COVARDIA - Policial - Notícias
Policial : COVARDIA
Enviado por alexandre em 22/08/2017 23:21:30


PM é preso por por agredir aluno em sala de aula, em Alagoas
Sargento ficará 8 dias preso e Estado pode indenizar alunos

Ação truculenta em escola aconteceu em 24 de maio deste ano e recebeu aprovação do titular da Segurança Pública de Alagoas (Reprodução)

Publicidade
Apesar de a ação truculenta ter sido aprovada pela cúpula da Segurança Pública do Estado de Alagoas (SSP/AL), as instituições começaram a agir contra os responsáveis pelas cenas de violência policial dentro de uma sala de aula de uma Escola Estadual da capital alagoana, em 24 de maio. A Corregedoria da Polícia Militar de Alagoas decidiu punir o sargento Rivelino Alexandre de Oliveira com oito dias de prisão. E a Defensoria pública Estadual ingressou na Justiça para que o Estado de Alagoas seja condenado a indenizar por danos morais outros estudantes agredidos.

As medidas contra o ato de covardia acontecem quase três meses depois de o secretário de Segurança Pública de Alagoas, coronel Lima Júnior, classificar como “sem excessos” a ação em que policiais militares invadiram a Escola Estadual Campos Teixeira, no bairro do Poço, em Maceió, e distribuíram socos, choques e golpes de ‘mata leão’ contra alunos que tiveram as aulas interrompidas pela alegada ação contra o tráfico de drogas.

A punição contra o policial foi divulgada no Boletim Geral da PM dessa segunda-feira (21), com a conclusão de que o sargento cometeu uma transgressão considerada grave, porque “não teve compostura esperada de um policial, promovendo escândalo que maculou a imagem da corporação, pois extrapolou seus deveres funcionais [...] Desrespeitou regras de trânsito, medidas gerais de ordem policial, judicial ou administrativa [...] Usou de violência desnecessária em ato de serviço, além de promover escândalo ou nele envolver-se, comprometendo o prestígio e a imagem da corporação”.

Assista ao momento da agressão, em vídeo publicado pelo portal Gazetaweb:

http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=86450321058

O PM já cumpre a punição, mas a Corregedoria da PM não foi a única instituição a contrariar o silêncio conivente do governador Renan Filho e a aprovação do chefe de seu auxiliar na SSP. O Núcleo de Causas Atípicas da Defensoria Pública do Estado ingressou com uma ação por danos morais em face do Estado de Alagoas, junto ao Juizado da Fazenda Pública Estadual e Municipal, no fim da semana passada.

A Defensoria pede indenização no valor de R$ 10 mil para cada um dos quatro estudantes agredidos, que procuraram a instituição, acompanhados de amigos e familiares, dias após o episódio de violência. O grupo afirmou que os militares invadiram a sala de aula da escola de forma intempestiva para abordar alguns alunos. Mas, ao invés de garantir a segurança e tranquilidade na escola pública, foram agressivos.

Agressão causou confusão geral (Foto: Ana Clara Mendes/Gazetaweb)
O saldo da batalha que pôs em risco a integridade física de adolescentes e adultos que saíram para estudar naquela noite chuvosa foram oito alunos detidos e a fratura do braço de um dos policiais do Batalhão de Policiamento Escolar, que acusou a maioria dos estudantes de serem “bandidos”.

“Os policiais que compunham a guarnição do Batalhão de Policiamento Escola –BPE, passaram a proferir ofensas contra os requerentes, utilizando-se, além das palavras injuriosas (vagabundos, bandidos, maconheiros, dentre outras), além de agressões físicas”, explicou o defensor público Fernando Rebouças, na ação.

De acordo com o defensor, os quatro estudantes foram envolvidos diretamente, seja através de agressões física, ou seja, através de agressões verbais. “O estresse sentido pelos requerentes, a revolta com a brutalidade do ocorrido, acarretaram imenso sofrimento aos promoventes. Ressalte-se que os autores em nada contribuíram para o dano. A invasão à escola ocorreu de forma brusca e ilícita, já que nenhum dos policiais possuía mandado judicial e nenhum dos requerentes estava em estado de flagrância”, argumentou o defensor.

À época da ocorrência, os vídeos do registro das agressões revoltaram a secretária executiva de Educação de Alagoas, Laura Souza, que foi voz isolada ao condenar a ação desproporcional dentro da escola. “Ainda que houvesse algum estudante envolvido em crimes, havia dezenas de jovens e adultos de bem! Trabalhadores que mesmo depois de um dia de trabalho, numa noite chuvosa como a de ontem, foram à escola em busca de um futuro melhor! Essas pessoas não merecem passar pelo que passaram! Merecem ser tratadas com dignidade e respeito!”, disse a gestora adjunta da pasta comandada pelo vice do governo peemedebista de Renan Filho, Luciano Barbosa. (Com informações da Ascom da Defensoria Pública Estadual)

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo