Brasil - O CHARME - Notícias
« 1 2 (3) 4 5 6 ... 412 »
Brasil : O CHARME
Enviado por alexandre em 03/12/2017 20:47:25


Homens com 'barriga de cerveja' são melhores na cama, diz estudo. VEJA VÍDEO!

Homens que tenham uma barriga um pouco maior do que as outras podem vir a apresentar um desempenho melhor quando estão com sua parceira?

Se os homens estão buscando muito ficar com o corpo atlético para poderem surpreender as mulheres, pode ser que quando elas ficarem sabendo deste estudo algo venha a mudar sobre isso, afinal, de acordo com o que esta especialista está dizendo, homens que tenham uma barriga um pouco maior do que as outras podem vir a apresentar um desempenho melhor quando estão com sua parceira?. Será que isso é verdade? Evidentemente que isso não faz com que os homens que tenham barrigas estilo tanquinho não possam apresentar um bom desempenho quando estão com suas parceiras, mas se isso que esta mulher que está sendo entrevistada está dizendo for realmente verdade, o fato de um homem poder ter uma barriga maior ele pode vir sim a apresentar um papel bem mais satisfatório.

Mas como a entrevistada mesmo disse, também é preciso apresentar algumas explicações razoáveis para que os homens não comecem a sair comendo exageradamente só para poderem ficar com um desempenho melhor com sua parceira, além do que ela explica o tamanho certo de barriga sendo que não pode ser exagerado por que senão outros problemas podem vir a aparecer. Dito isso, o vídeo foi gravado em Portugal, portanto é necessário que se preste bastante atenção para se entender com perfeição o sotaque dos portugueses, mas é possível perceber com clareza tudo o que a mulher diz.

Veja vídeo

http://portaldozacarias.com.br/site/noticia/homens-com--barriga-de-cerveja--sao-melhores-na-cama--diz-estudo.-veja-vadeo-/

Brasil : SAÚDE
Enviado por alexandre em 01/12/2017 09:23:50


Começam os testes em humanos da vacina contra o vírus da AIDS
Um teste em humanos de uma nova vacina contra o HIV foi lançado na África do Sul.

As vacinas são produzidas por dois grupos de pesquisa apoiados pelo Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH). Uma das iniciativas é financiada pela Fundação Bill & Melinda Gates. A ideia é superar os resultados de um teste de 2009 de uma vacina na Tailândia que mostrou redução de 31% nas infecções. De acordo com o diretor científico da Johnson & Johnson (uma das empresas envolvidas na empreitada), Paul Stoffels, é possível alcançar uma eficácia superior a 50%.

"Esse é o objetivo. Com sorte, nós chegaremos [a padrões] muito mais altos", disse Stoffels à Reuters.

O teste, conhecido como "Imbokodo", envolve 2.600 mulheres sexualmente ativas que vivem na África do Sul, Malawi, Moçambique, Zâmbia e Zimbábue. Tendo recebido a vacina experimental ou um placebo em estações de pesquisa clínica na África do Sul, elas serão monitorados por três anos para acompanhar a prevenção de infecções.

A vacina usa a chamada "tecnologia de mosaico" para combinar proteínas estimulantes do sistema imunológico de diferentes cepas de HIV, representando diferentes tipos de vírus de todo o mundo. Com a ajuda desta técnica, os cientistas esperam desenvolver uma vacina "global" que resolva o problema da variabilidade do vírus.

Embora tenham havido grandes avanços no tratamento e prevenção do HIV e os modernos medicamentos tenham transformado a doença de uma sentença de morte em uma condição crônica, o número de pessoas infectadas continua a crescer e a vacina ainda é considerada um fator crítico para erradicação da doença.

Cerca de 37 milhões de pessoas em todo o mundo atualmente têm HIV e quase 2 milhões de pessoas são infectadas todos os anos.

"Ter uma vacina preventiva seria uma ferramenta vital em uma estratégia global abrangente para acabar com a pandemia", disse Johan van Hoof, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Janssen Vaccins.

Os resultados clínicos iniciais relatados em uma conferência sobre a AIDS em Paris, mostraram que a vacina de mosaico era segura e provocava uma boa resposta imune em voluntários saudáveis.
Fonte: Sputniknews

Brasil : EMBRAPA
Enviado por alexandre em 01/12/2017 01:24:27


Faltam recursos e pesquisa para produção sustentável, diz Embrapa
Painel “Sustentabilidade dá dinheiro: as oportunidades do mercado verde”

Para Marcelo Boechat Morandi, da Embrapa, sistemas que integram lavoura, pecuária e floresta reforçam a resiliência ao ambiente (Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo)

Publicidade
No painel “Sustentabilidade dá dinheiro: as oportunidades do mercado verde”, dentro do Summit Agronegócio 2017, o chefe-geral da Embrapa Meio Ambiente, Marcelo Boechat Morandi, apontou a falta investimento em implementos para a produção agropecuária sustentável e disse que o Brasil precisa de recursos de fomentadores e de fundos para ampliar a participação do segmento. Mesmo com essas deficiências, práticaas mais ecológicas avançam na agropecuária, garantiu, e exemplificou: “O Brasil já tem 11 milhões de hectares com sistemas de integração – lavoura-pecuária ou lavoura-pecuária-floresta (ILPF)”, disse. “Tem-se verificado que a ILPF reforça a resiliência ao ambiente, ampliando a resistência de plantações a períodos prolongados de déficit hídrico, por exemplo.”

Já a falta de comunicação dentro do sistema de produção sustentável foi o principal gargalo apresentado pelo presidente do Grupo de Trabalho de Pecuária Sustentável (GTPS), Ruy Fachini Filho. “Com uma articulação mais ampla da cadeia de valor, teríamos resultados melhores”, disse. Ao citar o GTPS, explicou que um dos seus objetivos é promover sustentabilidade na cadeia pecuária. “A meta é aumentar a produção de forma sustentável”, afirmou. Fachini ressaltou que o grupo realiza programas de capacitação de pecuaristas que promovam a melhoria das técnicas de produção. “Queremos, também, formar um produtor que trabalhe em conjunto com a indústria.”

Outro obstáculo apontado por quem lida com agropecuária sustentável é a ausência de recursos para pesquisa. Para o diretor industrial da Korin Agropecuária, Luiz Carlos Demattê, embora a agricultura orgânica venha se estabelecendo com bases científicas, a falta de recursos “é uma questão estrutural que limita avanços”, assinalou. “O solo e as condições climáticas do País exigem o desenvolvimento de pesquisa para o setor obter melhores resultados”, defendeu Demattê, acrescentando, porém, que se antes a sustentabilidade era um entrave, hoje é oportunidade.

Neste contexto, ele destacou o aumento da demanda por alimentos cuja produção leva em conta valores como bem-estar animal e que prezam e divulgam princípios de sustentabilidade ambiental. “Há um conjunto de consumidores adotando esses alimentos diferenciados”, disse. Sobre a indústria que representa, Demattê explicou que a Korin, ligada à Igreja Messiânica, valoriza “características territoriais dos produtos agrícolas” e que os melhores resultados provêm da produção de frangos orgânicos. (AE)

Brasil : FUTEBOL
Enviado por alexandre em 30/11/2017 18:09:38


Sócios de 73 clubes poderão alugar carros com desconto até dezembro
Ação que mistura motor e bola, duas paixões nacionais, busca mostrar que o aluguel de carro é sim uma solução de mobilidade em todo o Brasil

O Movimento Por um Futebol Melhor , que tem o intuito de desenvolver medidas para que o esporte mais popular do país evolua, juntamente com a locadora Movida, uma das maiores do Brasil, firmaram parceria para que sócios torcedores de 73 clubes nacionais aluguem carros com desconto até o dia 20 de dezembro deste ano, em ação que espera mostrar que esse tipo de serviço pode ser uma solução de movilidade.

Os sócios torcedores dos 73 clubes que participam do movimento terão 15% de desconto e direito a um condutor adicional grátis. O associado precisa apenas informar seu CPF em qualquer uma das lojas da locadora no Brasil e terá direito a usufruir do benefício.

Entre os mais de 140 modelos e marcas disponíveis para alugar, o torcedor pode escolher entre carros mais econômicos e compactos, como o Ônix (Chevrolet) e o HB20 (Hyundai), até automóveis luxuosos, como uma Mercedes-Benz C180 ou Jeep Renegade.

Há a opção também de alugar o Vito, carro que suporta até nove pessoas e que pode ser dirigido com carteira de habilitação tradicional, isto é, é indicado para quem tem uma família maior ou para viajar com uma turma de amigos.
Acessórios

Os carros são equipados com rádio digital, aplicativo para todos os sistemas operacionais com dicas do TripAdvisor, wi-fi no carro, carregadores de celular e outras coisas. O locador pode fazer uma reserva pelas redes sociais da Movida. Fred Fontes, gerente de marketing esportivo da Ambev, falou sobre a ação.

“A ideia do Movimento é sempre gerar mais benefícios aos sócios torcedores. Queremos que os programas dos clubes aumentem seus atrativos, mostrando que compensa muito se associar ao seu time do coração. Com a Movida ganhamos mais um parceiro forte e capaz de garantir um benefício inédito aos sócios dos 73 clubes que fazem parte do Movimento”, disse.

Fonte: Ig Esportes

Brasil : PESQUISA
Enviado por alexandre em 30/11/2017 10:21:31


Brasil tem 30 mil crianças de cinco a nove anos trabalhando

Terra

No Brasil, em 2016, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de um total de 40,1 milhões de crianças e adolescentes no grupo de 5 a 17 anos, 1,8 milhão estavam no mercado de trabalho. O nível de ocupação para esta população foi 4,6%, principalmente concentrado no grupo de idade de 14 a 17 anos. Entre as crianças de 5 a 9 anos de idade, 0,2% encontrava-se ocupada em 2016, ou aproximadamente 30 mil crianças, enquanto no grupo de 10 a 13 esse percentual era de 1,3% ou aproximadamente 160 mil crianças. De 14 a 15 anos, 6,4% dos jovens estavam ocupados (430 mil) e de 16 a 17 anos eram 17% (cerca de 1,2 milhão).

As crianças pretas ou pardas eram maioria entre as ocupadas, representando 64,1%. Entre as crianças ocupadas de 5 a 13 anos, 71,8% eram pretas ou pardas, e para o grupo de 14 a 17 anos, o percentual de pretas ou pardas foi de 63,2%

Na média, no Brasil, 81,4% das crianças e adolescentes ocupados frequentavam a escola no ano de 2016. A desagregação por grupo de idade mostrou que 98,4% das crianças de 5 a 13 que se encontravam ocupadas frequentavam a escola. Para o grupo de 14 a 17 esse percentual foi 79,5%. Das crianças de 5 a 17 anos ocupadas que frequentavam a escola, 94,8% estudavam na rede pública e 5,2% na rede privada.

Dentre as pessoas ocupadas de 5 a 13 anos de idade, apenas 26% recebiam remuneração enquanto as demais não a recebiam. Já no grupo de 14 a 17 anos, 78,2% recebiam remuneração, enquanto os demais não.

A agricultura era a principal atividade das crianças trabalhadoras de 5 a 13 anos, concentrando 47,6% delas. Já para os ocupados de 14 a 17 anos, a principal atividade era o comércio, com 27,2% deles. Além disso, enquanto 66% do grupo de 14 a 17 estavam ocupados na condição de empregado, 73% das crianças de 5 a 13 anos ocupadas eram trabalhadores familiares auxiliares.

Dentre os ocupados de 14 e 15 anos de idade na posição de empregado, 89,5% não tinham carteira de trabalho assinada. Entre os jovens empregados de 16 e 17 anos, o percentual dos que tinham registro em carteira foi de 29,2% em 2016, os demais não eram registrados.

O rendimento médio mensal real habitualmente recebido de todos os trabalhos pelas pessoas de 5 a 17 anos de idade, ocupadas na semana de referência, com rendimento de trabalho em 2016, foi estimado em R$ 514.

O número de horas efetivamente trabalhadas na semana de referência por cada grupo obedeceu a um movimento crescente, registrando jornadas semanais de 8 horas, em média, para os menores (de 5 a 9 anos) e de 28,4 horas, em média, para os maiores (de 16 e 17 anos).

A região com maior proporção de trabalho infantil entre as crianças de 5 a 13 anos de idade foi a Norte, com nível de ocupação deste grupo de 1,5% (aproximadamente 47 mil), seguida pelo Nordeste, com 1% (cerca de 79 mil). Já o trabalho entre os adolescentes de 14 a 17 anos foi proporcionalmente maior na região Sul, com 16,6% no nível de ocupação.

Do total de crianças e adolescentes que estavam no mercado de trabalho em 2016, 34,7% eram mulheres e 65,3% eram homens.

« 1 2 (3) 4 5 6 ... 412 »