Resenha Política - Resenha Política - Notícias
« 1 ... 44 45 46 (47) 48 49 50 »
Resenha Política : Resenha Política
Enviado por alexandre em 03/11/2011 16:37:11

Resenha política
Robson Oliveira


Lorota
As ameaças feitas pelo PPS e PT contra o deputado federal Moreira Mendes e o estadual Hermínio Coelho por deixarem as respectivas legendas e se filiarem ao PSD não passam de uma lorota.

Exceção
PPS e PT dizem que vão à justiça para recuperar os mandatos dos dois parlamentares infiéis e, consequentemente, a cassação de ambos. Na verdade a lei permite a ida de parlamentares eleitos por uma legenda para uma outra recém-criada sem que isto implique na perda do mandato por infidelidade partidária. É uma exceção existente na regra eleitoral vigente. Por isto a ameaça é lorota pura!

Castelo caiu
A queda de Sérgio Castelo Branco da presidência da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (CAERD) já era aguardada nos meios políticos pela falta de conhecimento da área e por entrar em atritos com setores importantes do governo. O Castelo caiu por culpa dele mesmo. E por uma dose de arrogância. Ele inicialmente sonhava ser guindado à titularidade da Secretaria de Segurança Pública. Terminou exonerado pelo BLOG de forma humilhante.

Qualificada
Para evitar disputas partidárias pela vaga aberta com a queda do Castelo o governador Confúcio Moura indicou imediatamente para substituí-lo a paraibana Márcia Cristina Luna, engenheira dos quadros da própria Companhia. Uma solução técnica e inteligente encontrada pelo nosso oráculo antes que uma crise se instalasse naquelas bandas. Trata-se de uma profissional da melhor qualidade e com as melhores qualificações.

Visita
A convite do Diretor Geral, este colunista visitou a sede do Departamento de Estradas e Rodagens (DER) e ouviu por duas horas ininterruptas uma explanação de Lucio Mosquini (Diretor) sobre os projetos do atual governo para manter nossas estradas em estado digno de serem transitadas. Além de outros projetos de rodovias.

Nova rodovia
A malha viária rondoniense é imensa e com problemas diversos, mas, pelo que foi dito, possível de solução. O que impressiona é o projeto em andamento da construção de uma nova rodovia que começara do Cone Sul a Guajará-Mirim. Um colosso. Resta aguardar pra ver se sai do papel. Mosquini garante que sim. Tenho dúvida devido aos custos e aos entraves ambientais que devem surgir assim que for anunciado o seu traçado.

Barulho
Até os 'candirus' do Madeira sabem o que significa pavimentar uma rodovia perto de reservas ambientais e estações biológicas. Sem falar nos hermanos silvícolas. Vai ser uma gritaria geral dos ambientalistas contra o projeto. Em todo caso: há um custo a ser pago pelo progresso e pelo conforto. Isso não importa em desrespeitar de forma vulgar e criminosa a legislação ambiental de Rondônia. Minimizando os impactos é possível que os gritos nem surtam efeitos.

Procrastinação
Um pedido de vista feito pelo deputado federal Inocêncio Oliveira (DEMO-PE) ao requerimento interposto junto a Mesa da Câmara Federal por Marcos Rogério (PDT) para que seja empossado na vaga de Lindomar Garçon (PV), apenas procrastinou a defenestração do parlamentar do Partido Verde de Rondônia. Não há mais nenhum recurso judicial disponível a Garçon para reverter a perda do mandato.

Impasse
O movimento paredista da Unir segue sem uma solução a curto prazo. Os amotinados exigem a renúncia do reitor eleito para retomar a sala de aula. Já o magnífico diz que não vai sair no grito e acusa os dirigentes que querem desalojá-lo do cargo de golpistas. De acordo com Januário, os 'cabeças' do movimento foram derrotados por ele nas últimas eleições para reitor e que as denúncias feitas estão sendo averiguadas por uma comissão do MEC. Criou-se aí o impasse.

Desgaste
Ambos os lados têm suas razões, o problema é que o calendário acadêmico está chegando ao fim e novas turmas de universitários devem ser convocadas a ingressar na Unir no início do ano que se avizinha. Politicamente o atual reitor está desgastado e dificilmente terá condições de concluir seu mandato sem sobressaltos, apesar das alegações de que é um movimento político com o único caráter de apeá-lo do cargo desrespeitando as urnas.

Hostilidade
Com o impasse é possível que o final desse imbróglio na Unir termine numa intervenção por uma prazo elástico até que a normalidade seja restabelecida, haja vista que uma nova eleição imediatamente somente aumentaria o clima hostil que se enraizou em nossa Universidade Federal.

Malefícios
Ninguém gosta de intervenção em tempos democráticos, mas o impasse e a radicalização instalada na instituição são mais maléficos para toda comunidade acadêmica.

Sintero
Independente de qual chapa saia vitoriosa hoje nas eleições para a direção do Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Estado de Rondônia (Sintero) o principal derrotado será o próprio sindicato. Quem assistiu a campanha das duas chapas percebeu que as acusações mútuas escondem interesses contrariados e outros inconfessáveis. O professor que é compelido a contribuir com o famigerado imposto sindical e alheio às virulentas brigas é quem perde com uma entidade que a cada dia definha. Tanto a chapa 1 quanto a 2 representam projetos políticos em detrimento dos interesses de seus filiados. Apesar de escamotearem esta realidade com mentiras na mídia.

Enxugamento
O Incra encaminhou ao Palácio do Planalto uma proposta com mudanças estruturais para enxugar suas funções e tentar acelerar o programa de reforma agrária. O programa vem sendo criticado pelos movimentos sociais devido a sua lerdeza nesse primeiro ano do governo da presidente Dilma Rousseff.

Tabus
Dentre as alterações em debate há dois assuntos tabus: a atualização de índices de produtividade (definem quais fazendas podem virar assentamentos) e a diminuição dos juros embutidos em processos em que fazendeiros questionam valor pago pelo Estado em desapropriação.

Resenha Política : Resenha Política
Enviado por alexandre em 26/10/2011 01:47:14

Resenha política
Robson Oliveira

Adiado
Não deverá haver nenhuma mudança no primeiro escalão do Governo antes do final do ano. Pelo menos é o que a coluna apurou junto a um assessor palaciano. De acordo com a fonte, Confúcio Moura quer administrar os problemas governamentais e os egos até o início de 2012 sem exonerar nenhum secretário. Mas é certo que, entre janeiro e fevereiro, quatro colaboradores devem ser trocados por não corresponderem às funções. Em se tratando do nosso oráculo, é melhor ficar com um olho no padre e o outro na missa, já que nada é surpresa.

Quase...
Outro dia, por pouco, o governador não convocou o ex-deputado estadual Silvernani Santos (Demo) para assumir um importante cargo no palácio Getúlio Vargas. Ainda são desconhecidos os motivos pelos quais desistiu de convocar o cardeal do 'Demo'.

Aquinhoados
Aliás, os Democratas são os militantes partidários mais aquinhoados no governo peemedebista de Confúcio Moura. Eles comandam o IPEM, os Portos, a Saúde, entre outros penduricalhos. Administram um boa fatia governamental mesmo sendo o partido que mais encolheu no país e em Rondônia.

Limbo
Pelos nomes que dispõem para 2012, dificilmente os Democratas elegem alguém na disputada eleição municipal rondoniense. Nem em Ariquemes, onde vai as urnas pela reeleição o atual alcaide. Nem em Ji-Paraná, reduto eleitoral de José Bianco, principal cacique na legenda. A saída é se coligar com candidatos majoritários mais densos para salvar algumas candidaturas proporcionais senão sucumbem nas urnas e nos espaços políticos conquistados.

Satisfação
Num evento ocorrido na semana passada no Centro de Treinamento da Emater, em Ouro Preto do Oeste, ocasião em que discutia algumas saídas para a questão fundiária rondoniense, o governador revelou que está satisfeito com as ações colocadas em prática pelo petista Anselmo de Jesus na condução da Secretaria Estadual de Agricultura.

Desagrado
Já nas coxias palacianas, as vozes que soam nas orelhas do governador são em sentido contrário à permanência dos petistas nas principais pastas da agricultura. Anselmo de Jesus pode sobreviver às pressões, mas seus companheiros aboletados no Idaron e Emater dificilmente vão resistir quando o carnaval chegar. Os dois petistas que comandam esses órgãos não agradam a ninguém.

Piada
O tucano, ex-secretário estadual de Saúde e proprietário de uma faculdade privada de medicina, Aparício de Carvalho, desceu a lenha na política de saúde do executivo estadual.

Coma
É verdade que o governador Confúcio Moura prometeu muito e ainda nada fez para melhorar a área da saúde, mas o tucano que hoje critica não fez nada pela área quando foi nomeado para geri-la. Sob a administração de Carvalho a saúde rondoniense sequer saiu da UTI.

Arauto
Nas eleições estaduais passadas, contrariando a direção estadual do PSDB, no segundo turno, o empresário Aparício de Carvalho apoiou o candidato a governador que ajudou a aprofundar a crise aí instalada. Agora, de forma oportunista, se posta como arauto. E a saúde permanece em coma.

Rabo
Algumas universidades privadas brasileiras tiveram o número de vagas disponíveis nos vestibulares diminuídos exatamente por apresentarem qualidade duvidosa ou não cumprirem com as determinações do MEC para que possam funcionar de forma razoável. A faculdade de Aparício de Carvalho está entre uma delas. Criticar incompetência alheia é fácil, mas não é tão fácil esconder o próprio rabo.

Lista
Encontra-se sobre a mesa da Chefe da Casa Civil da presidência da República o nome do advogado Juacy Loura Filho para ser nomeado juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE), pelo quinto constitucional. A nomeação não saiu semana passada por erro material. O mandato é de dois anos. O advogado compôs uma lista tríplice escolhida pelo próprio TRE.

Impasse
O movimento grevista da Unir não aceitou a proposta feita pelo Reitor de afastamento por trinta dias, através de férias, e radicalizou ao exigir a renúncia de José Januário.

Radicalização
Caso fosse aceita a proposta de afastamento por férias, durante trinta dias os grevistas poderiam vasculhar por lupa todos os supostos malfeitos eventualmente cometidos na gestão de sua magnificência, visto que a vice-reitora, apoiadora da greve, assumiria plenamente as funções na Reitoria e poderia abrir todos os processos e arquivos de forma livre e tranquila à comissão de sindicância nomeada para averiguar as denúncias feitas. Optaram em manter a greve e pressionar para que o reitor renuncie ou que o MEC promova uma intervenção.

Intervenção
A hipótese do MEC decidir intervir na Unir significará impor um nome para responder pela instituição até que tudo volte à normalidade e que novas eleições sejam convocadas. Intervenção deixa traumas, especialmente numa universidade. Ademais, nada impediria que o nome a ser indicado para responder pelo período de uma eventual intervenção seja de alguém do desagrado do movimento paredista.

Exagero
A declaração do reitor José Januário comparando alguns colegas de docência e seus discentes com os desgarrados do Urso Branco é absurda. Já a afirmação de que trata-se de um movimento liderado por 'guerrilheiros' é exagero.

Combustão
No que pese suas razões em não renunciar nem aceitar a exigência de um grupo que quer assumir a reitoria a qualquer custo desrespeitando as regras existentes, Januário comete o erro político ao jogar mais gasolina nesse fogaréu. Suas declarações ajudam a acirrar os ânimos. Além de não ser adequadas a quem detém o título de “magnífico”.

Pancadaria
Outro erro político do atual reitor é insistir que o prédio da Unir Centro seja desocupado por força policial. Januário viveu dias memoráveis de luta na Unir, quando ainda estudava geografia, ao apoiar uma greve de fome na década de oitenta em protesto a um reitor déspota.

Retrocesso
Nem naquela época o reitor de plantão recorreu à força bruta para retirar na marra os membros do movimento. Hoje, longos anos após os tempos de chumbo, é inadmissível que estudantes e professores sejam espancados ou trancafiados por ocuparem um prédio, onde trabalham e estudam. Ocupação de prédio público sempre foi uma forma de protesto. Não é nada novo, pode não ser a forma de luta mais correta. Mas não há um registro de que o prédio tenha sido depredado. É um retrocesso reagir com força bruta contra quem usa como instrumento de defesa dos seus ideais apenas o verbo.

Desembarque
Depois de Marcinho VP, Batman, Jerominho, entre outros, desembarca em Porto Velho o traficante carioca Polegar para ser trancafiado no presídio federal. Polegar comandava uma quadrilha de tráfico de drogas no complexo do Alemão, hoje sob o controle das Forças Armadas.





Resenha Política : Resenha Politica
Enviado por alexandre em 18/10/2011 20:55:58

Resenha política
Robson Oliveira


Resistência
Um pequeno grupo peemedebista da capital tenta impedir que o partido opte ano que entra pelo nome do ex-deputado estadual David Chiquilito para encabeçar a chapa à sucessão de Roberto Sobrinho. A resistência parte principalmente de Abelardo Castro Filho, provisoriamente Secretário de Obras do Estado. Castro sonha em ser ungido à disputa. Sabe, no entanto, que os caciques do PMDB possuem outros planos pra legenda em Porto Velho. E sua pretensão não está inclusa!


Incomodando
Os movimentos políticos que têm colocado a ex-senadora Fátima Cleide (PT) na mídia estão incomodando o staff do prefeito Roberto Sobrinho. O prefeito e sua trupe quer evitar que a ex-senadora seja indicada pelo PT para sua sucessão. O plano é lançar a deputada estadual Epifânia Barbosa.




Goela a baixo
Já os caciques do Diretório Estadual do PT, e que estão em litígio com Roberto Sobrinho, juram que a escolha da candidatura de Porto Velho recairá sobre o nome de Fátima Cleide. Nem que para isto seja necessário uma decisão de cima para baixo com a intervenção de membros do Diretório Nacional.


Malfeito
Nos bastidores políticos o que mais se comenta no momento é a desenvoltura com que um jovem conhecido como “BETO” utiliza os mecanismos institucionais da Seduc de forma...digamos: nada convencional. Ele tem abordado pessoas em nome do 'chefe'. Já detectado, seus movimentos estão sendo seguidos por lupa. Votaremos ao assunto.


Lorota
Os professores não terão o que comemorar na data alusiva ao seu dia. Para alguns, a profissão é um sacerdócio. Para outros, vocação. Independente do que sejam, os professores merecem apenas respeito e salários dignos por parte de governantes que, em campanha, prometem tudo. No cargo, nada fazem. Exceto novas promessas. Tem um que só escreve lorota sobre a profissão!


Conteúdo
O movimento paredista da Unir decidiu manter a greve por tempo indeterminado, mesmo depois que o MEC decidiu investigar as denúncias de supostos malfeitos da atual reitoria. Há uma certa desconfiança de que a verdadeira reivindicação seja somente o afastamento de sua magnificência. Independentemente do resultado da sindicância. Falam que os problemas administrativos são preocupantes e sérios. Podem ser, mas os desentendimentos políticos sempre foram na Unir o conteúdo mais grave.


Mudança
Está confirmada a mudança na direção da Companhia de Energia de Rondônia. Saí Inácio Azevedo (os petistas ainda resistem em Brasília para mantê-lo) e deverá entrar um nome indicado pelo senador Ivo K-Sol (PP). João Carlos e Alceu da Seosp são os nomes mais cotados para o cargo. Em Brasília, um dossiê sobre o primeiro roda de mão em mão por obra dos desafetos. No INCRA também deverá haver mudanças, os nomes já estão sob apreciação da Casa Civil.


Boquirrasgada
Falando em INCRA, uma assessora do atual superintendente tem dito alguns impropérios contra membros da bancada federal. Como a moça tem a ambição desmesurada em assumir a titularidade da instituição, tece comentários contra quem jamais lhe indicará. No âmbito interno tem perseguido quem não se curva as suas mensuras.


Sigiloso
Num encontro casual, este escriba conversou demoradamente com o presidente da Assembleia Legislativa, Valter Araújo (PTB). O parlamentar não negou nem confirmou a disposição de colocar seu nome a apreciação do eleitor da capital para suceder Roberto Sobrinho. Mas fez revelações bombásticas. Como foi sob juras do 'off' a coluna fica impossibilitada de compartilhar com os leitores. Quem sabe outro dia convenço ele permitir a publicação das revelações...


Chicote
Quem ouviu o discurso do suplente de senador (temporariamente na titularidade do cargo por afastamento do filho) Reditário Cassol (PP) sobre açoitar meliantes, no Senado Federal, ficou assustado com o que ouviu. Um proposta primitiva sequer pode ser levada a sério. Assisti a cena e não foi nada agradável presenciar a chacota que fizeram com a proposta do chicote do representante de Rondônia.


Pergunta
Na mesma semana que o pai (Reditário Cassol) defendia de cima do púlpito do Senado Federal chicotadas em meliantes, o filho, Ivo Cassol, em entrevista ao jornalista Arimar de Sá, numa rádio da capital, revelava que havia pedido afastamento das suas funções senatoriais para dar um presente ao pai. No ofício encaminhado a presidência do Senado o argumento foi outro. Por acaso, mentir sobre esta questão concreta é quebra de decoro? Perguntar não ofende. Mas que é grave, é.


Abalroamento
Comenta-se por aí que dois conhecidos vendedores de automóveis de Porto Velho querem mudar de ramo e entra na política para pilotar os destinos da prefeitura de Porto Velho. Noviços no ramo da política são peritos em manobras rápidas e derrapagem. Caberá ao eleitor puxar o freio de mão para impedir aumento do congestionamento da capital e evitar que sejam conduzidos ao paço municipal. Já está demasiadamente engarrafado por candidatos que almejam em estacionar na vaga a ser aberta.


Polêmica
O Governo recuou no projeto para contratação de organizações sociais para gerir a área de saúde estadual. É uma proposta polêmica e que vem sendo combatida por todos que manjam do setor, exceto a própria Sesau. O TCU tem criticado muito convênios entre a União e algumas destas organizações pelos malfeitos com que estão sendo utilizados os recursos do contribuinte. Ademais, conforme prescreve nossa carta magna: saúde, educação e segurança são obrigações dos estados. Declinar da competência é no mínimo um atestado de incompetência.


Inércia
Eis que surge mais uma vez a possibilidade de mudanças no primeiro escalão do executivo estadual. Seguindo a lógica adotada pelo nosso governador quando trocou alguns nomes de seus principais assessores, novidade mesmo não deverá ocorrer. As mudanças feitas anteriormente foram seis por meia dúzia. Ninguém percebeu, exceto o bolso de quem foi defenestrado.


Despedida
O quase ex-deputado federal Lindomar Garçon (PV), em conversa com a coluna, lamentou a forma com que está sendo apiado do cargo de deputado federal. Disse que já está fazendo sua mudança de volta a Porto Velho e vai aguardar um eventual convite de Confúcio Moura para assumir funções de assessoramento. Quem assume a vaga no lugar de Garçon é Marcos Rogério da coligação PMDB, PDT, DEM e PCdoB.


Perspectivas
Garçon adiantou que é pré-candidato a prefeito de Porto Velho, mas não descarta uma vice desde que aja um bom entendimento que inclua seus projetos de retornar a Câmara Federal nas eleições de 2014. Anunciou que tem conversado com o senador Valdir Raupp, presidente em exercício do PMDB, visando coligações futuras com o seu PV.

Injustiça
No que pese as limitações, o deputado federal Garçon (PV) perde o mandato por uma manobra jurídica arquitetada de forma vil. Nas urnas venceu por quatro vezes as eleições de forma limpa e digna. Uma pessoa de origem humilde, de uma certa ingenuidade e de um caráter lapidar. A forma com que perde o mandato é uma tremenda injustiça.




Exceção
O deputado Jesoaldo Pires (PSB) anunciou que é mesmo pré-candidato a prefeito de Ji-Paraná. Um dos melhores quadros que possui o PSB e um dos melhores parlamentar dessa atual legislatura. Vencendo, ganha a população de Ji-Paraná um político sem mácula e perde o legislativo estadual um formulador de ideias. Jesoaldo é uma exceção numa seara que abunda a mediocridade.


Nanico
Quem continua do mesmo tamanho para as eleições municipais é o PDT. A legenda brizolista não conseguiu filiar ninguém com chances aparente de vitória e virou uma legenda nanica. Na capital está fadado a subir no palanque petista e na maioria do interior, nem isso. Falar com alguém da direção partidária é mais difícil do que conseguir uma audiência privada com o papa. Nanico é assim mesmo, acha que é grande.

Encrencado
O ex-senador Amir Lando, com a possibilidade imediata da posse de Marcos Rogério, passa a ser o primeiro suplente da coligação pilotada pelo seu PMDB. Natan Donadon, deputado federal mais encrencado desta legislatura, deveria tomar mais cuidado porque a qualquer momento Lando é convocado também para assumir na Câmara Federal exatamente em sua vaga. Donadon resiste ao cargo por força de um recurso, mas sem chances de reverter no mérito.

Resenha Política : Resenha Política
Enviado por alexandre em 04/10/2011 17:56:09

Resenha política
Robson Oliveira

Virulência e rispidez
Abespinhado com a forma virulenta com que tem sido tratado o Executivo Estadual pelo presidente da Assembleia Legislativa, o governador Confúcio Moura decidiu iniciar uma conversa pé de ouvido com cada parlamentar, individualmente, para tentar consolidar uma base governista e minimizar a forma ríspida e virulenta com que vem sendo tratado por Valter Araújo.

Base sólida
Moura sabe que o Executivo tem condições de formar uma boa base de sustentação política, mas sabe também que para que ela seja sólida vai ser obrigado a ceder: o toma-lá-dá-cá.

Medida certa
A coluna apurou com um parlamentar que conversou com o governador que as primeiras conversas já renderam juras de fidelidade de sete deputados estaduais (na hipótese de isso ser possível no mundo político) e tende a se ampliar na medida em que os demais forem convocados.

Fatura e degola
Com a bancada petista definhando no legislativo estadual (Hermínio Coelho migrou para o “hermafrodita” PSD e o deputado Ribamar Araújo não segue as orientações da casta dirigente e burocrática da legenda), o deputado estadual Lebrão, por exemplo, já encaminhou ao governador a fatura por sua fidelidade: mudanças na área agrícola. No bom português, demissão de petista do primeiro escalão e o alvo é o IDARON.

Mão em vespeiro
O Secretário-adjunto da Saúde, o polêmico José Batista, deu um entrevista numa emissora de TV e tascou uma crítica acerba aos médicos que repercutiu negativamente junto à maioria da categoria. O assunto voltará à pauta do Conselho Federal de Medicina (CFM), que se reúne na primeira semana de novembro em Porto Velho.

Audiência negada
O CFM espera que o governador participe novamente da plenária como fez da primeira vez. O problema é que o CREMERO (Conselho de Medicina de Rondônia) não consegue agendar uma reunião com o governador para convidá-lo. Indo, deverá ouvir também algumas verdades sobre o caótico setor que jurou promover uma revolução. A conferir!

Sucessão interior
As movimentações visando às eleições municipais de 2012 estão em andamento, especialmente com o prazo findando para mudança de partido dos que pretendem disputar as eleições, e também começam os acordos para garantir a cabeça da chapa majoritária. Em Ji-Paraná, o deputado estadual Jesoaldo Pires (PSB) tenta convencer o PMDB a desistir de candidatura própria e compor de vice em sua chapa. Há resistência dos peemedebistas, mas hoje seria a posição mais acertada porque o deputado 'neossocialista' possui as melhores chances de vitória.

Pérola do Mamoré
Em Guajará-Mirim, a disputa começa a se formar entre o ex-deputado estadual Miguel Sena (PSDB), o Dr. Dúlcio (PT), Isac Bennesby (PMDB) e o atual prefeito. Tanto Sena quanto Bennesby estão encalacrados com problemas judiciais e vão necessitar de uma assistência jurídica para evitarem ser barrados pelo TRE.

Cone Sul
Já em Vilhena o atual prefeito José Hover (PPS) tentará se manter no paço municipal mas vai enfrentar uma pedreira: Luizinho Goebel (PP) que, segundo apurou a coluna, deverá contar com Ronaldo Alevato (PMDB) de vice. Ainda há a possibilidade dos Donadons (PTB) entrarem na briga, o que tornará o pleito ainda mais imprevisível.

Pimenta Bueno
Os pimentenses poderão escolher para prefeito os nomes do ex-deputado estadual Kaká Mendonça (PTB), do empresário Chico Itamais (PMDB), de Marlene Parra (PT) e do suplente de deputado estadual Brito do Incra (PSC). Kaká aparece como favorito, mas dependendo do que o STF definir sobre a lei da ficha limpa o ex-deputado pode ser barrado.

Briga na capital
O ex-deputado David Chiquilito Erse (PCdoB) se reuniu ontem (segunda-feira) com os caciques do PMDB e discutir a possibilidade de ingressar no partido para ser ungido a candidato a prefeito da capital. O acordo não evoluiu porque uma ala do partido, liderada pelo engenheiro Abelardo Castro, impediu a filiação.

Avaliação tosca
Abelardo Castro se esmera para ser o indicado a candidato a prefeito e acredita que montando um palanque com as presenças de Confúcio Moura e Valdir Raupp vence o pleito, razão pela qual refuta o ingresso de Erse na agremiação. Um erro monumental que comete o PMDB e outro que comete Castro: o partido, por impedir a filiação de um jovem político promissor, e o dirigente Castro, por avaliar extemporaneamente e equivocadamente que somente o prestígio dos dois maiores líderes estaduais é capaz de fazê-lo prefeito. Restará combinar com “os russos”.

Filiação pendente
É possível que David Chiquilito ainda se filie ao PMDB. Apesar das resistências esboçadas pela ala de Castro, há dentro do diretório do partido quem trabalhe em surdina para que Erse assine a ficha de filiação. E venha a ser o candidato a prefeito de Porto Velho. Mesmo com as resistências formadas.

Reeleito
O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) reuniu a militância sábado passado, na Câmara Municipal de Porto Velho, onde discutiu as diretrizes políticas para as eleições de 2012. Um dirigente nacional (Rubens) do partido fez uma longa e repetida análise econômica mundial (este paraibano não concordava com quase nada do que o barbudo pernambucano falava) e, logo depois, reelegeram Manoel Carlos Neri para presidente da legenda comunista. Demos uma passada por lá e revimos alguns conhecidos da velha guarda. Matamos as saudades juvenis e, para variar, divergimos de quase todos com os quais conversamos. Exceto com a eleição de Neri.



Resenha Política : Resenha Politica
Enviado por alexandre em 27/09/2011 17:59:37

Exonerados
Não passou despercebido desta coluna a exoneração do Secretário-adjunto da Casa Militar, Major Frederico. Houve também defenestração no Detran nos cargos de Auditor Geral e Chefe da Informática. O primeiro, pelo que a coluna apurou, foi desentendimento com o titular. Nos dois outros casos, ainda é uma incógnita. Pelos comentários nos bastidores novas exonerações vão ocorrer.

Candidatura
A ex-senadora Fátima Cleide confirmou ao Diretório Municipal do PT de Porto Velho que é pré-candidata à sucessão do “companheiro” Roberto Sobrinho. Deverá bater chapa contra a deputada estadual Epifânia Barbosa (predileta do atual alcaide) e com o vereador Claúdio Carvalho. Nas entranhas petistas a disputa interna tende a aumentar a distância política entre grupo da ex-senadora e do prefeito.
Acordo

Em maio passado, segundo uma fonte com acesso privilegiado ao PT, houve um acordo envolvendo a deputada Epifânia Barbosa e dois outros grão-petistas para que a deputada desistisse de disputar a prefeitura da capital caso optasse em assumir a presidência estadual da legenda. Feito o acordo, os dois grão-petistas desistiram de disputar a presidência do PT favorecendo a parlamentar.

Nitrato
Quatro meses depois, a deputada Epifânia Barbosa sinaliza que pretende quebrar o acordo e disputar a indicação do PT a sucessão de Roberto Sobrinho. Segundo a mesma fonte, a quebra do acordo põe mais combustão na fogueira de vaidades que assola o partido na capital.

Blefe
Poucos 'cardeais' das principais legendas acreditam que o PR e o PSDB levem até o fim a intenção de lançar o ex-deputado federal Miguel de Souza a prefeito de Porto Velho. À coluna Miguel tem assegurado que vai até o fim, mas seus movimentos nos bastidores não confirmam suas intenções.

Matrimônio
O PR de Miguel de Souza já anda sendo assuntado pelos petistas para que componham numa mesma coligação. Isto na hipótese do PMDB decidir por uma candidatura solo. Apesar dos problemas nacionais envolvendo as duas siglas ninguém acredita que o PR de Rondônia resista a um pedido de 'acasalamento' dos petistas.

Revelação
Já o ex-candidato a governador e presidente do PSDB de Rondônia, Expedito Junior, revelou a coluna que as conversas nos bastidores com o PT estão de vento em popa. De acordo com Junior, não há nenhum problema que as duas principais agremiações partidárias que se digladiam nacionalmente estejam juntas nas eleições municipais de Porto Velho e Cacoal. Ele informou que mantém relações estreitas com o prefeito petista Roberto Sobrinho, fiador das negociações. Seria engraçado vê-los num mesmo ninho, uma possibilidade que este 'cabeça-chata' não duvida.

Lorota
O ex-governador João K-Ula (lembram dele?), presidente do PPS, tem se colocado também como pré-candidato a prefeito da capital. Lorota. K-Ula assumiu o governo em circunstâncias anômalas (todas sabem) e nunca conseguiu lograr êxito nas urnas. Hoje, mesmo que seu inventor (o senador K-Sol) voltasse a ungi-lo à disputa, o fracasso nas urnas seria inevitável. No que pese ser uma pessoa afável.

Mobilização
Os petistas que ocupam cargos no primeiro escalão na área da agricultura no Governo do Estado estão em Brasília para cobrar aos seus companheiros que ocupam cargos no primeiro escalão do Governo Federal ajuda para os principais projetos na área agrícola de Rondônia. A mobilização é parte de uma estratégia para dar mais visibilidade aos petistas aboletados nos cargos estaduais e projetar alguns deles às eleições municipais. O objetivo da mobilização pode não ser o mais republicano, mas a causa é nobre.

Crise
Há dezessete anos respondi pela assessoria de imprensa da nossa Universidade Federal na gestão José Dettoni e Ari Ott. Acompanhei a luta de ambos para que os 'campi' fossem consolidados e expandidos. E vivencei os conflitos políticos internos (naturais em qualquer academia), mas é lamentável constatar que esses conflitos sempre descambam para o campo pessoal. Não é a primeira vez que pedem para que o reitor eleito fique impedido de exercer o cargo. Independente do que ocorra, a Unir sobreviverá. É melhor expor a crise do que escondê-la. Os muros da universidade não podem servir de empecilhos para que a sociedade não enxergue sua crise. Ela existe.

Amigos
Conheço muitos docentes da Unir. Quase todos com os quais convivi e convivo são doutores e possuem currículos vistosos. Já divergi de vários deles e eles de mim. Antes a maioria era do mesmo grupo, hoje convivem em campos políticos antagônicos. Ouvi atentamente um de cada lado. E cheguei a única conclusão: por serem meus amigos não vou meter meu bedelho nos fatos da crise. Por enquanto... Mas torço para que a Unir siga seu desiderato de contar em seus quadros com bons intelectuais. E produza bons profissionais.

Silêncio
O presidente-índio Evo Morales mandou baixar o tacape nos compatriotas durante uma manifestação dos silvícolas contra a construção de uma estrada dentro de uma reserva indígena da Bolívia. O que mais intriga é o silêncio perturbador dos 'camaradas' e 'companheiros' de luta da América Latina em não condenar o ato insano. Como diria Galeano: “são as veias abertas”...

Regabofe
Nesta quarta-feira vou jantar com o Secretário de Estado da Saúde, aqui em Brasília. Esta coluna tem feito críticas duras aos gestores da área e será uma boa oportunidade para ouvir do próprio as ações proativas que estão sendo implementadas. Caso existam farei o registro na próxima coluna. O convite partiu do próprio secretário.

Romaria
Quem desembarca também amanhã (quarta-feira) na capital federal é o governador Confúcio Moura para fazer um périplo pelos ministérios em busca de recursos para Rondônia. Nos próximos dias a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, devem passar pelo estado para visitar e inaugurar novas alas do Hospital Regional de Cacoal.

Críticas
O governador fez corretamente duras críticas às empresas proprietárias e construtoras das Usinas do Madeira que destinaram pequenas quantias para as políticas de compensações, visto que vão embolsar quantias enormes com a produção de energia elétrica. Moura afirmou que os recursos das compensações não representam “coisa nenhuma” para a capital em relação aos problemas que estão provocando com as demissões que promoveram e as que estão por vir.

Demissões
Esta coluna apurou que as Usinas estão programando para o final do ano nada menos do que a dispensa de cerca de doze mil operários. Vai ser uma balbúrdia para as famílias e para a municipalidade. Pense num presente de grego que preparam para o ano novo!

Greve
O Governo que se prepare: alguns segmentos do serviço público estadual se organizam para desencadear seus movimentos paredistas e reivindicar melhores salários. Deveria o executivo estadual se antecipar às eventuais paralisações e abrir canais de negociações antes que uma greve venha à tona. E abrir as finanças do estado às entidades sindicais para que tenham conhecimento da capacidade financeira da 'viúva' de atender tais reivindicações. Dialogar com franqueza ainda é a melhor saída no mundo civilizado. Sem tacape, claro!

Exceção
A coluna abre espaço (mesmo não sendo social) para felicitar um amigo fraterno que faz aniversário hoje: Gilberto Thiago de Moraes. Trata-se de uma pessoa que se confunde com os familiares. Um grande abraço a meu amigo. Pena hoje não poder confraternizar contigo devido à questão geográfica. Mas domingo acendo a churrasqueira de casa pra te homenagear.
 

« 1 ... 44 45 46 (47) 48 49 50 »