Resenha Política - Resenha política-Robson Oliveira - Notícias
« 1 ... 49 50 51 (52) 53 54 55 ... 65 »
Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 26/03/2013 21:47:17

Resenha Política



Robson Oliveira


Esgoto

Os órgãos federais de fiscalização apontaram recentemente problemas sérios envolvendo um milionário contrato de esgotamento sanitário da capital que vão dar muita dor de cabeça aos (ir)responsáveis pelas lambanças feitas no contrato. O município de Porto Velho corre o risco de perder mais de setecentos milhões para saneamento exatamente devido aos malfeitos detectados.


Intrigante

O que mais intrigou os profissionais que auditaram o contrato de esgotamento sanitário da capital foi o certame licitatório que contou com apenas uma empresa concorrendo. Mesmo sendo um contrato milionário. Os pagamentos feitos e o projeto básico são outros gargalos que vai dar muito o que falar por aqui nos próximos dias.


Devassa

É bom que o briguento senador Ivo K-Sol fique esperto com o que vem por aí: vários convênios e contratos firmados ainda na sua administração estadual estão sendo analisados e fiscalizados. As primeiras informações que vazaram indicam que o senador vai ser compelido a dar muitas explicações. Exatamente ele que adora cornetar o atual mandatário e acusá-lo de malfeitos. Como diz o ditado: “um dia da caça outro do caçador”.


Inferno

Laerte Gomes, ex-prefeito de Alvorada do Oeste, tem manifestado aos interlocutores próximos apreensão com o pente fino que estão fazendo na sua administração. Desde que deixou o mandato o ex-prefeito passou a ser alvo de várias denúncias que tem atormentado a sua vida e provocado estragos políticos irremediáveis. Até a pretensão em disputar uma vaga na Câmara Federal está sendo avaliada pelo ex-prefeito como inoportuna. Laerte sempre foi afável no trato pessoal, mas anda nervoso demais com os boatos de que se anuncia um inferno astral por aí.


Trucidar

Já Roberto Sobrinho, ex-prefeito de Porto Velho, é outro que anda preocupado com a possibilidade de que fatos novos surjam e sepultem de vez a sua meteórica e polêmica carreira política. O petista é criticado pela maioria dos moradores de Porto Velho e tem sido execrado moralmente nas entranhas do PT por companheiros que querem o seu expurgo antes que um novo escândalo trucide a legenda para a disputa de 2014.


Tonto
Apesar do desgaste provocado ao PT pelo desastroso segundo mandato de Roberto Sobrinho na capital, é ainda prematuro avaliar se vai refletir nas candidaturas em 2014, especialmente no interior. Preocupado com o calendário de 2014 os petistas querem apostar na candidatura a governador de Padre Ton para salvar o legado partidário. Os pecados de Sobrinho deixaram os 'companheiros' tontos, sem rumo, sem discurso e o vigário possui o perfil ideal para evitar uma tragédia do partido nas urnas. Além da capacidade de pregar na adversidade.


Acinte

Embora estejamos há mais de um ano do início das eleições estaduais é acintosa a forma como uma ex-vereadora utiliza os espaços radiofônicos adquiridos a preços elevadíssimos para se manter na mídia.


Silêncio

Nem mesmo dia do mentiroso escapa de um alô da menina que, enquanto vereadora, pouco fez para melhorar a vida do munícipe e quedou-se silenciosamente em relação às mazelas da administração municipal.


Desequilíbrio

As mensagens radiofônicas podem não caracterizar cabalmente crime de campanha antecipada ao período eleitoral, mas a forma como é veiculada é acintosa e desequilibrada em relação aqueles que vão à disputa nas eleições vindouras e não dispõem de fartos recursos para ocupar os espaços na mídia. Exatamente porque não são notícias nem têm o que falar é que partem para comprar esses espaços a preços generosos.


Diferenças

Mário Português, multimilionário e bem votado nas eleições municipais passadas, não se utiliza dos mesmos artifícios da guria ex-vereadora por perceber que o eleitor não é otário. O 'portuga' não esconde que é provável candidato a deputado federal quando perguntado e nem por isto burla a lei antecipando o pleito. Uma diferença que fará diferença quando ambos confirmarem os nomes nas eleições de 2014. Mário demonstra respeito às regras.


Exonerações

O Diário Oficial do Estado publicou uma relação interminável de servidores comissionados do Poder Legislativo Estadual que foram demitidos no dia de ontem. A lista é enorme e consta nomes e sobrenomes conhecidos. A informação é que a maioria retorna à folha de pagamento.


Balbúrdia

O que chama a atenção na lista das exonerações da ALE são ex-vereadores, ex-deputados ou parentes que foram rechaçados nas urnas e ainda ganharam uma sinecura nos gabinetes dos nossos parlamentares. Imagine se todos, de uma só vez, fossem aos gabinetes para trabalhar que balbúrdia iam provocar.


Recurso

Como a coluna havia antecipado o advogado do deputado federal Natan Donadon (PMDB), Nabor Bulhões (um dos mais bem preparados criminalistas do país), interpôs mais um recurso junto ao STF o que sustenta por mais um tempo o parlamentar rondoniense no cargo. Vencido mais este o parlamentar ainda dispõe de mais dois que retardarão a perda do mandato. Mas quem espera ver Natan sendo levado para uma unidade prisional pode se frustar: é que seu advogado ainda vai questionar a dosimetria que estabeleceu a pena em mais de 13 anos em regime fechado. Na hipótese de diminuir é bem possível que mude também o regime de início do cumprimento, ou seja, trancafiado pode não ficar.


Imagem

As peças publicitárias do Governo do Estado veiculadas na mídia estadual são de boa qualidade e fazem parte da estratégia para melhorar a imagem do governante junto a uma população incrédula com seus dirigentes. É cedo para mensurar se vão ser capazes de alavancar a popularidade de Confúcio Moura que foi destroçada mais pelas trapalhadas da equipe que reuniu para governar. Além da teimosia e lentidão para se livrar dos estorvos.


Reeleição

Moura deverá anunciar no próximo ano que é candidato à reeleição. Quem tem intimidade com as campanhas eleitorais sabe que ele vai ser um postulante duro a ser batido mesmo com a popularidade atualmente em frangalhos.


Imponderável

Um ano e meio é tempo o suficiente para que um governante recupere a credibilidade desde que cumpra com parte das promessas feitas em campanha. Para investir nas promessas a tulha de Moura estará cheia com o empréstimo contraído junto ao BNDES. É arregaçar as mangas e trabalhar. Ah, sim, evitar uma pedra do meio do caminho como ocorreu no início do governo. O imponderável não depende dos estrategistas...


Deduções

Depois que publiquei uma nota na coluna passada sobre uma eventual operação policial que deverá abalar as estruturas políticas rondonienses, alcaides, empresários, parlamentares, entre outros, encheram minha caixa de mensagem com perguntas que não tenho respostas. Aviso aos navegantes que a informação anunciada decorre de deduções após 23 anos de jornalismo e fontes altamente credenciadas. O quê? Quem? Onde? E quando? São perguntas que não tenho as respostas. Tenho apenas minhas deduções. Mas que vem aí barulho isto é pule de dez.


Cai

Permanecendo a pressão na Comissão de Direitos Humanos contra a eleição para presidente do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) a queda é questão de tempo. A presidência da Câmara Federal percebeu que o desgaste é maior do que imaginavam depois que o pastor assumiu a direção da Comissão. Ele é acusado de racista, homofóbico e preconceituoso. Pelas declarações dadas, é cretino também.


Esqueçam

Fiquei surpreso com o loby que setores conservadores da intelectualidade brasileira estão fazendo para eleger Fernando Henrique Cardoso imortal da Academia Brasileira de Letras. Exatamente ele que pediu para que esquecêssemos tudo o que escreveu quando era paparicado pela esquerda brasileira.


Catacumba

A casa que imortalizou Machado de Assis, Olavo Bilac, Manoel Bandeira, José de Alencar, Cecília Meirelles, Raquel de Queiroz, entre outros intelectuais, perde a verve para dar abrigo a políticos como José Sarney, Marco Maciel e agora FHC. É a morte dos imortais e a ABL está virando um mausoléu.


Susto

Mais um amigo deu susto com problemas cardíacos, desta vez foi o advogado Almeida Junior que foi levado às pressas a uma UTI para cuidar do coração. Começo a ficar preocupado com o meu (mesmo não apresentando sinais de fadiga) devido à quantidade de um bom vinho que adoro degustar. Graças a Deus Jr está bem e recomposto do susto. Desejo-lhe melhoras e aguardo o convite para um novo deguste de um aveludado merlot.


E-mail

Fiz alguns comentários sobre o movimento encabeçado pela ex-senadora Marina Silva para a construção de um novo partido político através de uma Rede e recebemos um e-mail da assessoria que reproduzimos abaixo.  

Estimado Colunista Robson Oliveira.

 

Apraz-nos levar ao domínio de V. Sa. o nosso projeto social,

certos de que esta Rede cumprirá o seu objetivo de dar ânimo

ao exercício da cidadania.

 Nela, cada político brasileiro, eleito pelo voto popular, do

Presidente da República aos Vereadores do mais longínquo

entre os 5.564 municípios do país, terá uma página individual

para difundir seus feitos e planos de realizações e ainda interagir

com o eleitor.

Também o cidadão, eleitor ou não, terá o seu espaço para

sugerir, elogiar, criticar e cobrar procedimentos pertinentes de

seus representantes.

 Importa-nos, e muito, que V.Sa. nos leve ao conhecimento de 

seus leitores,amigos, através das redes sociais ou ainda de suas

próprias listas eletrônicas, contribuindo, assim, para o sucesso

deste  projeto de "política com transparência", marco inicial do

resgate de nossa cidadania.

 Com admiração e apreço,

 Dalton Rafael de Barros

 

Páscoa

Aos leitores e amigos desejo-lhes uma páscoa animada, feliz e festiva. Aproveito o feriado para pegar a estrada e retorno somente na próxima semana. Inté!


Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 20/03/2013 11:28:58

Resenha Política

Robson Oliveira

Redimensionamento

Ao enviar para a Assembleia Legislativa um projeto de lei redimensionando os cargos comissionados existentes na Secretaria de Administração para a Casa Militar, O Governo do Estado comete mais um erro primário quando não explica didaticamente à população que não se trata de criação de novos cargos e sim redimensionamento. A falta da explicação propicia aos opositores distorcer a informação e desgastar a imagem já combalida do governador.

Inchaço

Prometeram no início da administração Confúcio Moura uma pseudo reforma administrativa com a justificativa de adequar a máquina governamental às novas tecnologias o que daria em tese mais celeridade ao serviço público estadual. Tudo não passou de casca. Concentraram a SEAD com DAS que, logo depois, seriam redimensionados para a nova estrutura. Terceiro ano de governo e a bendita reforma “revolucionária”trouxe mais problemas do que solução para um governador taxado por qualquer um de frouxo. Até os desqualificados jogadores de carteado falam mal.

Meditação

O Governo erra no varejo o que fertiliza o terreno para que as críticas floresçam no atacado, mesmo que muitas delas sejam germinadas por parasitas. As apostas dos estrategistas palacianos são com os recursos destinados as obras, emprestados do BNDES, para melhorar a imagem do mandatário e semear a campanha de reeleição. É possível que consigam desde que parem de pecar no varejo e evitem a improvisação. Confúcio Moura medita antes de ouvir e quando ouve não medita com o que ouviu.

Unanimidade

A recondução ao cargo de Procurador Geral de Justiça, por unanimidade, revela que o procurador Héverton Aguiar conseguiu um feito inédito: unir a instituição. A gestão de Aguiar no 'Parque' não se notabilizou apenas nas operações espetaculares, a exemplo a que defenestrou Valter Araújo da presidência da Assembleia Legislativa e colocou no banco dos réus mais de meia dúzia de deputados estaduais, sua administração interna na instituição também é elogiada por oito entre dez servidores.

 

Perfil

Quem estiver pensando que Herverto Aguiar pensa em troca o prédio do MP pelo Palácio Vargas - já andaram falando isso por ai - está enganado. De acordo com ele, não passa pela cabeça ingressar na vida partidária. Mesmo com credenciais para galgar qualquer cargo eletivo, assim como fez no Mato Grosso Pedro Taquis. O eleitor perde uma grande opção, mas o mundo jurídico continua ganhando um grande operador. Cada qual com seu perfil, Herverton ainda vai longe.     

Aviso

Nas últimas entrevistas concedidas nos veículos de comunicação, Héverton Aguiar avisou aos agentes públicos que não vai engavetar nenhuma denúncia nem permitir que os malfeitos continuem tungando o erário. Quem acredita que esta aparente calmaria é fruto de algum relaxamento dos órgãos fiscalizadores, tirem o cavalo da chuva antes que o vendaval o leve. Junto com o cavaleiro.

Apreensão

Há, nos bastidores de Brasília, o bochicho que uma grande operação policial deverá ocorrer em Rondônia com repercussões nacionais estrondosas. Verdade ou boato, é visível, especialmente entre ex-prefeitos e secretários, um clima de apreensão. Esta coluna abordou dois reeleitos que confirmaram o estado de tensão. No mundo empresarial o clima não é muito diferente. Não terá sido por falta de aviso, né?

Pedofilia

A operação do MP que desvendou uma rede de prostituição de menores revelou que uns vinte empresários, não apenas o proprietário do supermercado preso, utilizavam os mesmos serviços para dar vazão às volúpias sexuais. A diferença é que aqueles não contrataram para a 'sodomia' crianças de 12 anos, como fez o atacadista trancafiado. Um a um estão sendo convocados a depor. Vamos divulgar a lista completa no momento apropriado.

Aproveitado

Apesar das críticas provocadas pela nomeação do ex-deputado federal e ex-vice-governador Miguel de Souza para uma assessoria do Governo de Rondônia, o mandatário estadual acertou ao convidar Miguel porque aproveita a capacidade de um técnico que conhece como poucos os meandros do Governo Federal e pode dar uma boa contribuição à representação de Rondônia na Capital Federal. Aliás, é possível que a atual representante em Brasília, Elizete Lionel, seja designada para outras funções em Rondônia e Miguel de Souza assuma a vaga.

Alvo

Não vai ser fácil o governador manter em sua equipe a Secretaria de Educação, Isabel Luz, e a Procuradora Geral do Estado, Maria Rejane Sampaio dos Santos Vieira. As duas viraram alvo de repulsa dos deputados estaduais que exigem mudanças nas duas áreas. O governador Confúcio Moura faz ouvidos de mercador, mas, cedo ou tarde, terá que ceder às pressões. Ambas são ainda criticadas pelos servidores das pastas que administraram. “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, diz a sabedoria popular.

Calmaria

Ontem balançando para desocupar a moita, hoje quem colhe os louros é o Secretário da Casa Civil, Marco Antônio. O setor é o mais ágil do palácio e tem respondido com competência às demandas da máquina burocrática governamental. Na esfera política, mesmo ainda remanescendo algumas reclamações, as matérias do governo estão sendo aprovadas no Legislativo Estadual com facilidade.

Procrastinando

Mesmo com a publicação, nesta segunda-feira, da decisão que rejeitou os recursos apresentados pelo deputado federal Natan Donadon (PMDB), e que permitiria a prisão do parlamentar, ainda não é desta vez que ele vai deixar o Congresso para uma temporada numa unidade prisional. A defesa, em tese, ainda pode interpor novo recurso, caso entenda que há trecho da decisão obscuro. O prazo para o novo recurso procrastinatório é de cinco dias. E, óbvio, deverá ser protocolizado. Amir Lando ainda vai esperar por mais um tempo a vez de assumir a vaga no lugar do ex-aliado, visto que é o primeiro suplente do PMDB.

Rito

Depois que exaurir todas as possibilidades recursais para Natan Donadon, o que já está ocorrendo, a decisão é comunicada oficialmente ao Presidente da Câmara Federal para que a sentença seja efetivamente cumprida. O problema é que alguns célebres juristas advogam que caberá ao Parlamento a palavra final sobre a perda do mandato do colega condenado. Há, inclusive, entre magistrados, a mesma opinião. Basta entrar no Google para verificarmos a quantidade de posições sobre o tema e como provoca tantas controvérsias nos meios jurídicos. Imagine no contraditório mundo político!

Reflexão

A Semana Santa é época de reflexão, perdão, ressurreição e arrependimento. Mas também é quando o Judas é malhado. Geralmente os políticos são alvo da malhação da população. Neste ano a páscoa não vai ser doce para todos e muita gente fina está no cadafalso da malhação...

Arapuca

Os partidos nanicos que não estão acompanhando os bastidores do Congresso Nacional vão ser pegos de surpresa com um item da reforma política que começa a ganhar forma nas comissões permanentes do Congresso Nacional. É que os grandes partidos decidiram por fim às coligações proporcionais, o que diminuiria as probabilidades das legendas pigmeias elegerem parlamentares sem a ajuda de outras agremiações para que possam atingir o coeficiente mínimo exigido. A arapuca está armada e somente vai à votação dias antes de quatro de outubro.

Alternativa

A saída para as legendas nanicas seria a possibilidade de formação de confederações partidárias, mas nem esta proposta os grandes partidos querem aceitar. Fizeram os cálculos e perceberam que sem coligações suas bancadas aumentam substancialmente, além de engordarem a divisão dos repasses financeiros com o fundo partidário.

Espólio I

Percebendo a arapuca política, Marina Silva suspendeu a criação de um novo partido, montou uma rede sem cunho ideológico que pudesse abrigar em sua sombra os partidários da sustentabilidade remanescentes das legendas que forem fulminadas.

Espólio II

O DEM e o PPS, que podem ser afetados com a reforma política, servem hoje de sublegenda do PSDB. Para se fundir falta apenas o ato formal. O PMDB, PT, PSB, PTB, PSD e PCdoB dividiriam o resto do espólio. O PSOL sobreviveria porque ainda não se deixou contaminar pelo mesmo ‘pragmatismo’ eleitoral petista. Uma questão de tempo.

 

Desafinado

O deputado federal Padre Tom, do Partido dos Trabalhadores, comemorou pelo facebook a decisão final do STF em relação a denegação dos embargos opostos pelo deputado federal do PMDB Natan Donadon. Provocado à comemorar da mesma forma quando chegar a hora do STF mandar cumpri a sentença contra os companheiros petistas, o deputado respondeu: "Quem deve tem que pagar. Quero ver a Câmara se pronunciar". Tom está correto e afinado com a população. Resta agora conhecer qual a opinião do parlamentar sobre a encrenca petista na capital rondoniense. Não vi nenhuma nota do deputado sobre esta partitura desafinada que ainda vai levar muita gente à tocar piano...

Solidariedade

Mesmo atrasado, visto que a coluna geralmente é publicada às terças-feiras, registro a modesta solidariedade da coluna ao Rondoniagora pelo atentado sofrido na semana passada. Igualmente me solidarizo pela recuperação do colega Eliânio Nascimento que foi acometido por um problema cardíaco. Quem pensa que cala a imprensa com bala está equivocado. Pode amedrontar momentaneamente, mas une todos pela liberdade de imprensa: bem maior de um Estado Democrático a ser protegido.

 

Sucesso

Maria Clara, cantora rondoniense que começa a fazer sucesso no eixo sudeste-sul, teve seu CD "Violetas" divulgado durante o programa do Faustão, domingo passado. A linda cantora pode ser vista pelo You Tube: basta colocar o nome dela e a música "Violetas". As cenas foram gravadas no deserto de atacama, Chile. São delumbrantes, e a música da melhor qualidade. Faustão prometeu levar em breve a jovem cantora rondoniense ao programa. Sucesso!  

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 14/03/2013 16:44:32

Resenha Política

Robson Oliveira


Reforma

O Congresso Nacional promete colocar em debate a Reforma Política ainda este ano com reflexos nas eleições de 2014. Três pontos extremamente polêmicos vão suscitar discussões acaloradas entre os congressistas: fim das coligações, unificação das eleições e financiamento público. Não há consenso em nenhuma das temáticas propostas, mas não há como procrastinar o debate já que é unânime que, da forma que estão estruturados os partidos e a legislação eleitoral, é imperativo promover reformas profundas e urgentes.


Coligações

Criar um partido no Brasil virou um negócio da China (literalmente): contamos com mais de trinta legendas e a maioria absoluta é cartorial e serve apenas como meio para algum “sabido” ganhar uns caraminguás em cada eleição. Ou mesmo um cargo comissionado. São partidos que sequer o eleitor percebe a existência, visto que estão sob o manto da coligação. As legendas nanicas vão reagir contra, mas a tendência hoje no Congresso Nacional é acabar com as coligações. O que é muito bom.


Eleições gerais

Juntar todas as eleições numa só é uma saída para evitar que a cada dois anos o Estado brasileiro gaste uma soma considerável de recursos para a sua realização. Ademais, evitaria que as prefeituras servissem de trampolim para as eleições estaduais ou mesmo nacionais. Porém, aí reside uma questão polêmica: encurtar-se-ia o mandato de quem para que o calendário eleitoral brasileiro passasse a ser único, com eleições gerais? Eis aí um tema desafiador aos líderes para reunir uma maioria no plenário do Congresso.


Verba

Já a proposta do financiamento público das campanhas eleitorais, em debate há algum tempo na sociedade, é bem assimilada pelos congressistas e dirigentes partidários. O difícil é convencer a a maioria da sociedade que os recursos arrecadados com o pagamento dos tributos, aliás, extorsivos, vão ser destinados também para financiar os partidos políticos. Destinar verba pública para eleger candidatos, é algo de difícil assimilação pelo cidadão comum. Mesmo sendo uma proposta em tese defensável e aparentemente indicada para colocar ordem na desordem das eleições brasileiras, é incompreensível aos ouvidos e olhos do eleitor incrédulo com nossos representantes, especialmente por não dispor de serviços públicos essenciais dignos.


Transposição

Depois de intermináveis reuniões, incansáveis negociações e diversas viagens a Brasília um dirigente sindical protestou contra o projeto de lei que define as bases da transposição aprovada na Câmara Federal e em pauta no Senado.


Incompetência

A bancada federal se esmerou para votar com urgência o PL, a pedido dos sindicatos, e agora, depois de votado, negociado e aceito por todos surge um segmento alegando que tudo é engodo. Ora, se conheciam antecipadamente o conteúdo do projeto de lei e não perceberam as imperfeições, agora, após a votação, apontam os defeitos. Das duas uma: ou é incompetência das assessorias jurídicas ou dos dirigentes. Ou as duas alternativas juntas. Este cabeça-chata assistiu à votação ao lado de vários líderes sindicais e é prova de que pressionaram a bancada para votar da forma como a presidente Dilma Rousseff encaminhou ao Congresso Nacional.


Esclarecimentos

Minutos antes da votação o deputado federal Rubens Moreira Mendes (PSD) reuniu os sindicalistas no café da Câmara Federal para colher subsídios e defender o projeto da oposição de um deputado federal do seu partido. Moreira fez vários questionamentos pertinentes sobre o PL e em nenhum momento os representantes dos servidores públicos rondonienses apontaram os problemas que somente neste momento apontam. Ao contrário, exigiam que a bancada federal votasse unida a favor do projeto. O que foi atendido.


Estratégia

Na hipótese da transposição virar um engodo, os membros da bancada federal não são os responsáveis já que atenderam ao pleito dos sindicalistas. O que estranha é a forma como tentam se esquivar do passivo e jogar a culpa em quem atendeu uma demanda. Ademais, ficou claro para quem acompanhou par e passo esta querela que os sindicatos sabiam das imperfeições do Projeto de Lei, mas optaram em aprovar da forma como estava para recuperarem as eventuais perdas junto ao Poder Judiciário. Esta foi de fato a estratégia que utilizaram para que o PL fosse aprovado. Se a estratégia foi equivocada, Inês é morta!


Perigo

Um arrojado projeto de mais de vinte milhões de reais oriundos de emendas parlamentares para a construção de um local para acolher os grandes eventos de Porto Velho corre o perigo real de minguar porque o Governo de Rondônia se recusa a investir, como contrapartida, três milhões de reais. O projeto é para ser edificado na área que hoje é ocupada pelo aeroclube (78 mil hectares) e que seria deslocado para uma outra, através de  permuta.


Parceria

O impasse foi criado pelo executivo estadual que se recusa a investir na preparação de uma pista asfaltada para acolher o aeroclube. Esta recusa pode acarretar a perda dos recursos da União para a construção do espaço multieventos que abrigaria a feira agropecuária, o flor do maracujá, os desfiles das escolas de samba e os grandes shows musicais, entre outros. O município, segundo o prefeito Mauro Nazif, topa ajudar no projeto e torce para que o estado entre na parceria e faça sua parte.


Prestígio

Participei de uma reunião com o presidente da OAB nacional, Marcos Vinícius, e os membros da seccional rondoniense, que tratou de diversos temas. Restou nítido o prestígio acumulado pelo presidente da OAB-RO quando expôs os principais projetos e a forma como pretende administrar. Marcos Vinícius teceu loas ao Andrey Cavalcante e liberou recursos suficientes para que a seccional rondoniense honre todos os compromissos de 2013. Revela-se aí uma liderança emergente. E decente.

 

Retaliação

O Jornal Tribuna Popular, de Cacoal, e seu editor jornalista Adair Perin, são alvos da sanha imbecil daqueles que não conseguem conviver com a liberdade de expressão nem com uma imprensa crítica.  Perin, uma pessoa decente, pacata e cordata está sendo atacado por mandatários locais que esquecem que o poder é efémero: um dia acaba. Esta coluna se solidariza com o colega de profissão e amigo de longas datas.


Papa

Foi recebido com surpresa a eleição de um papa argentino, Chico I. Ainda dizem que Deus é brasileiro...


Retorno

Registro com alegria o retorno do jornalista Roberto Kuppe com a coluna que o projetou na profissão. Bem articulada e com informações de bastidores. Quem ganha são os leitores. Seja bem-vindo!

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 26/02/2013 23:28:50

Resenha política

Robson Oliveira

 

Custos

Enquanto o shopping Porto Velho anuncia com pompa a expansão de sua área física, várias lojas fecharam as portas nos cinco anos de existência do conglomerado do consumo. Marcas famosas não aguentaram os custo de manutenção do shopping. É perceptível verificar a falta de consumidores porque os preços das mercadorias são inflados para manter os custos do negócio. Nem uma loja de carros, de uma marca de sucesso, resistiu aos encargos. Os corredores são cheios de transeuntes que passeiam curtindo com segurança a climatização do conglomerado. Comprar que é bom, na internet fica mais em conta.  As mesmas marcar.


Quiprocó

Ocorreu o maior salseiro nas dependências da Secretaria Municipal de Fazenda de Porto Velho depois que um empreiteiro totalmente exasperado perdeu a paciência e insultou servidores por não prestarem as informações que ele queria sobre o andamento de um processo de pagamento. A confusão, registrada pela Polícia na quinta-feira passada, terminou na delegacia. Após prestar depoimento e chorar compulsivamente, o empresário foi autuado e liberado.


Nem aí

O prefeito Mauro Nazif, que participava na Semfaz de mais uma das intermináveis reuniões com auxiliares, foi verificar o que ocorria e saiu de fininho ao perceber todo o quiproquó e a exasperação do empresário. Quem assistiu à cena deu razão ao empresário desesperado que cobra celeridade e competência da secretaria no pagamento das obras que concluiu. O que não justifica as agressões verbais registradas na Delegacia de Polícia, proferidas pelo empresário contra o barnabé que lhe atendeu.


Rede

A ex-candidata a presidente, Marina Silva, lançou a trigésima primeira agremiação partidária num país em que os partidos servem apenas como meio de cumprir a obrigação legal para registro de candidaturas. Além , é claro, para receber das arcas do contribuinte o fundo partidário.


Enredado

Pelo discurso feito pela ex-petista Marina Silva no lançamento do Rede da Sustentabilidade (nome do partido), percebe-se que é mais uma agremiação cujo objetivo é atender exclusivamente às ambições da fundadora em disputar as eleições presidenciais. No que se refere à ideologia ou perfil programático o Rede se enreda nos mesmos métodos utilizados pelos trigésimos partidos criados para atender aos interesses de uma elite política atrasada.


Rede furada

Apesar do Rede ter sido apresentado como repaginação nos seus costumes, com um discurso de modernidade, vinculado à preservação ambiental e repúdio às mazelas políticas, seu conteúdo visa engalobar jovens incautos que navegam e protestam nas redes sociais. Ele não é um partido de esquerda, direita nem de centro. É uma Rede... Já começo a visualizar de longe o rombo no fundo.


Sujeira

Mesmo concebido em torno de uma concepção de sustentabilidade, o partido de Marina Silva não vai impedir que políticos fichas sujas ingressem em suas fileiras. Ela reconhece que para se legalizar um partido no país é necessário uma rede imensa de adesões que é quase impossível impedir que o Rede seja formado apenas por pessoas virtuosas. A ex-senadora Heloísa Helena (PSOL), entusiasta da candidatura presidencial de Marina, é aguardada no Rede. Já o ex-senador Luiz Estevão, recluso desde a cassação, ainda não deu sinais se pretende cair na Rede.


Recondução

O PMDB deverá reconduzir à presidência nacional do partido o vice-presidente da república Michel Temer. O senador Valdir Raupp, atual vice-presidente e na interinidade da presidência, permanecerá no mesmo cargo e nas mesmas funções. A convenção do partido está marcada para o final de semana em Brasília.


Unidade

Os 27 Diretórios Regionais peemedebistas confirmaram presença, a presidente Dilma Rousseff e vários presidentes de outras agremiações. A chapa 'Unidade Nacional', única inscrita, deverá ser eleita por aclamação. A coluna teve acesso à pauta e não consta nenhum ponto incontroverso. Não muda nada e o PMDB segue como sempre foi. Convidada, a coluna estará presente ao evento.


Buraqueira

Isac Bennesby, ex-prefeito de Guajará-Mirim, deve estar se revirando no túmulo pelo descaso com que as autoridades abandonaram a BR 425, que liga o município ao Brasil. Os cento e sessenta quilômetros entre a BR 364 e a 425 estão quase intransitáveis. Quem trafega neste trecho, além do perigo de um acidente, gasta quatro horas para vencer o percurso. A última vez que aquela rodovia foi bem cuidada foi graças ao trabalho do ex-prefeito Bennesby. Isso há mais de 20 anos.


Feta

Não passa de lorota as afirmações alarmistas de que o rebanho bovino de Rondônia correrá risco porque os recursos públicos arrecadados do setor pecuário deixarão de irrigar os cofres de uma entidade privada e vão ser destinados a um fundo estadual.


Sinecura

Alegam que o fundo privado vem atuando com competência na vigilância sanitária do rebanho bovino e, passando para a administração do Estado, seria o caos. Conversa fiada. Os programas de prevenção da aftosa são bem sucedidos pelas ações implementadas pelos governos estaduais. Aliás, nesse setor, o selo é de qualidade para a administração pública. O Fefa (Fundo de Apoio a Defesa Sanitária Animal do Estado de Rondônia)  virou uma espécie de sinecura para poucos que o TCE quer colocar limites. Ainda bem.


Solitário

O suplente de senador Tomás Correia foi a única voz isolada a criticar o desvio dos recursos do Fefa para um fundo privado. Intentou, inclusive, uma Ação Popular para impedir que o fundo público fosse esvaziado. Aguarda uma decisão final da Justiça Estadual.


Dúvidas

O Fefa funcionava assim: todo real que fosse recolhido ia direto para o fundo privado sob a justificativa de encurtar a burocracia estadual para que fosse utilizado na defesa animal. Tomás Correia percebeu que esta conta não fechava, pois mesmo depositado num fundo privado, os recursos não perdiam sua condição de público. Começou a denunciar e as reações contra ele foram ferozes. O estranho é que o Estado tem um fundo com os mesmos objetivos e finalidades, mas não recebia um centavo porque os recursos eram destinados para o privado. Vindo à tona agora é bom auditar a aplicação para dissipar eventuais dúvidas.


Implicância

Têm se tornado rotineiras as críticas ásperas da maioria da mídia ao 'petismo' e ao Partido dos Trabalhadores. Algumas das críticas são justas e o partido e os adeptos do 'petismo' merecem. Outras, nem tanto. Insistiam que Lula tramava contra a reeleição de Dilma e cobravam incisivamente que ele tornasse público que não era candidato, declarando apoio à reeleição de Dilma. A implicância foi tanta que Lula assim o fez. Agora criticam pelo lançamento e o acusam por antecipar as eleições. Cretinice. No Brasil, quando termina uma campanha, começa a outra. E todos sabem que esse é o jogo. Rondônia é um exemplo, fechado as urnas para prefeito, K-Sol anunciou que é candidato a governador. Mesmo podendo ser impedido pela lei da ficha limpa, anunciou e antecipou o pleito. Sempre foi assim. O resto é implicância.


Intolerantes

Não restam dúvidas de que dirigentes do PT meteram os pés pelas mãos para impor uma governabilidade que marcaram negativamente a história partidária. Apesar dos métodos heterodoxos e reprováveis adotados pelo governo Lula para formar a base de apoio, os avanços políticos, econômicos, estruturantes e sociais são marcas que merecem ser comemoradas. Tudo isto em pouco mais de dez anos. Meus humildes parabéns. Aos intolerantes leitores da coluna, paciência. Há outras que discordam de mim e podem ser lidas.  A democracia é e deve ser tolerante com o dissenso.

 

Coice

Falando em PT, causou polêmica a entrevista concedida pelo bispo Dom Moacir Grecchi declarando acreditar na inocência do ex-prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho. Uma polêmica boba, pois a lógica cristã que segue o bispo não é a lógica da multidão que demoniza o alcaide. Dom Moacir ouviu as juras dadas por Roberto Sobrinho e acreditou. Não há nenhuma incongruência do padre. Mesmo que ele tivesse feito alguma confissão de culpa, como representante de Deus na terra, o bispo teria dado ao prefeito o perdão. Parte da multidão (incluídas aí autoridades e petistas) quer a execração, antes da condenação. Entre os pecados cometidos, Roberto Sobrinho terá tempo para meditar sobre um deles: a soberba. Foi assim que agiu no exercício da administração pública. Como diz o ditado: depois da queda, o coice! Os demais, caberá ao judiciário absolvê-los. Ou não.

 

Assassinato

A Secretaria de Segurança tem a obrigação moral de esclarecer imediatamente a responsabilidade pelo homicídio de uma jovem que trabalhava numa loja de grife no shopping da capital. Na boca miúda os cometários sobre os rumores deste brutal assassinato têm causado estupefação e maledicência. Prometeram a prisão do homicida o mais rápido. A demora faz com que os rumores aumentem. Assim como a descrença na segurança.


Frigideira

Falando em Segurança Pública, é visível o processo de fritura do titular da pasta que está em pleno andamento. Esse processo de desgaste esconde interesses contrariados e revela uma ação orquestrada para impedir que Marcelo Bessa permaneça na pasta e no governo. A coluna não dispõe de elementos concretos para mensurar a competência ou a incompetência do secretário, mas percebe de imediato quando a chapa esquenta para os auxiliares do governo, especialmente quando o combustível para a fervura é combinado em reuniões reservadas.


Auditagem

Está disponível no site da Ordem dos Advogados de Rondônia o resultado de uma auditoria realizada pelo Conselho Federal que constatou várias irregularidades obrigando a atual gestão a cortar despesas e buscar aporte de recursos junto à OAB Nacional. Em nome da instituição foram contraídas despesas sem cobertura e superdimensionadas receitas. A seccional está literalmente empobrecida.


Registro

É com pesar, pela segunda vez este mês, que registro a passagem de um amigo para o andar de cima. Faleceu anteontem em Fortaleza, de insuficiência respiratória, o engenheiro Moura. Nos anos 90 éramos muitos próximos e frequentávamos a mesma mesa no antigo Bangalô Bar. Havia algum tempo que não tinha notícias dele. Moura deixa boas lembranças de nossas boemias no melhor 'pub' de Porto Velho, de propriedade do Macalé.

 

A bela e a fera

Melhoraram consideravelmente os programas televisivos locais. Um telejornal ancorado pelo jornalista Léo Ladeia e a  apresentadora Luana Najara, TV Candelária, em horário nobre,  é de boa qualidade. Conteúdos enxutos, esclarecedores e bem editados. Acrescido com os inteligentes comentários da fera Léo Ladeia e da boa dicção da bela Naiara começa a ganhar espaço na disputa da audiência com a principal concorrente.

  

 

Piloto

A convite de um grupo radiofônico, sediado no interior do Estado, a coluna resenha política deverá estreiar um programa. O pilotoc omeçou a ser esboçado e deverá ir ao ar todas as sexta-feiras, das 11 e 45 ao meio dia. Poderá ser ouvido a partir de Jaru até Colorado. A estreia está programada para a primeira semana de abril. Pelas negociações, a pauta e os comentários não passarão por nenhum crivo, digo, censura. Caberá a este cabeça-chata a linha editorial. E a responsabilidade dela veiculada. Me aguardem!!!!!

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 19/02/2013 18:43:45

Resenha política

Robson Oliveira

 

Gesto

A ida do governador Confúcio Moura à abertura do ano legislativo foi um gesto de grandeza, visto que o presidente da Assembleia Legislativa não perde uma oportunidade na frente dos holofotes para fustigar e criar constrangimento ao chefe do Executivo. Já o gesto do chefe do Legislativo ao receber a ilustre visita continua sendo de beligerância. Na medida dele.

 

Aloprado

A denúncia de ser alvo de um suposto dossiê ilegal anunciada pelo deputado estadual Hermínio Coelho, presidente da ALE, indicando como autor as digitais do Secretário da Segurança Pública, Marcelo Bessa, não foi novidade pra este cabeça-chata. Em maio do ano passado, numa conversa informal com uma autoridade estadual, ouvi pela primeira vez o assunto. Com uma diferença: o governador também seria alvo de supostos grampos e não autor intelectual da alopragem.

 

Fonte

Como a fonte que nos fez a revelação bombástica goza da confiança da coluna e por se tratar de uma pessoa qualificada e de uma dignidade incontestável, levei a informação a sério e caí em campo para checar: cruzei dados, ouvi sob  “off” auxiliares do Secretário de Segurança, investiguei ações desencadeadas pelo delegado antes de assumir ao cargo rondoniense e ouvi outras fontes. Nada. Não consegui confirmar a informação e optei em deixar pra lá. Minha incompetência não desqualifica a fonte, mas não escrevo uma linha sem provas.

 

Provas

Hermínio Coelho, além de acusar peremptoriamente Marcelo Bessa pela execução do suposto ardil, indicou como mandante o governador Confúcio Moura. Alegou que a suposta tramoia tem o objetivo de chantagear o chefe do  Legislativo estadual a aprovar o nome de Marcelo Bessa para o Tribunal de Contas do Estado. Lorota, para que tenha o nome chancelado Bessa necessitaria dos votos da maioria dos deputados estaduais e não apenas do seu presidente.

 

Prerrogativa

Como o denunciante não apresentou cópia do suposto dossiê nem uma mínima prova de grampos, a denúncia soa como ato preparatório para barrar qualquer nome encaminhado pelo governador que, aliás, tem a prerrogativa constitucional na ordem da indicação.

 

Dissimulação

A Assembleia Legislativa indicou Wilber Coimbra e Francisco Carvalho (ex-Chico Paraíba) nas duas últimas vagas abertas para o TCE e trama em surdina para indicar mais uma.  Apontar um governante desgastado com a opinião pública como autor intelectual do suposto malfeito caiu como uma luva para dar aparente verdade à dissimulação em curso e proteger o nome que o parlamentar esconde para impô-lo ao TCE.

 

Guardião

Desde que instituições adquiriram a engenhoca conhecida no submundo policial de 'Guardião' as denúncias de grampos ilegais se multiplicaram país afora. O STJ já colocou freios em algumas investigações que utilizaram a engenhoca ao arrepio da lei e mandou às calendas denúncias intentadas ao judiciário. Se a Secretaria de Segurança estiver envolvida em grampos ilegais, como sugere o deputado Hermínio Coelho, o caminho é uma CPI.  O resto é lorota.

 

Desgastado

A coluna teve acesso a uma pesquisa que aponta um estrago considerável na avaliação pessoal do governador e sua administração. Os números apurados (não fui autorizado a divulgá-los) revelam que Confúcio Moura vai precisar repaginar por completo o governo para tentar pensar em reeleição.  Mesmo assim, pelos percentuais, poucos acreditam que ele (Moura) seja capaz de mudar o rumo do governo, haja vista que nem ele muda seu jeito solitário de governar. 

 

WO

Os principais interlocutores do governador apostam na lei da ficha limpa para desobstruir o caminho da reeleição de Confúcio Moura. A seguir por esta premissa Confúcio estará fadado a perder para WO. Ou para um qualquer aventureiro que apareça por aí com promessas mirabolantes e arauto da moralidade.

 

Capengando

Uma coisa é certa: apostar apenas na lei da ficha limpa não é o melhor caminho para a  reeleição. Para limpar a barra com o eleitor rondoniense, em especial o servidor público, Confúcio Moura terá que viabilizar primeiro a capenga administração estadual. Outro problema é o tempo.... que nunca para.

 

Relatório

A coluna teve acesso a um relatório de engenharia que aponta várias irregularidades técnicas do movimento de veículos sobre o viaduto da capital que dá acesso à BR 364, sentido Candeias. A pressa em liberar o trânsito e falta de competência podem provocar responsabilidades civis e penais.

 

Tragédia

Pelo relatório, as autoridades que autorizaram a passagem dos veículos por cima dos viadutos podem ser responsabilizadas por uma eventual tragédia que venha a acontecer. Ocorre que, ao liberar o trânsito, não se atentaram para o projeto original que previa contenções metálicas, contenção da saia de aterro, análise de solo para conter erosões, entre outras. Nenhum desses itens foram obedecidos o que impediria qualquer possibilidade de desastre. Um engenheiro consultado pela coluna garante que há perigo.

 

CREA

O Conselho Regional de Engenharia deveria também prestar um serviço público e informar também à população sobre os problemas dos viadutos, mas anda ocupado demais em recolher dividendos multando as pessoas humildes que constroem modestas casas por aí. 

 

'Otomano'

Deus queira que nada de mal ocorra à população, mas as autoridades precisam resolver a pendenga urgente e impedir que desastres surjam por incompetência daqueles que deveriam cumprir com suas obrigações. Esses viadutos são a prova da mais absoluta incompetência de um gestor. Nada indica que o novo alcaide de Porto Velho consiga concluir aquelas obras com a brevidade almejada pelo contribuinte, mas os problemas herdados terão que ser solucionados. Por isto foi eleito. Chega de lero lero e é bom colocar o  poderoso secretário 'otomano' pra trabalhar. Com a palavra Dr. Mauro!

 

Renúncia

Após a renúncia o santo padre Bento XVI ao papado, em Cacoal a torcida é enorme para que o padre renuncie à prefeitura municipal. A diferença é que o primeiro é santo e dado a gestor nobre, o segundo, não. Os fiéis da igreja católica querem que Bento fique, os eleitores cacoalenses querem que o padre vá embora.      

 

Inflamado

Ontem, da tribuna do Senado Federal, o senador Ivo K-Sol (PP) fez um discurso inflamado contra as denúncias formuladas pelo Ministério Público Federal que, segundo o parlamentar, tratar-se de uma perseguição pessoal. O problema é que a denúncia foi recebida e acolhida pelo juiz de primeiro grau, cabendo ao senador recorrer. Ele alegou que direitos constitucionais comezinhos ao devido processo, a exemplo de ouvir testemunhas arroladas pela defesa, foram descumpridos na instrução processual. Caso este fato seja comprovado a revisão ocorrerá com tranquilidade.

 

Agressividade

Já são corriqueiras as reações destemperadas do senador rondoniense em relação as ações intentadas contra ele pelo procurador Reginaldo Trindade. Mas em todas oportunidades em que o senador ajuizou ações contra a suposta perseguição do procurador não conseguiu lograr êxito: esse deve ser o motivo pelo qual o humor do senador azeda e aumenta a agressividade quando menciona o nome de Reginaldo Trindade.

 

Controvérsias

Ivo K-Sol voltou a desmentir que estaria inapto a disputar as eleições estaduais de 2014 por causa da lei da ficha limpa. Lembrou que partiu dele a limpeza política do país quando divulgou vídeos com parlamentares tentando extorquir os cofres públicos em troca de apoio político na Assembleia Legislativa de Rondônia. A primeira fala feita da tribuna está correta: neste momento o senador ainda não está totalmente inelegível porque aguarda o julgamento de recursos no TSE. Em relação a segunda peroração, há controvérsias...

 

Suspicácia

No que pese a desconfiança dos barnabés em relação a um possível atraso dos salários pelo Governo do Estado, a suspicácia ainda não se confirmou e, pelas receitas dos últimos dois meses, dificilmente as suspeitas se confirmem. Tanto o Fundo de Participação do Estado quando as receitas próprias aumentaram consideravelmente em Rondônia. O governo já está agendando o pagamento de dívidas estocadas para honrar compromissos descumpridos. O que a coluna não descobriu é o critério a ser utilizado para priorizar as primeiras quitações.

 

Oi

Está cada dia mais complicado a comunicação com as operadoras de internet para que o consumidor resolva o problema. Nas últimas trinta horas tentei me comunicar com a oi para que informasse o problema pelo qual minha internet não funcionava. Como sempre a atendente virtual (um voz metálica gravada) não atende. A oi oferece um serviço de baixa qualidade, mas cobra religiosamente a conta em dia. Não falha nunca.  As operadoras de tefonia e internet são responsáveis pelo maior número das ações ajuizadas. Com a adesão da Justiça a era digital já começo a visualizar os problemas que aguardam os advogados brasileiros. E os prejuízos decorrentes deles. Nem um oi?  Assim é abuso.

 

Gaudério

Como a coluna da semana passada caiu na folia momesca e não saiu por aqui, registro hoje o meu pesar pela passagem para o andar de cima do amigo Nei Leal. Advogado preparado, boêmio por convicção, gaiato por natureza e violeiro por acidente. Dias antes de morrer ligou e disse: - cabeça-chata estou na tua terra, vamos comer um bode com uma rainha (cachaça paraibana conhecida pelo sua pureza e sabor incomparável)? Infelizmente, já havia retornado um dia antes pra Porto Velho. Não passou nesta cabeça deformada que o gaudério ligou pra se despedir deste leal amigo. Exatamente no primeiro dia de carnaval. Desconfio que no andar de cima encontrou Paulo Queiroz, Manelão e Juvenal Sena e fizeram a maior fuzarca com Pedro, porteiro do paraíso. Nem na última despedida perdeu a verve. Como não tenho pressa de subir e tenho pavor de altura, fico no andar de baixo a relembrar dos causos que Nei Leal contava aos amigos em comum. E tomando todas por ele. Dê lembranças ao PQ, ao general da Banda e ao Biuva. E não faça fofoca de mim ao Homem!

 

 

 

« 1 ... 49 50 51 (52) 53 54 55 ... 65 »