chorando. Eu parei de desconstruir a bíblia naquele momento, não quero estragar a vida de ninguém. Passei a falar sobre como ateus costumam lidar com isso e das responsabilidades que se tem por ser livre de dogmas para pensar e agir. Tentei explicar como um ateu lidaria com isso e até disse que cada ateu lidaria de um jeito diferente.

Durante séculos os ateus têm sido perseguidos, humilhados, execrados, silenciados, agora finalmente estamos tendo abertura para defender nossas ideias mesmo contra a vontade dos religiosos. Não devemos permitir que a fé triunfe sobre a razão, precisamos falar e falar com embasamento. Às vezes vejo na internet uns ateus super empolgados e questiono a eles sobre a origem do universo, evolucionismo, (etc) mas não sabem me responder. Se você não souber responder essas perguntas a um cristão você passará vergonha e ele ainda sairá falando que refutou um ateu. Debate, dialogue, divulgue o pensamento ateu, isso é importante para que sejamos aceitos na sociedade. Não se esconda, conte para seus amigos e família se perguntarem. Se eles realmente te respeitam entenderão numa boa o fato de você ser ateu.

Pensem bem sobre como, quando, onde, para quem falar sobre o ateísmo. Essas questões são importantes para não sermos mal compreendidos e também para sermos aceitos. Existe muita crítica contra os ateus dizendo que somos "religiosos ateus fanáticos" e sabemos que não é bem assim, mas eles não sabem e precisam perceber disso. Pense bem, dê a sua opinião, comente como você se comporta ao falar sobre ateísmo, comente sem medo de condenação.

« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 32 »