Mais Notícias - Bolsonaro: troca de favores com Congresso - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 3718 »
Mais Notícias : Bolsonaro: troca de favores com Congresso
Enviado por alexandre em 01/07/2019 08:19:29

Bolsonaro: troca de favores com Congresso

Contra mote de campanha, Bolsonaro mantém troca de favores com Congresso

Negociação de cargos e emendas para obter apoio continua, mas não tem sido suficiente para melhorar relação entre governo e Legislativo

Ranier Bragon - Folha de S.Paulo

Jair Bolsonaro foi eleito o 42º presidente do Brasil impulsionado pela onda antissistema e com a promessa de acabar com o chamado “toma lá dá cá”, o meio de obtenção de governabilidade adotado até então. Seus primeiros seis meses de gestão concluídos neste domingo (30) mostram que, apesar de algumas mudanças, o modelo continua sendo praticado.

Em pelo menos um ponto, de forma até mais enfática —a oferta concretizada na semana passada do pagamento imediato de R$ 10 milhões em emendas extras para cada deputado federal, em troca de apoio à reforma da Previdência.

O presidente da República obtém sustentação no Congresso não necessariamente com base em suas propostas para o país, mas pela negociação de emendas parlamentares e de cargos federais

Cada um dos 594 deputados e senadores puderam apresentar R$ 15,4 milhões em emendas ao Orçamento federal de 2019, geralmente direcionando verbas para obras e investimentos em suas regiões.

A execução dessas verbas pelo governo é obrigatória, na teoria. O Planalto e os ministérios têm poder decisivo sobre o ritmo de liberação, que, em alguns casos, nem mesmo sai dos cofres federais. É daí que surge um dos itens do balcão de negócios. O governo abre o cofre em busca do apoio que necessita.

A diferença de Bolsonaro é que ele incrementou essa cartada. Sob a chefia do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o governo passou a oferecer valor extra, além dos R$ 15,4 milhões, em busca de apoio à reforma da Previdência, que está para ser votada na comissão especial da Câmara.

Leia reportagem na íntegra clicando ao lado: Contra mote de campanha, Bolsonaro mantém troca de favores com ...


Coluna desta segunda na Folha

Reforma pode fechar BNDES

Bancos estatais, como o BNDES, serão fortemente atingidos pela reforma da Previdência. Relatório reservado do banco em poder da coluna mostra que, atualmente, dos 40% da receita PIS/PASEP quem entra na instituição apenas 28% serão mantidos. Mas esses 28% vão migrar do BNDES para o Fundo da Previdência.

Com isso, o banco perde uma das suas principais fontes de recursos. A proposta do relator desvia também recursos do FAT, retirando do BNDES e direcionando ao pagamento de benefícios previdenciários. Especialistas em finanças públicas estimam que o banco deixará de receber em torno de R$ 200 bilhões nos próximos 10 anos.

Em função disso, deixará de gerar, no mesmo período, R$ 410 bilhões em investimentos, perdendo a capacidade de fomentar 8 milhões de empregos. “O banco será descapitalizado. Não descarto a hipótese de ser fechado”, alerta um especialista em finanças no mesmo relatório confidencial.

DNA Campos – Só depois que regressar do Sertão, hoje, o governador Paulo Câmara define o sucessor de João Campos no TCE.  Poucos acreditam que surja um nome sem o DNA Campos. Das alternativas ventiladas a que tem mais sangue Campos é o presidente do PSB, Sileno Guedes. Mas continuam no páreo o secretário José Neto e Milton Coelho, chefe de gabinete do governador.

Vale ouro – Com salário peba na Aeronáutica, o segundo-sargento Manoel Silva Rodrigues, preso na Espanha depois de desembarcar em Sevilha no voo oficial de apoio ao do presidente Bolsonaro, ia ganhar uma nota braba com os 39 quilos de cocaína. Autoridades da Guarda Civil da Espanha avaliaram a droga em 1,3 milhão de euros, o equivalente a R$ 5,6 milhões.


Cadê o dinheiro: Brasil alvo de Alemanha e Noruega

Dinheiro doado pelo Fundo Amazônia

Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo

ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, deve voltar a se reunir com as embaixadas da Alemanha e da Noruega nesta semana para discutir o destino do bilionário Fundo Amazônia, bancado pelos dois países.

Os dois países resistem a mudanças que o governo brasileiro pretende fazer na gestão do fundo, diminuindo o número de conselheiros de 24 para 7 e deixando o governo em maioria em sua composição.

As duas embaixadas já se posicionaram publicamente contra as mudanças. O governo admite ceder, mas insiste em dar um caráter mais enxuto e “executivo” ao colegiado.

A Noruega já colocou R$ 3 bilhões no fundo. A Alemanha, R$ 192 milhões. E o Brasil, apenas R$ 17 milhões.

O novo encontro deve ocorrer depois que Angela Merkel, chanceler da Alemanha, criticou Jair Bolsonaro e disse que teria uma “conversa clara” com ele sobre política ambiental.

Mais Notícias : Ameça de Bolsonaro:
Enviado por alexandre em 29/06/2019 09:26:34

Ameça de Bolsonaro:

Bolsonaro: ‘Até segunda-feira, os 22 são ministros’ - Prazo de validade de ministros

Presidente afirma que conversou com Sérgio Moro sobre a prisão de um assessor do titular da pasta de Turismo, Marcelo Álvaro Antônio; ‘Tendo qualquer coisa robusta, providencias serão tomadas’

Beatriz Bulla e Célia Froufe, enviadas especiais, O Estado de S.Paulo

OSAKA – O presidente Jair Bolsonaro afirmou no Japão, onde participa da cúpula do G-20, que pediu ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, que a Polícia Federal investigue casos semelhantes ao que atingiu Mateus Von Rondon, assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Bolsonaro disse que o ministro do Turismo permanecerá no cargo, até o momento.

 “Se prender um assessor meu, não quer dizer que eu seja culpado de alguma coisa, né?”, disse Bolsonaro. “Uma vez tendo qualquer coisa mais robusta contra uma ação irregular de ministro, as providências vão ser tomadas. Até segunda-feira, os 22 são ministros”, afirmou.

Nesta semana, a Polícia Federal prendeu Von Rondon, assessor especial de Marcelo Álvaro Antônio, no âmbito da Operação Sufrágio Ostentação, que investiga supostas candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais na eleição de 2018.

Ele disse ter conversado com Moro, que mandou a cópia do que foi investigado pela PF para o presidente. O presidente deve se reunir com o ministro quando voltar ao Brasil e afirmou que Moro impôs como condição, quando ele aceitou ser ministro, que o presidente deixasse o processo correr em casos de investigação do primeiro escalão do governo.



Brasil: Antes Merkel e Macron caíram de pau no Brasil

A política do governo Jair Bolsonaro para o meio ambiente foi publicamente criticada pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, Emmanuel Macron. Mais de uma centena de ONGs defenderam a interrupção das tratativas.

O governo brasileiro quer acelerar a análise dos termos e o envio do acordo para a ratificação do Congresso –etapa que precede a contagem dos prazos para a abertura comercial. A expectativa mais otimista prevê que todo o processo leve cerca de um ano.

Com os pés no chão O governo Michel Temer, que trabalhou duro para destravar o comércio com a União Europeia, estimava o início de vigência quatro ou cinco anos depois da assinatura e ratificação.(Painel – FSP)

Mais Notícias : Bolsonaro faz reunião com Trump e elogia Espanha
Enviado por alexandre em 28/06/2019 08:17:13

Bolsonaro faz reunião com Trump e elogia Espanha

Por apreender droga em avião da FAB 

Presidente diz a Trump que a 'política do Brasil mudou de verdade, agradece a Espanha no caso do entorpecentes e pede punição severa.

Por G1

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta sexta-feira (28), em Osaka no Japão, três meses após visita oficial aos EUA.

"Sempre o admirei desde antes das eleições. Temos muita coisa em comum. Somos dois líderes de países que, juntos, podem fazer muito por seu pobres. Estamos a disposição para conversar com Trump, de modo que possamos fazer parcerias. Gosto muito do povo americano. A política do Brasil mudou de verdade. Nos interessa e temos o prazer de nos aproximar dos Estados Unidos", disse Bolsonaro, durante encontro que reuniu delegações dos dois países.

Trump elogiou Bolsonaro. "O presidente brasileiro está indo bem".

O presidente brasileiro manifestou apoio a Trump na sua tentativa de reeleição e o convidou para visitar o Brasil mesmo antes do pleito. "Espero que nos visite antes das eleições, se for possível".

Trump respondeu que pretende visitar o Brasil, mas não chegou a marcar uma data.

"Você tem ativos que alguns países nem conseguem imaginar. É um tremendo país, com uma população tremenda, então estou entusiasmado para ir", afirmou.

Espanha

Bolsonaro também se encontrou com o presidente espanhol, Pedro Sánchez. E se pronunciou no Twitter: “Aproveitei para agradecê-lo pelo modo como as autoridades espanholas estão lidando com o caso dos entorpecentes apreendidos em avião da FAB e reafirmei minha defesa por punição severa para o tráfico”.



Prisões: Turismo em alerta

Joana Cunha – Painel S.A – Folha de S.Paulo

A prisão de três assessores do ministro Marcelo Álvaro Antônio (PSL) nesta quinta-feira (27) preocupou empresas do setor de turismo. O maior receio não é que a situação arranhe a imagem do país ou impacte a venda de pacotes, mas que a pasta seja alterada radicalmente. Isso tornaria necessário, mais uma vez, recomeçar o diálogo com o governo do zero. Tudo no momento em que as conversas com Brasília têm sido mais produtivas, de acordo com entidades.

O Ministério do Turismo foi criado há pouco mais de 16 anos, em 2003. De lá para cá, foram 14 nomes à frente da pasta. “Uma troca é algo muito ruim, sempre é preciso explicar para o novo ministro o que é o setor. Freia tudo”, diz Orlando de Souza, diretor-executivo do Fohb (que reúne grandes redes de hotel).

Ainda é cedo para tirar conclusões sobre a continuidade da equipe, mas o setor está numa crescente, segundo Alexandre Sampaio, presidente do conselho de turismo da CNC (Confederação Nacional do Comércio).


Chefe contra subchefe: quase às tapas

Os rumores de que Onyx Lorenzoni pode deixar a Casa Civil se intensificaram depois que Jair Bolsonaro nomeou Jorge Oliveira para a Secretaria Geral.

Ele comandava a subchefia de Assuntos Jurídicos da Casa Civil e era subordinado de Onyx —mas disputava com o próprio chefe espaço junto ao presidente.

De acordo com testemunhas que participaram de reuniões com Bolsonaro em que os dois estavam, eles quase foram às vias de fato no começo do governo, quando se discutia o organograma de órgãos ligados à Presidência. (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)

Mais Notícias : Brasileiro da FAB com cocaína é manchete mundial
Enviado por alexandre em 27/06/2019 08:32:38

Brasileiro da FAB com cocaína é manchete mundial

A imprensa internacional repercute nesta quarta-feira, 26, a prisão de um militar brasileiro que transportava 39 kg de cocaína em um avião que integrava a comitiva do presidente Jair Bolsonaro. O homem, de 38 anos, um sargento da Força Aérea Brasileira (FAB), foi preso no aeroporto de Sevilha, na Espanha, e estava no grupo de 21 militares que dão suporte à viagem presidencial até Tóquio, onde Bolsonaro participará da reunião do G-20. O presidente não estava no mesmo avião que o militar preso.

O diário Le Monde, um dos principais da França, escreve que essa não era a primeira viagem presidencial do sargento e que a situação dá elementos para a oposição criticar o presidente. "Bolsonaro abalado pelo caso 'Aerococa', depois que 39 kg de cocaína foram encontrados em um avião oficial" foi o título dado pelo diário parisiense.

O jornal americano The Washington Post deu ao caso ênfase diferente da dos periódicos britânicos, citando Bolsonaro somente no quarto parágrafo da reportagem e reproduzindo com destaque informações técnicas sobre a apreensão dadas por uma fonte anônima integrante da guarda civil espanhola.

"Cocaína na Espanha coloca Bolsonaro sob tensão" foi o título da publicação inglesa Financial Times, que classificou o caso como "um constrangimento internacional para Bolsonaro" em matéria publicada em seu site. A reportagem diz ainda que "a detenção é um baque para o direitista Bolsonaro, cujo governo está tentando endurecer as leis sobre drogas e tem frequentemente louvado as Forças Armadas".

A revista alemã Der Spiegel também dedicou espaço ao caso em seu site. Em texto curto, apenas relata a situação e cita que o soldado integrava a comitiva do presidente para a viagem ao G-20. "Militar na comitiva presidencial brasileira tinha 39 quilos de cocaína".

Na Espanha, o El País intitulou a reportagem com "Detido em Sevilha um militar da comitiva de Jair Bolsonaro com 39 quilos de cocaína" e explicou que a droga foi encontrada por agentes espanhóis quando o militar brasileiro desceu do avião da FAB com um saco de guardar roupas e uma mala de mão.



Aerococa na FAB faz aliados prevenirem Rodrigo Maia

A descoberta de que um militar usou um voo da FAB para traficar 39 kg de cocaína para a Europa fez aliados do presidente da Câmara o aconselharem a revisar procedimentos para o embarque em seus voos.

Os relatos são de que, na base aérea de Brasília, ainspeção é praticamente zero.

Ninguém é revistado, nenhuma mala é inspecionada e nem submetida a raio-x.  (Daniela Lima – FSP)



Mais Notícias : Bolsonaro festeja decisão do STF mantendo Lula preso
Enviado por alexandre em 26/06/2019 08:33:50

Bolsonaro festeja decisão do STF mantendo Lula preso

O presidente Jair Bolsonaro comemorou nesta terça-feira, 25, a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que manteve preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Assim que a decisão saiu, Bolsonaro postou uma bandeira do Brasil e depois um tweet sobre um acordo com os Estados Unidos sobre a Petrobrás. 

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal rejeitou proposta do ministro Gilmar Mendes e manteve o ex-presidente Lula preso pelo menos até o julgamento do mérito de uma alegação de suspeição do ex-juiz Sergio Moro.

Por maioria, a turma entendeu que não há motivos para soltar o ex-presidente, já que a condenação dele foi confirmada por duas instâncias.(BR 247)



1ª vez em meses, Lula tenso e ansioso ante soltura

Relatos são de pessoas que se mantêm próximas ao ex-presidente

Mônica Bergamo - Folha de S.Paulo

votação da suspeição de Sergio Moro pelo STF (Supremo Tribunal Federal) deixou Lula, pela primeira vez em muitos meses, tenso e ansioso.

De acordo com relatos de pessoas que se mantêm próximas, apossibilidade de o ex-juiz ser considerado suspeito foi a primeira que gerou expectativas reais no petista de que ele poderia, enfim, sair da prisão.

As dificuldades, como a possibilidade de adiamento, foram um banho de água fria. “Bateu o desespero”, diz uma pessoa próxima. Lula então orientou os advogados a irem para o tudo ou nada, insistindo na votação do habeas corpus.

As ponderações de que protelar o debate poderia ser positivo, já que novas revelações do escândalo das mensagens de Moro com procuradores poderiam surgir, não surtiram efeito.

O cálculo era o de que, se o STF não soltasse Lula agora, isso dificilmente ocorreria depois. 

Em breve, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) vai apreciar a condenação do ex-presidente no caso do sítio. A confirmação da punição pode impedir o petista de sair da prisão mesmo que, mais tarde, Moro seja considerado suspeito. 


Coluna desta quarta na Folha

Supremo ignora o Lula livre

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal fez o seu dever de casa, ontem, impondo uma dupla derrota ao ex-presidente Lula, que requereu em dois habeas corpus a sua soltura. No segundo julgamento, no qual estava em jogo a imparcialidade do ex-juiz e agora ministro da Justiça, Sérgio Moro, Edson Fachin, Celso de Melo e Carmem Lúcia fizeram a maioria do placar de 3 a 2, mantendo o petista na cadeia.

Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski foram de encontro ao que pensa e deseja a sociedade: Lula cumprindo a sua pena até o último dia, sem direito à liberdade nem tampouco a prisão domiciliar. O que ouvi em Brasília, há dez dias, era que o ex-presidente sairia da cela da PF em Curitiba para usar tornozeleira em casa no afrouxamento da sua pena.

Tenho impressão que o Supremo até se inclinou, mas seria um arranhão irreparável na sua imagem. Gato escaldado tem medo de água fria, reza o ditado popular.

Alepe na briga – O presidente da Assembleia, Eriberto Medeiros (PP), foi instigado por um grupo de parlamentares a pleitear para o Legislativo a indicação do sucessor do ex-conselheiro do Tribunal de Contas, João Campos, morto sábado passado. Na leitura do TCE, a vaga pertence ao Executivo, tendo em vista que João foi nomeado pelo ex-governador Eduardo Campos.

Vapt-Vupt – Se depender do Tribunal de Contas, o novo conselheiro sai rápido. Oficio comunicando ao governador Paulo Câmara a vacância do cargo foi entregue, ontem, pessoalmente, pelo presidente da corte, Marcos Loreto. Como a Alepe, que vota a indicação, entra em recesso na próxima sexta-feira, o governador terá pouco tempo para escolher o nome.

Recife fora – Pesquisa do Ministério do Turismo destacou Ipojuca (leia-se Porto de Galinhas) na sexta posição entre os dez destinos do País mais procurados por turistas nacionais e internacionais. Cerca de dois mil agentes de viagens foram ouvidos, mas Recife ficou de fora das mais visitadas. No Nordeste, a liderança coube a Fortaleza, seguida de Maceió e Natal.

Contradição – O voto mais surpreendente da 2ª Turma do Supremo, ontem, no primeiro recurso da defesa de Lula, no qual ele saiu derrotado, foi o voto do ministro Gilmar Mendes. Duas horas antes, deu uma declaração a favor da soltura de Lula, mas votou só votou a favor no segundo.

Com Lula – No julgamento do segundo habeas corpus, ontem, o ministro Gilmar Mendes, do STF, mostrou de que lado está: com Lula. Propôs à Segunda Turma que concedesse uma medida para que o ex-presidente aguardasse em liberdade o julgamento do habeas corpus.

HERANÇA – A cada despacho que faz com a sua equipe, a prefeita interina de Camaragibe, Nadegi Queiroz (DC), quase desmaia com os desmandos da gestão de Demóstenes Meira (PTB). Na saúde, não poderá fazer nada. Foram encontrados nos cofres apenas R$ 34,00.

Perguntar não ofende: a quem Lula vai recorrer agora para sair do xadrez?

« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 3718 »