Brasil - AS DIETAS - Notícias
« 1 ... 4 5 6 (7) 8 9 10 ... 652 »
Brasil : AS DIETAS
Enviado por alexandre em 01/10/2021 10:05:32

Mitos e verdades sobre as dietas da moda que prometem emagrecimento rápido e milagroso

Tanto nas redes sociais quanto na vida real, o que não falta são pessoas com a percepção de que adquiriram maus hábitos alimentares durante a pandemia.

 

Para reverter o ganho de peso, começam a cortar quase ou completamente a ingestão de gorduras e carboidratos, seguindo receitas encontradas na internet. Mas cuidado: há mitos e verdades sobre as dietas milagrosas, e, muitas delas, caso não feitas corretamente e com supervisão de um profissional, podem trazer riscos à saúde.

 

De acordo com a nutricionista Mayrlla Vasconcellos, dietas como a Dukan, Low Carb e cetogênica, que reduzem o consumo de carboidratos, dieta mediterrânea e jejuns intermitentes, no qual a pessoa só pode ingerir água e café sem açúcar, podem ajudar a conquistar o objetivo final do emagrecimento em poucos dias. No entanto, ela alerta que, se feitas de maneira errada, podem gerar o famoso “efeito sanfona" — emagrecer e, assim que parar de seguir as receitas, engordar novamente — ou até mesmo acarretar em perda de cabelo por falta de vitaminas no corpo e, em estágios mais graves, anemia.

 

Veja também 

 

Infecção urinária pode atingir homens e mulheres de todas as idades; saiba como evitar

 

Bons hábitos de saúde podem evitar doenças cardiovasculares

— Todas essas dietas são eficientes, mas para terem efeito duradouro precisam ser feitas sempre e o corpo não pode ficar sem carboidratos, por exemplo. Então, o ideal é que haja uma reeducação alimentar, para evitar o efeito sanfona e você ter prazer em comer sem culpa — explica ela.

 

Outro alerta importante quanto às dietas da moda é que os padrões de alimentos permitidos e proibidos divulgados na internet não servem para todas as pessoas. A especialista lembra que, na hora de montar um cardápio, é preciso levar em consideração o contexto biológico, econômico e sociocultural de cada indivíduo. Não menos importante, deve-se garantir o prazer no ato de nos alimentarmos, pois, é uma das necessidades vitais do ser humano.

 

— Passar com o nutricionista é o ponto chave porque vamos saber o quanto de cada alimento não vai afetar a sua saúde caso esteja fora da dieta. E como a pandemia já causou muita ansiedade, é importante que a busca pelo corpo magro não seja mais uma outra crise — relata Mayrlla.

 

Além disso, é muito importante que a soma desses fatores eliminem os hábitos da vida sedentária. Se aliada a uma rotina de atividades físicas, as dietas supervisionadas ajudam a diminuir consideravelmente o risco de obesidade e doenças cardiovasculares, que hoje é a principal causa de morte no mundo, especialmente de mulheres, segundo a Organização Mundial da Saúde. Uma dieta balanceada também melhora o sistema imune, a qualidade do sono e a disposição.

 

A nutricionista Mayrlla lembra que, para além do atendimento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é possível agendar consultas com um profissional em clínicas online. O ideal é checar a procedência da empresa e do profissional antes de fazer o atendimento, que custa entre R$ 130 e R$ 200 e pode ser feito sem sair de casa.

 

Confira abaixo como funcionam e os mitos e verdades sobre as dietas mediterrânea, Dukan, Low Carb, cetogênica e jejum intermitente.

 

Dieta Mediterrânea

 

Guia da dieta mediterrânea - Como é, cardápio e dicas - MundoBoaForma

 

É uma alimentação totalmente natural e rica em frutas, hortaliças (verduras e legumes), cereais, leguminosas (grão-de-bico, lentilha), oleaginosas (amêndoas, azeitonas, nozes), peixes, leite e derivados (iogurte, queijos), vinho, azeite de oliva e uma enorme variedade de ervas de cheiro, que dão cor e sabor especiais à culinária inspirada em países mediterrâneos, como Espanha, França, Itália e Grécia. Além disso, é caracterizada por um baixo consumo de carnes vermelhas, gorduras de origem animal, produtos industrializados, alimentos ricos em gordura e açúcar.

 

Verdades: ajuda na perda de peso, por ser uma dieta rica em alimentos naturais, e no equilíbrio de doenças ocasionadas pelo excesso de gordura no corpo, como o colesterol.

 

Mitos: apesar da dieta natural, é um estilo de alimentação rico em gorduras que pode levar ao ganho de gordura corporal em alguns casos. O vinho, mesmo sendo recomendado, não é benéfico para pessoas que não podem ingerir bebidas alcóolicas.

 

Dieta Dukan

 

Dieta Dukan: o que é, suas fases e cardápio para emagrecer - Tua Saúde


É uma dieta dividida em 4 fases e, segundo o seu autor, o médico francês Dr. Pierre Dukan, permite emagrecer cerca de 5 kg já na primeira semana. Na primeira fase, a alimentação é feita apenas com proteínas, como frango, salmão, amêndoa, leite e ovos. O tempo de duração da dieta depende da quantidade de peso que a pessoa quer emagrecer. As fases são: ataque, cruzeiro, consolidação e estabilização, e, no decorrer do processo, é permitido inserir frutas, legumes e verduras, pão, queijo e carne.

 

Verdades: leva à perda de peso rapidamente porque é restritiva e não é preciso contar calorias nem medir porções durante as refeições, desde que se respeite as restrições de cada fase da dieta.

 

Mitos: não emagrece de forma definitiva e pode levar ao efeito sanfona. Não é porque é uma dieta composta por alimentos majoritariamente saudáveis, que faz bem a longo prazo; as restrições alimentares podem causar deficiências de minerais no corpo.

 

Dieta Low Carb

  

Dudu Haluch – Dieta, treino, suplementação e hormônios LOW CARB ATÉ QUE  PONTO? - Dudu Haluch - Dieta, treino, suplementação e hormônios

 

É definida pela Organização de Diabetes do Reino Unido como uma dieta onde existe uma redução do consumo de carboidratos, devendo-se ingerir menos de 130 g deste macronutriente por dia. Para manter o corpo ativo e com energia, os nutrientes devem ser proporcionados pelo consumo de gorduras boas e proteínas, como fruta e vegetais, queijos e derivados, carne magra, ovo, azeite e sementes em geral, como chia, linhaça, girassol e gergelim.

 

Verdades: eficiente para emagrecer porque acelera o metabolismo com o aumento das proteínas e da gordura boa na alimentação, ajudando também a reduzir a inflamação do organismo e a combater a retenção de líquidos.

 

Mitos: apesar da redução do carboidrato, ele não deve ser zerado da dieta, como algumas pessoas pensam e, por isso, seguir o cardápio não vai acabar com a sua energia. Mas, é preciso se atentar às restrições do nutricionista.

 

Dieta Cetogênica

 

Frutos do Cerrado Sorvetes e Açaí Delivery em Belo Horizonte | Menu e  Preços | Peça Online | Uber Eats

 

Mais restrita que a Low Carb, a dieta cetogênica permite a ingestão ainda menor de carboidratos, estando entre as 20 e 50 gramas por dia. A ausência do nutriente faz com que o corpo entre num estado conhecido como "cetose", no qual passa a utilizar as gorduras como principal fonte de energia, em vez dos carboidratos. As verduras e frutas estão todas liberadas. No campo das gorduras, manteiga, castanhas, azeite, castanhas, carnes, peixes, frango, ovo, queijos, iogurte e açaí completam a lista dos liberados. As únicas bebidas que podem ser ingeridas são água, café e chá sem açúcar

 

Verdades: como a dieta cetogênica prioriza o consumo de gorduras e reduz bastante o consumo de carboidratos, ajuda na perda de peso, pois vai queimar as gorduras. Com as muitas restrições, é natural que a adaptação dure semanas para que o corpo saiba lidar com a transformação alimentar.

 

Mitos: não é caracterizada necessariamente pela ausência total de carboidratos, até porque isso é quase impossível de se atingir (mesmo com o consumo somente de carnes), mas é composta pela ingestão bastante baixa deles.

 

Jejum intermitente

 

Jejum intermitente. Saiba como fazer e os benefícios

Fotos: Reprodução

 

O método consiste em passar períodos sem comer e períodos se alimentando, com o objetivo de gastar o estoque de gordura. Nesse modelo as pessoas costumam comer no período de 8 horas, realizando apenas 3 refeições, e ficam sem consumir nenhum alimento por 16 horas. Durante esse período é permitido apenas ingerir água e bebidas não calóricas, como café e chá sem açúcar. A janela de alimentação costuma ocorrer das 10 horas da manhã até as 18 horas da noite. É importante lembrar que para perder peso é preciso consumir alimentos saudáveis após o período de jejum.

 

Verdades: O emagrecimento é perceptível em cerca de uma semana. O período em que se está dormindo deve ser incluído no jejum, o que facilita a adesão à estratégia. Caso não seja seguido com orientação e dieta complementar, pode gerar compulsão alimentar. Não é preciso restringir completamente os alimentos calóricos.

 

Mitos: O jejum não faz mal à saúde, ele melhora a digestão, os níveis de insulina e colesterol, desde que seja feito de forma correta. Não emagrece de forma definitiva e não requer ser seguido todos os dias.

 

Fonte: Extra

Brasil : 3ªIDADE VALORIZE
Enviado por alexandre em 01/10/2021 10:00:58

Dia Nacional do Idoso conheça políticas públicas para esta população

Dos 210 milhões brasileiros, 37,7 milhões são pessoas idosas, ou seja, que têm 60 anos ou mais. Os dados são deste ano e fazem parte de uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que traz também outras estatísticas: 18,5% dessa população ainda trabalha e 75% dela contribuem para a renda de onde moram.



