O FUTURO - Brasil - Notícias
Brasil : O FUTURO
Enviado por alexandre em 12/09/2017 23:19:16


A caneta é mais poderosa que o teclado, revela pesquisa


Os dias de cadernos desgastados e canetas mastigadas estão chegando ao fim. Entre em uma sala de conferências agora e você será confrontado com o som orquestral das teclas dos laptops, uma vez que os alunos registram a sabedoria do professor. Mas antes que a humilde caneta dê adeus, é importante considerar o papel que ela ainda pode ter em um ambiente de aprendizagem cada vez mais digital. Compreender como a tecnologia e a aprendizagem se cruzam é uma área fascinante para muitos, incluindo os neuropsicólogos cognitivos Audrey van der Meer e Ruud van der Weel da renomada Universidade de Ciência e Tecnologia da Noruega (NTNU). Especialistas em seu campo, os pesquisadores dedicaram anos a estudar as diferenças entre usar uma caneta e um teclado, para ver como ambas as ferramentas impactam a aprendizagem. Inspirados por estudos prévios que sugeriram que anotações a caneta aprofundam a capacidade da mente de reter e processar informações, van der Meer e van der Weel realizaram um projeto de pesquisa de dois meses com os alunos, que desde então foi avaliado por seus pares. Seu projeto teve como objetivo descobrir se as anotações por meio de digitação versus as anotações com caneta gerariam diferenças na atividade cerebral, afetando assim a capacidade de aprendizado do aluno. Assemelhando-se a um filme de ficção científica, os pesquisadores conectaram os alunos a mais de 250 sensores que monitoravam seus sinais cerebrais, à medida que completavam tarefas envolvendo digitação e tomavam notas à mão. Aprendemos de forma diferente ao usar uma caneta e um teclado

Os resultados revelaram que, ao escrever ou desenhar à mão, diferentes partes do cérebro eram ativadas e de diferentes maneiras, "encontramos evidências eletrofisiológicas diretas de que desenhar à mão ativa redes maiores no cérebro do que digitar em um teclado. Ao escrever determinadas palavras com a caneta do tablet, áreas cerebrais relevantes (parietal/occipital) registraram atividade dessincronizada (ERD) na faixa theta/alfa. A literatura existente sugere que essa atividade oscilatória proporciona condições no cérebro ideais para aprender". Esta pesquisa pioneira forneceu a primeira evidência eletrofisiológica de que o cérebro se comporta de forma diferente ao escrever ou desenhar usando uma caneta em comparação com a digitação em um teclado. Os pesquisadores concluem que as experiências sensoriais-motoras parecem facilitar a aprendizagem ou, simplesmente, é o movimento físico da caneta que faz a diferença. O movimento é capturado pelos sentidos e, devido ao envolvimento deles, resulta em atividade neuronal diferente que rege todos os níveis mais altos de processamento e aprendizado cognitivo.

Anotação tradicional com tecnologia do século XXI

Numa época em que tantos estudantes utilizam laptops exclusivamente para o trabalho, a pesquisa enfatiza o poder da caneta na aprendizagem. Isso tem implicações para os estudantes que procuram aproveitar ao máximo sua educação, e van der Meer acrescenta: “Espero realmente que essa pesquisa ajude os alunos a fazer anotações com caneta em sala de aula”. Como os resultados da pesquisa descrevem, a caneta tem um potencial significativo para enriquecer nossa aprendizagem e, portanto, tem um lugar na educação, mas não necessariamente à custa de nossos dispositivos digitais. A pesquisadora sugere que tablets e dispositivos híbridos atuais permitem o uso de uma caneta, ajudando os alunos a tirar o máximo proveito da tecnologia antiga e da moderna.

A pesquisa

O método de pesquisa adotado tem sido usado em várias revistas científicas publicadas por van der Meer e van der Weel. Entre março e maio de 2016, um total de 20 estudantes de mestrado e bacharelado, entre as idades de 21 a 25 anos, foram recrutados pela Universidade de Ciência e Tecnologia da Noruega para participar do estudo. Os participantes utilizaram dispositivos 2-em-1 Surface Pro 4 como parte de um experimento baseado no popular jogo Pictionary ™ (Hasbro, 1985). Vinte palavras foram apresentadas três vezes em ordem aleatória. Para cada teste, os participantes foram instruídos a:

Escrever a palavra repetidamente separada por um único espaço usando seu dedo indicador direito no teclado do tablet laptop; Descrever a palavra usando o dedo indicador direito no teclado do tablet laptop; Copiar a palavra usando a mão direita com uma caneta em um segundo tablet laptop idêntico. Foram utilizados dois tablets idênticos Microsoft Surface Pro 4 com Type Cover e Surface Pen. Os dados do laptop produzidos pelos participantes foram armazenados no Microsoft OneNote para análise off-line. Os cientistas usaram a Rede de Sensores Geodésicos (GSN) 200 – essencialmente, uma “touca de cabelo” de alta tecnologia – composta por 256 sensores uniformemente distribuídos na cabeça do participante, para medir a atividade cerebral durante todo o experimento. Os dados capturados pelos sensores foram analisados para fornecer as conclusões dos pesquisadores.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo