Política - NADA DE NOVO - Notícias
« 1 (2) 3 4 5 ... 767 »
Política : NADA DE NOVO
Enviado por alexandre em 10/08/2018 08:45:55

Debate inaugural não produzirá virada de votos

Josias de Souza

Nenhum dos quatro principais presidenciáveis —Bolsonaro, Marina, Ciro e Alckmin— protagonizou nada parecido com um tropeço no primeiro debate presidencial de 2018. Por isso, é improvável que o evento resulte numa virada de votos. Serviu apenas para consolidar posições. O canibalismo esteve no limite do aceitável. Os contendores se deram conta de que, a essa altura, a plateia quer mais soluções do que sangue.

O debate escancarou uma peculiaridade da atual campanha: todos desejam encarnar a mudança. A temática foi ditada pela rua, de baixo para cima. Incluiu uma agenda tão óbvia quanto urgente —do desemprego à roubalheira, passando pela ruína fiscal e a precariedade dos serviços públicos.

A má notícia é que os oito debatedores inundaram o estúdio da TV Bandeirantes com ideias que não deram água para alcançar a canela —em parte por conta do engessamento das regras, em parte pela aridez das propostas. Seja como for, a esperança que os candidatos foram capazes de inspirar nas três horas e doze minutos em que estiveram no ar cabe numa caixa de fósforos.

A noite produziu duas vítimas: Michel Temer e Lula, ambos ausentes. O primeiro apanhou indefeso. O segundo foi ignorado. Temer não contou nem com a solidariedade do seu ex-ministro Henrique Meirelles. O presidenciável cenográfico do PT teve um consolo.

O condenado mais ilustre da Lava Jato assistiu pelo televisor instalado em sua cela especial à saudação do companheiro Boulos, do PSOL: “Boa noite, presidente Lula. Deveria estar aqui. Mas está preso injustamente em Curitiba, enquanto o Temer está solto lá em Brasília”.

Debate pulverizado: candidatos com poucas propostas


Grande quantidade de presidenciáveis acabou por gerar falas pouco propositivas

Marco Grillo, Fernanda Krakovics e Miguel Caballero - O Globo

No primeiro debate entre os presidenciáveis nesta campanha eleitoral, nesta quinta-feira, na TV Bandeirantes, que levou oito candidatos ao embate, a discussão sobre alianças e economia teve mais destaque. O encontro ficou marcado pelos ataques mútuos e pela apresentação de propostas pouco aprofundadas. Como estratégia eleitoral, os adversários optaram pela busca de fragilidades, em vez de detalhar as ações. Supostos desvios éticos foram apontados, assim como alianças partidárias e as relações com o governo Temer.



O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, quarto colocado nas pesquisas, que tem o maior leque de alianças, foi o mais questionado, até a conclusão desta edição. Foi confrontado a respeito da coligação com o centrão, sobre medidas econômicas do atual governo (de quem o PSDB foi aliado) e sobre o Bolsa Família. O candidato do MDB, Henrique Meirelles, lembrou que os tucanos já chamaram o programa de Bolsa Esmola. Cabo Daciolo (Patriota) e Jair Bolsonaro (PSL), em uma dobradinha clara, também fizeram críticas duras ao tucano. Já Ciro Gomes (PDT), em terceiro lugar lugar nas pesquisas, quase não foi alvo de perguntas.



Quando participou dos embates, Ciro tentou ligar o presidenciável tucano, Geraldo Alckmin, ao governo de Michel Temer. O pedetista lembrou que o PSDB apoiou a reforma trabalhista, que, segundo ele, teria agravado “terrivelmente” a situação do povo brasileiro e também perguntou se o tucano pretende mantê-la. Alckmin respondeu ser a favor da reforma. Ressalvou que a permissão para que mulheres grávidas trabalhem em locais insalubres precisa ser revista.



— A reforma trabalhista foi um avanço. Tínhamos era um grande cartório, com 17 mil sindicatos no Brasil, mantidos com imposto sindical. A maioria não fez nem convenção coletiva — disse o candidato do PSDB, que chegou a usar o termo “Bolsa Banqueiro”, utilizado por Guilherme Boulos (PSOL), ao responder a um questionamento de Meirelles sobre o Bolsa Família.



— Vamos ampliar o Bolsa Família, vamos usar o dinheiro do Bolsa Banqueiro.

Marina também buscou a polarização com Alckmin ao associá-lo ao centrão, grupo de partidos que se aliou ao PSDB. Segundo ela, alguns representantes dessas legendas têm “assaltado o povo”. Alckmin creditou o acordo à necessidade de ter uma ampla coalizão para aprovar as reformas previdenciária, política e tributária logo no início de um eventual governo. O ex-governador de São Paulo aproveitou para alfinetar Marina, ao recordar que ela saiu do PV, após a eleição de 2010. Disse que a situação com o partido era “incompatível”, embora para esta eleição tenha feito uma aliança com a mesma legenda.

Sobre a reforma da Previdência, Alckmin defendeu a equalização dos sistemas público e privado, para acabar com “sistema injusto”. Já Ciro propôs um novo modelo de capitalização e criticou a proposta que prevê a idade mínima de aposentadoria de 65 anos para todos os trabalhadores, com o argumento de que seria uma idade elevada para quem exerce atividades no meio rural.

O principal ataque entre os candidatos ocorreu no primeiro bloco. Boulos questionou Bolsonaro sobre o fato de ele ter recebido auxílio-moradia, mesmo sendo proprietário de imóvel em Brasília, e acusou o adversário de empregar uma funcionária fantasma no gabinete da Câmara, que seria responsável por “cuidar dos cachorros” que o presidenciável teria em uma casa em Angra dos Reis (RJ).

— O Bolsonaro é a velha política corrupta. Recebeu auxílio-moradia, aprovou dois projetos e conseguiu comprar cinco imóveis. Não tem vergonha? — perguntou Boulos.

O deputado retrucou e lembrou que o candidato do PSOL é líder do Movimento Sem Teto (MTST).

— A Val é uma funcionária minha que mora em Angra. Ela não é fantasma, estava de férias (quando uma reportagem da “Folha de S. Paulo" tratou do assunto). Eu teria vergonha se tivesse invadindo casa dos outros. Não vim aqui para bater boca com um cidadão desqualificado como esse aí.

A crise venezuelana também foi tema. Meirelles e Alvaro Dias criticaram o governo do país vizinho, mas garantiram apoio humanitário.

— Temos que agir para que a situação mude. Mas, até lá, o Brasil tem que continuar com a postura humanitária — disse Meirelles.

Dias seguiu o mesmo tom:

— Seria perverso expulsar seres humanos vítimas de uma ditadura perversa, incapaz de respeitar liberdades democráticas.


Política : MOURÃO FALA
Enviado por alexandre em 10/08/2018 08:38:55

Vice: general diz que agrega estabilidade a Bolsonaro

Filiado do PRT foi escolhido nos últimos instantes

Talita Fernandes – Folha de S.Paulo

Filiado do PRTB, o general da reserva Hamilton Mourão foi escolhido nos últimos instantes como vice na chapa de Jair Bolsonaro(PSL).

Ele diz que agregará discrição e estabilidade para a campanha, marcada por polêmicas do deputado federal. Em entrevista à Folha, reconheceu que a relação com o Congresso será difícil, caso ele e Bolsonaro sejam eleitos. "Não tem fórmula de bolo."

O sr. foi escolhido de última hora e forma com Bolsonaro uma chapa puro sangue militar. Em que isso agrega à campanha?Desde o início eu fui uma opção para ele, por isso que eu me filiei a um partido político quando eu entrei para a reserva. Ele tentou as outras opções que ele tinha e todo mundo sabe que não foram bem sucedidas. No último momento ele teve que me chamar.  

Eu acho que eu agrego estabilidade para ele porque ele sabe que ele vai ter um companheiro de chapa que não vai procurar ter luz própria e que vai apoiá-lo incondicionalmente. Pode ser que eu traga voto de outros segmentos da ala mais conservadora da sociedade que veem na minha figura alguém capaz de agregar um conhecimento, um discernimento, experiência de vida.

Uma dificuldade de serem apenas dois partidos coligados é a negociação com o Congresso. Como será isso? Posso até ser ingênuo, mas eu vejo que nosso relacionamento com o Congresso tem que se dar em torno de ideias. Eu sei que o Bolsonaro tem cem, cento e poucos deputados que estão com ele, óbvio que não é uma massa de manobra capaz de assegurar uma maioria para ele, mas é um primeiro passo.

Até hoje nenhum governo conseguiu fazer dessa forma, com ideias. Como sozinho o Bolsonaro espera mudar isso? Será difícil. Não tem forma de bolo isso aí, vai ter que manobrar, usando um termo militar. Quando você está esbarrando com uma enorme resistência você tem que manobrar. Sem ceder àqueles argumentos que lhe são caros e pelos quais foi eleito pela população, terá que ceder em outros, talvez.

O sr. promete discrição, mas ganhou holofote negativamente ao chamar índios de indolentes e dizer que a malandragem do brasileiro veio dos africanos. Eu acho que isso foi ultrapassado. É uma palestra que eu faço em vários lugares do país. Antes eu fazia e não era candidato a nada e ninguém dava bola. É uma palestra em que eu traço um perfil da nossa origem, não é para denegrir nem A, nem B e nem C. A questão é nós somos um cadinho, a junção, uma miscigenação de três culturas com as coisas boas e as coisas não tão boas assim. Esse episódio já rendeu o que tinha que ter rendido.

O sr. é a favor de programas como o Bolsa Família? Eu julgo que esse programa não pode ser eterno. À medida em que você vai gerando capacidade, vai colocando as pessoas em condições de se inserirem no mercado de trabalho eles têm que ser retirados desse programa para não ficar o resto da vida dependendo do estado. Mas hoje tem que continuar.

A Petrobras deve ser privatizada? No caso da Petrobras, o Bolsonaro já declarou e eu aguardo as diretrizes dele. Isso tem que ser bem estudado: quais são as atividades da Petrobras que podem ser cedidas à iniciativa privada porque a Petrobras é uma empresa que apesar de todos os problemas que ocorreram tem um corpo técnico capacitado e que pode tocar a empresa de forma com eficiência gerencial, sem jogar fora recurso e sem ser inserida num papel de corrupção.

Outras estatais devem ser privatizadas como a Caixa e Banco do Brasil, por exemplo? O que eu vejo é que eles não podem ser utilizados politicamente. Quando você deixa de utilizar os servidores concursados dessas entidades para gerenciá-las ou nomeia servidores que estão exclusivamente comprometidos com partidos políticos você causa problemas.

O sr. já se referiu à campanha do Bolsonaro como amadora. Por quê? É amadora porque é uma campanha iniciante. Essa é a primeira campanha presidencial do Bolsonaro. Ele fez campanhas para deputado que são totalmente distintas de uma presidencial. Ele está querendo melhorar suas equipes, agora é uma campanha de recurso reduzido. Ela é uma campanha que tem que se restringir a esses recursos e ao crowdfunding que ele fez.

Bolsonaro vem sendo criticado por posições consideradas preconceituosas. Isso atrapalha na conquista de eleitor? Essa imagem foi colocada no Bolsonaro de forma errônea. Ele tem os pensamentos dele, a forma de ele pensar em relação a conservadorismo, família e coisas do gênero. Mas ele não é uma pessoa racista, em absoluto.

Bolsonaro saiu das Forças Armadas mostrando indisciplina e insubordinação, pontos caros aos militares. Isso não pega mal? Bolsonaro teve na sua época, deu alguns problemas dentro da Força. Mas depois saiu, foi eleito vereador, deputado e ao longo desse período foi estabelecendo relacionamento diferente. Os eventuais desacertos de uma fase da vida dele tumultuada foram superados.

Bolsonaro quer nomear militares para ministérios dizendo que isso evitaria casos de corrupção, mas também há militares corruptos. Temos pessoas honestas e competentes dos dois lados da moeda, do lado civil e do lado militar. Bolsonaro tem que escolher pessoas competentes independentes de vestirem farda ou terno e gravata. Não é porque nós somos uma instituição baseada em valores, valores de honra, de dever e de pátria, que não apareçam as frutas podres.

Política : PATROLANDO
Enviado por alexandre em 09/08/2018 08:25:09

Bolsonaro constrange Alckmin no berço do PSDB

Josias de Souza

Formado em medicina pela Universidade de Taubaté, Geraldo Alckmin especializou-se em anestesia. Mas nem recorrendo a todos os seus conhecimentos profissionais o presidenciável tucano conseguiria explicar o estado de torpor que leva parte do eleitorado paulista a reagir com indiferença às suas pretensões eleitorais. Pesquisa do instituto MDA informa que, no cenário sem Lula, Alckmin (15%) continua numericamente atrás e tecnicamente empatado com Jair Bolsonaro (18,9%) em São Paulo. Se não diagnosticar rapidamente a causa do fenômeno, o doutor arrisca-se a transformar o berço do PSDB no túmulo de sua candidatura.

Em São Paulo, o tucanato desfruta de uma hegemonia política que dura mais de duas décadas. Entre todos os tucanos, Alckmin foi o que governou o Estado por mais tempo: quatro mandatos. Dono de um carisma anestésico, reivindica o rótulo de “gestor”. Comparada à ruína do Rio, que levou Sérgio Cabral para Bangu 8, sua obra administrativa seria um ativo político. Mas um pedaço do eleitorado dá de ombros, flertando com o capitão.

Por quê? A imagem de Alckmin pode ter sido corroída pela ferrugem que toma conta do PSDB e pela radioatividade que o governo de Michel Temer transmite aos partidos que o ajudaram a sentar no trono. Ainda que consiga transferir o contágio de Temer para o rival Henrique Meirelles (MDB), Alckmin terá de lidar com logomarcas e nomes que aceleram a corrosão de sua candidatura: Odebrecht, Rodoanel, Centrão, Alston, Simens, Paulo Preto, Aécio…

Com 33 milhões de eleitores, São Paulo é o maior colégio eleitoral do país. Alckmin precisaria registrar um desempenho retumbante no seu Estado para compensar os votos que o PSDB não possui no Norte e no Nordeste e os que perdeu no Sul e no Centro-Oeste, sobretudo para Bolsonaro e para o ex-tucano Alvaro Dias. Ou o presidenciável tucano se recompõe no berço do seu partido ou se arrisca ficar de fora do segundo turno. Alckmin alega que o jogo está apenas começando. Sustenta que escalará as pesquisas quando for ao ar a propaganda eleitoral, a partir de 31 de agosto. Será?

Política : UMA GUERREIRA
Enviado por alexandre em 08/08/2018 19:13:05

Silvia Cristina disputará vaga a deputada federal
A vereadora de Ji-Paraná, Silvia Cristina (PDT) foi lançada como candidata a deputada federal nas eleições deste ano, no último dia 29 durante a convenção do Partido Democrático Trabalhista (PDT), que foi realizada em conjunto com o Partido Socialista Brasileiro (PSB), no espaço Ello’s eventos, em Porto Velho. No evento , foi confirmada a candidatura do senador Acir Gurgacz ao governo do Estado de Rondônia, de Jesualdo Pires e Carlos Magno para o Senado. Ainda não foi definido o candidato a vice-governador.

“Fiquei muito contente com a indicação do partido e pretendo intensificar meu trabalho para atender, cada vez mais, a demanda da população rondoniense. A experiência na Câmara de Vereadores tem me ajudado a crescer politicamente, me dando conhecimento para conseguir melhorias para comunidade”, afirmou Silvia Cristina, que é presidente estadual da Ação Mulher Trabalhista do PDT. Silvia Cristina vem se destacando com um excelente trabalho em todas as áreas, mas principalmente na saúde e ação social, onde não tem medido esforços para atender as reivindicações da população.

Intercedeu e criou a lei sobre as vagas de veículos destinadas exclusivamente para idosos, com idade igual ou superior a 60 anos, em estacionamento público privado em Ji-Paraná; regulamentação, formação e normatização das atividades de bombeiro civil no município de Ji-Paraná; apoio a Associação dos familiares e pessoas com Síndrome de Down; regulamentação da profissão de Biomédico em Ji-Paraná; luta para implantar o Hospital Regional no município e UTI Neonatal no Hospital Municipal; projeto de Lei Parada Segura; implantação do Sistema Municipal de Cultura de Ji-Paraná; Conquista da obrigatoriedade, por parte dos hospitais públicos e privados, do registro e da comunicação imediata de recém-nascidos com Síndrome de Down as instituições, entidades e associações especializadas que prestem assistência e oriente familiares; foram algumas das ações da vereadora Silvia Cristina, além de liberações de emendas do senador Acir Gurgacz para a revitalização do Parque Ecológico, construção do pronto socorro infantil e implantações de 10 leitos de UTI para o Hospital Municipal, que foram feitas a seu pedido.
Silvia Cristina foi pioneira na luta para a prevenção e tratamento de câncer na região central e no Estado de Rondônia. "Após passar por esta doença, lutei incansavelmente para conseguir melhorias, pois sei da importância da prevenção e de um tratamento de qualidade", ressaltou Silvia, que há 12 anos é coordenadora voluntária do Hospital de Câncer de Barretos (HCB).

O presidente estadual do PDT, senador Acir Gurgacz disse que Silvia Cristina é um dos nomes mais bem preparados para concorrer à vaga de deputada federal, pois foi duas vezes à vereadora mais votada nas últimas eleições e tem desenvolvido um excelente trabalho em todas as áreas.

ASCOM

Política : ELA VOLTOU
Enviado por alexandre em 08/08/2018 09:27:51

Indicar Janot foi um erro de seu governo, diz Dilma

Dilma avalia que aceitar indicação de Janot foi um erro de seu governo

Ex-presidente, que agora é pré-candidata ao Senado, falou para estudantes da UFMG

Carolina Linhares – Folha de S.Paulo

"Mas a Dilma vai entrar por aqui?", perguntava um jovem entre as dezenas deles que se amontoavam na porta do auditório da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais na noite desta terça-feira (7).

À espera de uma palestra da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que inaugura o curso "O impeachment de Dilma Rousseff como golpe de estado", os jovens pressionavam para entrar no auditório lotado, obstruindo completamente a circulação e a passagem.

"Só se ela passar pela janela", respondeu outro. A ex-presidente entrou por uma porta lateral e somente depois que a confusão do lado de fora se resolveu. Para ocupar corredores do local, público precisou forçar a abertura da porta.

Outras três salas com telas para transmissão da palestra também lotaram. A fila chegou a dar volta no prédio da faculdade.

Foi o primeiro evento público de Dilma após ter sua candidatura ao Senado confirmada em convenção no domingo (5). Ela integra a chapa do governador Fernando Pimentel (PT), que tenta reeleição em Minas.

"Não imaginava que teria um público tão grande", disse o professor Thomas Bustamente, da Faculdade de Direito, responsável pelo curso. Os cerca de 130 matriculados tiveram preferência para entrar no auditório, que comportou cerca de 500 pessoas.

O curso vale créditos de disciplina optativa para alunos da UFMG, mas é aberto ao público em geral. Serão 30 palestras com professores de direito, sociologia, educação e economia da UFMG para dar a resposta científica, segundo Bustamante, de por que o impeachment foi um golpe.

"Não encontrei até agora nenhum argumento jurídico, teórico e moral para dizer que não foi golpe", disse o professor, justificando a falta de opiniões contrárias em seu curso. "As justificativas jurídicas do impeachment são inexistentes. Estamos a um passo de perder a democracia. É preciso evitar que aconteça de novo."

Após ser ovacionada em sua chegada, Dilma discursou por uma hora e vinte minutos, sendo vez ou outra interrompida por aplausos e risadas, num discurso repleto de ironias.

Mesmo tratando de temas sérios, ela arrancava risos. "O golpe foi misógino. O homem é uma pessoa forte. Eu não, eu era dura. Eu era uma mulher também frágil, porque eles não têm o menor compromisso com a lógica", disse. A plateia gargalhou. "E era uma pessoa obsessiva e compulsiva que obrigava todo mundo em volta de mim... a trabalhar", completou em tom de sarcasmo.

Afirmando ter sido condenada por mudanças em 0,3% do Orçamento, Dilma criticou a mídia e a Operação Lava Jato. Nesse momento, sem mencionar o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, disse ter sido um erro nomeá-lo.

"Eu acredito que talvez nós tenhamos cometido um erro, que foi aceitar a indicação, pelo Ministério Público, de tês candidatos a procurador e, entre os três, o mais votado nós indicaríamos", disse.

Dilma afirmou também que o impeachment teve o objetivo de enquadrar o Brasil, inclusive geopoliticamente, porque era um país com condições de desenvolvimento, estatais fortes e política externa independente, próxima da América Latina, da África e dos BRICS.

"Ou seja, na contramão de tudo que é o receituário do processo de hegemonia dos Estados Unidos e mesmo da Europa", disse.

A petista voltou a condenar as reformas e o teto de gastos do governo Michel Temer (MDB) e defendeu a inocência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo ela, o povo percebeu que o novo governo, de homens ricos e brancos, era um retrocesso: "uma parte da derrota deles é que não provaram que não era golpe".

Falando sobre a necessidade de subsídios e enveredando por explicações econômicas, Dilma foi aplaudida novamente ao dizer que "se existe uma coisa fake news no Brasil é a meritocracia".

Certa hora, após algumas digressões e esquecimentos, Dilma mencionou até o ator Danny Glover, tentando lembrar o nome de outra pessoa. "É um grande ator, fez Máquina Mortífera, né? Mas o que vocês não sabem é que ele é assessor do Bernie Sanders [político americano progressista]." A plateia se divertiu.

Ao final, Dilma foi cercada por estudantes em busca de uma selfie e, apesar dos esforços de sua equipe, foi perseguida por eles até entrar no carro e bater a porta, carregando flores.


« 1 (2) 3 4 5 ... 767 »