Renan a Bolsonaro: Na hora em que ele me chamar, eu vou - Mais Notícias - Notícias
Mais Notícias : Renan a Bolsonaro: Na hora em que ele me chamar, eu vou
Enviado por alexandre em 11/01/2019 10:20:18

Renan a Bolsonaro: Na hora em que ele me chamar, eu vou


Cacique do MDB evita se colocar como candidato à presidência do Senado e defende reforma da Previdência

Amanda Almeida – O Globo

Um dos poucos caciques a sobreviver à onda renovadora das urnas, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) já se adaptou aos tempos atuais. Articulando para tentar presidir o Senado pela 5º vez, ele diz que um “novo Renan” tomará posse em fevereiro. Essa nova versão, simpática a Bolsonaro, defende a aprovação da reforma da Previdência e até benefícios para os militares.

Bate no fisiologismo na mesma velocidade que se dispõe a ir ao Planalto falar com o presidente: “Não estou dando entrevista porque as pessoas querem perguntar ao velho Renan o que o novo senador Renan vai fazer. E o velho está se sentindo sem legitimidade para responder”.

O senhor é candidato à Presidência do Senado? Não posso falar como candidato, porque o MDB só vai se decidir no dia 31.

Está aguardando a bancada? Claro. Tem de aguardar, porque, no MDB, vários companheiros podem ser candidatos. É uma bancada de iguais. E tem de aguardar os novatos, que só chegarão para posse no dia 1º, inclusive eu. Não estou dando entrevista porque as pessoas querem perguntar ao velho Renan o que o novo senador Renan, que será empossado no dia 1º, vai fazer. E o velho está se sentindo sem legitimidade para responder.

Mal-estar com a China ocupa cabeça do governo Bolsonaro


Coluna do Estadão – Andreza Matais

O estranhamento inicial entre o presidente Jair Bolsonaro e a China começa a ser contornado. O ministro-chefe do GSI, general Augusto Heleno, conversou ontem com o embaixador no Brasil, Li Jinzhang, sobre “como estreitar as relações” entre os dois países.

Quando ainda era candidato, Bolsonaro acusou a China de estar “comprando o Brasil”. Em resposta às críticas, a China alertou que, se a opção do Brasil em 2019 for por seguir a linha de Donald Trump e romper acordos com Pequim, quem sofrerá será a economia brasileira.

O chanceler Ernesto Araújo não participou da conversa com o embaixador da China. Antes de tomar posse, ele já escreveu em seu blog que a China está até hoje sob um sistema de dominação “disfarçado de pragmatismo e abertura econômica”.

Idas e vindas de Bolsonaro confunde a oposição



As idas e vindas do governo Jair Bolsonaro confundiram a atuação da oposição. O PSOL jogou fora dois requerimentos em que questionava a paralisação da reforma agrária e as mudanças no edital de livros didáticos. Contra o desperdício, a sigla decidiu que vai esperar 48 horas para reagir a anúncios.

A Apex informa que não desligou nenhum servidor de carreira de seus quadros. Só comissionados.

Salário Mínimo - No dia 1º de janeiro, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, garantiu que as primeiras medidas de Bolsonaro só viriam no dia seguinte. Horas depois, o presidente assinou o decreto que reajustava o salário mínimo de R$ 954 para R$ 998. (FSP – Painel)

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo