Brasil - RELIGIÃO - Notícias
« 1 (2) 3 4 5 ... 407 »
Brasil : RELIGIÃO
Enviado por alexandre em 14/11/2017 19:47:21


Diocese de Nova Iguaçu cria Pastoral da Diversidade e divide opiniões
A mesma Bíblia que é usada por alguns para atacar os homossexuais será, agora, instrumento contra o preconceito.
A Diocese de Nova Iguaçu deu início, no último sábado, aos encontros da Pastoral da Diversidade, destinada a pessoas LGBTs. A iniciativa — inédita no estado do Rio — foi anunciada pelo próprio bispo da região, Dom Luciano Bergamim, de 73 anos.

A ideia foi celebrada por integrantes de movimentos sociais. Adriano Dias, de 47 anos, fundador da Comcausa, lembrou o papel educativo que a Igreja tem em regiões da periferia, como a Baixada Fluminense.

— Como se enfrenta este preconceito, o ódio que é disseminado por aí? A Igreja Católica em Nova Iguaçu, com esta pastoral, traz uma mensagem de acolhimento. Além disso, há grandes chances de prevenir a violência praticada contra homossexuais — afirma Dias.

Os encontros da Pastoral da Diversidade ocorrerão mensalmente, e são abertos a qualquer pessoa. Durante a reunião, presidida por um padre, há o compartilhamento de histórias de vida de cristãos homossexuais.

— Na primeira reunião que tivemos, diversos dirigentes de pastorais foram para conhecer essa realidade. Temos que aprender a lidar com esta realidade, curar essa ferida — defende um padre, que prefere não ser identificado.

Apesar de contar com apoio de parte da população, setores conservadores da própria Igreja Católica e de outras religiões estão promovendo ataques nas redes sociais contra o desenvolvimento da Pastoral da Diversidade. No perfil de Dom Luciano Bergamim, no Facebook, usuários acusam o bispo de deturpar a doutrina do catolicismo:

“A Diocese vai ensinar a estes homossexuais que vivem a prática anormal, contra a natureza, pecaminosa e odiada por Deus, que isso é pecado que brada ao céu?”, escreveu uma internauta.

O próximo encontro da pastoral ocorre no dia 9 de dezembro, às 17h, na Rua Dom Adriano 8, no Moquetá, ao lado do Sesc.

Dom Luciano Bergamim, bispo de Nova Iguaçu

Qual o objetivo da Pastoral?

O que Jesus faria em relação a essas pessoas se estivesse aqui? Temos também o exemplo que nos dá o Papa Francisco. Ele pede uma Igreja que vá ao encontro das pessoas. Esta pastoral quer acolher, compreender estes cristãos. Não queremos julgar ninguém. Queremos rezar juntos.

Diante disso, como ficam os ensinamentos da Igreja, por exemplo, sobre o matrimônio?

Não negamos o ensinamento da igreja. Não negamos o matrimônio. Desejamos que os casais, homem e mulher, se casem, tenham amor. Mas temos que acolher quem tem outra opção sexual. A gente sabe quantos morrem por esse motivo? Nós, como Igreja, temos que defender a vida, então temos que defender a vida dessas pessoas. Tivemos amigos assassinados por causa disso. Como vou dizer para Jesus que não estou triste com isso? Não é iniciativa para dizer que somos progressistas. Foi uma ideia que veio do coração da gente.

O senhor já vem enfrentando críticas de conservadores por causa da Pastoral. Como lidar com isso?

Fui muito criticado, só que a maioria acha que é uma coisa boa. Mas teve gente que achou que era atitude errada. Jesus foi criticado e até crucificado. O objetivo não é dizer quem está certo, errado, se você vai para o céu ou inferno. O objetivo é respeitar, compreender, amar e acolher. Eu já sabia que seríamos criticados. Mas estamos aqui para defender o maior mandamento de Jesus: amar.

EXTRA

Brasil : VIDA SAUDÁVEL
Enviado por alexandre em 14/11/2017 18:46:37


Café diminui chance de ataque cardíaco, revela nova pesquisa
Uma nova pesquisa trouxe mais uma boa notícia para os amantes de café. A bebida, além de dar aquela disposição extra, diminui a chance de sofrer com insuficiência cardíaca, ataques cardíacos e doenças coronárias.

O estudo feito pela Escola de Medicina da Universidade de Colorado, em Aurora, nos Estados Unidos, usou de maneira automática, com um algoritmo, os dados de um amplo estudo epidemiológico de longa duração feito pela Framingham Heart Study e conseguiu associar o consumo da bebida aos benefícios para o coração.

Essa pesquisa já acompanhou mais de 15 mil pessoas com doenças cardíacas desde a década de 1940. Em particular, os cientistas revelaram que, a cada xícara de café consumida, o risco de insuficiência cardíaca cai 7%, o de ataque reduz em 8% e o de doenças coronárias cai 5%.

Para confirmar as informações, eles repetiram o uso do algoritmo com dados de outras duas pesquisas, feitas pelo Cardiovascular Heart Study e pelo Atherosclerosis Risk In Communities Study, e também identificaram a mesma relação entre consumo e o risco de doenças cardíacas.


Fonte: Ansa

Brasil : RELIGIÃO
Enviado por alexandre em 12/11/2017 20:32:18


Brasil registra uma denúncia de intolerância religiosa a cada 15 horas

Estadão

Templos são invadidos e profanados. Em outros casos, há agressões verbais, destruição de imagens sacras e até ataques incendiários ou tentativas de homicídio. O cenário preocupa adeptos de diversas religiões e, em pelo menos oito Estados, o Ministério Público investiga ocorrências recentes de intolerância. Entre janeiro de 2015 e o primeiro semestre deste ano, o Brasil registrou uma denúncia a cada 15 horas, mostram dados do Ministério dos Direitos Humanos (MDH).

Segundo levantamento da pasta, o Disque 100, canal que reúne denúncias, recebeu 1.486 relatos de discriminação religiosa no período, de xingamentos a medidas de órgãos públicos que violam a liberdade religiosa. ‘E sempre há mais casos do que os relatados‘, explica Fabiano de Souza Lima, coordenador-geral do Disque 100. ‘A subnotificação é alta, considerando o cenário nacional‘, diz. ‘Algumas pessoas não querem se envolver e preferem permanecer no anonimato a denunciar.‘

Só neste ano foram registrados 169 casos: 35 em São Paulo, 33 no Rio e 14 em Minas, Estados com maior número de ocorrências informadas. Comparado ao mesmo período de 2016, haveria recuo de 55%, mas Lima explica que a oscilação de denúncias não reflete a realidade.

‘Quando você vir um número maior em um ano, é certo que houve divulgação do problema, por meio de campanhas.‘ Um exemplo, diz, é que em 2016, ano da campanha nacional Filhos do Brasil, houve registro recorde de 759 casos.

Aumento

Em agosto, a Paróquia Nossa Senhora do Bom Parto, em Santo André, no ABC paulista, foi invadida. Os suspeitos arrombaram o sacrário, furtaram a âmbula e atiraram hóstias no chão. ‘Para nós, a eucaristia é o mais sagrado: o corpo de Cristo. Houve profanação‘, diz o padre Renato Fernandez. Para ele, a sensação é de aumento das ocorrências. ‘No passado, havia um respeito pelos templos e pela Igreja‘, afirma. ‘Deixar a eucaristia jogada diz que, para eles, não significa nada.‘

A análise de 2017 aponta que a maioria das vítimas de intolerância é de religiões de origem africana, com 39% das denúncias. Lideram o ranking umbanda (26 casos), candomblé (22) e as chamadas matrizes africanas (18). Depois, vêm a católica (17) e a evangélica (14).

Recentemente, um templo de candomblé foi incendiado em Jundiaí, na Grande São Paulo. O ataque destruiu 80% da casa, além de equipamentos e instrumentos musicais, mas não impediu a mãe de santo Rosana dos Santos, a Iya Abayomi Rosana, de continuar o ofício religioso. ‘Agora, coloco uma mesa embaixo de uma árvore, ao lado dos escombros, e atendo lá‘, afirma. ‘A fé cabe em qualquer lugar, pois Deus e os orixás estão em toda parte.‘

O templo funcionava havia dez anos e nunca havia registrado ameaça. ‘Não foi nada pessoal, foi contra nossa religião, de matriz africana‘, diz ela, que trabalha para reconstruir o lugar. ‘Era solo sagrado, existiu muito amor lá.‘

Líder do Brasil Contra a Intolerância Religiosa, Diego Montone critica a ausência de legislação específica. ‘Temos de nos basear criminalmente e até civilmente em outros crimes.‘

Cláudio Bertolli Filho, antropólogo da Universidade Estadual Paulista (Unesp), diz que a intolerância é resultado da ‘dificuldade de conviver com a diversidade‘. ‘A forma viável de as religiões conviverem pacificamente é todas elas assumirem que não existe religião verdadeira ou religião falsa.‘

Para o antropólogo João Baptista, professor emérito da Universidade de São Paulo (USP), uma religião ‘pode ser intolerante porque quer dominar ou porque é vítima da intolerância‘. Ela se torna intolerante, segundo ele, ‘porque se fecha sobre si mesma‘.

Entre os suspeitos identificados pelo MDH em 2017, a maioria é mulher. Um caso recente foi o da pastora Zélia Ribeiro, da igreja evangélica Razão do Viver, de Botucatu, flagrada destruindo imagens de Nossa Senhora Aparecida a marteladas. ‘Já pedi desculpas. Também fui vítima da intolerância, postaram muita coisa na internet, chegaram a dizer que eu tinha morrido.‘

Investigações

Levantamento do Estado mostra que ao menos oito Ministérios Públicos Estaduais investigam intolerância. Em São Paulo, foram 123 procedimentos em dois anos - um a cada 10 dias. Em um dos mais graves, em Franco da Rocha, na Grande São Paulo, um vizinho esfaqueou quatro pessoas em um terreiro.

Na Bahia, são 132 procedimentos entre 2014 e 2017. No Paraná, são seis inquéritos neste ano. Um deles é de um babalorixá que se negou a retirar uma oferenda de uma esquina e cerca de 30 pessoas, com paus e pedras, quebraram seu carro e agrediram filhos de santo.

Também há casos apurados por Rio, Goiás, Mato Grosso do Sul, Piauí e Distrito Federal. Os outros Estados não responderam ou informaram não haver denúncias. O jornal ’O Estado de S. Paulo’ não conseguiu contato com Roraima

Brasil : JUVENTUDE
Enviado por alexandre em 10/11/2017 23:21:19


Chocolate e vinho ajudam a retardar o envelhecimento

VEJA

De acordo com um novo estudo publicado no periódico científico BMC Cell Biology, o polifenol resveratrol, um componente do chocolate amargo e do vinho tinto, pode ajudar no processo de renovação celular. A substância antioxidante também pode ser encontrada em outros alimentos, como o mirtilo e o amendoim.

Segundo os cientistas da Universidade de Exeter e da Universidade de Brighton, ambas no Reino Unido, esse pode ser um grande avanço nas descobertas sobre envelhecimento e rejuvenescimento de células senescentes – células que atingiram seu limite de divisão, mas permanecem inativas, sem a morte celular natural. Uma das possíveis explicações para o fato de as pessoas mais velhas serem mais suscetíveis a doenças é o acúmulo dessas células senescentes, que não mais funcionam como deveriam.

Em uma pesquisa anterior, os cientistas identificaram uma classe de genes, chamados de “fatores de empalme”, que garantem o funcionamento das células, mas eles se desligam natural e progressivamente à medida que envelhecemos. As células senescentes, por exemplo, possuem menos “fatores de empalme” do que as outras.

No entanto, o novo estudo mostrou que o resveratrol pode inibir esse efeito. Segundo os pesquisadores, depois de algumas horas de observação, as células mais antigas começaram a se dividir e alongar os telômeros – estruturas que protegem o cromossomo, mas se esgotam com o tempo -, em um claro sinal de rejuvenescimento. “Quando vi algumas das células rejuvenescerem, não consegui acreditar. Essas células inativas pareciam células jovens. Era como mágica”, disse Eva Latorre, uma das cientistas do estudo, ao jornal britânico The Independent. “Repeti os experimentos várias vezes e em todos os casos as células rejuvenesceram.”

Os pesquisadores esperam que o novo achado estimule outras pesquisas no campo, como o desenvolvimento de terapias para que as pessoas tenham uma qualidade de vida melhor conforme envelhecem – sem problemas neurodegenerativos, por exemplo. “Este é um primeiro passo na tentativa de fazer as pessoas viverem uma vida normal e com a saúde para toda a vida”, disse Lorna Harries, professora de genética molecular da Universidade de Exeter. “Nossos dados sugerem que o uso dessas substâncias pode fornecer um meio para restaurar as funções das células antigas.”

Em um outro estudo publicado recentemente no periódico científico Diabetologia, mulheres que consumiam moderadamente vinho tinto tinham menos probabilidade de desenvolver diabetes. Segundo a pesquisa, feita pelo Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Saúde da População, na França, essas mulheres apresentaram 27% menos casos do que as outras, com um consumo mais leve da bebida.

De acordo com os cientistas, isso se deve ao fato de a bebida feita da uva conter alto teor de antioxidantes que reduzem o impacto dos radicais livres nas células, os mesmos encontrados no chocolate amargo, em frutas silvestres, castanhas e no amendoim.

Brasil : REDUÇÃO
Enviado por alexandre em 08/11/2017 09:19:10


Tarifas de telefone fixo de Oi e Claro serão reduzidas para 3,5 milhões de pessoas

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) autorizou o reajuste dos planos básicos da telefonia fixa (assinatura mensal, habilitação e minutos das ligações locais e nacionais). A média da redução das tarifas locais e interurbanas das concessionárias Sercomtel Telecomunicações; Algar Telecom; Claro S.A (Embratel); Oi S.A (Telemar S.A.) será entre -0,02% a -0,24%. Já as tarifas da Vivo (Telefônica) terão aumento médio de 0,76%.

Concessionária

Claro: -0,10%

Grupo Oi: -0,24%

Sercomtel: -0,02%

Algar Telecom: -0,24%

Telefônica: 0,76%

O reajuste foi decidido sexta-feira passada pelo Conselho Diretor da Anatel. As concessionárias de telefonia fixa são obrigadas a divulgar os novos valores das tarifas em jornais de grande circulação e no portal da empresa dois dias antes da aplicação.

Do total de clientes das concessionárias de telefonia fixa, 3.459.703 utilizam o plano básico de serviço da Oi (25,57%); 818.572 da Telefônica (8,62%); 58.095 da Algar Telecom (8,07%); e 12.763 na Sercomtel (7,41%). Em relação à Claro, o usuário, se não tem um plano contratado com a operadora, paga os valores do plano básico ao selecionar o Código de Seleção da Prestadora (CSP) para a ligação interurbana.

Segundo a Anatel, a tarifa de telefonia fixa é reajustada pelo Índice de Serviços de Telecomunicações (IST). Além disso, no cálculo do reajuste os ganhos de produtividade das empresas são divididos com o consumidor por um redutor tarifário, denominado Fator X. De acordo com análise do conselheiro da Anatel, relator do processo de reajuste, Leonardo de Morais, de outubro de 2016 a setembro de 2017 as tarifas da telefonia fixa caíram 3,96% enquanto o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) registrou aumento de 6,12%.
Fonte: Extra

« 1 (2) 3 4 5 ... 407 »