Brasil : FREUD EXPLICA!

Como Freud criou um dos maiores mitos sobre o orgasmo feminino

No mesmo ano em que o alemão Albert Einstein (1879-1955) publicou sua inovadora Teoria Especial da Relatividade (ou Teoria da Relatividade Restrita), o austríaco Sigmund Freud (1856-1939) lançou sua teoria do orgasmo feminino.

 

A do pai da física moderna revolucionou nossa compreensão do cosmos; a do pai da psicanálise desencadeou uma tempestade.

 

Em sua obra "Três ensaios sobre a teoria da sexualidade" — publicada em 1905 e revisada várias vezes até sua edição final em 1925 — ele decretou que o prazer e o orgasmo feminino de uma mulher madura e saudável estavam centrados na vagina.

 

Veja também 

 

Atraso na menstruação: até quanto tempo é considerado normal?

 

É possível reverter incontinência urinária? Saiba mais sobre condição

Freud sabia que muitas mulheres gozavam através de um órgão pequeno, mas ultrassensível, conhecido como clitóris.

 

No século 19, vários especialistas homens haviam debatido o papel que o clitóris deveria desempenhar na sexualidade feminina, entre outros motivos, porque muitos estavam preocupados que sua manipulação pudesse levar as mulheres a excessos, como masturbação compulsiva ou ninfomania, ou à rejeição da relação sexual.

 

Para Freud, esses orgasmos clitorianos eram imaturos, infantis e evidência de um distúrbio mental.

 

POR QUÊ? 

 

Textos de anatomia do início do século 19 notaram a existência do clitóris, mas acreditavam que não era importante para a expressão sexual feminina (Sistema reprodutor feminino com detalhe mostrando o clitóris em 1827) — Foto: Wellcome Collection via BBC

Textos de anatomia do início do século 19 notaram a existência do clitóris,

mas acreditavam que não era importante para a expressão sexual feminina

(Sistema reprodutor feminino com detalhe mostrando o clitóris em 1827)

( Foto: Wellcome Collection via BBC)

 

O austríaco explicou que, ao contrário dos homens que desde a infância tinham a mesma zona erógena orientadora — a glande, as mulheres começaram a vida tendo o clitóris como sua zona erógena orientadora, mas "no processo pelo qual uma menina se torna mulher", ela acaba sendo transferida para a vagina.

 

"Muitas vezes leva algum tempo para que a transferência ocorra. Durante esse tempo, a jovem fica anestesiada (frígida, entorpecida)", disse ele.

 

E acrescentou: "Nesta mudança da zona erótica orientadora, (...) residem as principais condições da propensão das mulheres às neuroses, em particular à histeria".

 

Se uma mulher não movia seu centro de sensibilidade para a vagina, ela era rotulada de frígida.

 

Esse diagnóstico de frigidez, definido como ausência de orgasmo durante a relação sexual, tornou-se o padrão para definir a heterossexualidade feminina normal.


Marie Bonaparte, bisneta de Napoleão e discípula freudiana que ajudou a introduzir a psicanálise na França, ficou tão fascinada com a teoria de seu professor que passou por três cirurgias para aproximar o clitóris da vagina na esperança de remediar sua incapacidade de ter um orgasmo vaginal "adequado", embora Freud tivesse lhe implorado para não realizar os procedimentos.

 

Marie Bonaparte: seu papel de princesa não a impediu de realizar pesquisas sobre a sexualidade feminina — Foto: Getty Images via BBC

Marie Bonaparte: seu papel de princesa não a impediu de realizar pesquisas

sobre a sexualidade feminina (Foto: Getty Images via BBC)

 

REVELAÇÕES ÍNTIMAS 


O ponto de vista freudiano dominou o pensamento médico e psicanalítico por décadas.

 

Como resultado, inúmeras mulheres que tiveram dificuldade em atingir o orgasmo ao serem penetradas durante o sexo (apesar de não tê-lo ao se masturbar) foram levadas a acreditar que seus orgasmos não eram "reais".

 

Detalhe da primeira edição de 'Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade' — Foto: Getty Images via BBC

Detalhe da primeira edição de 'Três Ensaios sobre a Teoria

da Sexualidade' ( Foto: Getty Images via BBC)

 

Na década de 1950, os resultados da pesquisa do sexólogo americano Alfred Kinsey (1894-1956) sobre o orgasmo feminino desafiaram a ortodoxia freudiana.

 

Como resultado de entrevistas com mais de 18,6 mil homens e mulheres, nas quais eles revelaram seus segredos sexuais mais íntimos, Kinsey descobriu que a grande maioria das mulheres que se masturbava usava estimulação do clitóris.

 

Menos de 20% incluíram alguma forma de penetração vaginal e só porque sentiram terem que fazê-lo.

 

Kinsey concluiu que a insistência em um orgasmo vaginal era um reflexo da presunção dos homens "quanto à importância da genitália masculina".


No entanto, a publicação de seu livro "Comportamento Sexual em Mulheres" em 1953 foi recebida com tamanha rejeição que o conteúdo do trabalho foi rapidamente suprimido.

 

Portanto, nem isso nem a confrontação direta dos americanos William Masters e Virginia Johnson (casal de ginecologistas que ajudou a detonar a revolução sexual dos anos 60) às opiniões de Freud sobre a frigidez em 1957 mudaram muito a situação das mulheres.

 

Seriam elas mesmas que se encarregariam de desafiá-las.

 

O freudismo foi um dos principais alvos das escritoras do movimento das mulheres; ele foi atacado como sexista pela francesa Simone de Beauvoir (1908-1986) em "O Segundo Sexo" (1949), pela americana Betty Friedan (1921-2006) em "A Mística Feminina" (1963) e pela também americana Kate Millett (1934-2017) em "A Política Sexual" (1970).

 

Feministas como as francesas Monique Wittig (1935-2003) e Luce Irigaray denunciaram a obsessão de Freud pelo prazer feminino através da vagina como um estratagema para subjugar as mulheres.

 

E a americana Anne Koedt, em seu artigo "O Mito do Orgasmo Vaginal" (1968), argumentou que os orgasmos clitóricos eram, de fato, a única maneira pela qual as mulheres podiam atingir o orgasmo verdadeiro.

 

Ele postulou que a alta taxa de "frigidez feminina" era, na verdade, uma alta taxa de ignorância dos homens sobre a anatomia do orgasmo feminino e o desejo de reduzir as mulheres a papéis sociais e sexuais prescritos.


Muitas outras expoentes dessa onda de feminismo exploraram a relação entre sexualidade e dominação.

 

Se para Freud o sexo era a chave para compreender o homem, para aquela legião de mulheres era a chave para libertá-las.

 

'CONTINENTE NEGRO'


O orgasmo vaginal voltou à moda com a "descoberta" do ponto G, uma espécie de "botão de prazer" erótico descrito pela primeira vez em 1953 por um médico alemão chamado Ernst Gränfenberg (eis por que é chamado ponto G) e popularizado em 1982 com o best-seller "Ponto G".

 

A existência dessa área erógena que supostamente estaria na parede vaginal anterior é aceita entre a população, mas controversa na literatura médica.

 

Uma pesquisa recente intitulada "Ponto G: Fato ou Ficção?: Uma Revisão Sistemática" examinou 31 estudos e observou que alguns concordavam consistentemente com a existência do ponto G, mas não havia acordo sobre sua localização, tamanho ou natureza.

 

"A existência dessa estrutura continua sem comprovação", concluiu.

 

Já em 2014, o endocrinologista e sexólogo Emmanuel Janni, da Universidade Tor Vergata, em Roma, havia divulgado descobertas visando pôr fim às discussões sobre o "assustador ponto G".

 

O prazer feminino, como sua pesquisa mostrou, não era exclusivamente vaginal ou clitoriano, mas estava englobado no que é conhecido como complexo clitoruretrovaginal, o conceito de que a relação dinâmica dentro da vagina, clitóris e uretra pode estimular a liberação sexual.

 

A ciência também descobriu que a capacidade de atingir o orgasmo depende da neurologia.

 

Apesar da luta pela libertação feminina e pesquisas científicas, estudos constataram que as mulheres heterossexuais são o grupo demográfico com menos orgasmos durante a relação sexual, o que pode ser devido à falta de compreensão sobre a anatomia feminina.

 


Décadas após ser postulada, ainda permanecem resquícios da desacreditada teoria de Freud, que por tanto tempo permeou a percepção da sexualidade feminina, embora ele próprio aparentemente aceite que não a compreendia de verdade, descrevendo-a de "continente negro". 

 

Fonte: G1

LEIA MAIS

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo