Resenha Política - Resenha Política por Robson Oliveira - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 55 »
Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 27/09/2017 17:02:52

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA





ATA – Uma adesão da prefeitura municipal de Ariquemes à Ata Registro de Preços nº 001/2009, realizada pela Fundação da Assembleia Legislativa de Rondônia para contratação de empresa especializada na digitalização e indexação de documentos de processos administrativos e jurídicos, recentemente fiscalizada pelo Tribunal de Contas do Estado, ainda poderá provocar algumas dores de cabeça ao atual governador que, na época dos fatos, respondia como alcaide pela municipalidade. Embora os procedimentos da adesão tenham sido averiguados contabilmente, essas “Atas de Registros de Preços” vem sendo alvo de críticas dos órgãos de controle exatamente pela falta de medida dos agentes públicos em controlar os excessos eventualmente ocorridos nessas adesões.



PENTE FINO – Falando em órgãos de controle, várias prefeituras, entre outros órgãos públicos, estão sendo fiscalizadas por excessos cometidos. Não demora muito para que a população rondoniense seja informada de malfeitos perpetrados por autoridades perdulárias e traquinas. O pente é fino e o barulho ressoará!



FALÊNCIA – Os governos insistem nas mesmas políticas públicas adotadas há anos na área de segurança e que demonstraram serem equivocadas, ou no mínimo ultrapassadas. A falência do sistema de segurança pública é real e a falta de inteligência das nossas autoridades em investir em tecnologia para combater com mais eficácia a criminalidade, revelam o desmonte da máquina governamental. Construir presídios é importante, mas não resolve em nada o problema da violência porque o aumento da população carcerária significa que o modelo de combate ao crime faliu. É a falência do estado enquanto promotor da paz social.



GOVERNADOR – Esta coluna avaliou avexada quando intuiu que as probabilidades do deputado estadual Maurão de Carvalho (PMDB) assumir o Executivo Estadual eram mínimas. Eis que o parlamentar foi ungido ao Governo de Rondônia – é o terceiro na linha sucessória – por alguns poucos dias com as ausências no estado do atual titular e do vice. Maurão, enfim, pode ficar em paz, já foi governador por uns dias.



OBTUSO – Cabe ao jornalista avaliar cenários e antecipar ao leitor fatos que possam balizar interpretações da forma mais próxima da realidade. Não cabe ao escriba falsear tais fatos sob qualquer alegação meramente intuitiva. Esta coluna, por exemplo, avaliou uma pesquisa espontânea sobre as eleições governamentais de 2018 que, após tabulada, apontou o polêmico e contestado ex-governador Ivo K-Sol em primeiro lugar. Como a pesquisa mensura o cenário momentâneo, e não o futuro, a coluna foi obrigada a descrever com honestidade o resultado real da pesquisa. Não inventou nada. Já os obtusos, ou engajados em projetos diversos, falseiam os fatos com ataques igualmente estúpidos.



INDEPENDÊNCIA - Esta coluna nem sempre acerta em suas avaliações, algo natural por ser escrita por alguém que não está imune ao erro. No entanto, não é manipulada por ódios ideológicos, nem garroteada por relações pessoais com autoridades. A independência tem sido a marca da coluna. Portanto, o compromisso sempre foi com o leitor.



ÓBICES - Ademais, quem acompanha a coluna semanalmente ou eventualmente é testemunha de críticas acerbas ao ex-governador K-Sol, sempre quando este mereceu. O que não pode e nem tem como esconder que é um pré-candidato com apelo eleitoral enorme. A coluna apontou o resultado da pesquisa corretamente porque este foi o resultado apurado. É de bom alvitre lembrar que em colunas anteriores destacamos os reveses judiciais que o senador está encalacrado e que podem ser óbices intransponíveis para uma eventual candidatura. Mas sequer estamos no ano eleitoral. O momento é de avaliar cenários. Cometemos vários erros aqui, mas não somos obtusos.



REPUTAÇÕES – Uma das maiores críticas que a advocacia faz às operações espetaculares envolvendo em geral autoridades, em particular pessoas em posições políticas, é a falta de cuidado com as reputações dos alvos dessas operações. Um exemplo foi a prisão do ex-presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia, desembargador Sebastião Teixeira, levado à capital federal acorrentado e execrado em horário nobre como se o mesmo fosse um facínora. Poucos divulgaram nos mesmos espaços da execração que o desembargador hoje aposentado foi absolvido em todos os processos que figurou como preso daquela operação espetaculosa. Quem repõe a reputação agora destroçada?



SANGRANDO – Os parlamentares federais que estão votando contra os pedidos de abertura de processos do presidente Michel Temer estão sendo alvo de protestos de populares todas as vezes que participam de eventos públicos. E sangram porque querem ou por interesses políticos nada republicanos. Não percebem que 2018 está próximo e as críticas tendem a acentuar na medida que o período eleitoral se avizinha. Apostar na memória curta do eleitor é brincar com a sorte, visto que ao defender um governo ilegítimo e com níveis de aprovação baixíssimos é suicídio coletivo. Vão pagar caro, isto se não pagarem com o próprio mandato. Quem viver verá!

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 20/09/2017 17:03:31

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA



ESCÁRNIO – Apesar da unanimidade entre os observadores políticos de que o sistema partidário e eleitoral do país esteja totalmente corroído pelos malfeitos revelados nas diversas operações policiais, os congressistas insistem em dar de ombros à opinião pública e decidiram manter o mesmo modelo eleitoral corrompido ao derrotar em plenário qualquer mudança de reforma eleitoral. Sequer o fim das coligações – uma anomalia que permite juntar partidos nas eleições com posições ideológicas antagônicas – votaram. O Congresso Nacional hoje é um arremedo de parlamento que sobrevive do escárnio.



BARREIRAS – Embora dificilmente haja tempo hábil para alguma mudança na lei eleitoral que se aplique às eleições de 2018, os caciques políticos querem mudanças que não redundem em problemas que os impeçam de retornar aos cargos. Isto significa trocar as atuais regras amorfas por algo pior, ou seja, blindar os atuais mandatos. Como estas barreiras estão sendo criticadas e não passam de jeito nenhum no plenário do congresso, quase tudo vai ficando com antes.



INGERÊNCIA. Já que o legislativo nacional não faz a parte para a qual possui as prerrogativas, caberá ao judiciário impor limites ao caos político que regra as eleições brasileiras. Um limite necessário que pode ser votado pela Supremo Tribunal Federal é o fim das coligações. Uma ingerência aceitável diante da inércia parlamentar. Pelo menos foi o que declarou um ministro da corte. Menos mal!





VIGILÂNCIA – Como em se tratando de Congresso Nacional tudo é possível, inclusive nada, é de bom alvitre a população ficar vigilante com as votações da última semana de setembro porque há o perigo real de colocarem uma nova proposta de reformar a legislação eleitoral de forma fatiada, mantendo intactos os interesses inconfessáveis dos caciques hoje encalacrados nos malfeitos. Para que uma nova lei eleitoral seja utilizada nas eleições de 2018, é preciso ser votada um ano antes das eleições. Razão pela qual na última semana deste mês seja tão importante a população ficar alerta. E em se tratando de golpe, nosso Poder Legislativo é um expert.



NOVIÇO – Um assessor próximo de Confúcio Moura revelou à coluna que em conversas reservadas o governador tem estimulado os peemedebistas mais próximos do seu ciclo de influência a defender nas hostes do PMDB um candidato novo para sucedê-lo, que não sejam os nomes suscitados atualmente. De acordo com a fonte, Confúcio Moura teria sugerido como alternativa para a disputa, os nomes dos secretários da pasta de planejamento ou fazenda, George Braga e Vagner Garcia, respectivamente. Aliás, dois eficientes técnicos sem militância partidária. Há também quem aponte o nome do vice-governador como uma outra opção, mas é uma figura carimbada com origem nas hostes petistas e não tem nada de novo.