Para lembrar a importância dessa população e de seus direitos é celebrado hoje (1º) o Dia Nacional da Pessoa Idosa. A comemoração foi instituída em uma Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e no Brasil.
Os direitos dos idosos estão garantidos na Constituição Federal, que, em seu Artigo 230, define que família, sociedade e Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando a sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade, promovendo seu bem-estar e garantindo o direito à vida.

 

Outro instrumento para garantia dos direitos dessa população é o Estatuto do Idoso. Criado em 2003, ele assegura, de forma permanente, direitos fundamentais, medidas de proteção, política de atendimento, acesso à Justiça e proteção judicial.

 

Veja também

 

FGTS: saque-aniversário começa nesta sexta para nascidos em outubro

 

'Espero que se concretize política de botijão de gás da Petrobras', diz Bolsonaro durante live semanal

 

Mesmo com todas essas garantias, idosos ainda são vítimas de diversos tipos de violência, entre elas física, psicológica e financeira. Para combater esses abusos, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) criou uma cartilha sobre o combate à violência contra a pessoa idosa e recebe denúncias contra essa população por meio do Disque 100. Com base nessas denúncias, o MMFDH deflagrou, no fim do ano passado, em parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), a Operação Vetus. Foram apuradas13.424 denúncias que resultaram na instauração de 3.703 inquéritos e na prisão de 569 pessoas.

 

Para prevenir os abusos financeiros contra essa população o MMFDH está dando cursos de educação financeira a mil instituições de longa permanência para idosos (Ilpis). Também firmou parceria com a Federação Nacional dos Bancos (Febraban) numa campanha em que alerta para os golpes financeiros contra os mais velhos, que aumentaram 60% durante a pandemia.

 

Pacto


Para assumir compromisso formal entre os governos federal, estadual e municipal com vistas a implementar as políticas públicas destinadas à promoção e defesa dos direitos das pessoas idosas foi criado o Pacto Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa (PNDPI)). Até o momento, 18 estados aderiram à estratégia, que tem como metas ampliar o número de conselhos dos Direitos das Pessoas Idosas e de fundos municipais destinados a esse fim.

 

Para aumentar os valores destinados a esse fundo, uma parceria entre o MMFDH e a Receita Federal permitiu que o contribuinte possa, na declaração de Imposto de Renda, doar recursos financeiros aos fundos vinculados aos conselhos que tratem exclusivamente da pauta da pessoa idosa, sejam municipais, distrital, estaduais ou nacional.

 

Graças a essa iniciativa, só neste ano os fundos dos Direitos da Pessoa Idosa (FDI) receberam mais de R$ 51,5 milhões, em doações feitas durante a declaração do Imposto de Renda 2021. O valor é mais que o dobro doado no ano anterior, de R$ 22,8 milhões.

 

Abrigos


Outra frente de trabalho busca apoiar as instituições de longa permanência para idosos (Ilpis), conhecidas como abrigos. Um auxílio emergencial de R$ 160 milhões beneficiou mais de 2 mil instituições e 60 mil idosos. Já o Programa Solidarize-se já cadastrou mais de 5 mil instituições desse tipo e destinou R$ 5 milhões para atender a 500 delas e, assim, auxiliar cerca de 18 mil idosos. No ano passado, foram investidos R$ 2 milhões para a instalação de equipamentos nas Ilpis. Neste ano, a meta é chegar a R$ 5 milhões em investimentos.

 


 

Participação popular


O Solidarize-se também conta com participação popular. Por meio do Programa Pátria Voluntária foram arrecadados mais de R$ 3,3 milhões, beneficiando 8.500 pessoas idosas que vivem em abrigos, com cesta básica e itens de higiene pessoal.

 

Fonte: Agência Brasil

Brasil : COVID NO BRASIL
Enviado por alexandre em 28/09/2021 00:01:05

Por que últimos dias de setembro são decisivos para o futuro da pandemia
  • André Biernath - @andre_biernath
  • Da BBC News Brasil em São Paulo
Homem de touca e máscara olha para o horizonte. Ao fundo, o Cristo Redentor

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Apesar de queda constante nos registros de infecções e óbitos relacionados ao coronavírus, acontecimentos recentes podem alterar perspectivas de controle da pandemia

O final de setembro é marcado pelo fim do inverno e o início da primavera no Hemisfério Sul. Mas, em 2021, esse período também pode estar relacionado a outra mudança significativa, ao menos no Brasil: especialistas indicam que os próximos dias serão decisivos para entender o futuro da pandemia de covid-19 por aqui.

E isso tem a ver com uma série de fatores que ocorreram nas últimas semanas e que podem ter influência direta no número de casos, hospitalizações e mortes pela doença provocada pelo coronavírus.

Falamos aqui de aglomerações registradas em protestos, eventos e viagens, o menor impacto da variante Delta no Brasil, o avanço da vacinação e até o alívio em algumas medidas restritivas que foram mantidas por cidades e Estados nos últimos meses.

Por ora, as estatísticas trazem certa esperança: desde junho, as médias móveis de casos e óbitos por covid-19 caem constantemente. Mesmo assim, os últimos dias foram marcados por ligeiros aumentos nesses índices.

"De uma maneira geral, podemos dizer que o cenário está cada vez melhor, após aquele período de caos na saúde que vivemos entre março e maio", destaca o epidemiologista Paulo Petry, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Mas será que os gráficos seguirão nessa trajetória de queda daqui para frente? E o que cidadãos e gestores públicos deveriam fazer agora para manter essa onda de boas notícias?

Onde estamos?

O primeiro semestre de 2021 foi marcado por uma segunda onda altíssima de infecções e óbitos por covid-19 no Brasil. Os sistemas de saúde de várias cidades entraram em colapso e não existiam vagas suficientes para suprir a demanda de novos pacientes.

No auge da crise, o país chegou a registrar médias móveis de 77 mil novos casos e 3 mil mortes pela doença todos os dias. Não à toa, o país foi classificado como o epicentro da pandemia naquele momento.

Na virada para o segundo semestre, essas curvas começaram a cair, embora tenham se mantido em patamares muito elevados durante os meses de julho e agosto.

Mais recentemente, ao longo do mês de setembro, as médias móveis estavam na casa dos 14 mil novos casos e 500 óbitos por covid-19 — números que chegam a ser seis vezes menores do que o registrado lá no pico da segunda onda.

O que explica essa queda tão grande? O pesquisador em saúde pública Leonardo Bastos, da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), destaca o papel das vacinas.

"O que aconteceu nesse meio tempo foi a vacinação, que teve um efeito muito claro e impressionante. Vimos uma redução consistente nos casos e nos óbitos", analisa.

A campanha de imunização contra a covid-19 começou em janeiro e fevereiro de 2021, mas os primeiros meses foram marcados pela escassez de doses, que serviram para proteger apenas a camada mais vulnerável da população, como os idosos e os profissionais da saúde.

No meio do ano, a chegada de milhões de unidades de imunizantes permitiu incluir praticamente toda a população adulta brasileira na campanha — no início de setembro, muitos prefeitos e governadores comemoraram o fato de que praticamente 100% dos cidadãos acima de 18 anos já haviam recebido ao menos a primeira dose que protege contra o coronavírus.

Pessoas de máscara em fila para vacinação. Ao fundo, placa escrito "Vacina Covid Acima de 60 anos"

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Adesão dos brasileiros à campanha de vacinação foi muito mais alta do que o observado em partes dos EUA e da Europa

No momento, cerca de 70% de todos os brasileiros já tomaram a primeira dose e 40% completaram o esquema vacinal (com a segunda dose ou com a vacina da Janssen, que exige apenas uma aplicação).

E aqui pesou bastante o fato de o Brasil ser um dos locais do mundo onde há grande aceitação dos imunizantes. Em partes dos Estados Unidos e da Europa, a campanha de vacinação até começou bem, mas esbarra atualmente numa parcela da população que se recusa a tomar as doses.

Uma nova subida?

Apesar da queda sustentada nos números durante os últimos meses, algumas estatísticas mais recentes, colhidas nos últimas dias, mostram um ligeiro aumento nos casos e nas mortes por covid-19.

Na segunda quinzena de setembro, a média móvel de mortes voltou a ficar acima de 500 por dia no Brasil — no início do mês, essa taxa estava na casa dos 400.

Outra coisa que chamou a atenção foi a inclusão repentina de dados que estavam represados em alguns Estados. São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, incluíram 150 mil casos de covid-19 "atrasados" no sistema de vigilância.

Isso fez com que a média móvel de casos explodisse de um dia para outro: segundo o site do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), essa taxa estava em 14 mil no dia 17 de setembro e pulou para 34 mil em 18/9.

De acordo com informações divulgadas pelas próprias Secretarias Estaduais de Saúde, o e-SUS Notifica, a plataforma onde esses números são registrados, passou por atualizações e ajustes.

Com isso, as equipes responsáveis por realizar a notificação encontraram algumas dificuldades nos últimos dias. A expectativa é que as curvas voltem a se normalizar em breve, mas é preciso acompanhar se isso realmente acontecerá ou teremos efetivamente um novo aumento entre o finalzinho de setembro e o início de outubro.

7 de setembro

Manifestação do dia 7 de setembro

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Manifestações do dia 7 de setembro foram marcadas por aglomerações

Ainda entre as possíveis ameaças com potencial de quebrar essa sequência de boas notícias, os especialistas chamam a atenção para o que ocorreu no feriado do dia 7 de setembro.

"Nesta data, tivemos manifestações em várias cidades do país e muitas pessoas também aproveitaram para viajar", destaca o virologista José Eduardo Levi, coordenador de pesquisa e desenvolvimento da Dasa.

Em locais como Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, centenas de milhares de brasileiros se reuniram para demonstrar apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em setembro, também ocorreram manifestações contra o presidente.

"E nós vimos pelas imagens que as pessoas estavam aglomeradas e muitas não usavam máscara" complementa o cientista, que também faz pesquisas no Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP).

A janela entre o contato com o coronavírus e o desenvolvimento da covid-19 costuma demorar até 15 dias. Ou seja: se alguns indivíduos que estiveram aglomerados no dia 7 de setembro se infectaram e criaram novas cadeiras de transmissão a partir dali, os efeitos práticos disso só serão sentidos do dia 22/9 em diante.

"O último feriado foi a prova dos noves. Os eventos ocorreram em plena circulação da variante Delta e precisamos ver como isso repercutirá na pandemia a partir de agora", completa Levi.

A Delta triunfou ou refugou?

Ilustração do sequenciamento do vírus

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Variante Delta foi identificada no fim de 2020 e causou enorme estrago em várias partes do mundo

Falando em variantes, um terceiro aspecto que ajuda a explicar os números recentes tem justamente a ver com a Delta, que surgiu no final de 2020 e causou (e ainda causa) um enorme estrago em várias partes do mundo, como Índia, Indonésia, Reino Unido, Israel e Estados Unidos.

As novas ondas de casos e mortes relacionadas a essa nova linhagem viral no mundo deixaram os pesquisadores brasileiros de cabelo em pé: o que impediria a Delta de provocar o mesmo problema em nosso país?

Alguns grupos de pesquisa que fazem a vigilância dos coronavírus que estão em circulação mostraram que essa variante se tornou dominante em algumas cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, a partir de agosto.

Mas, felizmente, a realidade contraria essas expectativas e não houve um aumento das internações e mortes por covid-19 no Brasil, pelo menos até agora.

"Em locais como Londres, Nova York e Israel, passaram-se cerca de dois meses entre a chegada da Delta e um grande aumento no número de casos de covid-19", calcula Levi.

"As projeções matemáticas indicavam um cenário catastrófico para o Brasil também. Mas essa variante foi detectada aqui no começo de junho, então a explosão de casos deveria ocorrer em agosto. Já estamos no final de setembro e os números não subiram", conclui.

Mas como explicar isso? Por que essa variante não foi um bicho de sete cabeças até agora no Brasil, como se esperava?

De acordo com os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, há algumas teorias que podem ajudar a entender esse fenômeno.

O primeiro deles é novamente o avanço da vacinação: apesar de as doses disponíveis perderem um pouco da efetividade contra a Delta, elas continuam a funcionar relativamente bem, especialmente contra as formas mais graves da covid-19, que exigem hospitalização e intubação.

Profissional da saúde trabalha com paciente em maca ao fundo

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A taxa de ocupação de leitos por covid-19 no Brasil também caiu consideravelmente neste segundo semestre, apontam os boletins da FioCruz

O segundo motivo está relacionado àquela segunda onda de casos que acometeu o país entre março e maio.

"Tivemos muitas pessoas infectadas, então ainda há uma resposta imune natural relacionada à variante Gama, que foi responsável pelo pico registrado no primeiro semestre", contextualiza Levi.

Juntos, esses dois ingredientes podem ter feito com que uma parcela considerável da população brasileira ainda tenha um bom nível de anticorpos, seja pela vacinação ou pela infecção natural (que, aliás, nunca é desejável, pois isso está relacionado ao aumento de mortes). E, por sua vez, essa soma de fatores poderia ter sido capaz de barrar uma nova onda de infecções pela Delta.

Vale reforçar aqui que essas são apenas suspeitas e ainda não existem evidências científicas sólidas para confirmar a ligação entre essas duas coisas.

Para onde vamos?

Num cenário positivo, mas com algumas incertezas importantes, os especialistas entendem que é preciso observar o que acontecerá nas próximas semanas antes de ter a certeza de que o pior já passou.

A epidemiologista Ethel Maciel, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), pondera que a pandemia no Brasil parece estar sempre atrasada em relação ao que ocorre em algumas partes do Hemisfério Norte.

"Até o momento, as curvas epidemiológicas da covid-19 nos Estados Unidos e na Europa se repetiram algumas semanas depois em nosso país", lembra.

E a situação de momento nesses locais não é das melhores: com o avanço da Delta e as dificuldades em convencer parte da população a tomar as vacinas, o número de casos e mortes voltou a subir de forma considerável por lá. Em terras americanas, por exemplo, já são registrados mais de 2 mil óbitos por covid-19 todos os dias, de acordo com os últimos boletins.

Será que o mesmo cenário vai acontecer no Brasil? Ninguém sabe. "Dada nossa cobertura vacinal, a tendência é que a gente mantenha essa queda nos dados ou a situação se estabilize num certo patamar de casos e mortes", projeta Bastos, da FioCruz.

"Agora, não temos certeza se esse patamar será 'aceitável' ou ainda estaremos com muitas hospitalizações e mortes por infecções respiratórias todos os dias", completa.

Falamos aqui de probabilidades. E é preciso ter em mente outras coisas que podem aparecer pelo caminho, como o surgimento de uma nova variante ainda mais potente que a Gama ou a Delta e com capacidade de driblar completamente as vacinas.

"Uma coisa que aprendemos durante essa pandemia é o quanto o coronavírus é imprevisível, portanto não podemos cantar vitória ainda", concorda Levi.

O efetivo controle da pandemia depende do engajamento da população, que precisa ir aos postos de saúde para tomar a primeira, a segunda ou, se for o caso, a terceira dose dos imunizantes.

Fila para vacinação no Rio de Janeiro

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

É importante que todas as pessoas voltem ao posto para tomar as doses de vacina preconizadas para proteger contra as formas mais graves de covid-19

"Também devemos tomar muito cuidado com as medidas não farmacológicas, como usar máscaras de qualidade e evitar aglomerações", diz Maciel.

"Não podemos cometer o mesmo erro dos Estados Unidos, que retirou a obrigatoriedade das máscaras e precisou voltar atrás logo depois. Retomar essas políticas é sempre muito difícil", diz a epidemiologista.

Petry entende que as reaberturas anunciadas por Estados e municípios do Brasil também precisam ser feitas aos poucos e com muito cuidado. "A flexibilização precisa ser gradual, e não aquele oba-oba que vimos na Europa", conta.

"E os gestores precisam sempre acompanhar os números e ter pulso para agir a tempo caso percebam uma piora", sugere o epidemiologista da UFRGS.

No reino das incertezas, será necessário aguardar as próximas semanas de setembro e outubro para entender se o futuro da pandemia no Brasil será marcado por frustração ou esperança.

Brasil : GOOGLE 23 ANOS
Enviado por alexandre em 27/09/2021 23:56:40

10 coisas que você talvez não saiba sobre o buscador
doodle em homenagem aos 23 anos do google

Ao completar 23 anos de existência em 2021, o buscador da gigante de tecnologia Google — seu principal serviço — processa, em média, mais de 63 mil buscas por segundo em mais de 150 línguas, de acordo com o site Search Engine Land. Estima-se que 9 em cada 10 buscas feitas na internet sejam feitas por meio do Google.

No processo de tornar-se o principal buscador do planeta, ele também se consolidou como um modelo de negócios, um coletor de informações pessoais e uma plataforma de anúncios, que detém em torno de 30% do mercado de publicidade online.

Cada vez em que você faz uma busca, o Google descobre um pouco mais sobre as suas preferências e hábitos — mas quanto você sabe sobre o Google?

Eis alguns fatos que podem te surpreender:

1. O nome

Página do Google olhada com lupa

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Nome da empresa mais famosa do mundo da tecnologia começou como erro ao soletrar termo matemático

O nome Google nada mais é do que a escrita incorreta do termo matemático "googol" — o número 1 seguindo de 100 zeros.

Há muitas histórias não confirmadas sobre como, nos primeiros dias da empresa, um engenheiro ou um estudante teriam soletrado a palavra incorretamente.

O erro acabou sendo muito usado e se tornou o nome da nova ferramenta.

2. 'Massagem nas costas'

Colchão de massagem em Bali

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Sistema de busca do Google tinha nome "massagem nas costas", referindo-se aos links usados para rankear as páginas

Os cofundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, chamavam o buscador originalmente de Backrub, a palavra em inglês para "massagem nas costas".

Mas isso não tinha nada a ver com a massagem real. Era uma referência ao sistema de encontrar e ranquear páginas com base nos links que outros sites faziam para elas.

3. Brincadeiras

Página de busca do Google para a palavra "askew"
Legenda da foto,

Os engenheiros do Google gostam de fazer pegadinhas em algumas buscas, e de espalhar jogos secretos

Os engenheiros e designers do Google gostam de programar pegadinhas em algumas buscas.

Digite, por exemplo, a palavra em inglês askew, que significa torto ou inclinado.

Ou digite o nome do jogador Pelé e veja o que acontece lá embaixo com os links das próximas páginas de resultados.

Notou algo diferente na página?

4. Bodes para cortar grama

Dois bodes sob céu azul

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Empresa diz que usar bodes para aparar a grama é melhor para o meio ambiente do que cortadores

O Google diz que uma das iniciativas mais "sustentáveis" que apoia é trocar cortadores de grama por bodes.

Os gramados do Googleplex, a sede da empresa em Mountain View, na Califórnia, precisam ser aparados regularmente. Por isso, volta e meia é possível ver um grupo de cerca de 200 bodes se alimentando no complexo.

5. Um negócio em crescimento

Logos de empresas de mídias sociais

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

O Google é dono de mais de 70 empresas de internet, incluindo alguns dos principais serviços de mídias sociais

Além do Gmail, do Google Maps, do Google Drive, do Google Chrome e outros, o Google vem adquirindo, em média, uma companhia por semana desde 2010.

Você pode não saber, mas empresas como Android, YouTube, Waze e AdSense são propriedade do Google, assim como dezenas de outras.

O YouTube, aliás, foi adquirido em 2006 por cerca de US$ 1,65 bilhão (R$ 9 bilhões nos valores de hoje). Atualmente, a plataforma de vídeos fatura cerca de US$ 20 bilhões (R$ 107 bilhões) por ano.

