SARNEY APLICA GOLPE - Mais Notícias - Notícias
Mais Notícias : SARNEY APLICA GOLPE
Enviado por alexandre em 15/04/2010 18:06:21



Vitrine de apresentação e da venda de imagem da candidata do PT, Dilma Rousseff, o PAC, que está atrasado em todo o país e especialmente aqui na Bahia, foi vítima de um rombo, segundo a Folha de S.Paulo, a partir de informações da Polícia Federal e do Tribunal de Contas da União. O desvio aconteceu nas obras da Ferrovia Norte-Sul, orçada em mais de R$1 bilhão. No centro da suposta corrupção, mais uma vez, o empresário Fernando Sarney, filho mais velho do senador que acabou de substituir Lula na Presidência da República, durante o seu período de viagem aos Estados Unidos. Ele “teria ajudado a fechar acordo clandestino pelo qual um grupo de empreiteiras burlou o processo de licitação e é acusado de desviar dinheiro público da principal obra ferroviária do país. O projeto é administrado pela Valec, estatal ligada ao Ministério dos Transportes há anos sob influência direta de José Sarney. Ulisses Assad, diretor da empresa à época do esquema, foi nomeado por indicação do presidente do Senado. A licitação para o contrato 013/06, que trata do trecho entre os municípios goianos de Santa Isabel e Uruaçu, foi vencida pela Constran. Porém, numa subcontratação "ilícita" e "grave", nas palavras do TCU, as construtoras EIT e Lupama passaram a participar da obra. Logo após vencer a licitação do lote Santa Isabel-Uruaçu, de R$ 245,5 milhões, a Constran firmou um acordo com as duas outras construtoras, repassando a cada uma 16,65% da empreitada. O combinado foi feito sem análise nem autorização da Valec, em desrespeito à Lei de Licitações (8.666/93). Auditoria do TCU nesse trecho da Norte-Sul constatou sobrepreço de R$ 63,3 milhões na atuação desse consórcio paralelo. Segundo a perícia da PF, a fraude chegou a R$ 59 milhões. De acordo com relatório da PF na Operação Faktor (ex-Boi Barrica), a Lupama é uma empresa de fachada, que não tem capital social "nem sequer para construir uma ponte". Seus sócios são Flávio Lima e Gianfranco Perasso, ambos amigos de Fernando Sarney. Perasso é apontado pela polícia como o operador de contas da família Sarney no exterior. A Folha revelou neste ano que o filho do senador já teve dinheiro rastreado e bloqueado pelos governos da China e da Suíça.”

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo