Resenha Política - Resenha política-Robson Oliveira - Notícias
« 1 ... 44 45 46 (47) 48 49 50 ... 54 »
Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 24/07/2012 09:43:09

urrando O novo Secretário de Obras do Estado, Lúcio Mosquini, ao contrário do antecessor, mostrou em poucos dias quanto é operante e cobrou dos colaboradores ações concretas para concluir a obra do novo centro administrativo estadual. Aliás, a única ação concreta do ex-secretário foi revelar que na obra há uma "cabeça de jumento enterrada". Há quem diga que o jegue estava vivo e atravancando a sua conclusão. Retirado da obra, foi para o brejo zurrar.

Coxias Com a proximidade da aposentadoria compulsória de José Gomes, Conselheiro do Tribunal de Contas, em surdina começam as movimentações nas coxias do Palácio do Governo de Rondônia pela vaga a ser aberta. A mesma movimentação começa a ser percebida na Assembleia Legislativa.

Ungido Três nomes começaram a ser especulados: Elizete Lionel, Marcelo Bessa e Juscelino Amaral. Não há ainda um favorito, já que as apostas recaíam sobre Assis Oliveira, cunhado do governador (desistiu de concorrer ao cargo por razões óbvias). Mas para que a indicação seja consumada os pretendentes vão ter que se esmerar para convencer os senhores deputados estaduais, visto que caberá ao Poder Legislativo a aprovação do nome a ser escolhido pelo chefe do Executivo. Como o governador é dado a surpreender, pode ser que outro nome sem expressão seja ungido.

Defensiva Mário Sérgio, candidato a prefeito de Porto Velho pelo minúsculo PMN, fez o que os manuais de candidatos vetam a cada um que disputa cargos: evitar convocar entrevista para justificar boatos. Ora, remédio para boatos é não dar dimensão a eles nem credibilidade. Uma nota resolvia a maledicência.

Exposição Mário Sérgio e os seus assessores terminaram expondo uma crise da campanha que ainda estava circunscrita às entranhas da coligação. A verdade é que foram feitas promessas aos candidatos a vereador dos partidos da coligação antes da convenção que não estão sendo cumpridas. A gritaria é geral e a insatisfação com o candidato a prefeito é enorme. Já há candidato a vereador da coligação de Mário Sérgio fazendo campanha com outro candidato a prefeito. Se continuar no improviso a campanha se esvai antes de conseguir visibilidade.

Murchou Festejada por alguns veículos de comunicação como uma boa novidade nas eleições da capital, a menina Mariana Carvalho (PSDB) não está conseguindo confirmar as apostas iniciais e leva uma campanha capenga, sem criatividade nem alegria. Bem diferente de como aparecia quando ainda era pré-candidata. A verdade é que a empolgação jovem desapareceu.

Confusão A candidata do PT, Fátima Cleide, ainda tem que juntar os cacos do ‘petismo’ e definir se vai defender a administração do seu correligionário Roberto Sobrinho ou se juntar às vozes críticas da oposição à administração municipal. A confusão entre seus seguidores e a do prefeito deixaram rusgas e não está superada. Um péssimo sinal para uma campanha que tem como força motriz a militância partidária.

Só Igualmente ao PT, a campanha do peemedebista José Augusto precisa unir as alas dissonantes do partido. Principalmente agora que um dos seus dirigentes de Porto Velho (Aberladinho) foi colocado no olho da rua pelo governador Confúcio Moura, outro peemedebista histórico. Zé está só na campanha e tendo que se explicar do desempenho pífio do governador.

Noviço Totalmente noviço na política, o candidato do PPS, Mário Português, cumpre uma agenda preestabelecida pelos coordenadores da campanha e evita improvisar para não cometer gafes. Cedo ou tarde o temperamento vem à tona e vai cometer algum.

Dupla abastada Ainda patinando nas pesquisas divulgadas por aí, o Português em si é uma boa pessoa, mas carrega uma camarilha nada digesta. A coordenação da campanha tem acertado no ritmo já que grana não falta. Nem faltará. Mário é milionário e o vice, um “Zé” Rico. Em quinze dias não melhorando os percentuais vira um Titanic.

Leve Já Mauro Nazif, candidato do PSB, sempre ostentou uma fisionomia carrancuda, pesada e com uma impostação de voz parecida como de mordomo de filme de terror. Hoje, melhorou a imagem e suavizou a aparência. A conduta política é irretocável. Semana passada voltou ao noticiário nacional por ser o deputado federal, entre 513, que menos deu despesa ao contribuinte. Uma raridade em tempos de enxurrada de cachoeiras. Esta campanha começa a ter a fisionomia limpa dele. Seu principal adversário é ele próprio.

Azarão Experimentado nas urnas com duas eleições vitoriosas para a Câmara dos Deputados Lindomar Garçon, candidato do PV, continua mostrando que tem fôlego nas urnas e está bem postado em qualquer sondagem feita sem manipulação. Esse é o concorrente que Mauro e Fátima devem ficar esperto. Na hipótese de crescer três ou cinco pontos nas próximas semana começará a colocar em perigo os panos de um dos dois adversário. Não adianta dizer que Garçon é um azarão.

Dificuldade O pastor Aluísio (amigo do escriba) ainda não colocou a campanha na rua. As dificuldades são imensas para quem tem como principal argumento a palavra. E a fé. Ele tentará fazer a diferença na TV, mas sabe que as condições de disputa com os adversários são incomensuravelmente opostas. O que abunda na campanha do Português é excassa na do pastor.

Aperto Em Ji-Paraná, onde todos imaginavam que a campanha de Jesualdo Pires (PSB) seria um passeio, eis que a única opositora, a vereadora Solange Pereira (PMDB) começa a engrossar e obrigar o favorito a imprimir um ritmo de campanha diferente daquilo que havia programado. A coordenação da campanha de Jesoaldo percebeu o ataque e acelerou a campanha para evitar um surpresa inesperada. Vai ser uma disputa apertada, anotem aí.

Tranquilidade Quem está administrando as campanhas com certa tranquilidade são os candidatos Alex Testoni de Ouro Preto, Glaucione Neri em Cacoal, Lourival Amorim de Ariquemes, Dr. Célio em Espigão e Cesar Cassol, em Rolim de Moura. Nos demais a briga é grande.

Digitais Uma empresa cearense está para abocanhar um grande contrato de empréstimo consignado. Pelos corredores do Congresso Nacional membros da bancada federal falam abertamente sobre as digitais de uma pessoa que anda sendo o "conselheiro" da tal empresa. Dizem que o 'jabá' da autoridade tem um colesterol bem acentuado (gordo).

Renovação A coluna recebeu três dezenas de emails instando a tecer alguns comentários sobre a candidatura do advogado Andrey Cavalcanti para a presidência da Seccional da OAB rondoniense. A princípio iria tocar no assunto somente em setembro quando a campanha pela seccional começa a esquentar. Mas como fomos instados, a coluna reconhece no advogado uma excelente opção o que é bom para oxigenar a instituição. Andrey é um profissional respeitado, uma pessoa querida, correta e solidária. Atribudos essenciais para quem almeja alçar voos em liderar os advogados rondonienses. É o que denominamos: candidato da melhor qualidade. E qualificação!

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 10/07/2012 23:17:36

Resenha política

Robson Oliveira



Mudanças

A Direção Estadual do PMDB deverá mudar de presidente interino com uma possível renúncia do respeitado advogado Orestes Muniz da primeira vice-presidência. Oreste assumiu a presidência estadual do partido desde que o titular, Senador Valdir Raupp, passou a responder pela presidência do PMDB Nacional.


Unanimidade

O PMDB, com a renúncia do primeiro vice-presidente, reunirá sua executiva para eleger um novo membro para a vaga. Hoje é unânime que o nome mais indicado é o do suplente de senador Tomás Guilherme Correia. Portanto, caberá a Tomás a condução das eleições municipais em nome da legenda.

Titularidade

Aliás, ele (Tomás Correia) deverá também assumir nos próximos dias a titularidade no Senado Federal, com a licença do senador Valdir Raupp. Há dez anos na suplência que Tomás aguarda tranquilo a vez para assumir o cargo de Senador da República. Eis aí um político merecedor da convocação.

Grude

Os responsáveis pela campanha eleitoral do candidato Mário Português (PP) perceberam a tempo que seus concorrentes tentam grudar no candidato estreante a pecha de ser ungido à política na companhia de dois ex-governadores que ficaram conhecidos pelas relações conflituosas com os servidores públicos. E começam a tentar afastar o candidato do grude dos dois inconvenientes apoiadores.



Lembrando

Para quem não se lembra, foi no governo de José Bianco (DEMO) que mais de dez mil servidores estaduais foram posto no olho da rua sem direito sequer as remunerações indenizatórias.

Lembrança II

E foi nos dois governos de Ivo K-Sol (PP) que os servidores públicos tiveram suas representações sindicais e suas reivindicações tratadas ao tacape. Inclusive com impropérios contra o levante feito pelas esposas dos militares que reivindicavam melhores soldos aos maridos, membros da gloriosa PM.

Abastados

Apesar das justificativas evasivas dadas pelo candidato a prefeito pelo PP, Mário Português, a troca do vice-prefeito foi providenciada para minimizar o desgaste que o DEMO provocou na campanha e junto aos barnabés. Com José Genaro, cessaram as críticas. A dupla começou a ser chamada de: Milionário e Zé Rico. Abastados, grana é o que não vai faltar à campanha.


Laranjal

No que pese os cinco milhões declarados na Justiça Eleitoral pelo candidato Mário Português (um trocado para ele), dizem que é de conhecimento público que ele é o verdadeiro proprietário da maior distribuidora do Norte: Coimbra. A empresa vale trinta vezes mais. Com os filhos são herdeiros naturais não podem ser chamados de laranjas.

Declaração

Ao analisar cada imóvel declarado pelos candidatos a prefeitos verificamos que os preços estão no mínimo subavaliados. Bastaria que declinassem o endereço completo dos tais imóveis que os preços declarados seriam facilmente desmascarados.


Declaração II

Um dos candidatos nomeou um apartamento na cidade do Rio de Janeiro com um preço avaliado em sessenta e um mil reais. Nem no morro da curica (favela carioca entre o morro do juramento e o do buraco do padre) uma sala e quarto custaria apenas esta ninharia.

Declaração III

Não há no Candeias do Jamari nenhuma propriedade rural com a localização de um dos candidatos ao preço módico de duzentos e oitenta mil reais. Uma chácara bem localizada na mesma área e com apenas dois alqueires custa mais que a do Garçon.


Declaração IV

Verificando apartamentos a venda nos classificados porto-velhense vamos encontrar alguns similares aos do edifício Millennium com preços bem acima dos declarados por outro candidato a justiça eleitoral. Assim como não é possível encontrar terrenos urbanos na rua Alexandre Guimarães com preços de dezessete mil reais. Nem terra em unha custaria apenas isto.



Declaração V

Somente a casa da fazenda HG declarada a justiça eleitoral custaria a bagatela de quinhentos mil reais para ser erguida. Imagine somar a isto as benfeitorias: porteiras, pasto, colcheiras, barragem, usina de energia, bretes, entre outros. Ainda mais se nela computarmos o gado e os carneiros existentes.

Pecado

Nem o candidato do PSOL, proprietário de um apartamento localizado na Avenida Rio Madeira, escapou do pecado da declaração subavaliada ao indicar um bem neste endereço por apenas vinte e cinco mil reais. Um fiteiro no local não custaria menos.



Ocultou

A candidata petista não declarou nenhum automóvel. Pode ser que não tenha mesmo nenhum veículo em seu nome, mas precisa explicar a quem pertence o posante carro com ar condicionado que a transporta todos os dias pela cidade. De buzão é que ela não anda há longos anos.

Escroque

O comitê eleitoral do candidato a prefeito da capital pelo PV, Lindomar Garçon, deveria tomar muito cuidado com uma proposta feita por um dublê de marqueteiro: totalmente queimado na área e causador de problemas jurídicos aos candidatos para quem prestou algum 'trabalho'. Autodenominado de ‘marqueteiro anarquista’, o indigitado não passa de um amador indesejável e tecnicamente superado. Além de ser um escroque.

Desgastado

Os partidos que dão sustentação ao governo e ocupam cargos no primeiro escalão seguiram seus próprios caminhos sem consultar o “líder” maior. Há quem justifique o distanciamento dos partidos da base devido o desgaste que vem sofrendo a administração estadual. Ademais, dizem que o próprio mandatário evitou conversar sobre eleições municipais. E também não foi procurado.



Azarão

Com vinte e dois mil votos obtidos apenas no colégio eleitoral da capital, nas eleições estaduais passadas como candidato a Senador, o pastor Aluísio (PSOL) entra na disputa pela sucessão de Roberto Sobrinho como um azarão. Na hipótese de repetir o desempenho (o que não é fácil) corre o risco de deixar um dos candidatos do chamado “campo popular” fora do segundo turno. O eleitor da capital gosta de aprontar surpresas. Os exemplos são fartos.


Sucesso

O candidato do PSOL tem um discurso enxuto, moderno, forte e com apelo popular. Para quem não sabe, ele é sucesso de audiência num programa radiofônico diário abordando questões sociais polêmicas e cotidianas. Um azarão puro sangue. É bom os concorrentes não subestimarem.



Habilidade

Enquanto todos davam como certo que Mauro Nazif (PSB) teria ficado isolado pela disputa da prefeitura de Porto Velho, eis que deu a volta por cima e arrancou do PT o apoio do PDT. Foi o candidato que mais ganhou em capilaridade popular com a indicação do radialista Dalton de Franco de vice. Resta saber se conseguirá manter a curva ascendente nas pesquisas oficiais (sem manipulação) que vão pipocar por aí.



Saindo do coma

O Governo de Rondônia inaugurou uma unidade hospitalar nova para tratar pacientes acometidos com o câncer. As instalações e os equipamentos são da melhor qualidade. Como a coluna vem sendo crítica a política de saúde de Confúcio Moura desde o início do governo, abre espaço hoje para render elogios. Ainda com a área em coma devido as condições precárias do João Paulo II, Moura promete novas melhorias com a inauguração das UPAs e de um outro hospital. A ver.

Asfalto

Outro que decidiu trabalhar (pena que somente agora) foi o prefeito Roberto Sobrinho. Não há um bairro nem avenida que não tenha uma obra em andamento. A malha asfáltica das principais vias de acesso ao centro da capital está sendo recuperada. O alcaide não tem agradado nem os companheiros de partido, PT. Antes tarde do que nunca!


Exaustão

Quase duas décadas mandando e desmandando na política jaruense a família “Moleta” entra mais uma vez na disputa pelo paço municipal, com a candidatura a reeleição do sobrinho Jean, dando sinais de exaustão. Sônia Cordeiro , candidata do PT, é a principal concorrente no momento com musculatura para destronar os 'moletas' e o PMDB da prefeitura. Vai ser uma disputa e tanto em Jaru.

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 03/07/2012 19:53:49

Resenha política
Robson Oliveira

Manobras
A primeira etapa dos candidatos que é a homologação da candidatura pela convenção partidária foi concluída sem maiores novidades. A segunda etapa, que são os registros, é mais complicada porque nos bastidores muitas manobras são feitas pelos dirigentes para abrigarem interesses publicamente inconfessáveis. Portanto, senhores candidatos, especialmente a edilidade, olho vivo nas atas.

Vices
Quem mais tem chamado a atenção das candidaturas majoritárias são os candidatos a vice. Verificando um a um, muitos deles são um fardo a ser carregado pelo titular da chapa. O destaque maior fica por conta do vice da chapa tucana: o ninho virou um serpentário, visto que nas redes sociais estão detonando o 'xaropinho'.

Vice II
Esta coluna havia avisado (março passado) aos leitores não engajados que o lançamento da candidatura a prefeito do presidente do PR, Miguel de Souza, era um blefe. A informação chegou a ser contestada quando disse que o lançamento era uma estratégia para conseguir a vaga de vice na chapa petista (cf. coluna da época).

Coadjuvante
Prego batido, ponta virada: Miguel de Souza é mais uma vez candidato a vice. Nas eleições estaduais passadas foi vice do PSDB e agora do PT. Um doce para quem adivinhar de quem Miguel vai coadjuvar nas eleições estaduais de 2014.

Indicativo
Quem ainda duvidada que o atual prefeito da capital Roberto Sobrinho (PT) não apoiaria a sua 'companheira' de partido (Fátima Cleide) acertou. A certeza veio com a revelação da convenção do PMN onde familiares do alcaide gritavam efusivamente o nome de Mário Sérgio, candidato da coligação PMN, PTB e PCdoB. Mário foi Secretário Municipal de Sobrinho nos dois mandatos.

Baderna
Ninguém conseguia se entender na convenção do PMDB que indicou o médico José Augusto candidato a prefeito. Apesar da bagunça na convenção, os peemedebistas acertaram em lançar candidatura própria e tentar aumentar a representação na edilidade em Porto Velho. Como é uma eleição sem favoritos, José Augusto aposta em operar um milagre para ir ao segundo turno. Tarefa hercúlea para um partido muito criticado na esfera estadual.

Titanic
Enquanto não aparecer nenhuma pesquisa confiável para avaliar os nomes confirmados nas convenções é difícil um prognóstico mais acurado. A candidatura do milionário Mário Português (PP), por exemplo, pode vir a ser um titanic caso não consiga pontuar em dois dígitos nos próximos quinze dias.

Bicudos
O jornalista Arimar de Sá, em seu programa radiofônico de ontem, revelou que durante a convenção do PP o candidato a prefeito Mário Português e o senador Ivo K-Sol divergiram publicamente devido à escolha do Airton da Social (DEMO), para compor como vice-prefeito. O senador preferia outro nome. Airton é neófito em política e o padrinho, José Bianco, ficou marcado como algoz dos servidores públicos.

Quiproquó
Os dois (K-Sol e o Português) são conhecidos pelos temperamentos hostis quando contrariados, o que exigirá dos coordenadores da campanha muita paciência e tolerância com o quiproquó que os dois tendem a patrocinar. Não será surpresa um eventual choque mais cedo do que se imagina.

Kamikaze
Lindomar Garçon (PV), antes o mais cortejado pelos demais candidatos para compor como vice-prefeito, confirmou a candidatura com apelo popular, mas ficou isolado, o que exigirá uma campanha altamente competente para sobreviver ao pouco tempo de TV que terá para explicar suas propostas. Na hipótese da candidatura naufragar, coloca em risco o principal projeto que é retornar à Câmara Federal em 2014. Uma aposta arriscada.

Milagre
Em Cacoal a deputada estadual Glaucione Neri (PSDC) conseguiu reunir a maioria absoluta dos partidos em torno de sua candidatura para enfrentar o candidato petista à reeleição, Padre Franco. Observadores apostam que nem com reza forte o padre impede a ascensão da deputada. Mas padre que se preza sempre acredita na ressurreição e no milagre. Pode ser que salve a alma, mas salvar o cargo está difícil.

Rede Sociais
As eleições de rua nem começaram pra valer, mas nas redes sociais estão bombando. O curioso é a quantidade de críticas e insultos que são alvos os candidatos aprovados nas convenções. Em especial os vices da capital. Isso significa mudanças urgentes nas estratégias eleitorais para que candidaturas não afudem antes mesmo de começarem a surfarem nos programas de TV e rádio, ferramentas de Comunicação que vão definir a disputa. Os "malas" decidiram sair da toca. E as redes sociais estão vigilantes.

Demissões
O Diário Oficial do Estado saiu nesta segunda-feira com uma lista grande de servidores exonerados de cargos comissionados da Secretaria Estadual de Administração. O MP havia alertado ao governador sobre o número excessivo de comissionados naquela pasta. O problema é que foram nomeados para suprir a defasagem de outras secretarias até que uma reforma administrativa prometida fosse efetivamente feita. O que não ocorreu.

Constrangimento
As promessas feitas pelo ex-deputado estadual Haroldo Santos aos moradores de área de reserva ambiental, em Machadinho, estão na contramão da política fundiária e ambiental proposta pelo Governo do Estado. Essas promessas ainda vão criar constrangimentos ao governador, haja vista que o ex-parlamentar se apresenta como porta-voz do chefe do executivo.

Suspiro
No que pese os esforços feitos pelos sindicalistas, Governo do Estado, parlamentares federais e Assembleia Legislativa para que a transposição dos servidores públicos alcançasse os contratados até o ano de 1991, o clima em Brasília é de desilusão pela forma irracível da AGU em não acolher as justificativas apresentadas. A AGU alega carência de fundamentação jurídica para impedir que os contratados até 1991 sejam contemplados com a transposição.

Política
A querela da transposição saiu do campo jurídico para enveredar ao político, ou seja, a decisão agora é essencialmente de cunho político. Com a palavra a senhora presidente da República Dilma Rousseff, a mesma que ano passado anunciou em Porto Velho agilidade nesse processo de transposição, sem os óbices que agora a AGU argui para impedir que sejam alcançados seus efeitos aos servidores estaduais contratados até 1991.

Peixe
Nos bastidores da CPI que investiga as estripulias patrocinadas por Carlinhos Cachoeira e agentes públicos, o que mais tem causado furor é um vídeo com cenas eróticas de uma moiçola da CCJ com um assessor de um Senador, além da volúpia e voracidade pela qual se desmanchou nos braços de um parlamentar acostumado a marcar gol de placa. Já a CPI do Cachoeira, de fato, virou cascata. É isso aí "peixe".

Agitador
Carlinhos Maracanã, agitador cultural porto-velhense, conseguiu reunir num mesmo espaço o que tem de melhor da boa música popular todas as tardes de sábado, no bar do Ceará, final da Calama, bairro Aponiã. Caté, Russo, Bobi, Léo, entre outros, cantam o que tem de melhor do repertório da música popular brasileira. Carlinhos é um show a parte. Coferi o ambiente, decidi alivar as tensões contidianas e o sufocante calor do sábado me deliciando com a boa música e saboreando uma 'loira gelada'. Vale a pena uma visita.

robsonoliveirapvh@hotmail.com

Resenha Política : Resenha política-Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 28/06/2012 16:08:18

Eleições

Os partidos têm até sábado para definir os seus candidatos a prefeitos e vereadores. Na capital, por exemplo, não havendo surpresa, cinco candidatos vão às urnas para suceder o petista Roberto Sobrinho. Nenhum deles, por enquanto, é favorito. Uma coisa é certa: a decisão vai ficar para o segundo turno. Bem diferente da eleição municipal que reconduziu Sobrinho ao segundo mandato.

Zebra

Pelos nomes indicados por aí, exceto dois, os demais candidato ao paço municipal de Porto Velho apostam na reedição de uma zebra (igual àquela que elegeu Roberto Sobrinho pela primeira vez). E não estão equivocados, visto que o eleitor do maior colégio eleitoral de Rondônia sempre deixou para definir o voto nos últimos dias da campanha. Desmentindo os índices apurados e divulgados pelos institutos de pesquisas.

Indecisão

Preocupado com a repercussão negativa da união entre os petistas e os malufistas nas eleições municipais de São Paulo, Mauro Nazif (pré-candidato da capital pelo prefeito do PSB) está indeciso em fechar um acordo com os DEMOS, temendo uma repercussão negativa junto aos barnabés.

Peia

A indecisão de Nazif tem suas razões: o DEMO é o mesmo partido de José Bianco, governador que mandou ao olho da rua dez mil servidores públicos estaduais e ainda desceu a peia nos grevistas que protestavam na frente do Palácio sob os gritos do então deputado estadual Mauro Nazif. Na época, até o deputado levou uns safanões.

Isolamento

O problema é que Nazif ficou isolado para disputar uma eleição com um tempo de TV bastante reduzido em relação aos demais concorrentes. Portanto, necessita urgentemente de uma legenda que agregue tempo para poder colocar no ar um ‘palanque eletrônico’ em igualdade de condições. O DEMO é o único partido disponível na praça em condições de romper o isolamento e aumentar o tempo do programa de rádio e televisão do pré-candidato socialista.

Pragmatismo

No que pese a eventual incongruência, conspira em favor do Dr. Mauro as coligações esdrúxulas feitas pelos demais concorrentes país afora. Alguns exemplos são a junção do PMN com os comunistas, do PT com o malufismo paulista, do próprio PT com os Demos paraibanos, do PCdoB com Ratinho Filho em Curitiba, do PT com PSDB... E por aí vai. Estas eleições vão ficar marcadas pela miscelânea política que os caciques tentam maquiar dando o nome pomposo de pragmatismo. Que Nazif seja mais um pragmático, sem nenhum problema, segundo essa lógica.

Reconciliação

Depois de muitas resistências, os petistas e peemedebistas se reaproximaram e tendem a reeditar a mesma coligação que reelegeu Roberto Sobrinho. Os caciques municipais das duas legendas estão ultimando os últimos detalhes para anunciar que vão às urnas coligados: PT na cabeça e PMDB de coadjuvante.

Rendição

O PMDB bem que tentou uma candidatura própria, mas de última hora o nome mais competitivo disponível na legenda, David Chiquilito Erse, desistiu definitivamente de ser ungido na convenção como o candidato do PMDB. O outro pré-lançado, Dr. José Augusto, patina e está sendo convencido a desistir e aceitar figurar de vice na chapa de Fátima Cleide (PT). Assim salva o partido de um vexame maior.

Bicudos

As relações entre petistas e peemedebistas na capital nunca foram boas. O convívio com o prefeito Roberto Sobrinho foi de tolerância, mas com a ex-senadora Fátima Cleide (principalmente decorrente dos seus principais assessores) sempre foram hostis. Mesmo que fechem um acordo para as eleições da capital, ganhando as eleições, as relações futuras estarão fadadas a piorar. Em Cacoal ocorreu algo semelhante.

Incógnita

Anunciada com exclusividade desta coluna, a candidatura do milionário empresário Mário Português pelo PP é ainda uma incógnita para os analistas de plantão. Sem experiência nas urnas e portador de um temperamento áspero, o candidato estreante é uma incógnita.

Abduzindo

O inventor da candidatura, senador Ivo K-Sol (PP), avalia que a administração petista é desastrosa, abrindo um caminho fértil para uma candidatura fora do convencional, ou seja, um nome novo, com uma história bem sucedida de vida e alheio ao mundo político. Com esta avaliação o senador acredita que o empresário vai abduzir o eleitor e vencer as eleições. Será? É o que veremos quando o jogo começar.

Dúvidas

Lindomar Garçom, pré-candidato do PV, revelou à coluna que está em dúvida sobre a candidatura a prefeito de Porto Velho. Ele ainda conversa com os demais partidos e pode desistir da pretensão e anunciar apoio a outro candidato.

Insistindo

Já Miguel de Souza, pré-candidato do PR, insiste na postulação mesmo tendo sido abandonado pelos partidos que divulgaram ano passado que estariam unidos este ano. Quando esta coluna avisou que o anúncio não passava de bazófia, seus assessores reagiram inconformados. Agora engolem a realidade. Nua e crua!

Lembrando

Em março passado esta coluna havia alertado que estaria para estourar um escândalo em Rondônia envolvendo precatórios. Alertou ainda que poderia ser um dos maiores do país. Agora vem por aí mais um barulho. Aguardem!

Transposição

Ontem (QUARTA-FEIRA,27) , em Brasília, quando todos acreditavam que o decreto regulamentando a transposição sairia sem atender às reivindicações dos sindicalistas rondonienses, eis que a bancada federal deu uma cartada ousada que obrigou o Governo Federal a abrir novas negociações.Ameaça

Os parlamentares federais de Rondônia, em reunião com a Ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffman, ameaçam romper com o governo caso não fosse estendido aos servidores estaduais contratados até 1991 o direito de serem transpostos aos quadros federais.

Recuo

O governo federal cedeu e determinou a AGU que voltasse a analisar a documentação encaminhada pelo Governo de Rondônia antes de bater o martelo. O recuo foi entendido pela comissão sindical e pelos parlamentares como um sinal de avanço nas negociações. A verdade é que a AGU é contra que o decreto alcance os servidores contratados até 1991. Segundo ela, por falta de esteio legal.

Retrocesso

Enquanto o governador empenha todo apoio político favorável à tese dos sindicalistas para que a transposição dos servidores alcance seus efeitos até 1991, a Procuradoria Geral do Estado está na contramão e tem dado munição à AGU para que faça exatamente o contrário.

Explicando

É da PGE rondoniense o entendimento jurídico de que aqueles servidores contratados sem concurso público são celetistas. Esta posição jurídica impede que sejam transpostos para os quadros da União. Caso não mude de entendimento, a PGE vai colocar o governador em saias justas. Aliás, peça íntima que vai desnudar o conteúdo deste governo.

Frigideira Quem tem melhor desempenho na administração Confúcio Moura é alvo da frigideira 'amiga'. Quem não tem correspondido com o cargo confiado (borbulham) fica alimentando intriga. Ontem, por exemplo, recebi um email de um Secretário detonando outro. Precavida com este tipo de queimação e calejada com essas manobras de bastidores, a coluna caiu em campo para verificar e concluiu que tudo não passava de brigas pessoais. A culpa é de quem um dia escreveu num blog desativado que adorava um mexerico. Tá aí o resultado. Todo dia um vai ao fogo brando. Até queimar.

Resenha Política : Resenha Politica por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 12/06/2012 13:57:36



Resenha política

Robson Oliveira


Raízes

Uma ação coordenada pelo Ministério Público do Amapá descobriu um esquema bem parecido com o que funcionava no Poder Legislativo de Rondônia, envolvendo parlamentares em malfeitos. As raízes do rolo amapaense possuem ramificações por aqui.


Conexão

Uma fonte amapaense revelou à coluna que o modus operandi descoberto são conexos ao rondoniense, visto que envolve os mesmos personagens e as mesmas empresas fisgadas pela 'Operação Termópilas'. Isso significa dizer que, assim como no Amapá, uma nova operação deverá ocorrer no Legislativo de Rondônia.


Confirmação

Nos corredores do Congresso Nacional surgiu a informação de que membros do MP rondoniense foram ao Estado do Amapá recolher documentos que provam a conexão entre os malfeitos de lá com os de cá. A coluna ligou para uma autoridade amapaense que confirmou os fatos e a visita dos colegas rondonienses.


Barulho

Uma nova operação está sendo preparada para desvendar outros malfeitos que tiveram início ainda na administração anterior e que permaneceram sugando recursos do Sistema Único da Saúde (SUS) na atual. Tudo culpa dos novos mandatários que deixaram nos cargos estratégicos pessoas que foram cooptadas há pelo menos oito anos e que funcionam como elo entre os operadores dos malfeitos. Haja barulho.


Incólume

Quem pensa que essas operações dos órgãos fiscalizadores dos recursos públicos não alcançarão a administração da capital está completamente enganado. A coluna soube por uma fonte segura que a 'viúva' de Porto Velho está na mira e não passará incólume desse barulho.


Ameaça

Na boca miúda falam que o trabalho firme de combate aos 'cartéis' coordenado pelo Procurador Geral de Justiça do Estado, Heverton Aguiar, tem incomodado tanto ao braço político que há evidências concretas de ameaças contra a integridade física do procurador. Este tipo de intimidação é uma ameaça ao Estado de Direito.


Homicídio

Por falar na simbiose entre política e malfeitos, está para emergir mais um escândalo envolvendo um ex-parlamentar com crime de mando, ou seja, homicídio. Os crimes perpetrados ainda estão em fase de investigação. Mas os indícios do envolvimento do político são fortes e robustos.

Fantasmas

O governador andou se queixando da forma inexorável de atuação de um desses órgãos encarregado de fiscalizar o governo. Ao formalizar a lamúria foi surpreendido com uma lista de oitocentos apaniguados nomeados para exercer função comissionada numa única Secretaria. As dependências da secretaria sequer comportam uma centena de apaniguados e mais os servidores efetivos.

TRT

Os leitores desta coluna ficaram sabendo em março passado que ia estourar um escândalo a partir dos milionários precatórios pagos pela União em Rondônia. Tomaram conhecimento ainda que poderia ser um dos maiores do país.


Cautela

Pelos fatos relatados a este escriba trata-se de um processo intrincado e com nuances complexas. Não é possível na atual fase de investigação apontar peremptoriamente todos responsáveis pelos eventuais malfeitos. No que pese existirem sinais e digitais fortes de fraudes ao Tesouro Nacional.


Mixaria

Quem ouviu uma conversa entre Alan França (PSL), o vereador Mário Sérgio (PMN) e um foca (jargão que designa aprendiz de repórter) no restaurante 'Mixaria' atesta o que esta coluna vem assegurando desde o lançamento da pré-candidatura a prefeito do vereador pelo PMN: é um blefe. Entre uma marmita de sopa gordurosa e outra o trio aproveitou para desancar desafetos.


Intriga

Uma autoridade palaciana deveria abrir os olhos e ouvidos para alguns que o rodeiam. Secretário adjunto até outro dia, um bebedor de sopa gordurosa anda zombando da pré-candidatura a vereadora na capital da esposa dessa autoridade. A intriga tem como alvo a antessala do palácio Getúlio Vargas.


Seletivo

O artigo "Julio Olivar, o Secretário Seletivo"... de autoria do professor Francisco Xavier Gomes publicado nos sites deveria ser entendido pela Secretaria de Educação como um alerta, ao invés de crítico.


Estupidez

Contratar professores sem habilitação para atuar em área diversa à profissão é no mínimo irresponsabilidade. Não há nada que justifique tamanha estupidez. O mestre tem toda razão quando diz que o ato do secretário poderá provocar a queda dos índices de avaliação da educação rondoniense. Aliás, índices inconsistentes e nada seletivos.


Meritocracia

Ao conceder a primeira entrevista coletiva, após vencer as eleições estaduais, numa sede campestre de uma entidade patronal em Porto Velho, Confúcio Moura anunciou que utilizaria o critério do mérito para compor o corpo do primeiro escalão do governo. Um ano e meio depois do anúncio, o critério foi enviado às calendas por ele próprio. Com raras exceções, o time é de várzea.



Transposição

Bastou a caravana de servidores públicos rondonienses que protestam para que a transposição seja agilizada desembarcar na Capital Federal para que o Governo Federal encontrasse uma vaga na agenda da ministra do Planejamento. Os servidores vão ser recebidos pela ministra e pelo Secretário da Presidência da República para tratar da transposição. A agenda lotada era a desculpa utilizada pelas duas pastas para evitar reuniões sobre o assunto, visto que é dado como certo que o Governo Federal só aceitar a transposição dos servidores contratados até o ano de 1987. Não outras saída senão a pressão.

Frio
Apesar das noites frias de Brasília, a caravana rondoniense está disposta à manter firme a pressão até que o Governo Federal acate a proposta dos sindicalista de Rondônia em anunciar decreto que regulamenta os servidores aptos a serem transpostos aos quadros federais. E exigem cumprimento dos acordos firmados para que atinja os servidores contratados até o ano de 1991. O que é muito justo.

Apoio
A atitude do governador em declarar publicamente apoio a ida da caravana dos servidores a Brasília para pressionar o Governo Federal, além de corajoso, é um ato altamente significativo do ponto de vista político. Informado, o Palácio do Planalto não gostou. O apoio merece registro e elogios. Ponto para o governador que andou em litígio com as categorias.

Posse
O suplente de senador Tomás Correia (PMDB), ex-deputado estadual e ex-prefeito da capital, deverá assumir o Senado Federal por 120 dias. É que o titular da vaga, senador Valdir Raupp, deverá pedir licença por este período. Esta será a primeira vez que Tomas assume a vaga em dez anos sendo suplente do senador valdir Raupp. Quem ganha com a posse é o Congresso Nacional um parlamentar com um discurso firme, ágil e ferino. Tomás Correia sempre dignificou os cargos pelos quais exerceu, inclusive quando foi sabotado pelos seus pares na administração de Porto Velho.

Vice
Os petistas estão a procura de um vice para Fátima Cleide. Andaram conversando com o PMDB, com o PCdoB e com os partidos denominados nanicos. Um 'cardeal' da legenda informou a coluna que o nome do vereador Mário Sérgio (PMN) é hoje o mais cotado para a vaga. Aceitando, a coordenação da campanha de Cléide pacifica a relação com a administração de Roberto Sobrinho. Que ainda não é boa!

Reação
Criticado por esta coluna (entre outras) pelos buracos e poiera que assolam as principais ruas de porto Velho, o prefeito Roberto Sobrinho (PT) começa a reagir ao pavimentar várias avenidas e ruas de bairros periféricos. A população agradece. Com diz o ditado: antes tarde do que nunca.

Indignação
É grande a gritaria contra as exorbitantes contas de energia elétrica depois que a Ceron utilizou como critério a média de consumo mensal para aferir novas contas. Quando o consumidor vai ao posto da Ceron para reclamar e conhecer como foi feito o cálculo, ninguém sabe informar com precisão como a Ceron aferi a média. A indignação é enorme dos consumidores. Não quitando a conta exorbitante o corte é certo. Um choque pra qualquer um.

Eleições
A coluna conseguiu acesso a uma pesquisa eleitoral feita nos principais colégios eleitorais do estado e verificou que nem todos os pré-candidatos lançados e anunciados como favoritos estão bem na foto. Não podemos declinar os números porque não foram registrados no TRE, mas podemos afirmar que vem surpresas por aí.

« 1 ... 44 45 46 (47) 48 49 50 ... 54 »