6. O Doodle

Vencedor da competição Doodle 4 Google de 2014

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A competição "Doodle 4 Google" convida estudantes americanos a redesenhar o logo da homepage do Google e premia o melhor desenho

O primeiro Google Doodle foi criado para ser uma resposta automática para um e-mail de "fora do trabalho" no dia 30 de agosto de 1998. Nele, o boneco símbolo do festival de contracultura americano Burning Man, aparecia atrás do segundo "o" no logo da empresa.

Page e Brin foram para o festival, no Estado americano de Nevada, e queriam avisar os usuários do serviço que eles não estariam disponíveis para resolver problemas técnicos.

Desde então, os Doodles se tornaram cada vez mais sofisticados — alguns são até jogos — e se tornaram uma tradição do buscador. Eles celebram dias significativos ou personalidades de diversos países com ilustrações especialmente encomendadas.

Entre os doodles mais memoráveis, estão o da descoberta de água na Lua e o do aniversário de 70 anos de John Lennon — o primeiro doodle em vídeo de todos os tempos.

A empresa criou até uma página especial onde ficam armazenados todos os doodles antigos.

7. Uma oportunidade perdida

Em 1999, Page e Brin tentaram vender o Google por apenas US$ 1 milhão, mas não houve compradores interessados. Mesmo quando eles reduziram o preço.

Doodle do 21º aniversário do Google

Crédito, Reprodução Google

Legenda da foto,

Larry Page e Sergey Brin criaram o Google como um projeto de pesquisa na Universidade Stanford, na Califórnia, e o lançaram como empresa em 1998

Agora, a empresa que controla o buscador do Google e outros produtos da empresa ultrapassou a marca de US$ 1 trilhão (R$ 5,3 trilhões) em valor de mercado, de acordo com a revista Forbes. A marca Google, segundo a publicação, é a segunda mais valiosa do mundo (US$ 207,5 bilhões, ou R$ 1,1 bilhão).

Page e Brin estão entre as 10 pessoas mais ricas do mundo, com fortunas estimadas pela Forbes em US$ 91,5 bilhões (R$ 488 bilhões) e US$ 89 bilhões (R$ 475 bilhões) respectivamente.

A plataforma de buscas opera em todo o mundo em mais de 150 idiomas, respondendo a trilhões de consultas de pesquisa por ano.

8. Lema e acusações

Ovos "bom" e "ruim"

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Fundadores do Google já foram criticados por supostamente não respeitarem lema "Não seja mau"

"Não seja mau" é um dos lemas originais — e o mais famoso — da empresa.

Se eles se mantêm fiéis a este lema, é algo que divide opiniões de pesquisadores, críticos e usuários.

Autoridades ao redor do mundo, incluindo Europa, EUA e China, tentam há anos limitar o poder das grandes empresas de tecnologia, que se tornaram dominantes na era do capitalismo da internet.

Entre as críticas a essas companhias, estão acusações de prática de monopólio, tratamento desfavorável aos produtos da concorrência em suas plataformas, uso abusivo de dados de clientes e aquisição de todas as pequenas empresas com potencial de ameaçar sua hegemonia. O Google nega as acusações.

É possível que no futuro grandes empresas como Facebook, Google, Amazon, Apple e Microsoft se vejam obrigadas a dividir seus negócios e a reduzir seu tamanho para cumprir as leis antitruste ao redor do mundo.

9. Comida importa — e muito

Sede do Google em San Francisco

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Sempre há algo para comer nos escritórios do Google

De acordo com a revista Forbes, o cofundador da empresa, Sergey Brin, decidiu logo no início que nenhum escritório do Google deveria ficar a mais de 60 metros de distância de algum tipo de comida.

Diz-se que, nos primeiros dias do Google, o lanche favorito dos funcionários eram os Swedish Fish ou "peixinhos suecos", balas de goma em formato de peixe.

Hoje em dia, os "googlers", como se chamam os funcionários da empresa, têm acesso a refrigeradores e cozinhas gourmet com lanches e bebidas de diversos tipos.

10. O melhor amigo

Cachorro em escritório

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Animais domésticos precisam ser treinados especialmente para serem levados ao escritório do Google

No Google, os funcionários, incluindo os "nooglers" (novatos na empresa) podem levar seus cachorros para o trabalho.

Na condição, é claro, de que eles sejam treinados para estar nos escritórios — e não façam suas necessidades dentro dos prédios, por exemplo.

Mais curiosidades

Sede do Google em 22 de agosto de 2013

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A sede do Google tem uma sessão só de Lego em seu quarto andar

O índice de busca do Google é, hoje, cerca de 100 vezes maior do que era em 1999. E é atualizado 10 mil vezes mais rápido do que na época.

Uma única pesquisa realizada no buscador utiliza a mesma capacidade de processamento que foi necessária para enviar os astronautas da Apollo 11 para a Lua.

E 15% das buscas feitas diariamente nunca foram realizadas antes.

Os fundadores da empresa também gostam muito dos brinquedos de plástico Lego. Tanto que o primeiro servidor do Google — um conjunto de 10 drives — foi colocado dentro de uma unidade feita de Lego.

Brasil : CHÁS/SAÚDE
Enviado por alexandre em 27/09/2021 09:33:47

Descubra quais são os chás perfeito para sua saúde

Quem nunca ouviu falar que chás fazem bem para a saúde? Para muitas doenças, principalmente resfriados ou gripe, vez ou outra, os avós recomendavam tomar chás para melhorar a congestão nasal, acalmar a tosse, ou até mesmo para fazer melhor digestão após a refeição que não caiu bem.

 

Além disso, essa bebida pode ajudar a diminuir o estresse e também colaborar para os indivíduos desacelerarem, ainda mais quando o dia foi agitado ou quando se sabe que terá um dia com diversas tarefas que precisam ser executadas da melhor maneira possível.

 

Há muitos chás que podem te ajudar a conseguir equilíbrio emocional, principalmente aqueles que são preparados com as flores! Assim, para mergulhar a fundo na primavera, separamos 4 receitas de chás de flores, que podem ser feitos no início, fim do dia. Confira abaixo!

 

Veja também

 

Abacaxi e canela: Uma mistura poderosa que pode aumentar a imunidade e prevenir doenças

 

Café da manhã saudável e rápido: 4 ideias para não pular essa refeição

 

Chá de flor de camomila contra cólica menstrual

 

9 benefícios do chá de camomila para a saúde - Tua Saúde

 

Ingredientes:

1 colher (sopa) de folhas e flores secas de camomila (Matricaria chamomilla)
1/2 colher (sopa) de sementes frescas de erva-doce (Foeniculum vulgare)
1/2 colher (sopa) de ramos frescos de alecrim (Rosmarinus officinalis)
2 copos (250ml cada) de água fervente

 

Modo de fazer:

Em uma panela, coloque a camomila, a erva-doce e o alecrim. Despeje a água fervente, tampe e deixe abafado por 5 minutos. Em seguida, coe e beba 2 copos (200ml cada) por dia.

 

Contraindicação:

O famosos chá de camomila pode causar alergias como, dermatite e também náuseas, vômitos, excitação e insônia. Quem possui úlcera gástrica não deve consumir erva-doce, pois pode sofrer convulsões. Além disso, o alecrim não é recomendado para diabéticos, hipertensos, gestantes, pessoas com pressão alta, inflamações na pele e hipertrofia da próstata.

 

Chá de flor de bardana para suavizar a gastrite

 

Benefícios do Chá de Bardana e como fazer - MundoBoaForma

 

Ingredientes:

1 litro de água
1 colher (sopa) de folhas e flores frescas de bardana (Arctium lappa)

 

Modo de fazer:

Em uma panela, coloque a água e leve ao fogo até ferver. Desligue, acrescente a bardana e deixe abafado por 5 minutos. Coe e beba 1 xícara (chá) a cada 6 horas.

 

Contraindicação:

Não é recomendado para crianças, pessoas com diarreia crônica ou abcessos já drenados não devem consumir a bardana.

 

Chá de flor de maracujá contra a insônia

 

CHÁ DE PASSIFLORA 100G (PASSIFLORA INCARNATA, GRANEL) - Armazém Santa  Helena | Grãos, Cereais e Economia

 

Ingredientes:

1 copo de água (250ml)
1 colher (chá) de flores secas de maracujá
1 colher (chá) de flores e folhas secas de camomila (Matricaria chamomilla)

 

Modo de fazer:

Coloque as flores do maracujá e a camomila em uma xícara. Leve a água ao fogo e desligue antes de ferver. Despeje a água na xícara. Abafe por 10 minutos, coe e beba 30 minutos antes de se deitar.

 

Contraindicação:

O maracujá não é recomendado para gestantes e pessoas com pressão arterial. A camomila pode causar náuseas e dermatite de contato em pessoas sensíveis. Em excesso pode causar vômitos, excitação e insônia.

 

Chá de flor de dente-de-leão para aliviar amidalite

 

Chá de dente-de-leão: benefícios e como fazer - GreenMe Brasil

Fotos: Reprodução

 

Ingredientes:

1 colher (chá) de folhas, flores e raízes secas de dente-de-leão (Taraxacum officinale)
1 e 1/2 xícara (chá) de água

 

Modo de fazer:

Coloque as folhas, flores e raízes de dente-de-leão e a água em uma panela. Em seguida, leve ao fogo para ferver durante 5 minutos. Desligue, espere amornar e coe. Adoce com 1 colher (sopa) de mel. Faça gargarejos com esse chá até 3 vezes ao dia.

 

 

Contraindicação:

Lembre-se, tudo que é demais não faz bem e com o dente-de-leão não é diferente, em excesso pode causar náuseas, vômitos, diarreia e azia intensiva. 

 

Fonte: Alto astral

« 1 ... 4 5 6 (7) 8 9 10 ... 652 »