Brasil - SAÚDE DA MULHER - Notícias
« 1 2 (3) 4 5 6 ... 403 »
Brasil : SAÚDE DA MULHER
Enviado por alexandre em 05/10/2017 18:00:47


Saúde da Mulher: tudo o que você precisa saber sobre o câncer

Chegou o mês de outubro. Um período de mobilização e conscientização para a saúde da mulher. A cada ano, centenas de mulheres de Manaus são vítimas do câncer de colo de útero e mama. E para evitar a mortalidade, não existe outra saída senão o diagnóstico precoce. Por este motivo, é muito importante que as mulheres procurem uma unidade de saúde e façam exames periodicamente.

Veja os cuidados necessários por faixa etária:

Meninas de 9 a 14 Anos

Precisam tomar a vacina do HPV, que imuniza contra a doença causadora do câncer de colo de útero

Mulheres de 25 a 64 Anos

Precisam realizar o exame preventivo com a ginecologista

Mulheres de 50 a 69 Anos

Precisam realizar o exame da mamografia

O que fazer para evitar o câncer?

Uma vida saudável é o fator primordial para evitar, não só o câncer, como muitas outras doenças. Uma alimentação saudável e balanceada e a prática de exercícios físicos regularmente certamente reduzem de maneira drástica o risco da incidência da doença.

Você sabia?

Que na região Norte e Nordeste, a incidência do câncer do Colo de Útero é maior que o de Mama. Manaus tem a previsão de 520 novos casos de câncer de colo de útero entre 2016 e 2017. Os casos de câncer de mama são de 380. Mais um fator que reforça a necessidade da busca pela vacina contra o HPV para meninas de 9 a 14 anos.

AGÊNCIA BRASIL

Brasil : SAÚDE PÚBLICA
Enviado por alexandre em 05/10/2017 08:46:57


Vacina tríplice viral deve estar atualizada, alerta Ministério da Saúde
Doenças como sarampo e rubéola, já eliminadas no Brasil, são endêmicas em países europeus e podem voltar a circular no País

A vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), deve estar atualizada, segundo alerta do Ministério da Saúde. Doenças como sarampo e rubéola, eliminadas no Brasil desde 2001 e 2010, respectivamente, são endêmicas em países europeus e podem voltar a circular no Brasil.

A imunização correta pode evitar essas doenças. A primeira dose da tríplice viral deve ser ministrada aos 12 meses de idade. Aos 15 meses, uma dose da vacina tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varíola), que corresponde à segunda dose da vacina tríplice e uma dose da varicela.

Caso haja atraso na vacinação, crianças até quatro anos de idade ainda poderão receber a vacina com o componente varicela. A partir de cinco até os 29 anos de idade, deverão ser administradas duas doses com a vacina tríplice viral. Pessoas de 30 a 49 anos de idade devem receber uma dose.

Países como a França, Itália, Alemanha, Bélgica, Bósnia, Geórgia, Cazaquistão, Romênia, Sérvia, Dinamarca, Ucrânia estão sob risco de surtos de sarampo e/ou rubéola. A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que, embora eliminado no Brasil desde 2001, o sarampo é endêmico em nove países da Europa. Já a rubéola, eliminada no Brasil desde 2010, é considerada endêmica em 14 países europeus.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, explica que a vacina é a única medida preventiva e a mais segura contras essas doenças e que é importante que o esquema vacinal esteja completo, conforme as indicações do Calendário Nacional de Vacinação.

“O Brasil tem uma das melhores coberturas vacinais, segundo a OMS, e o Ministério da Saúde trabalha na perspectiva de atingir coberturas adequadas a cada ano. Por isso é importante que a população procure sempre atualizar a caderneta de vacinação”, explica.

Brasil livre de sarampo e rubéola

O Brasil recebeu, no segundo semestre de 2016, o certificado de eliminação do sarampo da Organização Panamericana de Saúde (Opas). Desde 2001, não havia registro de casos da doença originados no Brasil. Entre 2013 e 2015, ocorreram surtos relacionados à importação, sendo que o maior número de casos foi registrado nos estados de Pernambuco e Ceará. Após a implementação de medidas de prevenção e controle, como intensificação vacinal, campanhas de seguimento, bloqueio vacinal, varredura e monitoramento rápido de cobertura vacinal, a transmissão foi interrompida.

