Brasil - ELES ESTÃO AI - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 507 »
Brasil : ELES ESTÃO AI
Enviado por alexandre em 24/06/2019 08:23:25

Chineses e Americanos discretamente estudam a compra dos Correios

Chinesa Alibaba e a norte-americana Amazon, discretamente estudam a compra dos Correios

Duas gigantes do setor de vendas online – a chinesa Alibaba e a norte-americana Amazon – discretamente estudam a compra dos Correios, informam fontes do setor, a secular estatal brasileira que está prestes a ser privatizada. Em tempos de alta demanda de comércio eletrônico, a empresa federal tem o mapa da mina – a logística de entrega nacional – para seus potenciais futuros clientes. O fato de os Correios também atuarem com o Banco Postal pode atiçar o setor bancário. As multinacionais podem se associar a um banco privado brasileiro para a compra.

Clique abaixo em MAIS INFORMAÇÕES e veja a matéria completa

Brasil : A CRISE
Enviado por alexandre em 23/06/2019 19:01:55

Com crise, renda do trabalhador chegou a cair mais de 16% em 5 anos

Os anos de crise, além de terem destruído empregos e levado ao aumento da informalidade, também corroeram o rendimento dos trabalhadores da maioria dos segmentos. A depender da área de atuação, a perda real (já considerada a inflação) superou os 16% nos últimos cinco anos. De nove setores da iniciativa privada analisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cinco tiveram quedas significativas na renda que o trabalhador recebe habitualmente por mês. 

Entre o primeiro trimestre de 2014, antes da recessão, e os três primeiros meses deste ano, os trabalhadores de alojamento e alimentação (de hotéis, pousadas, restaurantes ou vendedores de alimentos), da construção e do transporte foram os que tiveram as maiores perdas reais de rendimento, de 7,2% a 16,3%, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) – Contínua, do IBGE, selecionados para o Estado pela consultoria LCA.

Entre os trabalhadores da iniciativa privada, apenas os da agricultura tiveram aumento real expressivo do rendimento habitual, de 5,2% durante esse mesmo período. No grupo que inclui quem trabalha no setor público, houve um aumento real ainda maior, de 7,5%. 

Queda na renda das famílias e o aumento da informalidade – sobretudo em atividades ligadas aos serviços, como o transporte com aplicativos e a venda de alimentos – e o afundamento do setor de construção civil ajudam a explicar o menor rendimento que esses trabalhadores têm recebido, avalia o economista Cosmo Donato, da LCA.

Por um lado, as famílias têm menos condição de gastar com alimentação fora de casa, transporte e lazer hoje do que gastavam em 2014, diz Donato. “Por outro lado, desempregados da indústria e do comércio recorreram ao transporte e à alimentação para sobreviver, vendendo comida na rua ou se tornando motoristas de aplicativos, por exemplo. A informalidade puxou o rendimento para baixo”.

O motorista particular e taxista Wallinson de Melo, de 34 anos, é um dos trabalhadores que sentiram o impacto do aumento da informalidade em seu segmento. “Até 2014, a gente conseguia tirar facilmente até R$ 12 mil por mês. Foi quando realizei o sonho de comprar uma casa para a minha mãe, na Paraíba. Hoje, com sorte, ganho R$ 6 mil. Com o desemprego, as pessoas trocaram o táxi pelo ônibus e a concorrência aumentou, muito engenheiro virou Uber. Aquele tempo não volta”. 

Desequilíbrio

Muitos que perderam o emprego caíram na informalidade ou conseguiram novas vagas com remuneração mais baixa; quem se manteve empregado, não conseguiu ser promovido, avalia o economista da Universidade de Brasília (UnB) José Luís Oreiro. “O garçom de um restaurante com menos dinheiro no bolso gasta menos no mercadinho. O dono do mercadinho deixa de ir no restaurante. A queda no rendimento habitual gera um efeito negativo, em cascata, na economia”.