VAGA – Caberá ao Tribunal Regional Eleitoral decidir quem é o deputado estadual a ser empossado definitivamente na vaga aberta pela ex-deputada Glaucione Neri (PSDC), eleita e empossada prefeita de Cacoal. É que o primeiro suplente Geraldo da Rondônia – empossado temporariamente na vaga pelo presidente da Assembleia Legislativa – deixou o partido que lhe conferiu a suplência e em tese se enquadrou na lei da fidelidade.



INFIDELIDADE - Do mesmo modo acima é a situação de infidelidade partidária do segundo e do terceiro suplente, Marcelo Cruz e Romeo Reolon. Na hipótese de a ação ser acolhida pelo TRE, o deputado a ser convocado para ser efetivado na vaga de Glaucione é o quarto suplente José Santos, único na linha sucessória que permanece na Democracia Cristã.



RETALIAÇÃO – Qualquer projeto de interesse da população da capital em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de Porto Velho é travado pelo vereador Marcelo Cruz, em retaliação às demissões dos apaniguados feitas pelo prefeito municipal.



ESTACIONAMENTO – Um exemplo da retaliação do vereador Cruz ao prefeito é o pedido encaminhado à CCJ para readequar a legislação municipal às normas técnicas editadas pelo Ministério da Saúde, voltadas para estacionamentos em unidades hospitalares. O governo necessita desta regulamentação para executar o projeto do novo hospital que vai atender à população rondoniense, em particular da capital. A manobra do edil penaliza o cidadão, embora seja uma ação retaliatória indecorosa ao alcaide.


APROVAÇÃO - O governo estadual tem dinheiro em caixa, cerca de R$ 100 milhões, para construir o hospital, mas para que a obra seja licitada era preciso adequar a legislação que trata dos
estacionamentos. O projeto de lei aprovado fez apenas essa alteração, ficando definido uma vaga por leito hospitalar. Sua tramitação foi precedida de audiência pública e no dia
da votação, devido ao pedido de urgência na tramitação feito pelo prefeito Hildon haves, o projeto de lei tramitou por uma Comissão Mista que deu parecer pela aprovação em
plenário. Irritado por estar ausente a votação, o edil decidiu ingressar com um Mandado de Segurança para anular a votação mesmo sabendo que o Governo possua cem milhões em caixa para construir o Hospital de Emergência e Urgência. A população espera que o Judiciário não acolha a pretensão do vereador que atrasaria a obra por tempo indeterminado.



RESPONSABILIDADE – Internautas começam a se manifestarem nas mídias sociais contra a conduta da edilidade porque provoca prejuízos ao contribuinte, especialmente a população que necessita de unidades hospitalares dotadas de estruturas dignas para atender a todos, indistintamente. A irresponsabilidade da retaliação revela a face da política mais perversa e tacanha do nosso representante do legislativo mirim da capital.










Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 30/08/2017 20:03:57



RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA



PESQUISA – Mais uma rodada de pesquisa avaliando as probabilidades dos possíveis candidatos nas eleições estaduais de 2018, coordenada por este cabeça chata, indica que, embora a Lava-jato tenha sangrado muita gente, o eleitor ainda confia em muitos dos políticos envolvidos. Isto três anos após milhares de reportagens.



VIVO – O senador Ivo K-Sol (PP), por exemplo, mesmo reconhecendo publicamente que na hipótese de ser candidato concorrerá com uma liminar por estar supostamente nas teias da lei da ficha suja, tem pontuado com robustez em todos os municípios até então pesquisados. Polêmico em tudo que ousa abordar e ríspido com seus adversários, o senador está vivíssimo. Não é à toa que é o único em Rondônia que bate sem pena no atual governador.



LIMINAR – A história política recente de Rondônia comprova que não é fácil para nenhum candidato disputar as eleições com liminar. Na última vez, eleições da capital, Roberto Sobrinho (PT) liderou as pesquisas até o Tribunal Regional Eleitoral cassar a candidatura e, no dia seguinte ao julgamento, o petista despencou. O resultado das eleições todos conhecem.



VIABILIDADE - Se depender de liminar para disputar o governo, Ivo K-Sol sangrará igual aos anteriores, mas se conseguir registrar a candidatura muda o quadro estadual e ainda obriga o atual governador, Confúcio Moura (PMDB), a sair da moita para defender o seu legado.



OBSERVANDO – Quem assiste de camarote tudo é o tucano Expedito Júnior (PSDB) que, dependendo do quadro, pode redimensionar seus projetos tanto ao Senado quanto ao Governo. Sem mandato, é o único que não tem nada a perder, embora seja hoje o mais paparicado pelos adversários. Jr é competitivo em qualquer disputa e não terá pressa para decidir qual cargo disputará. Depois de dez anos sendo questionado judicialmente, é a primeira campanha nesta década que disputará sem ter que depender antecipadamente do aval do TRE.



RECALL - Quem anda de boa com o eleitorado é o deputado estadual Léo Moraes (PTB), ainda surfando por ter retirado a vaga do ex-prefeito Mauro Nazif (PSB) do segundo turno das eleições da capital. Léo lidera hoje todos os cenários para deputado federal no maior colégio eleitoral do estado. Ainda conseguiu a proeza de expandir a influência nos demais municípios. Desbancou a liderança da deputada federal Mariana Carvalho (PSDB), mais votada na capital no pleito passado. O recall das eleições municipais se repete com ele, da mesma forma ocorrida com Mariana.



ASCENSÃO – Outro parlamentar em plena ascensão é o jovem deputado federal Expedito Neto (PSD). Independente em relação ao governo, tem se sobressaído no Congresso Nacional melhor que a encomenda. Por onde passa é festejado pelas posições assumidas e pela coerência com que vota no Congresso Nacional. Neto caminha para recolher os frutos em 2018 com uma votação expressiva, conforme indicam as pesquisas. Já não depende exclusivamente do pai para um segundo mandato.



SUBESTIMAR – Embora nunca tenha declarado publicamente pretensões políticas, Dr Héverton Aguiar, ex-procurador geral do Ministério Público, é sempre lembrado pelos eleitores nas pesquisas sérias. É um nome que não pode ser subestimando pelas velhas raposas, pois em janeiro fecha o tempo para se aposentar. Caso se aposente e decida ingressar na política faz estragos. Aliás, foi ele o principal responsável por recolher aos cárceres metade dos membros da Assembleia Legislativa.


MOSCA AZUL - O presidente da Seccional da OAB de Rondônia, Andrey Cavalcante, é outro outsider que começa a ensaiar voo solo na política. Advogados amigos (ou inimigos) têm estimulado Cavalcante e se candidatar. É um bom nome, desde que não deixe a "mosca azul" picá-lo.



DESTAQUE – A Secretária de Esportes e Lazer, Ivonete Gomes, e o presidente da Enaro, Breno Mendes, são os auxiliares do prefeito Hildon Chaves que têm conseguido os melhores destaques na capital. Ambos são também os que melhor utilizam as mídias sociais para divulgar suas ações. Um resultado previsível. O pior auxiliar do prefeito, conforme o eleitor, era o ex-secretário de saúde, razão pela qual foi substituído.



ENTREVISTADO – Os dinossauros fizeram uma baita de uma entrevista com o desembargador Alexandre Miguel, presidente da Associação dos Juízes de Rondônia, no último sábado. O programa foi ao ar pela TV Record e merece ser revisto pelo site da emissora pelo excelente conteúdo produzido. Em particular no momento em que a imprensa questiona os vencimentos dos senhores magistrados. Alexandre Miguel explicou detalhadamente tudo e não deixou de responder a nenhuma pergunta de forma serena, inclusive as mais ácidas.



VESPEIROS – O Governo do presidente Michel Temer vai entrar para a história como o especialista em mexer com vespeiros. Primeiro, apesar de o capital elogiar, decidiu entregar às empresas estrangeiras o setor elétrico, área estratégica para qualquer nação. Agora, de forma mais surpreendente e açodada, pretende privatizar parte da floresta amazônica e abrir uma fresta enorme para o garimpo. Com a popularidade na lona, Temer dá de ombros ao eleitor e tende a levar ao chão os seguidores. Não faltará madeira no lombo dos parlamentares nas eleições de 2018 para quem embarcar nesse vespeiro.


