Resenha Política por Robson Oliveira - Resenha Política - Notícias
Resenha Política : Resenha Política por Robson Oliveira
Enviado por alexandre em 22/08/2017 19:13:32

RESENHA POLÍTICA

ROBSON OLIVEIRA





MUDANÇAS – O prefeito da capital Hildon Chaves perdeu de vez a paciência com os auxiliares que não estão conseguindo apresentar os resultados satisfatórios que a população espera da administração e decidiu mudar alguns secretários e assessores. As pastas da Saúde, Obras e Cultura são as primeiras que vão ser mudadas. Quem não mostrar resultados sai.



CONVITES – Hildon cogita convidar o Dr. Maiorquim, atual Secretário Adjunto de Saúde do Estado, para substituir Alexandre Porto, Mara Valverde para substituir Cândido Ocampo e, para a Secretaria de Obras, o prefeito avalia dois nomes da estrutura municipal para o lugar de Thiago Costa Beber. Orlando Ramires também é cogitado para assumir como adjunto na hipótese de Maiorquim aceitar a titularidade.



DESGASTE – Após o retorno das merecidas férias, o prefeito Hildon Chaves não gostou dos relatos feitos por colaboradores próximos sobre as ações políticas articuladas pelo vice-prefeito Edgard do Boi com vereadores, para derrubar secretários por razões nada republicanas. Como tem reiterado que não admitirá nenhuma conduta dos parceiros na administração pública que não seja republicana, o prefeito decidiu se afastar do vice até que os relatos fiquem claros. Portanto, as relações políticas com o vice e dois vereadores (Jair Montes e Marcelo Cruz) estão desgastadas e suspensas.



EXONERAÇÕES – Quem viu o Diário Oficial de ontem (segunda-feira) confirma que Hildon Chaves não está brincando ao suspender as relações políticas com os vereadores Jair Montes e Marcelo Cruz, pois a publicação consta de nomes exonerados ligados aos dois edis. Inclusive nomes indicados pelo vice-prefeito que também foram dispensados.



MOSQUETEIROS - A tríade vai tentar criar uma crise municipal com ações retaliatórias na Câmara Municipal. O prefeito mensurou todas as possibilidades e concluiu que é mais vantajoso para a administração municipal os dois edis infernizando na oposição do que conspirando na base governista. Nos bastidores são chamados de "três mosqueteiros às avessas": tudo para eles, é o lema!



MODELO – Uma das principais críticas observadas no âmbito das mudanças na Reforma Eleitoral é o sistema presidencialista que concentra muito poder na mão do executivo, favorecendo ao toma-la-dá-cá para que possa fazer a maioria e governar. Contudo, a proliferação dos partidos de aluguéis é tão maléfica quanto a forma pela qual os parlamentares são eleitos. Sem as cláusulas de barreiras para evitarem esta promiscuidade a reforma começa defeituosa. Qualquer outra mudança o resultado será pior do que está. É um modelo eleitoral ruim com resultado igualmente desastroso. Dr Hildon, na capital, hoje é vítima desta perversidade.



SEREIA – Pelo menos quatro pessoas que nunca disputaram as eleições e nem militam em partidos políticos instaram este escriba a avaliar as probabilidades de uma eventual eleição ao Senado de um outsider. É possível que apareça um nas eleições de 2018, embora o céu não está de brigadeiro para os políticos e aprendizes. O erro desses candidatos a outsider é deduzir que a eleição do Dr. Hildon Chaves é fruto tão somente do acaso e da revolta do eleitor com os políticos tradicionais. É também isto, mas ninguém se cria na política sem um grupo e um partido sólido para ancorá-lo. Duas variáveis políticas que Hildon contou nas eleições municipais passadas. Cuidado com o canto da sereia!



ODISSEIA – Recomendo aos postulantes a outsider de 2018 que leiam a Odisseia, obra de Homero. Em particular a passagem em que Ulisses, instado por Circe, mandou que seus marinheiros tapassem os ouvidos e se amarrassem ao mastro do navio para que não ouvissem o canto das sereias. Ao ouvir apenas os piratas da política, estes postulantes a timoneiro do Senado podem afundar a embarcação antes de começar a navegar. Pilotar uma campanha estadual não é tarefa para marinheiro de primeira viagem.



PATUSCADA – Não fosse a reação instantânea das pessoas em reprovar pelas mídias sociais o malfadado auxílio “rango” que os nobres deputados estaduais se presentearam, a patuscada teria passado sorrateiramente. Tão inescrupuloso quanto o aumento foram as versões dadas posteriormente de suposta economia de nove para seis mil a mesada.



GRAVAÇÃO – Uma gravação que a coluna ouviu de uma conversa fechada entre meia dúzia de deputados estaduais, no auge da confusão, revela a falta de limite de nossos representantes. Um deles propõe atacar Judiciário e MP por receberem auxílio moradia e exige que se divulguem supostas incorporações imobiliárias dessas autoridades. O auxílio moradia, para este cabeça chata, é igualmente uma aberração, mas é legal e definido pelo STF. Infelizmente os deputados não copiam as coisas boas dos demais poderes. Bastava reconhecer que erraram, corrigirem o erro e papo encerrado. Optaram por dar de ombros.


CONCORDÂNCIA – Embora esta coluna tenha adiantado meses atrás, Maurão de Carvalho, eterno pré-candidato a governador, deve deixar o PMDB e buscar outra legenda que lhe dê guarida para disputar a sucessão de Confúcio Moura. Esta não é a primeira vez que o parlamentar se desfilia de um partido por não convencer os correligionários a o indicarem a vaga governamental. Na vez passada foi o PP que lhe negou a legenda nas vésperas das convenções. Prevendo o óbvio, com a possível rejeição dos peemedebistas, procura um partido de aluguel que concorde com a sua eterna postulação.

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo