CRIMINOSOS - Policial - Notícias
Policial : CRIMINOSOS
Enviado por alexandre em 12/09/2018 07:46:43

7 pequenas coisas que os criminosos observam quando vão atacar
Os criminosos estão sempre nos observando e pensando em como vão nos abordar.

Os brasileiros estão cansados de tanta violência. Em 2016, por exemplo, o Brasil teve em média um roubo ou furto de veículo por minuto. Já em 2017, a cidade de São Paulo teve 530 furtos por dia, o número maior desde 2013. Na cidade que vocês moram não deve ser diferente, certo? Os criminosos estão sempre nos observando e pensando em como vão nos abordar.


Tendo isso em mente, nós resolvemos fazer essa matéria com algumas coisas que os criminosos observam antes de agir. São pequenos detalhes, coisas que nós não percebemos, mas que para eles podem fazer toda a diferença na hora de tentar cometer um crime. Então, caros leitores, confiram agora a nossa matéria com as 7 pequenas coisas que os criminosos observam quando vão atacar:


1 - Nossa rotina


Se você perceber alguém observando sua casa e seus movimentos com uma frequência alta, fique sabendo que você pode estar correndo um grande perigo. Eles querem saber que hora saímos e que hora chegamos em casa para ter uma noção do melhor momento para atacar. Uma boa dica é mudar seus horários de vez em quando e não deixar que estranhos fiquem sabendo da sua rotina.


2 - A segurança de uma casa


Vamos supor que ser ladrão seja uma profissão. Qual seria o melhor alvo para um ladrão "trabalhar"? Claramente eles querem roubar as casas mais fáceis de se entrar. Portanto, residências que têm cães e sistemas de segurança costumam ser um alvo ignorado pelos bandidos. Eles querem fazer o menor esforço possível e, claramente, se livrar do sistema de alarmes ou mesmo de um cão são fatores que dificultam seu "trabalho".


3 - Casas iluminadas x casas não iluminadas

Se você vê uma casa com as luzes acesas, com certeza vai pensar que tem gente lá dentro, certo? Já uma casa com todas as luzes apagadas, indica que a residência possivelmente está sozinha ou que os moradores estão dormindo. Essa é uma tática usada por muitos criminosos. Eles observam o lugar por um certo tempo, quando têm a certeza que a casa está vazia, eles atacam. Por isso, o indicado é sair e sempre deixar algumas luzes acesas. Algumas pessoas ainda gostam de deixar a televisão ligada, o que dá impressão de que realmente há gente na casa.


4 - Ostentação


Os criminosos mais espertos, digamos assim, gostam de observar o padrão de vida das pessoas para saber se vale a pena ou não roubá-las. Pessoas que gostam de ostentação e de mostrar para outros indivíduos que têm muito dinheiro, são alvos fáceis dos bandidos. Evitar expor que você tem dinheiro pode ser uma boa forma de não ser alvo fácil de criminosos.


5 - Redes sociais

Hoje em dia as pessoas postam nas redes sociais tudo o que fazem. Postam fotos do que estão comendo, de coisas que compraram e de lugares incríveis aonde vão. Mas o grande erro é fazer publicações quando estão viajando. Criminosos também têm redes sociais e eles podem facilmente te observar para saber quando você estará fora. Principalmente em feriados prolongados. Por isso, evite postar coisas em suas redes sociais que indicam que você está fora de casa. Se for o caso, poste apenas depois de ter retornado para sua residência.


6 - "Saidinha de banco"

A famosa "saidinha de banco" se baseia em assalto ou furto à pessoas que, depois de sacar dinheiro no banco, são abordadas por criminosos. É sempre bom ficar atento com as pessoas que te cercam no banco e principalmente as que ficam de olho em que entre e sai das agências. A dica é sempre evitar sair com grandes quantias.


7 - Fique de olho em sinais na porta da sua casa

Fique esperto com panfletos e marcas estranhas na porta da sua casa. Muitos bandidos marcam casas para indicar que o lugar é de fácil acesso. Algumas marcas indicam que a casa tem muito objetos de valor ou mesmo que os moradores estão ausentes.

Fatos Desconhecidos

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo