Policial - IMPUNES - Notícias
« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 151 »
Policial : IMPUNES
Enviado por alexandre em 16/04/2018 19:09:50


PM deixa invasores do tríplex de Lula irem embora e não prende ninguém
Invasão foi liderada por Guilherme Boulos, pré-candidato do Psol à Presidência
No começo da tarde desta segunda-feira (16), a Polícia Militar deixou o grupo de criminosos que invadiu o edifício Solaris, prédio onde fica o tríplex de Lula, ir embora e ninguém foi preso após o flagrante.

Liderados pelo pré-candidato do Psol à Presidência da República, Guilherme Boulos, ao menos 50 baderneiros ligados ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MSTS) e da Frente Povo Sem Medo, permaneceram cerca de quatro horas no condomínio e destruíram ou danificaram as dependências do edifício. Apesar da invasão e depredação de propriedade privada, Boulos disse que a ação da PM foi arbitrária por não haver ordem judicial para a desocupação.

Segundo a PM, ao tentar invadir o prédio, o bando quebrou o portão do estacionamento e pularam as grades antes de danificar outras instalações. Todos os danos foram pormenorizados em um boletim de ocorrência registrado na delegacia Sede do Guarujá. O grupo aproveitou para estender faixas com mensagens em apoio a Lula. Outros manifestantes ficaram na frende do edifício.

DIÁRIO DO PODER

Policial : MARAJÁS DA PM
Enviado por alexandre em 12/03/2018 19:30:14


DF tem 35 oficiais da PM ganhando acima do teto
Foram 35 oficiais da PMDF com salários acima do teto em janeiro

Entre os marajás do serviço público do Distrito Federal, há 35 coronéis, majores e capitães da Polícia Militar que em janeiro receberam gordos salários acima do limite constitucional de R$ 33,7 mil, correspondentes aos vencimentos de ministro do Supremo Tribunal Federal. Entre os campeões dos altos salários, há três tenentes-coronéis e uma coronel que receberam bem acima do teto mesmo após todos os descontos. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O maior salário na PM de Brasília, em janeiro, foi do tenente-coronel Helio Ferreira da Costa, da reserva, que recebeu R$ 37,7 mil líquidos. Entre os policiais militares da ativa, o maior salário foi o da coronel Andreia Gonçalves Bastos, com exatos R$36.896,49, também líquidos. O balanço final traz 16 tenentes-coronéis, nove majores, oito coronéis e dois capitães que receberam mais que os ministros do STF em janeiro. PMDF tem 35 oficiais que receberam acima do teto constitucional em janeiro

Policial : ROUBO
Enviado por alexandre em 09/03/2018 22:55:46


Veja quais são os estados com mais celulares bloqueados por roubo no Brasil
Sem surpresas, o estado que registrou o maior número de bloqueios foi São Paulo.
O celular roubado é uma praga dos tempos modernos, infelizmente. Essa é uma realidade do mundo inteiro diante da popularização do smartphone, mas em um país com problemas históricos de pobreza e criminalidade, o problema se agrava ainda mais.


Mas exatamente quão ruim é a situação? Um levantamento da Sinditelebrasil, o sindicato das empresas de telecomunicações brasileiras, ajuda a dar uma ideia, com base no número de IMEIs, códigos numéricos únicos associados a cada aparelho individual, incluídos no CEMI (Cadastro de Estações Móveis Impedidas). Os dados de fevereiro mostram quantos aparelhos foram remotamente bloqueados após serem roubados, furtados ou extraviados, tornando-se incapazes de se conectarem às redes móveis brasileiras.


Sem surpresas, o estado que registrou o maior número de bloqueios foi São Paulo, que tem a maior população brasileira, com 45,6 mil solicitações. Em seguida vêm Rio de Janeiro, com 18,8 mil pedidos, e Minas Gerais, com 7,9 mil pedidos.


Mais interessante, no entanto, é observar esses números em comparação com o tamanho da população de cada estado. O Olhar Digital comparou o número de aparelhos adicionados ao CEMI com o número de habitantes de cada estado segundo estatística do IBGE do ano passado.


Desta forma, o Rio de Janeiro tomou a liderança nacional em celulares bloqueados, com 11,25 aparelhos afetados para cada 10 mil habitantes ao longo de fevereiro. Em seguida vem São Paulo, 10,11 casos, e o Distrito Federal, com aproximadamente 10 casos para cada 10 mil habitantes durante o mês passado.


Veja na tabela abaixo o número absoluto de casos de aparelhos bloqueados e a proporção diante do número de

Policial : DROGAS
Enviado por alexandre em 05/03/2018 19:23:42


Números de prisões e apreensões nas fronteiras do Brasil batem recorde em 2017
Com o aumento da fiscalização nas fronteiras terrestres do Brasil, o número de prisões e apreensões ao longo dos seus 17 mil quilômetros registrou recordes em 2017. Um total de 38.339 prisões foi realizado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), 6.603 a mais do que no ano anterior — a maioria por tráfico de drogas e contrabando. Mais de duas mil armas de grosso calibre também foram apreendidas em 2017, volume 33,5% maior que em 2016. Os principais destinos dessas armas e drogas são as facções que atuam no Rio de Janeiro e em São Paulo, revelam investigações policiais locais. Os itens são redistribuídos para as demais regiões do país.

O aumento no volume de armas e drogas atravessando as fronteiras tem sido acompanhado pelo fluxo de mercadorias contrabandeadas. As apreensões desse tipo de produto, realizadas pela Receita Federal, praticamente dobraram nos últimos sete anos. Em 2017, a instituição registrou R$ 2,3 bilhões no valor dos itens recolhidos, quase duas vezes o total de R$ 1,27 bilhão relativo a 2010 — a cifra inclui apreensões nos postos de fronteiras terrestres, além de aeroportos e portos.

Embora ainda haja vastos trechos de divisas desprotegidos, as instituições responsáveis por sua fiscalização têm utilizado reforços para reduzir a vulnerabilidade. A Receita Federal criou, no primeiro semestre de 2017, a Coordenação-Geral de Combate ao Contrabando e Descaminho (Corep), que realizou, até o fim do ano passado, 3.181 operações de vigilância e repressão, nas quais aplicou multas de R$ 281 milhões. O montante foi 223,5% superior ao de 2016, quando as penalidades chegaram a R$ 86,8 milhões. Os produtos com maior aumento nas apreensões foram medicamentos (381,47%), calçados (340,02%), videogames (174,00%) e mídias não gravadas (123,48%). Ao todo, 221 milhões de maços de cigarro contrabandeados foram apreendidos, o que representou acréscimo de 11,16%, em relação a 2016.

O Rio, destinatário de parte do material traficado, vive uma intervenção federal no setor de Segurança, e autoridades de outros estados já manifestaram preocupação diante de possíveis mudanças nas rotas do crime. Na sexta-feira passada, o Rio registrou apreensão recorde de cocaína: policiais encontraram em contêineres da região portuária quase 1,5 tonelada da droga, avaliada em R$ 250 milhões.

Com efetivo de 30 mil homens nas fronteiras, o Exército diz ter intensificado o Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF) desde o início do ano passado. Só a Operação Ágata 12, parte da série de ações das Forças Armadas que desde 2011 tentam reprimir o tráfico nas divisas, terminou com 95 prisões e com a apreensão de 17 mil toneladas de drogas e 66 armas.

A PRF afirmou que realiza operações específicas nas divisas, com destaque para a Operação Égide, uma ação que durou 250 dias, prendeu cerca de 12 mil pessoas e encontrou 182 toneladas de maconha, 4,3 de cocaína e crack, 868 armas de fogo e 147.383 munições. A operação foi realizada nas rodovias que cruzam o país até a Bolívia, o Paraguai e a Argentina.

O GLOBO teve acesso a investigações e relatórios da PF e da PRF que detalham o funcionamento do tráfico internacional de armas e munições para o Brasil. Em geral, as armas de fogo têm como origem o Paraguai, a Bolívia, a Argentina e o Uruguai. A maioria dos traficantes é de brasileiros que, apoiados por paraguaios, cruzam a fronteira em carros, caminhões, ônibus e também em pequenos barcos.

Pelo menos 95% das armas de fogo adentraram o território nacional pelo Paraná ou pelo Mato Grosso do Sul, tendo como destino São Paulo e Rio de Janeiro. Os demais 5% são transportados em aviões de pequeno porte provenientes da Bolívia ou do Paraguai para o interior de São Paulo e Minas Gerais.

Criminosos montam bases no Paraguai

O armamento abastece dois perfis de grupos criminosos. A maior demanda vem das facções que dominam o tráfico de drogas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Outras destinatárias do tráfico internacional de armas são as quadrilhas dedicadas a crimes violentos, como o roubo a bancos, a caixas eletrônicos e a veículos de transporte de carga e de valores. Esses bandos financiam a entrada no Brasil de verdadeiros arsenais de guerra: metralhadoras de calibres .30 e .50, fuzis, submetralhadoras e pistolas 9mm, .40 e .45. O alto poder de fogo torna-se necessário para garantir superioridade em caso de confronto.

A Polícia Federal já identificou grupos criminosos de São Paulo e Rio que instalaram bases no Paraguai, a fim de receber drogas de Bolívia, Peru e Colômbia, além de gerenciarem o tráfico de armas do país vizinho diretamente.

Apesar dos esforços dos policiais, dos militares e da Receita, ao longo dos 17 mil quilômetros da divisa do Brasil com seus dez vizinhos, existem os chamados “trechos porosos", por onde entra de tudo: de cigarro a carregamentos de cocaína, de perfumes falsificados a fuzis.

— São regiões extensas onde não há qualquer fiscalização. Há várias maneiras de transpor a fronteira. Há lagos, rios e a própria dissimulação em veículos que passam pelo posto oficial e não são detectados — afirma Luís Antônio Boudens, presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, a Fenapef.

Atualmente, cerca de 1,5 mil policiais federais atuam nas regiões de fronteira, menos de 50% do efetivo de 3 mil homens reivindicado pela categoria. Em ofício encaminhado ao então diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, no dia 2 de fevereiro de 2017, a Fenapef alertava que “é crescente a demanda de grupos de criminosos organizados que se prevalecem da fragilidade da fronteira para atuar no tráfico de drogas e armas ilícitas no Brasil”.

Ontem, o “Fantástico”, da TV Globo, revelou que aumentou em 275% o total de armas apreendidas nas rodovias federais que cortam o Rio (BR-101, BR-040 e Presidente Dutra): foram recolhidas 62 armas no primeiro semestre de 2017, contra 233 armas no seis meses seguintes.

Policial : PIJAMA
Enviado por alexandre em 26/02/2018 18:54:34


Ícone da Lava Jato, “Japonês da Federal” se aposenta
Famoso pelas aparições ao lado dos presos mais notáveis da Operação Lava Jato, o agente da PF Newton Ishii, o “Japonês da Federal”, se aposentou. A portaria com a concessão do benefício foi publicada no Diário Oficial da União e é datada de 22 de fevereiro. Segundo a Polícia Federal, ele já deixou o cargo.

O empresário Marcelo Odebrecht, o ex-deputado Pedro Corrêa, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, entre outros alvos da Lava Jato que foram presos na investigação que apura desvios na Petrobras, estão na listas dos que foram escoltados pelo “Japonês da Federal” ao cárcere da PF em Curitiba – origem e base da grande investigação.

O Japonês da Federal não vai mais bater de porta em porta. Quer saber por quê? Ele contou ao Metrópoles
Deputados arregalam os olhos. ‘Japonês da Federal’ visita a Câmara e é tietado por parlamentares
STJ mantém condenação de “japonês da federal” por corrupção

Com a imagem muitas vezes atrelada às ações da Lava Jato, Ishii chegou a inspirar marchinhas e máscaras no Carnaval de 2016. “Ai meu Deus, me dei mal, bateu na minha porta o Japonês da Federal”, diz a música.

O agente da PF também tinha suas pendências judiciais. Em 2009, foi condenado por corrupção e descaminho por supostamente facilitar entrada de produtos contrabandeados do Paraguai. O Superior Tribunal de Justiça chegou a referendar a decisão de primeira instância, rejeitando recurso de Ishii.

O ESTADÃO

« 1 2 3 (4) 5 6 7 ... 151 »