Covid-19: pesquisadora responde se ainda é necessário desinfetar sacolas de mercado - Regionais - Notícias
Regionais : Covid-19: pesquisadora responde se ainda é necessário desinfetar sacolas de mercado
Enviado por alexandre em 19/10/2021 09:49:46

Após quase dois anos do primeiro caso confirmado de infecção por covid-19, a ciência se aprofunda e entende o vírus de forma cada vez mais aprofundada. Ações e métodos tido como importantes no começo da pandemia, acabam sendo melhor estudados e ganham nova conotação, como o ato de desinfetar embalagens e sacolas plásticas após as compras.

 

Quem explica mais sobre o assunto é a médica e pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcomo. Em uma postagem nas redes sociais da instituição nesta segunda-feira (18/10), a cientista deixa claro que ficar limpando as compras após uma ida ao supermercado não é mais a prioridade.

 

“A transmissão é ambiental, portanto é o ambiente que nos torna mais vulneráveis a nos contaminar, de modo que limpar sacolinhas, embalagens, superfícies perdeu a importância. Não é mais necessário a perda de tempo com isso. Muito menos sola de sapato, nada disso é importante”, detalha a pesquisadora.

 

Veja também

 

Empresa francesa anuncia resultados positivos de vacina contra a Covid

 

Vai encontrar amigos vacinados? Saiba quais os riscos de pegar Covid

 

Margareth, contudo, deixa claro que ainda é extremamente necessário uma atenção redobrada a outros cuidados contra a covid-19. “O importante é proteger-se usando máscaras de boa qualidade e saber que a contaminação está ligada ao ambiente”.

 

 

Uso de máscara PFF2

 

O Correio já fez uma matéria especial contando que o mais indicado no momento é o uso das máscaras PFF2, também conhecidas como N95. Este tipo de máscara permite uma filtração de até 94% do ar, segundo a legislação brasileira. De acordo com um estudo publicado na revista Nature,os respiradores N95 diminuem em até seis vezes as emissões de aerossóis no ar. A explicação para isso, segundo o virologista associado de pós-doutorado na Escola de Saúde Pública de Yale Anderson Brito, está no material da máscara e na forma como ela se ajusta ao rosto. "Elas são feitas com um material de malha mais fina e tem uma capacidade de filtração. E essa máscara tem um ajuste no rosto muito melhor. O ar não passa pelas laterais. As tiras laterais dão um melhor encaixe", explica. 

 

Fonte: Correio Braziliense

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo