Resenha Politica - Colunistas - Notícias
Colunistas : Resenha Politica
Enviado por alexandre em 22/03/2011 17:07:35

Resenha política
Robson Oliveira

Mudanças

Já começaram as mudanças no Governo do Estado, Vagner 'Bocão', adjunto da Secretaria de Estado das Finanças, sentindo o cheiro de queimado no ar e antecipando-se ao dia 10 de abril (data que o governador revelou a coluna que mexe na equipe), pediu exoneração do cargo. Pelo menos foi o que ele próprio revelou a um amigo comum do colunista.


Na chapa

Quem está também na chapa quente é o Assessor Legislativo do Palácio (Márcio). Oriundo de Ariquemes, reduto eleitoral do governador, não tem correspondido com a missão lhe conferida e vem sendo criticado pelos superiores. Já há um nome aguardando na reserva a hora de entrar na titularidade. Dizem que é uma figura carimbada que prestou relevantes serviços a Assembleia Legislativa na era “Carlão”.


Assédio

O atual assessor especial do governador, professor Mário Jorge, foi sondado para assumir o cargo de Adjunto na Educação (área que vem desagradando a gregos e troianos). O professor avisou que não tem interesse de assumir a vaga de adjunto, mas muda de opinião na hipótese de ser convidado para a titularidade. Aliás, na formação do governo o nome de Mário Jorge já havia sido especulado para o cargo.


Confusão

Para a pasta da Saúde, voltaram a especular com mais intensidade os nomes de William Pimentel e Orlando Ramires. Não bastassem os problemas da área que preocupam a sociedade, e em especial o governador, os dois ocupantes dos principais cargos estão na iminência de resolverem as diferenças pelas vias de fato. Ali, como diz o blogueiro Moura, parece “casa de mãe Joana”.


Surpresa

Quem tem agradado nas hostes palacianas é o jovem Secretário de Estado da Segurança Pública. Houve críticas a nomeação por ele não ser das entranhas da corporação rondoniense e por estar residindo (na época do convite) no Nordeste. Ocorre que o senhor secretário tem implementado ações proativas na área que tem merecido elogios palacianos e de policiais. Num setor extremamente complexo. É óbvio que não agrada a todos. Contudo, o desempenho da secretaria tem sido superior as demais.


Caos

A confusão que se abateu sobre o canteiro de obras da Usina de Jirau, localizada próxima ao distrito de Jacy-Paraná, já era anunciado. O próprio Governo Federal, através de um dos seus próceres ministro (Paloci), acusou a empresa responsável pela obra, Camargo Correia, de trabalhar “a moda antiga” (sic). Deduzimos que tenha tido a intenção de afirmar: 'escravidão branca'. Agora surgem informações, antes abafadas, sobre os danos de toda ordem causados pelo novo empreendimento energético. A fama da empresa, dispensa maiores comentários.


Oportunistas

Petistas de alto coturno, antes defensores intransigentes do empreendimento, vêm a público tecer críticas e apontar os erros anteriormente escamoteados. Nosso Poder Legislativo, que instalou uma CPI no biênio passado sem resultado prático nenhum, agora engrossa a gritaria. É preciso apurar os fatos que culminaram com uma reação violenta dos trabalhadores, independentemente de que o motivo inicial tenha sido provocado com uns simples troca de sopapos entre um motorista e um peão. O oportunismo de ocasião é que é dispensável.


Vandalismo

O Governo do Estado, inadvertidamente, optou em acusar os peões de vândalos pela balbúrdia causada com os incêndios provocados no canteiro das obras, ao invés de apurar os fatos e cobrar da empresa responsabilidade e tratamento digno aos seus trabalhadores. O que não impedia ser enérgico contra os distúrbios. Não é aceitável é culpar o 'mordomo' sem antes verificar os danos causados pelos fidalgos da casa grande.


Pesquisa

O site rondoniadinamica publicou a primeira pesquisa de opinião sobre a tendência das eleições municipais do próximo ano. Esta coluna já fez várias críticas ao instituto responsável pela pesquisa (os dados divulgados nunca bateram com as eleições), mas não pode deixar de comentar um resultado tornado público por um site com reputação séria. Pois bem, independente dos percentuais estarem corretamente apurados, o que a pesquisa revela é que as eleições na capital tendem a polarizar entre os candidatos do PCdoB e PT. A verdade é que Chiquilito entrará na disputa com um dos favoritos.


Pesquisa II

David Chiquilito, provável candidato do PCdoB, reúne hoje as condições objetivas para polarizar a disputa com um candidato petista. Não há nas demais legendas nomes densos em condições de disputar par e passo com o do PCdoB e PT. Apesar das pressões do PSB para que Mauro Nazif entre na disputa, o deputado tem descartado. Sobraria a missão para o deputado Lindomar Garçon (PV) que, por enquanto, anda calado sobre o assunto mesmo não escondendo a ambição em administrar Porto Velho.


Perfil

Garçon já provou que é bom de urna. O problema que a disputa por uma prefeitura da dimensão de Porto Velho requer do candidato atributos maiores e mais sólidos do que para um cargo legislativo. Portanto, perfil para administra o maior colégio eleitoral do estado é um desses atributos que o parlamentar ainda não possui. Já em relação ao Candeais...


Briga de foice


É bom lembrar, no entanto, que o PT perdeu Eduardo Valverde, postulante natural a sucessão de Roberto Sobrinho. O partido está engalfinhado numa crise interna sem precedentes e partem das próprias entranhas as mais acerbas acusações contra a administração do companheiro petista.


Dissenso


Quem ler artigos publicados na mídia de filiados históricos do PT (recentemente Ernande Segismundo fez ilações contra o prefeito), de parlamentares (Hermínio Coelho e Ribamar Araújo fazem também acusações contra a administração petista) e colaboradores não acredita que a legenda consiga lançar um candidato de consenso. A guerra no PT da capital tende a piorar na medida que Roberto Sobrinho decidir o nome de sua predileção. Pode ser que a ex-senadora Fátima Cleide seja o nome que una os petistas, mas não é o que alcaide tem em mente. Portanto...



Factoide


A novidade nesse processo municipal seria o nome do atual presidente da Assembleia Legislativa. Seria, pois aposto dez por um que Valter Araújo (PTB) não entra na disputa. Basta ver a repetição de uma manobra que se tornou rotina naquele poder: todos que ganharam a presidência, dias após a eleição, convocaram a reeleição para garantir a perpetuação no cargo durante toda legislatura.



Maldição


Valter Araújo (PTB) conseguiu se reeleger antes mesmo de completar uma semana no cargo. Não entrará na disputa pela prefeitura da capital apesar dos cupinchas informarem o contrário. Aliás, quem sentou na cadeira de presidente do Poder Legislativo passou a sonhar em cargos maiores. Nenhum conseguiu de forma natural, exceto um deles que chegou ao Governo pela tragédia amplamente conhecida. Falam até que há uma maldição jurídica para quem fica mais de dois anos na cadeira.


Fichados


Amanhã, no STF, volta a pauta a discussão sobre a lei da ficha limpa. Com a posse do ministro Luiz Fox a querela deverá ser definitivamente decidida (isso na hipótese de nenhum dos ministros se ausentarem). Qualquer que for a votação refletirá nas composições das Assembleias Legislativas, Câmara Federal e Senado. As atenções políticas estarão fixas na TV Justiça, nesta quarta-feira.


Torcida


Quem não dorme hoje à noite é o deputado federal Natan Donadon (PMDB) que, dependendo do resultado, chega na tarde de amanhã sem o mandato e sem a imunidade constitucional parlamentar. Basta que o ministro Fux desempate a questão favorável a aplicação na lei a partir das eleições passadas. Votando em sentido contrário, atinge outros parlamentares rondonienses. A torcida é grande. E tensa.

Seminário


Expoentes do direito eleitoral nacional estarão aqui em Rondônia, entre os dias 26 e 27 de maio, para participarem do II Encontro de Direito Eleitoral de Rondônia, promovido pelo IDERO (Instituto de direito Eleitoral de Rondônia). O ex-procurador de Justiça e senador pelo Mato Grosso, Pedro Taques, membro da comissão da reforma eleitoral do Congresso Nacional, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral Joel Dias e Henrique Neves e o famoso jurista Alberto Rollo garantiram presença no evento. O ministro Gilmar Mendes foi convidado, mas ainda não confirmou. Além deles, de Rondônia confirmaram presença os desembargadores Moreira Chagas e Zelite Carneiro.







Resenha política
Robson Oliveira

Mudanças

Já começaram as mudanças no Governo do Estado, Vagner 'Bocão', adjunto da Secretaria de Estado das Finanças, sentindo o cheiro de queimado no ar e antecipando-se ao dia 10 de abril (data que o governador revelou a coluna que mexe na equipe), pediu exoneração do cargo. Pelo menos foi o que ele próprio revelou a um amigo comum do colunista.


Na chapa

Quem está também na chapa quente é o Assessor Legislativo do Palácio (Márcio). Oriundo de Ariquemes, reduto eleitoral do governador, não tem correspondido com a missão lhe conferida e vem sendo criticado pelos superiores. Já há um nome aguardando na reserva a hora de entrar na titularidade. Dizem que é uma figura carimbada que prestou relevantes serviços a Assembleia Legislativa na era “Carlão”.


Assédio

O atual assessor especial do governador, professor Mário Jorge, foi sondado para assumir o cargo de Adjunto na Educação (área que vem desagradando a gregos e troianos). O professor avisou que não tem interesse de assumir a vaga de adjunto, mas muda de opinião na hipótese de ser convidado para a titularidade. Aliás, na formação do governo o nome de Mário Jorge já havia sido especulado para o cargo.


Confusão

Para a pasta da Saúde, voltaram a especular com mais intensidade os nomes de William Pimentel e Orlando Ramires. Não bastassem os problemas da área que preocupam a sociedade, e em especial o governador, os dois ocupantes dos principais cargos estão na iminência de resolverem as diferenças pelas vias de fato. Ali, como diz o blogueiro Moura, parece “casa de mãe Joana”.


Surpresa

Quem tem agradado nas hostes palacianas é o jovem Secretário de Estado da Segurança Pública. Houve críticas a nomeação por ele não ser das entranhas da corporação rondoniense e por estar residindo (na época do convite) no Nordeste. Ocorre que o senhor secretário tem implementado ações proativas na área que tem merecido elogios palacianos e de policiais. Num setor extremamente complexo. É óbvio que não agrada a todos. Contudo, o desempenho da secretaria tem sido superior as demais.


Caos

A confusão que se abateu sobre o canteiro de obras da Usina de Jirau, localizada próxima ao distrito de Jacy-Paraná, já era anunciado. O próprio Governo Federal, através de um dos seus próceres ministro (Paloci), acusou a empresa responsável pela obra, Camargo Correia, de trabalhar “a moda antiga” (sic). Deduzimos que tenha tido a intenção de afirmar: 'escravidão branca'. Agora surgem informações, antes abafadas, sobre os danos de toda ordem causados pelo novo empreendimento energético. A fama da empresa, dispensa maiores comentários.


Oportunistas

Petistas de alto coturno, antes defensores intransigentes do empreendimento, vêm a público tecer críticas e apontar os erros anteriormente escamoteados. Nosso Poder Legislativo, que instalou uma CPI no biênio passado sem resultado prático nenhum, agora engrossa a gritaria. É preciso apurar os fatos que culminaram com uma reação violenta dos trabalhadores, independentemente de que o motivo inicial tenha sido provocado com uns simples troca de sopapos entre um motorista e um peão. O oportunismo de ocasião é que é dispensável.


Vandalismo

O Governo do Estado, inadvertidamente, optou em acusar os peões de vândalos pela balbúrdia causada com os incêndios provocados no canteiro das obras, ao invés de apurar os fatos e cobrar da empresa responsabilidade e tratamento digno aos seus trabalhadores. O que não impedia ser enérgico contra os distúrbios. Não é aceitável é culpar o 'mordomo' sem antes verificar os danos causados pelos fidalgos da casa grande.


Pesquisa

O site rondoniadinamica publicou a primeira pesquisa de opinião sobre a tendência das eleições municipais do próximo ano. Esta coluna já fez várias críticas ao instituto responsável pela pesquisa (os dados divulgados nunca bateram com as eleições), mas não pode deixar de comentar um resultado tornado público por um site com reputação séria. Pois bem, independente dos percentuais estarem corretamente apurados, o que a pesquisa revela é que as eleições na capital tendem a polarizar entre os candidatos do PCdoB e PT. A verdade é que Chiquilito entrará na disputa com um dos favoritos.


Pesquisa II

David Chiquilito, provável candidato do PCdoB, reúne hoje as condições objetivas para polarizar a disputa com um candidato petista. Não há nas demais legendas nomes densos em condições de disputar par e passo com o do PCdoB e PT. Apesar das pressões do PSB para que Mauro Nazif entre na disputa, o deputado tem descartado. Sobraria a missão para o deputado Lindomar Garçon (PV) que, por enquanto, anda calado sobre o assunto mesmo não escondendo a ambição em administrar Porto Velho.


Perfil

Garçon já provou que é bom de urna. O problema que a disputa por uma prefeitura da dimensão de Porto Velho requer do candidato atributos maiores e mais sólidos do que para um cargo legislativo. Portanto, perfil para administra o maior colégio eleitoral do estado é um desses atributos que o parlamentar ainda não possui. Já em relação ao Candeais...


Briga de foice


É bom lembrar, no entanto, que o PT perdeu Eduardo Valverde, postulante natural a sucessão de Roberto Sobrinho. O partido está engalfinhado numa crise interna sem precedentes e partem das próprias entranhas as mais acerbas acusações contra a administração do companheiro petista.


Dissenso


Quem ler artigos publicados na mídia de filiados históricos do PT (recentemente Ernande Segismundo fez ilações contra o prefeito), de parlamentares (Hermínio Coelho e Ribamar Araújo fazem também acusações contra a administração petista) e colaboradores não acredita que a legenda consiga lançar um candidato de consenso. A guerra no PT da capital tende a piorar na medida que Roberto Sobrinho decidir o nome de sua predileção. Pode ser que a ex-senadora Fátima Cleide seja o nome que una os petistas, mas não é o que alcaide tem em mente. Portanto...



Factoide


A novidade nesse processo municipal seria o nome do atual presidente da Assembleia Legislativa. Seria, pois aposto dez por um que Valter Araújo (PTB) não entra na disputa. Basta ver a repetição de uma manobra que se tornou rotina naquele poder: todos que ganharam a presidência, dias após a eleição, convocaram a reeleição para garantir a perpetuação no cargo durante toda legislatura.



Maldição


Valter Araújo (PTB) conseguiu se reeleger antes mesmo de completar uma semana no cargo. Não entrará na disputa pela prefeitura da capital apesar dos cupinchas informarem o contrário. Aliás, quem sentou na cadeira de presidente do Poder Legislativo passou a sonhar em cargos maiores. Nenhum conseguiu de forma natural, exceto um deles que chegou ao Governo pela tragédia amplamente conhecida. Falam até que há uma maldição jurídica para quem fica mais de dois anos na cadeira.


Fichados


Amanhã, no STF, volta a pauta a discussão sobre a lei da ficha limpa. Com a posse do ministro Luiz Fox a querela deverá ser definitivamente decidida (isso na hipótese de nenhum dos ministros se ausentarem). Qualquer que for a votação refletirá nas composições das Assembleias Legislativas, Câmara Federal e Senado. As atenções políticas estarão fixas na TV Justiça, nesta quarta-feira.


Torcida


Quem não dorme hoje à noite é o deputado federal Natan Donadon (PMDB) que, dependendo do resultado, chega na tarde de amanhã sem o mandato e sem a imunidade constitucional parlamentar. Basta que o ministro Fux desempate a questão favorável a aplicação na lei a partir das eleições passadas. Votando em sentido contrário, atinge outros parlamentares rondonienses. A torcida é grande. E tensa.

Seminário


Expoentes do direito eleitoral nacional estarão aqui em Rondônia, entre os dias 26 e 27 de maio, para participarem do II Encontro de Direito Eleitoral de Rondônia, promovido pelo IDERO (Instituto de direito Eleitoral de Rondônia). O ex-procurador de Justiça e senador pelo Mato Grosso, Pedro Taques, membro da comissão da reforma eleitoral do Congresso Nacional, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral Joel Dias e Henrique Neves e o famoso jurista Alberto Rollo garantiram presença no evento. O ministro Gilmar Mendes foi convidado, mas ainda não confirmou. Além deles, de Rondônia confirmaram presença os desembargadores Moreira Chagas e Zelite Carneiro.





Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo