Painel Político - Painel Político Alan Alex - Notícias
« 1 (2) 3 4 5 ... 187 »
Painel Político : Painel Político Alan Alex
Enviado por alexandre em 03/05/2019 22:52:45

Economia de Rondônia está estagnada e infraestrutura do Estado sucateada; para piorar, ajuda que poderia vir de Brasília foi prejudicada por liminar do STF

Entrando água

O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello concedeu liminar ao Distrito Federal suspendendo o repasse de R$ 10 bilhões à União. Essa decisão joga um balde de água fria nos planos da equipe econômica de Paulo Guedes, já que eles contavam com o dinheiro para “ajuda aos estados”(leia comprar apoio à Reforma da Previdência junto aos governos). Na ação, o Distrito Federal busca obter o reconhecimento, pelo Supremo, de que a receita do Imposto de Renda incidente sobre a remuneração, pensões e proventos de aposentadoria relativamente aos policiais militares, bombeiros militares e policiais civis do DF, custeados com recursos do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF), pertence ao Tesouro distrital.

Entre os estados

Está Rondônia, que precisa, e muito de recursos. O Estado está com as contas estagnadas, já que não têm circulado dinheiro novo no caixa. Empreendimentos privados no ramo imobiliário estão sendo retomados timidamente, mas não o suficiente para aquecer o mercado. Porto Velho é a cidade que mais tem sofrido com o desemprego. Em 2018, 13,7% da população estava sem ocupação, se tornando a capital recordista em desemprego ano passado.

Tem que ter projeto

O desemprego tem sido a principal ameaça a popularidade do presidente Jair Bolsonaro, que tem apostado suas fichas na reforma da previdência, que é lenta e ainda terá muita discussão, como fator primordial para mudanças ou ‘retomada do emprego’. O problema é que o brasileiro tem pressa e as contas vencem todos os meses, portanto não dá para ficar esperando por um milagre. Em Rondônia Marcos Rocha sofre com o mesmo problema, e ele precisa ser resolvido. Só existe uma fórmula para aquecer a economia, são as obras estruturais, que requerem mão de obra e fazem o dinheiro girar na praça. Mas, sem dinheiro em caixa, fica difícil falar em investimentos.

Além disso

A atual infra-estrutura de Rondônia está sucateada, graças aos oito anos do desastre chamado Confúcio Moura. A malha viária do Estado está derretendo, as contas públicas são um mistério e até mesmo a possibilidade de duplicação da BR 364 foi deixada de lado, já que a privatização não vai acontecer em função da redução cada vez maior do tráfego na rodovia, segundo confirmou o deputado federal Lúcio Mosquini (MDB).

Sem paixões

Tanto o Brasil quanto Rondônia precisam de uma solução urgente. Trazendo a questão apenas para o Estado, o governo tem que criar políticas públicas de fomento à empresas e trabalhar no sentido de atrair indústrias, as pequenas, que processam alimentos, no setor primário, e melhorar a vida dos empreendedores. O governo do Estado precisa de um pacote fiscal próprio, do contrário vamos seguir estagnados. E sem dinheiro na praça, aumenta a criminalidade, a violência e sensação de abandono. O Estado precisa se fazer presente na vida dos rondonienses. De desastre, bastaram os oito anos de Confúcio.

Avaliação do Senado Federal

Reportagem produzida pelo Senado mostra que a aprovação da Reforma Trabalhista, proposta por Temer em 2017 não gerou empregos no Brasil. Apenas alterou as regras…

Fora do Facebook

PAINEL POLÍTICO está deixando o Facebook e vai seguir apenas no Twitter e Instagram. A decisão se deve a redução brutal do alcance orgânico da plataforma, que atinge cada vez menos pessoas. O Twitter, que também usa algoritmos, tem alcance bem melhor. Além disso, as mudanças anunciadas esta semana pelo Facebook em evento nos Estados Unidos, deverá restringir ainda mais as notícias, já que o foco serão as “relações familiares e pessoais”. Seguimos também com os grupos de Whatsapp.

https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/05/ttpainel2-300x195.png?lossy=1&strip=1&webp=1 300w, https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/05/ttpainel2-768x498.png?lossy=1&strip=1&webp=1 768w, https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/05/ttpainel2-555x360.png?lossy=1&strip=1&webp=1 555w, https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/05/ttpainel2-360x234.png?lossy=1&strip=1&webp=1 360w" data-lazy-sizes="(max-width: 750px) 100vw, 750px" data-lazy-src="https://politico.painelpolitico.com/wp-content/uploads/2019/05/ttpainel2.png" data-was-processed="true" />
Siga-nos no Twitter

Crime ‘made in Brazil’

Um grupo de 10 brasileiros foi preso nos Estados Unidos acusados de integrarem uma gangue de criminosos autoproclamada de ‘Primeiro Comando de Massachusetts, ou simplesmente PPM. Muitos dos membros eram jovens imigrantes ilegais no país. O ICE (polícia de imigração) diz que o grupo é uma “violenta organização criminosa transnacional” que representa uma “ameaça significativa” à segurança pública, mas não foi apontada nenhuma ligação com o PCC (Primeiro Comando da Capital).

Lavar frango cru pode fazer com que micróbios se espalhem por outros alimentos, alerta CDC

Não lavem o frango cru! Esse foi o alerta publicado recentemente no Twitter pelos Centros de Controle de Doenças dos EUA (CDCs, na sigla em inglês, ou a agência de proteção à saúde), advertindo que lavar a carne da ave antes de cozinhá-la pode fazer com que micróbios se espalhem por outros alimentos e utensílios de cozinha. A recomendação gerou um debate acalorado, entre os que agradeceram a dica, os que a rejeitaram – afirmando não confiar na higiene das embalagens de frango – e os que ironizaram, achando-a excessivamente alarmista ou agregando que bastaria limpar a pia depois de limpar o frango para acabar com as bactérias. O CDC manteve, porém, sua recomendação original, afirmando que não era necessário criar pânico em torno do tema mas lembrando que a melhor forma de limpar uma ave é cozinhando-a bem. “Não se deve lavar nem o frango nem outras carnes ou ovos antes de cozinhá-los. Isso pode propagar micróbios por toda a cozinha”, diz o órgão.

Painel Político : Painel Político Alan Alex
Enviado por alexandre em 02/05/2019 20:06:46

E ainda, Energisa quer mudar revisão tarifária em Rondônia e Acre e já comunicou “ao mercado”

O tempo e os costumes

Um episódio ocorrido no Tribunal de Justiça de Rondônia causou constrangimento a uma advogada que havia ido de calça legging e blusa sem mangas para uma audiência. Um servidor da portaria, provavelmente defensor dos “bons costumes” não apenas barrou a advogada como ainda o fez em tom de reprovação, falando alto que a moça estava “com tudo de fora”. Evidente que mulher pode (e deve) se vestir como bem entender. Isso não está sendo discutido, mas sim a forma como foi feita a abordagem e a falta de bom senso por parte do servidor. O presidente do TJRO determinou abertura de sindicância para apurar o fato, e a OAB já emitiu “nota conjunta” e fez o auê de sempre. Antes de me jogarem pedras, por favor, acompanhem meu argumento…segue o fio.

Tem que defender, mas…

Vestimenta é coisa séria. Recentemente o advogado Antônio de Almeida Castro, o Kakay, um dos mais conhecidos criminalistas do país, envolveu-se em uma celeuma por ter ido ao Supremo, em um feriado, vestindo bermuda. Foi uma confusão já que consideraram que ele estaria “desdenhando” do Supremo. Em tempos que ministros são achincalhados nas ruas, soa até como piada de mau gosto esse tipo de afirmação.

Mas, de volta a nossa advogada e a OAB

Cada roupa é adequada para um ambiente. Até onde eu sei, essas calças ‘legging’ são usadas em academias, mas não sou consultor de vestimentas, tampouco fiscal de guarda-roupas. A nota da OAB me pareceu um certo exagero. Tem que tomar providências sim, cobrar do TJRO uma conduta melhor por parte do pessoal da portaria no trato com o público de forma geral. Creio que, se uma advogada passou por isso, certamente outras “mulheres comuns” devam ter passado pelo mesmo tipo de situação sem ter tido uma OAB para lhes dar voz. Em tempos de redes sociais, de empoderamento feminino, de afirmação, o bom senso precisa prevalecer. Em todos os lados.

Falando em OAB

A entidade vai ter muito que se preocupar pela frente diante do cenário que se coloca com os avanços da extinção do Exame de Ordem. A entidade vem derrapando feio no fator político desde que chancelou o golpe em 2015. Agora surge uma ameaça real. Imagine que, se esses bacharéis não tem carteira porque não conseguem atingir 40% de um teste seletivo, o nível das peças processuais será pavoroso.

Prepara o bolso

A Energisa solicitou em dezembro de 2018 que a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) alterasse o processamento de Revisão Tarifária Extraordinária (“RTE”), a ser realizada em dezembro de 2019, em substituição ao processo de reajuste tarifário anual, conforme previsto no Edital de alienação e no Contrato de Concessão das Distribuidoras. Eles querem mudar a forma de reajuste nas contas dos consumidores. Mas isso eles contaram ao “mercado”, através de um comunicado aos investidores. A mudança vai valer para Rondônia e Acre, e o prazo é dia 30 de junho. Veja o documento.

Cadê o Queiroz?

A revista Época foi atrás e descobriu “outros rolos” do assessor de Flávio Bolsonaro que empregava gato, cachorro e papagaio da família e ainda era responsável pela coleta de metade do salário dos colegas de gabinete.

Suicídio após a cirurgia bariátrica: um tema ainda pouco compreendido e estudado

A taxa de suicídio é maior nos pacientes que fizeram cirurgia bariátrica. Há bastante literatura com evidências de que, no longo prazo, os pacientes operados têm mortalidade por todas as causas significativamente menor do que as pessoas obesas que não fizeram a cirurgia, mas a mortalidade por causas como abuso de substâncias e suicídio é maior entre os que realizaram o procedimento. A cirurgia bariátrica também foi associada a aumento da autoagressão, A maior frequência de uso dos serviços psiquiátricos e presença de transtornos psiquiátricos,  sendo que estes eventos pareceram mais frequentes quando a técnica cirúrgica utilizada foi a derivação gástrica em Y de Roux. Este assunto foi abordado pelo Dr. Adriano Segal, psiquiatra do Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Serviço de Endocrinologia e Metabologia do Hospital das Cínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP), durante o XVIII Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), realizado nos dias 18, 19 e 20 de abril, em São Paulo. O médico apresentou dados publicados por diferentes grupos que evidenciam a associação da cirurgia bariátrica com o aumento do risco de suicídio, mas também compartilhou a própria experiência. A ideia defendida pelo Dr. Adriano em sua apresentação no evento, foi que a pergunta correta não é se existe aumento do risco de suicídio depois da cirurgia bariátrica, mas sim se “existe aumento do risco de suicídio depois da cirurgia bariátrica em pacientes adequadamente assistidos”. Na opinião do especialista, é possível que as taxas mais elevadas evidenciem, ao menos em parte, a ausência de psiquiatras nas equipes. Para ler mais sobre o tema, AQUI.

https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017-300x165.png?lossy=1&strip=1&webp=1 300w, https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017-360x198.png?lossy=1&strip=1&webp=1 360w" data-lazy-sizes="(max-width: 650px) 100vw, 650px" data-lazy-src="https://politico.painelpolitico.com/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017.png" data-was-processed="true" />


Painel Político : Painel Político Alan Alex
Enviado por alexandre em 26/04/2019 22:41:17

E ainda, Léo Moraes tendo que explicar votação na CCJ é o tal do “emenda pior que o soneto” e a avaliação de Rodrigo Maia sobre os filhos de Bolsonaro, “um é para internar e o outro um deslumbrado”

Se tem que explicar…

O deputado federal Léo Moraes (PODE) vem postando em suas redes sociais esclarecimentos sobre seu voto na CCJ pela constitucionalidade da reforma da Previdência. O parlamentar esclarece que “votar pela constitucionalidade não é o mesmo que votar à favor”. Também afirma “não ter recebido os R$ 40 milhões” que o governo anda distribuindo em emendas para quem for a favor da proposta e que “pretende apresentar propostas que alterem o texto”. Pois é deputado, tudo que precisa ser explicado, é porque não é compreendido…e creia, sempre o mal entendido vence.

Dividir para conquistar

Emissários do governador andam tentando arregimentar deputados para construir uma base na Assembleia. Boatos de reuniões, conversas em salas fechadas tem circulado nos bastidores. Só um lembrete, da última vez que deputado conversou com governador em sala fechada, 23 de 24 foram indiciados e protagonizaram vídeos em rede nacional. A estratégia do governo é clara, basta ler Sun Tzu.

“Vamos cobrar, mas o preço vai cair”

Depois de um ano do início da cobrança de despacho de bagagens em voos, em vez de as passagens caírem como prometido, elas tiveram um aumento real médio de 6% (já descontada a inflação), mostra o UOL. Além disso, a taxa para o transporte de uma mala de até 23 kg já subiu 67%. A data de um ano conta a partir da cobrança feita pela Azul, a primeira empresa aérea a adotar o procedimento em 1° de junho de 2017. Quando começaram a cobrar pelo transporte de bagagem em voos, todas as companhias aéreas cobravam R$ 30 para o despacho de uma mala de até 23 kg caso o pagamento pelo serviço fosse feito com antecedência. Dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) apontam que, em junho do ano passado, o preço médio das tarifas aéreas em voos domésticos no Brasil equivalia a R$ 333,35 (o valor já está reajustado com a inflação do período). Em fevereiro deste ano (último dado disponível), o preço médio das passagens subiu para R$ 354,02, um aumento real de 6%. A reforma da Previdência é o mesmo golpe…

Encolhendo

A Odebrecht concluiu na última quinta-feira, 25, a venda da Chaglla, usina hidrelétrica no Peru, para a Three Gorges, da China, por US$ 1,4 bilhão — R$ 5,5 bilhões, conta a Época.

“Hospício Brasil”

O Brasil é governado por um bando de malucos“…Tenho a mesma impressão, todos os dias. A coisa desandou…

Isso é lenda

Esse pseudo-saudosismo que tomou conta de parte dos brasileiros nos últimos anos sobre “antigamente era melhor”, ou “a família brasileira precisa ser resgatada” é a maior idiotice que tenho visto. Nunca existiu esse negócio de “família tradicional”. Nelson Rodrigues retratava bem em suas crônicas, que eram um sucesso, os desvios comportamentais da tal “família tradicional”. Antes era até pior, as coisas eram enrustidas, talvez seja isso que choque os tais “tradicionalistas”. É melhor aceitar que o filho “é apenas bom amigo do primo” do que tirar o fofuxo do armário…

Espelho

A Argentina agoniza com o “liberal” Mauricio Macri. O caminho que seguimos é exatamente o mesmo sob a batuta do banqueiro Paulo Guedes. Recessão, desemprego e informalidade. O liberalismo econômico só funciona se houverem consumidores. O que temos atualmente é apenas e tão somente a concentração de capital na mão de poucos. Um mercado liberal requer ainda a quebra de monopólios, e estamos longe disso. O Brasil é um país imenso com seu controle dividido em meia dúzia de empresas e bancos.

“Um é para internar e o outro está deslumbrado”

Essa aí é a avaliação do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia sobre os filhos de Jair Bolsonaro, Carlos e Eduardo. Ele esqueceu do agora “invisível” Flávio, que esta semana levou outra invertida do judiciário ao tentar arquivar o inquérito do caso Queiroz.

Uso recorrente de hipnóticos por idosos hipertensos é associado a risco de aumentar a quantidade de anti-hipertensivos

O uso de medicamentos para dormir por pacientes idosos hipertensos foi associado a aumento subsequente do uso de anti-hipertensivos em novo estudo. “Estudos anteriores mostraram associações de características do sono com pressão arterial e hipertensão em adultos de meia-idade. No entanto, essas associações não existiram ou foram inconsistentes entre os idosos”, explicou ao Medscape o Dr. José Banegas, médico da Universidad Autónoma de Madrid, na Espanha. “Nossos achados podem ser úteis na prática, uma vez que um em cada cinco idosos aumentou seu tratamento anti-hipertensivo durante o acompanhamento, e sabe-se que quanto maior o número de medicamentos tomados, maior o risco de medicamentos inapropriados, reações adversas e menor adesão ao tratamento”, acrescentou. O estudo de coorte prospectivo foi publicado on-line em 25 de março no periódico Geriatrics and Gerontology International. O estudo teve 752 pacientes com idade ≥ 60 anos (média de 69 anos; 49% homens) que participaram de uma coorte de idosos. Eles estavam fazendo tratamento para hipertensão e foram acompanhados de 2008-2010 até 2012-2013. A duração do sono (relatada pelos próprios pacientes), a qualidade do sono (frequente dificuldade de adormecer ou de permanecer dormindo) e o uso de medicamento para dormir (o tipo de hipnótico usado não foi especificado) foram determinados no início do estudo, e a mudança na quantidade de anti-hipertensivos prescritos, ao final do acompanhamento. As análises foram realizadas com regressão logística e foram ajustadas para dados demográficos, estilo de vida, comorbidade, quantidade de anti-hipertensivos utilizados e controle da hipertensão. Os resultados mostraram que a duração média do sono foi de 6,9 horas por noite. Qualidade ruim do sono foi relatada por 37%, e 16,5% informaram que geralmente usavam medicamentos para dormir. A média de anti-hipertensivos utilizados foi de 1,8.

https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017-300x165.png?lossy=1&strip=1&webp=1 300w, https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017-360x198.png?lossy=1&strip=1&webp=1 360w" data-lazy-sizes="(max-width: 650px) 100vw, 650px" data-lazy-src="https://politico.painelpolitico.com/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017.png" data-was-processed="true" />


Painel Político : MP investiga auditores fiscais que contrataram um chapa para exercer suas funções em posto fiscal
Enviado por alexandre em 26/04/2019 00:05:59

Eles contrataram um chapa (trabalhador braçal) que usava crachá e colete e até parava caminhões para verificar a carga. Tudo isso em Candeias do Jamari

É sério que tem gente que acredita?

Nos últimos dias, os veículos de comunicação institucionais da presidência e a chamada “grande imprensa”vem estampando manchetes do tipo, “reforma pode favorecer investimentos em infraestrutura”, “Reforma vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos” e até o famoso “Dólar cai para R$ 3,96 com avanço na Previdência na comissão especial”. Senhores, a reforma vai passar de qualquer jeito porque o governo vai empurrar goela abaixo. Mas, acreditem, tudo isso aí é balela. Dólar não vai baixar, obras serão feitas porque são necessárias e quanto a economia, bem, ainda tem gente que acredita em Papai Noel…O que resolveria era a taxação das grandes fortunas e a cobrança dos maiores devedores da previdência.

Olha essa

José era “chapa”(trabalhadores que carregam e descarregam mercadorias) e trabalhava para uma empresa, a ASC, terceirizada do governo de Rondônia que auxiliava os auditores fiscais no posto fiscal de Candeias do Jamari. Como “chapa” ele ajudava na verificação de cargas (entrava nas carretas, puxava a carga de um lado a outro) e fazia a conferência da carga, sob as ordens dos auditores. E ficou nesta função de junho de 2010 a janeiro de 2013. Entre janeiro (sua demissão) e outubro (quando o governo rescindiu o contrato com a ASC), José ficou trabalhando “avulso” como chapa no mesmo posto. Segue o fio…

Em dezembro de 2013

A ASC não operava mais no local, e os fiscais Marcello Fontenele Boris Frota e Darlene Amaral De Souza, entraram em contato com José e o contrataram para exercer os mesmos serviços, que fazia até janeiro na empresa ASC, pela mesma remuneração; salário mínimo vigente, e com a jornada de trabalho compatível com plantão dos Auditores Fiscais, o que ocorria normalmente, às segundas, quartas e sextas-feiras, de 8 às 15. Quando o contrataram, os fiscais afirmaram ainda que, quando o governo renovasse o contrato, o chapa seria recontratado. E José seguiu na função até agosto de 2016.

Em abril de 2017

José ingressou na justiça do Trabalho contra os auditores fiscais requerendo suas verbas rescisórias que segundo ele “nunca foram pagas” e de quebra chamou o Estado de Rondônia como responsável subsidiário. O problema é que durante as audiências do processo, testemunhas, inclusive dos fiscais, disseram que o chapa trabalhava com colete e crachá, parando caminhões e conferindo cargas, função que deveria ser feitas apenas pelos fiscais. Os auditores confirmaram a versão das testemunhas e acrescentaram que outros chapas também faziam a mesma coisa, também eram contratados por eles!!. É a terceirização de um trabalho para o qual os fiscais recebem um salário muito bom. Mas, segue…

Na sentença…

O juiz condenou solidariamente os fiscais e o governo de Rondônia em danos morais e o pagamento de FGTS no valor total de R$ 12 mil. Em recurso, o TRT isentou os fiscais e atribuiu a condenação apenas ao Estado. Ou seja, os auditores, que terceirizaram suas funções escaparam da multa. E estava tudo certo, exceto pelo fato que o promotor de Justiça do Ministério Público estadual, Geraldo Henrique entrou na história para averiguar os atos de improbidade dos fiscais. Ele se habilitou no processo pedindo informações da Justiça do trabalho, e os motivos dela ter isentado os fiscais e condenado o Estado de Rondônia, e também buscando as informações para proceder uma denúncia formal em face dos auditores por Ato de Improbidade e outros crimes previstos no Código Penal Brasileiro. O Processo tramita no TRT sob o número: 0000279-57.2017.5.14.0007.

22 anos, no caso delle, é pouco

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal a condenação do senador Fernando Collor de Mello (PROS-AL) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro a uma pena de 22 anos e oito meses de prisão. Collor é réu pelos dois crimes, acusado de receber mais de R$ 30 milhões em propina por negócios da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras na venda de combustíveis. Segundo a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), ele pediu e recebeu o dinheiro entre 2010 e 2014 em três negócios envolvendo a subsidiária, que tinha dois diretores indicados pelo senador. Dodge também pediu que Collor e outros acusados que respondem ao processo paguem, juntos, uma reparação de R$ 59,9 milhões aos cofres públicos – o dobro do valor supostamente recebido em propina.

Excesso de vitamina D associado a problemas renais

Tem sido descrita uma ampla gama de benefícios com o uso da vitamina D. No entanto, um recente estudo de caso indica que o excesso dela pode causar problemas renais nas pessoas que não têm deficiência desta vitamina. O artigo foi publicado on-line em 08 de abril no periódico Canadian Medical Association Journal. “O objetivo deste estudo de caso é informar um público mais amplo que as altas doses de vitamina D (10.000 UI por dia) para pacientes com níveis séricos normais de vitamina D pode levar a toxicidade”, disse ao Medscape o primeiro autor, Dr. Bourne Auguste, médico da University of Toronto em Ontário, Canadá. “O público deve saber que tomar mais vitamina D do que o recomendado não necessariamente traz alguma vantagem. Em vez disso, pode levar a problemas, especificamente, a insuficiência renal”, acrescentou o pesquisador. As diretrizes canadenses de 2010 sobre osteoporose recomendam de 400 UI a 1.000 UI de vitamina D por dia para a maioria dos adultos, e de 800 UI a 2.000 UI por dia para idosos e pessoas com maior risco de osteoporose. Nos Estados Unidos, a dose diária recomendada de vitamina D para homens e mulheres entre 1 e 70 anos de idade é de 600 UI por dia e de 800 UI para as pessoas com mais de 70 anos. Como a vitamina D tem uma ampla faixa terapêutica, os efeitos tóxicos são raros, observaram Dr. Bourne e colaboradores. No entanto, por ser uma vitamina lipossolúvel, tomar altas doses durante períodos prolongados pode levar ao acúmulo. “Muitos pacientes encaram a vitamina D como um simples suplemento sem nenhum dano associado e talvez benefícios historicamente exagerados”, disse o Dr. Bourne. “Por estar disponível com facilidade em várias apresentações que não exigem prescrição médica, e pela ideia de que traz muitos benefícios sem nenhuma contrapartida, outros pacientes, além do participante deste estudo de caso, podem estar em risco de nefrotoxicidade causada pela vitamina D e, potencialmente, falência renal”.

https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017-300x165.png?lossy=1&strip=1&webp=1 300w, https://119140.smushcdn.com/1214228/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017-360x198.png?lossy=1&strip=1&webp=1 360w" data-lazy-sizes="(max-width: 650px) 100vw, 650px" data-lazy-src="https://politico.painelpolitico.com/wp-content/uploads/2019/01/coluna_2017.png" data-was-processed="true" />


Painel Político : Painel Político Alan Alex
Enviado por alexandre em 23/04/2019 21:45:25

Arrecadação do órgão praticamente dobrou em apenas 7 anos arrancando o couro da população de Rondônia

Desce daí!

Marcos Rogério está vivendo em Nárnia…o problema é que hora dessas pode ser chamado de volta à terra e vai despencar.

Perguntar não dói…

Como pode uma instituição querer debater o judiciário brasileiro em um evento em…Portugal?

Olha essa

A caixa-preta do Detran de Rondônia começou a ser escancarada de verdade esta semana, mas ainda existem alguns números que a população precisa conhecer. Entre eles, um pequeno comparativo sobre as taxas achacadoras do órgão em relação aos demais estados da região Norte. Para se ter uma idéia, em 2010 o Detran arrecadou pouco mais de R$ 110 milhões com seus serviços. Em 2017 a arrecadação foi de R$ 215 milhões, praticamente o dobro em apenas 7 anos. Mas, isso tem uma justificativa e eu vou contar…segue o fio.

Para tirar a primeira CNH com uma categoria

Os rondonienses pagam por esse serviço, incríveis R$ 325,13. No Acre, o valor é de R$ 132,59. Em Roraima o custo é de R$ 143,79 e no Tocantins, R$ 178,28. O segundo estado mais caro neste quesito é o Amazonas, com uma diferença de R$ 50,13 em relação à Rondônia. Agora se for uma CNH com duas categorias (carro e moto, por exemplo), o valor é de R$ 395,81, uma diferença de R$ 95,81 em relação ao Amapá, o segundo estado mais caro.

Sabe o que também é mais caro?

O primeiro emplacamento. Cidadão de Rondônia sai da concessionária feliz da vida com seu carro novo e de cara já paga R$ 325,13. No Amapá o custo é de R$ 39,27, e no Pará, o segundo estado mais caro neste quesito o custo é de R$ 207,70. Transferir um carro em Rondônia também é um valor absurdo. O Detran cobra R$ 359,76 pelo serviço, que no Amazonas custa R$ 42,95 e no Amapá, R$ 39,27. A troca de placa também é a taxa mais alta entre os Detrans do Norte. Em Rondônia custa R$ 359,76, enquanto o amapá cobra R$ 56,11 e o Pará, o segundo mais caro, R$ 207,70.

Os números

Foram levantados nos Detrans de cada estado e fazem parte de um relatório ainda sigiloso repassado a PAINEL POLÍTICO que aponta as discrepâncias nos valores cobrados pelo Detran de Rondônia. O órgão possui ainda uma série de contratos com empresas prestadoras de serviços terceirizados que ainda precisam ser revisados, como atendimento, vistorias, e até as clínicas “cadastradas” que fazem os exames médicos. E estamos falando de apenas um órgão. Outro que também precisa ser passado à limpo é o porto graneleiro, a Rongás, uma companhia que existe apenas em uma saleta que serve de cabide de empregos, afinal, o único gás que circula em Rondônia é o de cozinha, o Ipem e outros.

Tem que sabatinar

Os deputados estaduais que querem tanto a sabatina de indicados para autarquias e fundações públicas, precisam ter em mente que devem ser preparar para as mesmas. Cobrar dos futuros dirigentes conhecimento técnico nas áreas as quais pretendem assumir e principalmente propostas para cada uma delas. Também é importante fazer um levantamento sobre as relações desses futuros diretores, com empresas do setor privado, para evitar aberrações com a adjunta do Detran, que claramente navega no perigoso limiar dos conflitos de interesses. Do contrário, melhor deixar como está.

NOVO, pero no mucho

O governador e o vice-governador de Minas Gerais, ambos do NOVO, aquela legenda que prega o “fim das mordomias”estão fazendo vergonha a legenda. Romeu Zema, governador, faz uma viagem aérea a cada cinco dias. Pagas, claro, com recursos públicos. E eis que nesta terça-feira descobre-se que seu vice, Paulo Brant e esposa, usaram o helicóptero do governo mineiro para se deslocar a um spa de luxo…pelo jeito só quem defende o fim da mordomia é quem não as tem…

Falando em vices…

Zé Jodan, vice-governador de Rondônia pode sofrer impeachment por ter ameaçado concorrentes de sua empresa com “o serviço de inteligência do governo”. O pedido já foi protocolado e deve dar uma tremenda dor de cabeça a Jodan, que fala demais…

Enfim, a sensatez

O Conselho Nacional do Ministério Público decidiu por 10 votos a 4 abrir processo administrativo disciplinar contra o procurador Deltan Dallagnol, que pelo jeito passa mais tempo dando entrevistas e tuitando que trabalhando. Parece que a ordem começa a ser estabelecida, ou uma faísca dela. Outro que também precisava de uma enquadrada era Marcelo Bretas, que é da turma do “os outros não, mas eu posso”. Esta semana, sua irmã foi nomeada na Casa Civil de Witzel, no Rio de Janeiro.

Rebuliço

A terceira fase da Operação Pau Oco promete…

Se manter ativo é a chave para não voltar a engordar depois de perder peso

Ser muito ativo fisicamente, em vez de cortar calorias, parece ser a chave para evitar o retorno dos quilos extras após uma perda ponderal bem-sucedida, segundo um pequeno estudo de caso-controle publicado na edição de março do periódico Obesity . Pesquisadores avaliaram o gasto energético de 25 pessoas de meia-idade que haviam perdido, em média, 26 kg e assim permaneceram por nove anos, e as compararam com pessoas com peso normal ou sobrepeso. “Surpreendentemente”, as pessoas que tiveram uma perda ponderal substancial e mantiveram o peso no longo prazo consumiram aproximadamente a mesma quantidade de calorias que aquelas com obesidade/sobrepeso (e mais do que aquelas com o peso normal). No entanto, as pessoas que não voltaram a engordar eram muito mais ativas fisicamente. Em média, eles deram 12.107 passos por dia, muito mais do que os 8.935 passos por dia do grupo com peso normal e os 6.477 passos por dia do grupo com sobrepeso/obesidade. Esse alto nível de atividade física corresponde a cerca de 60 a 90 minutos por dia de atividade física de intensidade moderada (por exemplo, caminhada) ou 30 a 45 minutos por dia de atividade vigorosa (por exemplo, corrida). “Fornecer evidências de que um grupo bem-sucedido em manter o peso após a perda ponderal pratica altos níveis de atividade física para prevenir um novo aumento de peso, em vez de restringir a própria ingestão de energia de forma crônica, é um passo adiante para esclarecer a relação entre exercícios e manutenção da perda ponderal”, disse a autora responsável, Dra. Danielle Ostendorf, Ph.D., pós-doutoranda na University of Colorado Anschutz Medical Campus, em um comunicado da universidade. E, em um comentário que acompanha o estudo, o Dr. Timothy S. Church, Ph.D., médico e mestre em saúde pública, e o Dr. Corby K. Martin, Ph.D., do Pennington Biomedical Research Center, Louisiana State University, em Baton Rouge, observaram que esta “quantidade de atividade física associada à manutenção da perda ponderal é grande e assustadora”. “Além disso, e de maneira crucial”, eles enfatizaram, “os resultados da Dra. Danielle são impressionantes, pois as pessoas que conseguiram manter a perda ponderal não parecem fazê-lo por meio da restrição calórica contínua”.

« 1 (2) 3 4 5 ... 187 »