REGISTRO - Dois dos mais respeitados desembargadores conduzirão pelos próximos dois anos os destinos administrativos e políticos do tribunal de Justiça. Valter Waltemberg Junior e Renato Mimesse foi eleitos para o próximo biênio. O primeiro, um competente professor de Direito Constitucional, aceitou ser o orientador desse cabeça chata há quinze anos, quando concluímos Direito. O segundo, um nobre doutrinador.

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 22/08/2017 19:13:32

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA





MUDANÇAS – O prefeito da capital Hildon Chaves perdeu de vez a paciência com os auxiliares que não estão conseguindo apresentar os resultados satisfatórios que a população espera da administração e decidiu mudar alguns secretários e assessores. As pastas da Saúde, Obras e Cultura são as primeiras que vão ser mudadas. Quem não mostrar resultados sai.



CONVITES – Hildon cogita convidar o Dr. Maiorquim, atual Secretário Adjunto de Saúde do Estado, para substituir Alexandre Porto, Mara Valverde para substituir Cândido Ocampo e, para a Secretaria de Obras, o prefeito avalia dois nomes da estrutura municipal para o lugar de Thiago Costa Beber. Orlando Ramires também é cogitado para assumir como adjunto na hipótese de Maiorquim aceitar a titularidade.



DESGASTE – Após o retorno das merecidas férias, o prefeito Hildon Chaves não gostou dos relatos feitos por colaboradores próximos sobre as ações políticas articuladas pelo vice-prefeito Edgard do Boi com vereadores, para derrubar secretários por razões nada republicanas. Como tem reiterado que não admitirá nenhuma conduta dos parceiros na administração pública que não seja republicana, o prefeito decidiu se afastar do vice até que os relatos fiquem claros. Portanto, as relações políticas com o vice e dois vereadores (Jair Montes e Marcelo Cruz) estão desgastadas e suspensas.



EXONERAÇÕES – Quem viu o Diário Oficial de ontem (segunda-feira) confirma que Hildon Chaves não está brincando ao suspender as relações políticas com os vereadores Jair Montes e Marcelo Cruz, pois a publicação consta de nomes exonerados ligados aos dois edis. Inclusive nomes indicados pelo vice-prefeito que também foram dispensados.



MOSQUETEIROS - A tríade vai tentar criar uma crise municipal com ações retaliatórias na Câmara Municipal. O prefeito mensurou todas as possibilidades e concluiu que é mais vantajoso para a administração municipal os dois edis infernizando na oposição do que conspirando na base governista. Nos bastidores são chamados de "três mosqueteiros às avessas": tudo para eles, é o lema!



MODELO – Uma das principais críticas observadas no âmbito das mudanças na Reforma Eleitoral é o sistema presidencialista que concentra muito poder na mão do executivo, favorecendo ao toma-la-dá-cá para que possa fazer a maioria e governar. Contudo, a proliferação dos partidos de aluguéis é tão maléfica quanto a forma pela qual os parlamentares são eleitos. Sem as cláusulas de barreiras para evitarem esta promiscuidade a reforma começa defeituosa. Qualquer outra mudança o resultado será pior do que está. É um modelo eleitoral ruim com resultado igualmente desastroso. Dr Hildon, na capital, hoje é vítima desta perversidade.



SEREIA – Pelo menos quatro pessoas que nunca disputaram as eleições e nem militam em partidos políticos instaram este escriba a avaliar as probabilidades de uma eventual eleição ao Senado de um outsider. É possível que apareça um nas eleições de 2018, embora o céu não está de brigadeiro para os políticos e aprendizes. O erro desses candidatos a outsider é deduzir que a eleição do Dr. Hildon Chaves é fruto tão somente do acaso e da revolta do eleitor com os políticos tradicionais. É também isto, mas ninguém se cria na política sem um grupo e um partido sólido para ancorá-lo. Duas variáveis políticas que Hildon contou nas eleições municipais passadas. Cuidado com o canto da sereia!



ODISSEIA – Recomendo aos postulantes a outsider de 2018 que leiam a Odisseia, obra de Homero. Em particular a passagem em que Ulisses, instado por Circe, mandou que seus marinheiros tapassem os ouvidos e se amarrassem ao mastro do navio para que não ouvissem o canto das sereias. Ao ouvir apenas os piratas da política, estes postulantes a timoneiro do Senado podem afundar a embarcação antes de começar a navegar. Pilotar uma campanha estadual não é tarefa para marinheiro de primeira viagem.



PATUSCADA – Não fosse a reação instantânea das pessoas em reprovar pelas mídias sociais o malfadado auxílio “rango” que os nobres deputados estaduais se presentearam, a patuscada teria passado sorrateiramente. Tão inescrupuloso quanto o aumento foram as versões dadas posteriormente de suposta economia de nove para seis mil a mesada.



GRAVAÇÃO – Uma gravação que a coluna ouviu de uma conversa fechada entre meia dúzia de deputados estaduais, no auge da confusão, revela a falta de limite de nossos representantes. Um deles propõe atacar Judiciário e MP por receberem auxílio moradia e exige que se divulguem supostas incorporações imobiliárias dessas autoridades. O auxílio moradia, para este cabeça chata, é igualmente uma aberração, mas é legal e definido pelo STF. Infelizmente os deputados não copiam as coisas boas dos demais poderes. Bastava reconhecer que erraram, corrigirem o erro e papo encerrado. Optaram por dar de ombros.


CONCORDÂNCIA – Embora esta coluna tenha adiantado meses atrás, Maurão de Carvalho, eterno pré-candidato a governador, deve deixar o PMDB e buscar outra legenda que lhe dê guarida para disputar a sucessão de Confúcio Moura. Esta não é a primeira vez que o parlamentar se desfilia de um partido por não convencer os correligionários a o indicarem a vaga governamental. Na vez passada foi o PP que lhe negou a legenda nas vésperas das convenções. Prevendo o óbvio, com a possível rejeição dos peemedebistas, procura um partido de aluguel que concorde com a sua eterna postulação.

Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 08/08/2017 08:34:50

RESENHA POLÍTICA
ROBSON OLIVEIRA

REFORMA - O presidente Michel Temer está otimista em colocar na pauta a Reforma da Previdência. O problema é verificar quais parlamentares vinculados aos partidos governistas dispostos a votar a favor, visto que é a reforma mais criticada pela população, em particular pelos servidores públicos. O otimismo cresceu depois que Temer conseguiu se safar da abertura de processo penal com a rejeição votada no plenário da Câmara Federal.

REFORMA II - Apenas o deputado federal Expedito Neto (PSD) tem declarado publicamente que é contra a Reforma Previdenciária. O parlamentar tem sistematicamente votado contra o governo nas propostas que tiram direitos dos servidores e trabalhadores em geral. Os demais membros da bancada federal rondoniense têm fugido do tema quando instados a falar para evitar o desgate natural com o eleitor. O otimismo do presidente Temer vai obrigar todos os parlamentares a tomarem posição e os sindicatos começam a se prepar para pressioná-los. A bancada rondoniense vai ter que sair do muro e tomar posição. Pelas pesquisas feitas por aí, quem ficar favorável à Reforma Previdenciária vai levar vaia e ralar para pedir votos em 2018.

PAUTANDO - Quem acompanha os bastidores da política no Congresso Nacional tem percebido um movimento silencioso que tem dado o tom das posições da bancada em relação às votações impopulares, a exemplo do arquivamento de abertura de processo contra Temer. É que o deputado federal Expedito Neto tem assumido posições publicamente firmes contra o governo e esta atitude tem pautado pelo menos dois colegas de bancada a seguir a mesma postura: Mariana Carvalho (PSDB) e Marco Rogério (DEM). Antes de decidirem votar, os dois deputados verificam de que forma Neto vota. Para evitar desgastes com o eleitor ambos tomam a mesma posição, mas evitam debater o tema abertamente para não desagradar o Palácio do Planalto. O que não ameniza a irritação do governo.

REVELAÇÃO - PSDB E DEMOCRATAS têm manifestado que são favoráveis às reformas previdenciária e política que vão começar a ser debatidas no Congresso Nacional. Como Mariana Carvalho é do PSDB e Marcos Rogério do DEMOCRATAS, os dois torcem para que as agremiações não fechem posição pela reformas, caso contrário vão ser compelidos a se insurgirem contra as orientações partidárias ou, então, ficarem expostos às críticas. Já Expedito Neto adiantou ao PSD que não vai ceder às pressões para acompanhar o governo. O jovem deputado tem desempenhado o seu primeiro mandato com muita competência e sendo uma boa revelação, embora poucas pessoas acreditassem, gostem dele ou não.

AMANTE - Eduardo Bezerra Cruz, ex-secretário de Saúde do município de Espigão do Oeste, teve a prisão decretada pela Justiça de Rondônia por ser o principal suspeito de ter contratado um pistoleiro para assassinar um biólogo do município que seria o seu suposto ex-amante.

NUDES - O motivo pelo qual o ex-amante foi executado, segundo as suspeitas, era a ameaça feita pelo biólogo em divulgar fotos "nudes" do casal após o ex-secretário dar por encerrado o caso amoroso. Bezerra Cruz também queria evitar que a esposa tomasse conhecimento do relacionamento. O assassinato foi manchete ontem (7) na mídia nacional. Tanto Eduardo Cruz quanto o pistoleiro estão recolhidos (em celas separadas) no xadrez no município de Cacoal onde aguardam julgamento. Nilton Caetano, prefeito de Espigão, exonerou o secretário.

LIXÃO - Por decisão da Justiça de São Miguel do Guaporé, a administração municipal terá que percorrer 180 km até o município de Cacoal para descartar o lixo recolhido na cidade. Como não possui aterro sanitário, o município de São Miguel terá que levar os resíduos para a cidade mais próxima que possua um local adequado para seu descarte. A falta de orçamento e recursos financeiros são os óbices que podem dificultar a prefeitura de São Miguel a cumprir imediatamente a decisão judicial. Não cumprindo, será multado. Este é um caso em que o prefeito se encaixa na máxima: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

FUMACÊ - Havia algum tempo em que os céus de Rondônia não ficavam tão cinzentos com a fumaça das queimadas quanto agora. Os problemas provocados pelas queimadas são crimes ambientais de grande extensão, já que afetam a saúde da população, em especial as crianças que superlotam os postos de saúde com infecções respiratórias. Falta aos órgãos fiscalizadores da área uma atuação mais firme para combater este atraso.

INGRATO - Não passou despercebida a ausência do governador Confúcio Moura (PMDB) na festa de comemoração alusiva ao aniversário de Rolim de Moura, sábado passado. É que Moura foi o mais votado no segundo turno das eleições no município e não retornou para agradecer sequer os votos.

REGABOFE - O deputado federal Lindomar Garçon reuniu os principais caciques da política rondoniense num regabofe para comemorar o aniversário da filha na noite de domingo passado. No cardápio, além de um churrasco suculento, foi servido aos comensais graduados o 'pescoço' dos caciques ausentes. A lista é enorme...

SETENTÃO - Por falar em aniversário, o advogado Pedro Origa também reuniu amigos (dia 5) para comemorar os 70 anos de vida, a maior parte deles vividos em Rondônia. Fundador da Ordem dos Advogados de Rondônia, Origa é uma daqueles pioneiros que entraram para a história rondoniense com bons serviços prestados na mundo jurídico e político. Polêmico por vocação, é de uma amabilidade incomensurável por essência.

REGISTRO - A coluna também não pode se furtar de registrar o aniversário do jornalista Rubens Coutinho. Este ano o compadre optou por festejar com familiares, mas prepara um grande regabofe para inaugurar a nova sede do site tudorondonia e a expansão da empresa de comunicação, em breve.

CÉUS - Por hoje chega de canapés e borogodós. É Agosto, mês em que tradicionalmente os céus de Rondônia pegam fogo e o ambiente político esquenta. Durma-se com o barulho!!!

« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 55 »