Já a meta de eliminação da Rubéola e da Síndrome da Rubéola Congênita foi alcançada em 2010. Desde então, não há registro de casos no País. Em 2008, ocorreu a maior Campanha de Vacinação da Rubéola no mundo, com 65,9 milhões de pessoas na faixa etária de 19 a 39 anos de idade vacinadas, nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Mato Grosso e Maranhão. Nos demais estados, a faixa etária foi de 20 a 39 anos de idade. Naquele ano, a cobertura vacinal foi de 94%.

AGÊNCIA BRASIL

Brasil : ENEM 2017
Enviado por alexandre em 04/10/2017 17:21:43


Na reta final, foco deve ser em simulados e leitura de notícias

Faltando apenas um mês para a primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os estudantes que vão participar da seleção devem aproveitar os últimos dias para revisar o conteúdo e fazer provas anteriores e simulados, sem esquecer de ficar ligado nos noticiários para saber o que está acontecendo no país e no mundo.

Além de solidificar os conceitos, a resolução de simulados e de provas anteriores deve ser a principal estratégia de estudo nesses últimos dias, aconselha o professor de matemática Bruno Vianna, do Colégio Mopi, do Rio de Janeiro. Segundo ele, essa prática faz com que o aluno se acostume com o tempo que terá para analisar e responder a todas as questões no dia do Enem.

“No Enem, o aluno tem que estar preparado para fazer uma prova nos moldes em que ele não está acostumado, pois é muito diferente das avaliações internas que as escolas costumam fazer. Os alunos não têm o costume de resolver 45 questões em um espaço grande de tempo”. Na área de matemática, Vianna diz que os assuntos que vêm aparecendo com mais frequência no Enem são os do ensino fundamental, como geometria plana e proporcionalidade. “Seria bom focar nesses assuntos principalmente”.

O coordenador de biologia do Colégio Sigma, de Brasília, Alessandro Reis, diz que é importante a leitura de temas da atualidade, que são abordados com frequência no Enem. Ele chama a atenção para assuntos ligados à ecologia, como o aquecimento global e os acordos internacionais sobre o clima, que envolvem também as relações internacionais. Outros assuntos da atualidade que podem ser abordados na prova, segundo o professor, são as ocorrências ligadas ao mosquito Aedes aegypti.

Reis também recomenda ao candidato a realização de provas anteriores, para aprender a gerenciar o tempo e identificar dificuldades. “Quando ele pega as provas anteriores para fazer, parte de exames reais e, com isso, ele consegue quantificar o tempo e ver onde encontrou mais dificuldades”.

Para a redação, a sugestão dos professores é analisar provas passadas e trabalhar a compreensão dos temas que já foram propostos. A coordenadora de redação do Colégio Sigma, Carolina Darolt, sugere que os alunos analisem as cinco últimas provas, montando uma estrutura de argumentação, ou seja, analisando qual seria a tese apresentada diante do tema e quais seriam os argumentos. Ela também destaca a importância de o aluno estar atualizado com os noticiários.

Outra dica para os últimos dias é fazer o percurso de casa até o local de prova, para garantir que o candidato saberá chegar ao endereço no dia do Enem, além de ter uma noção do tempo gasto até lá. O cartão de confirmação do Enem estará disponível na página eletrônica do exame a partir do dia 20 de outubro. O cartão informa o local onde cada estudante fará as provas, além do número de inscrição e dos horários.

Neste ano, o Enem será realizado em dois domingos, nos dias 5 e 12 de novembro. A abertura dos portões será às 12h e o fechamento às 13h. O início dos testes será às 13h30, sempre tendo como referência o horário de Brasília.

No primeiro domingo, os estudantes farão testes de ciências humanas, linguagens e redação e terão cinco horas e meia para fazer o exame. No segundo domingo, as provas serão de matemática e ciências da natureza, com prazo de quatro horas e meia.

Estratégia

Para fazer uma prova tranquila, é importante que o estudante tenha uma estratégia para resolver as questões. A dica do professor Bruno Vianna é deixar para o final as perguntas que ele não sabe resolver e priorizar os assuntos que domina.

“Quando esbarrar em uma questão que não domina e não sabe como resolver, ele deve automaticamente pular. Com isso, sobra mais tempo para voltar a essas questões e fazer com mais calma, evitando o nervosismo, porque o que é dele ele já garantiu, e o que vier depois é lucro”, diz. Segundo o professor, o nervosismo durante a prova geralmente é causado por estratégias equivocadas que o aluno costuma adotar.

O resultado das provas do Enem poderá ser usado pelos estudantes em processos seletivos para vagas no ensino público superior, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Fonte: EBC

Brasil : MEIO-AMBIENTE
Enviado por alexandre em 30/09/2017 18:01:43


Perereca encontrada em Pontal do Araguaia vira notícia mundial como novo anfíbio identificado no cerrado brasileiro

Pithecopus araguaius foi identificada no Mato Grosso por pesquisa de campo que começou em 2010

Pithecopus araguaius foi identificada no Mato Grosso por pesquisa de campo que começou em 2010
Cientistas brasileiros anunciaram a descoberta de uma nova espécie de anfíbio no Cerrado, o que evidencia, segundo eles, o potencial ainda inexplorado (e ameaçado) desse bioma no Centro-Oeste do Brasil. A reportagem é da BBC Brasil e mostra que o anfíbio foi encontrado na cidade de Alto Araguaia, a 415 km de Cuiabá.

Veja a íntegra da reportagem assinada por Paula Adamo Idoeta da BBC Brasil.

A perereca Pithecopus araguaius foi primeiro avistada pelos pesquisadores - ligados às universidades Unicamp, em São Paulo, e Federal de Uberlândia (UFU), em Minas Gerais - em estudos de campo em 2010.

Desde então, foi possível confirmar que se tratava de uma nova espécie graças a extensos estudos de DNA e análises morfológicas (da aparência do animal), além de dados acústicos dos sons emitidos pelo anfíbio, distintos dos emitidos até mesmo por pererecas do mesmo gênero Pithecopus.

"O canto serve para que a fêmea reconheça o macho da mesma espécie. Isso nos ajudou a diagnosticar que era (uma espécie) diferente das espécies irmãs", explica à BBC Brasil o taxonomista Felipe Andrade, um dos autores da pesquisa - recém-publicada no periódico científico Plos One - ao lado de Isabelle Aquemi Haga, Daniel Pacheco Bruschi, Shirlei Recco-Pimentel e Ariovaldo Giaretta.

Além disso, os pesquisadores notaram que a araguaius tem a cabeça e o corpo de tamanho um pouco menor que suas irmãs do gênero Pithecopus e um padrão diferente (que os cientistas chamam de não reticulado) de manchas no corpo.

Há, agora, 11 tipos de Pithecopus documentados, sendo o araguaius o mais novo deles. Algumas pererecas desse gênero preferem altitudes mais elevadas, o que também as diferencia da araguaius, que habita terras baixas.

"O reconhecimento da Pithecopus araguaius é importante para o conhecimento da riqueza de anfíbios e diversificação de padrões nessa região", diz trecho do artigo publicado no site da Plos One.

Bioma a ser conhecido

A araguaius foi descoberta na cidade de Pontal do Araguaia, no Mato Grosso, à beira do rio Araguaia - daí seu nome. Posteriormente, os cientistas documentaram a existência da nova espécie também na Chapada dos Guimarães e na cidade mato-grossense de Santa Terezinha.

"A descoberta mostra que em 2017 ainda temos espécies a serem descritas no Cerrado, uma região com alto índice de biodiversidade e sob forte impacto da ação humana", afirma Andrade.

Seu orientador, Ariovaldo Giaretta, acrescenta à BBC Brasil que o fato de essa região do Brasil estar sob pressão - sobretudo pela expansão do agronegócio - pode colocar em risco eventuais descobertas de outras espécies.

"Por acaso achamos essa nova espécie. Quantas outras podem existir? E não temos ideia de o que está sendo perdido nas áreas (de Cerrado) que estão sumindo", diz Giaretta. "Se novos vertebrados ainda estão aparecendo (nas pesquisas), pode haver outras criaturas vivas - invertebrados, plantas. (...) É estarrecedor que (muitas áreas) estejam virando pasto para boi."

No estudo, os pesquisadores citam o Cerrado como "um dos mais ameaçados hotspots da Terra, sobretudo pela perda de hábitats por conta do desenvolvimento urbano e agrícola".

E a própria araguaius pode estar sob perigo de extinção, por ser uma perereca que habita áreas baixas e, portanto, de interesse do agronegócio.

"Ainda precisamos de muitos esforços para conhecer nossa biodiversidade do Cerrado e mais ainda da Amazônia", opina Andrade.

OLHAR DIRETO

Brasil : TURISMO
Enviado por alexandre em 29/09/2017 18:28:35


Brasil é o 1º país em recursos naturais, mas falta de infraestrutura e divulgação atrapalha turismo de natureza

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto
Observação de onça atrai turistas ao Pantanal

Observação de onça atrai turistas ao Pantanal
Serras, praias, cavernas, cachoeiras, praias: o Brasil foi colocado, pela ‘Wolrd Travel &Tourism Concil’, em 2015, em primeiro lugar no ranking de países com mais recursos naturais, e em 8º no de recursos culturais disponíveis. Apesar disso, o país ainda precisa lutar para estar entre os mais populares nos sonhos de viagens dos estrangeiros. O que os números mostram, principalmente, é que existe – e muito – espaço para crescer.

Os dados foram passados por Luiz Del Vigna, sócio-fundador da Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura, durante sua palestra ‘Turismo e natureza: uma oportunidade de negócios’, que foi realizada na tarde desta sexta-feira (29) na Vila do Saber, dentro da 45ª Abav Expo, em São Paulo.

Luiz trabalha na área há 40 anos e foi um dos fundadores da Associação por acreditar na necessidade de levar as pessoas para ‘viver mais ao ar livre’. Desde o início, há 13 anos, a ABETA prega esta ideologia buscando, também, transformar o turismo de aventura e o ecoturismo em uma grande fonte de renda.


“O que os turistas buscam quando vão atrás do ecoturismo e turismo de aventura? Se reconectar com a infância. O que eles querem é se lembrar da época em que não tinham com o que se preocupar porque tinham quem cuidasse deles”, alertou o palestrante.

Segundo Luiz, os diversos recursos naturais do Brasil precisam ser explorados de forma inteligente. “Nós acreditamos que o que temos em nossas mãos é uma gigantesca oportunidade de mudar a economia brasileira”, garantiu. Para isso, no entanto, é necessário investimento, de diversas formas.

A primeira delas, lembrou Luiz, é o conhecimento do próprio país. “É impossível apresentar o Brasil para os estrangeiros se a gente não conhece o nosso próprio quintal”. Outra necessidade vem das infraestruturas, principalmente em aeroportos, rodovias, sinalização turística, segurança pública e saneamento básico.

Um dos focos, ainda pouco lembrado pelos brasileiros, são os Parques Nacionais. “O Brasil possui 73 parques nacionais, 26 estão abertos para visitação, somente 18 possuem estrutura adequada. E em 2012, 5,1 milhões de pessoas visitaram esses parques, deixando R$27 bilhões. Mas este é um número mentiroso”, afirmou. “Mentiroso porque destes 5,1, 70% são em Foz do Iguaçu, uma maravilha da natureza, e no Parque Nacional da Tijuca, que também é uma maravilha da natureza, mas que o pessoal não vai visitar o Parque. Eles vão visitar o Cristo, e fica computado como se fosse o Parque”. Enquanto tudo isso acontece por aqui, nos EUA os Parques Nacionais receberam 275 milhões de visitantes em 2012.

Um destes parques ‘esquecidos’ pelos turistas é o de Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso. Ele compete pelos 30% junto a outros grandes, como os de Chapada Diamantina e dos Veadeiros. Para a conselheira da ABETA em Cuiabá, Lisa Canavarros, o grande problema está na divulgação. “Eu acho que falta divulgação, falta um trabalho também de estruturar a cadeia turística, tanto cadeia hoteleira, de acesso, de estradas, e de divulgação mesmo, porque potencial nós temos”, afirmou, em entrevista ao Olhar Conceito, após a palestra. Segundo Lisa, a ABETA possui somente três associados em todo o Mato Grosso.

Sem divulgação, o turista não sabe o que encontrar. E o Brasil acaba ficando de fora, por exemplo, da lista do site Virtuoso de ‘Tendências do Turismo de Natureza 2016’, que tem, em primeiro lugar, a Islândia. “Quanto vale pra um chinês, que passa o inverno em Pequim, respirando aquele ar sólido, passar uma temporada aqui com a gente respirando ar puro e tomando água boa?”, indagou Luiz. O que falta, é só ele saber onde ir.

olhar direto

« 1 2 (3) 4 5 6 ... 403 »