“A crise ainda se reflete na renda dos trabalhadores. O empresário que tinha planos de expandir, desistiu. Muitos hotéis passaram a desativar momentaneamente alguns andares, em períodos de movimento mais fraco”, acrescenta Darly Abreu, diretor do Sinthoresp (sindicato que reúne, entre outros, trabalhadores de hotéis, restaurantes, lanchonetes e bares). 

Ele lembra que, além da renda habitual, quem trabalha em restaurantes ganha menos gorjetas do que antes da crise. 


Levantamento do Paraná Pesquisas mostra que para 42,1% dos brasileiros, os trabalhadores da iniciativa privada e que, portanto, fazem parte do RGPS (Regime Geral da Previdência Social) serão os mais prejudicados com a reforma da Previdência.

Para 21,7% dos entrevistados, são os funcionários públicos – vinculados ao RPPS (Regime Próprio de Previdência Social)– os mais afetados com a proposta em tramitação na Câmara dos Deputados. Em 3º lugar estão os empresários e autônomos, com 11,7%. Declararam que ninguém será “mais prejudicado”: 12,3%. Enquanto, 12,2% disseram não saber.

Eis a íntegra da pesquisa divulgada na última sexta-feira (21).

Foram entrevistadas 2.264 pessoas de 26 Estados mais o Distrito Federal e em 176 cidades. O questionário foi feito por telefone de 17 a 21 de junho. A confiança é de 95% e a margem de erro de aproximadamente 2,0% nos resultados gerais.

O instituto também separou a opinião dos brasileiros considerando gênero, faixa etária, escolaridade, população economicamente ativa e inativa e regiões do Brasil. O segmento que melhor avalia a reforma são os entrevistados com ensino superior: 19,6% deles acreditam que ninguém será “mais prejudicado” pelas mudanças no sistema previdenciário. Para os entrevistados no ensino fundamental a porcentagem é de 8,1%.

Os mais pessimistas em relação às mudanças para trabalhadores da iniciativa privada são os entrevistados da região Sudeste, os entrevistados de 25 a 34 anos e os do ensino fundamental. Os três segmentos empataram na avaliação de que os RGPS serão o mais prejudicado com 45,2%.

O grupo que avalia de forma mais negativa o impacto para servidores públicos são os entrevistados de 16 a 24 anos. O que considera a piora mais relevante para os empresários e autônomos são os de 35 a 44 anos.

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Em 20 de fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro foi ao Congresso entregar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da reforma da Previdência. A medida é considerada pelo ministro Paulo Guedes (Economia) como essencial para a retomada econômica do país.

A proposta já foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, onde os deputados analisam se o texto fere a Constituição. Agora, tramita na Comissão Especial que julga o mérito do projeto. O relator Samuel Moreira (PSDB-SP) já apresentou seu parecer e a expectativa é que o projeto substitutivo seja votado na semana que vem.

Se aprovado pelo colegiado especial, a PEC será votada no plenário da Câmara. Lá, precisará de ao menos 308 votos dos 513 deputados, em 2 turnos de votação entre os quais é preciso esperar 1 intervalo de 5 sessões. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer concluir essa etapa antes do recesso de julho. Entenda a tramitação da reforma aqui.

Brasil : AUTOMEDICAÇÃO
Enviado por alexandre em 20/06/2019 22:47:45

Conheça os riscos uso incorreto de medicamentos pode agravar doenças ou levar à dependência
Por Paula Cruz

Diariamente, pessoas estão sob influência de anúncios de remédios que prometem alívio imediato de diversos sintomas. O que muitos não sabem é que estas medicações podem ter reações negativas, isso porque cada organismo reage de forma diferente, o que torna a automedicação perigosa, bem como prejudicial à saúde.

De acordo com o professor do curso de farmácia da UNINASSAU Feira de Santana, Glauber Freitas, o uso incorreto de remédios também pode implicar em falsos diagnósticos, piorando o quadro clínico do paciente. Além disso, em alguns casos, o remédio pode ser prejudicial para outras doenças já diagnosticadas. Como, por exemplo, “um diabético que está com sintomas de gripe e toma um xarope que tem açúcar ou antibiótico que eleve o nível de sua glicose”. “Essa automedicação pode levá-lo a óbito”, explica.

Outro fator que tem causado preocupação, é a dependência que o fácil acesso a esse tipo de medicação tem causado aos usuários. “Os analgésicos, por exemplo, têm sido um dos maiores contribuintes para o vício. É necessário precaução quanto ao uso, pois esse tipo de droga motiva o que chamamos de tolerância, acontece quando o organismo não responde mais aos seus efeitos, então o indivíduo passa a abusar de doses mais altas”, alerta.

É imprescindível alguns cuidados:

Não misturar remédios sem orientação médicaOs medicamentos nada mais são do que produtos químicos que interagem com enzimas e proteínas no nosso organismo, podendo anular ou potencializar o efeito do outro.

Respeitar os horários: Alguns remédios devem ser ingeridos em horários bem definidos, de 4 em 4h, 12 em 12 h. Outros devem ser tomados em jejum para melhor serem absorvidos.

Brasil : FALHOU
Enviado por alexandre em 18/06/2019 23:21:28

Indiano morre ao mergulhar acorrentado no Ganges em número de mágica

Um dia após desaparecer nas águas do Rio Ganges, o corpo do mágico indiano Chanchal Lahiri foi achado pela polícia. O ilusionista indiano havia mergulhado no último domingo (16) totalmente acorrentado para provar que conseguia sair rapidamente.


Conhecido pelo nome nome artístico "Jadugar Mandrake" (o mago Mandrake), Chanchal Lahiri saltou acorrentado de uma grua no rio diante de parentes, policiais e uma multidão que acompanhava o número.


Como o homem de 40 anos não apareceu depois do tempo esperado, as autoridades iniciaram os trabalhos de busca, mas só foram encontrar o corpo no dia seguinte. Antes de começar a apresentação, Lahiri explicou que havia conseguido realizar essa mesma façanha numa versão mais difícil há 21 anos no mesmo lugar.


"Eu estava acorrentado dentro de uma caixa de vidro e fui lançado na água da ponte Howrah. Demorei apenas 29 segundos para sair", disse à AFP o mago Mandrake antes da apresentação deste domingo, reconhecendo em seguida que esta seria mais difícil.


"Se conseguir me liberar, será mágico. Se não conseguir, será trágico", afirmou. Em 2013, Lahiri tentou repetir o némero da fuga da caixa de vidro, mas o público começou a insultá-lo quando foi possível ver uma saída no acessório.


Folha PE

Brasil : POR DENTRO
Enviado por alexandre em 18/06/2019 23:15:02

Conheça os sintomas do diabetes e saiba como se prevenir

O Brasil é o quarto país com maior número de diabéticos do mundo, de acordo com a estimativa do International Diabetes Federation (IDF), atrás apenas dos Estados Unidos, da Índia e da China. Dados do Ministério da Saúde mostram que 12,5 milhões de brasileiros vivem com a doença.


Existem dois tipos mais comuns de diabetes, que é causado pela falha na produção de insulina – hormônio produzido pelo pâncreas, levando à hiperglicemia, aumento do nível de glicose no sangue.  O tipo 1 é uma doença autoimune, comumente diagnosticada na infância ou na adolescência. Já o tipo 2 pode ser causado por tendência genética, estilo de vida inadequado como má alimentação e sedentarismo, além de ganho excessivo de peso.

 

“A diabetes geralmente é uma doença silenciosa, mas em casos mais avançados é possível observar sede excessiva, aumento da fome e da vontade de urinar, perda de peso, visão turva, cansaço nas pernas e hálito desagradável”, alerta a médica endocrinologista Cristina Farah.


Quando não controlada, a diabetes pode desencadear diversas complicações, como perda da visão a até mesmo alterações vasculares que podem resultar em amputação, principalmente dos membros inferiores. Pessoas diabéticas também são mais propensas a sofrer ataques cardíacos e derrames.


“Para não desenvolver a doença, é importante evitar a todo custo o ganho excessivo de peso e não ser sedentário. Quanto a tendência genética, não temos como interferir, no entanto, se não houver muitos erros comportamentais, como má alimentação e sedentarismo, o risco de desenvolver diabetes diminui consideravelmente”, pondera Cristina.


Confira cinco dicas para prevenir diabetes tipo 2:


1. Se alimente bem


Adote um cardápio mais saudável, eliminando a gordura da dieta como carne de porco, creme de leite, manteiga ou o uso de óleo de soja para o preparo das refeições. Invista no consumo de mais fibras e reduza calorias, apostando em frutas, legumes e verduras.


2. Faça atividade física


Pratique exercícios físicos. Uma caminhada de 40 minutos quatro vezes por semana, por exemplo, já ajuda a prevenir a doença.


3. Controle seu peso


O excesso de peso está comprovadamente ligado ao risco de desenvolver a doença. Por isso, consumir alimentos saudáveis diariamente e praticar exercícios físicos com regularidade são recomendações essenciais.


4. Evite bebidas açucaradas e alcoólicas


O consumo elevado de álcool também aumenta o risco de desenvolver a doença, já que a substância pode provocar pancreatite crônica ao reduzir a sensibilidade à insulina. A ingestão em excesso de refrigerantes, sucos ou energéticos também pode elevar o risco de ter diabetes tipo 2.


5. Faça exames regulares


Faça análises regularmente sobre o nível de glicose no sangue, especialmente se você faz parte dos grupos de maior risco: obesos, sedentários e pessoas com histórico familiar da doença.

 

Leia Já



Nove sinais que indicam que você precisa beber mais água
Conheça os principais sinais para evitar um caso sério de desidratação.

Créditos: DR

 

Mais da metade do corpo humano é composto por água e necessitamos dela para viver. Por isso mesmo, o organismo dá alguns sinais importantes para além da sede que sentimos ao passar muito tempo sem ingerir água.


Veja nove sinais infalíveis para saber se seu corpo necessita de mais água (antes de sofrer de um caso sério de desidratação):


1. Boca e lábios secos


Quando está desidratado, há uma diminuição da produção de saliva e é isso que dá a sensação de boca seca. Atenção que essa pode ser também a causa de mau hálito.


2. Sente-se constantemente cansado


Como defesa contra a desidratação, o organismo diminui a irrigação de sangue para órgãos não vitais. Ou seja, os músculos podem começar a operar mais lentamente, fazendo com que se sinta cansado e sonolento.


3. Xixi mais escuro


A cor ideal da urina é de um amarelo bem claro ou transparente. Se o seu xixi estiver amarelo escuro ou laranja, é um sinal certeiro de que a sua urina está mais concentrada e nada saudável.


4. Dor de cabeça


A razão para aquela dor de cabeça incômoda no meio do dia pode ser justamente a falta de água. Especialistas acreditam que, com o baixo nível da substância, haja uma diminuição do sangue no cérebro e assim menos oxigênio na região.


5. Não produz lágrimas o suficiente


Assim como a saliva, as lágrimas podem ser um sinal de que os níveis de água no organismo estão baixos.


6. Pele seca


Melhor que qualquer creme, a água é um ótimo hidratante. Assim que o corpo está com níveis baixos de água, a pele sente e aparenta de imediato os efeitos.


7. Espasmos musculares


Espasmos podem ser comuns em quem não costuma beber muita água. Quando o músculo está sendo muito utilizado e os fluidos estão baixos, alguns movimentos involuntários podem ocorrer. 


8. Cãibras


Vários elementos podem causar cãibras, e uma delas é desidratação e falta de sódio no corpo.


9. Sensação constante de fome (mesmo após comer)


A sensação de sede e fome vem da mesma região do cérebro, então este pode facilmente confundir as duas sensações. Ou seja, pode achar que está com fome mas, na verdade, pode precisar apenas de beber água.

 

Notícias ao Minuto

« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 507 »