Educação para o desenvolvimento humano Por: Luiz Carlos Polini - Educação Em Foco - Notícias
Educação Em Foco : Educação para o desenvolvimento humano Por: Luiz Carlos Polini
Enviado por alexandre em 19/03/2015 19:46:08

Educação para o desenvolvimento humano

Muito se fala sobre a importância da educação para a criação de uma sociedade melhor, baseada em princípios éticos e morais e preparada tecnológica e cientificamente para os desafios da modernidade. Mas pouco se discute sobre o que cada um de nós, individualmente, está fazendo em prol das futuras gerações.

Por isso, nessa ocasião, proponho avaliarmos o que está ao alcance de qualquer cidadão comum para criação de um modelo de educação voltado ao desenvolvimento pleno do ser humano e à construção de uma sociedade mais justa.

Nesse sentido, o Brasil avançou muito nas últimas duas décadas: o acesso ao ensino fundamental está quase universalizado, com 94,4% das crianças com idades entre 7 a 14 anos na escola; as taxas de analfabetismo entre jovens e adultos está reduzindo; aumentou o acesso ao ensino superior; e a proporção de jovens na idade própria que se encontra no ensino médio é mais que o dobro da existente em 1995. Apesar disso, ainda persistem os elevados índices de evasão escolar, pois muitos jovens têm de parar de estudar para trabalhar. Essa situação impõe aos governantes o desafio de criar políticas públicas voltadas a cursos de formação técnica e de incentivo ao primeiro emprego, bem como à manutenção desses jovens na escola, que deve ser o objetivo norteador das ações governamentais.

O desafio da educação é preparar cidadãos que pensem no coletivo.

Mas isso não basta. Depois de mais de duas décadas de ditadura, quando o autoritarismo substituiu a capacidade de reflexão crítica e questionamento, vivemos agora um momento de reconstrução, de busca de caminhos para crescer com autonomia e liberdade.

Nesse sentido, devemos repensar a educação pela perspectiva da mudança individual: as pessoas precisam ser reeducadas para o convívio democrático. As trevas do período ditatorial ainda persistem nos hábitos, nos comportamentos de intolerância, nos preconceitos que se manifestam cotidianamente, nos atos de violência que ferem a dignidade humana.

A mudança começa dentro de cada um, de cada comunidade, de cada país. O desafio da modernização da educação é preparar cidadãos que pensem no coletivo, que priorizem o respeito ao outro, às instituições e às leis, que valorizem a cidadania e estejam comprometidos com a defesa dos direitos humanos consagrados mundialmente e com a ideia de convivência harmoniosa, a despeito da natural divergência de opiniões.

Como dizia um dos grandes filósofos do iluminismo, o alemão Emmanuel Kant, “o homem é a única criatura que precisa ser educada”. Temos todos – como indivíduos e sociedade – a responsabilidade de oferecer a cada criança e adolescente a oportunidade de desenvolver suas capacidades individuais, o senso crítico, o gosto pelos valores de igualdade, fraternidade, liberdade e justiça, para se tornar também protagonista e crítico perante os desvios, como o preconceito, a violência e o autoritarismo.

A sociedade que queremos requer uma mudança em cada um de nós, nos comportamentos diários, na relação de respeito entre homens e mulheres, adultos e crianças, jovens e velhos, brancos e negros, ricos e pobres. A construção de uma sociedade verdadeiramente democrática depende de nós, ao começarmos em nosso dia a dia a rever nossas ideias e comportamentos para que assim possamos pensar mais e melhor sobre a condição humana. E educarmos, com nosso exemplo, as futuras gerações.

 

Luiz Carlos Polini

Colaborador ouropretoonline

Graduado em Geografia e História

Especialista em Educação e Gestão Ambiental.

 



Educação para o desenvolvimento humano

Muito se fala sobre a importância da educação para a criação de uma sociedade melhor, baseada em princípios éticos e morais e preparada tecnológica e cientificamente para os desafios da modernidade. Mas pouco se discute sobre o que cada um de nós, individualmente, está fazendo em prol das futuras gerações.

Por isso, nessa ocasião, proponho avaliarmos o que está ao alcance de qualquer cidadão comum para criação de um modelo de educação voltado ao desenvolvimento pleno do ser humano e à construção de uma sociedade mais justa.

Nesse sentido, o Brasil avançou muito nas últimas duas décadas: o acesso ao ensino fundamental está quase universalizado, com 94,4% das crianças com idades entre 7 a 14 anos na escola; as taxas de analfabetismo entre jovens e adultos está reduzindo; aumentou o acesso ao ensino superior; e a proporção de jovens na idade própria que se encontra no ensino médio é mais que o dobro da existente em 1995. Apesar disso, ainda persistem os elevados índices de evasão escolar, pois muitos jovens têm de parar de estudar para trabalhar. Essa situação impõe aos governantes o desafio de criar políticas públicas voltadas a cursos de formação técnica e de incentivo ao primeiro emprego, bem como à manutenção desses jovens na escola, que deve ser o objetivo norteador das ações governamentais.

O desafio da educação é preparar cidadãos que pensem no coletivo.

Mas isso não basta. Depois de mais de duas décadas de ditadura, quando o autoritarismo substituiu a capacidade de reflexão crítica e questionamento, vivemos agora um momento de reconstrução, de busca de caminhos para crescer com autonomia e liberdade.

Nesse sentido, devemos repensar a educação pela perspectiva da mudança individual: as pessoas precisam ser reeducadas para o convívio democrático. As trevas do período ditatorial ainda persistem nos hábitos, nos comportamentos de intolerância, nos preconceitos que se manifestam cotidianamente, nos atos de violência que ferem a dignidade humana.

A mudança começa dentro de cada um, de cada comunidade, de cada país. O desafio da modernização da educação é preparar cidadãos que pensem no coletivo, que priorizem o respeito ao outro, às instituições e às leis, que valorizem a cidadania e estejam comprometidos com a defesa dos direitos humanos consagrados mundialmente e com a ideia de convivência harmoniosa, a despeito da natural divergência de opiniões.

Como dizia um dos grandes filósofos do iluminismo, o alemão Emmanuel Kant, “o homem é a única criatura que precisa ser educada”. Temos todos – como indivíduos e sociedade – a responsabilidade de oferecer a cada criança e adolescente a oportunidade de desenvolver suas capacidades individuais, o senso crítico, o gosto pelos valores de igualdade, fraternidade, liberdade e justiça, para se tornar também protagonista e crítico perante os desvios, como o preconceito, a violência e o autoritarismo.

A sociedade que queremos requer uma mudança em cada um de nós, nos comportamentos diários, na relação de respeito entre homens e mulheres, adultos e crianças, jovens e velhos, brancos e negros, ricos e pobres. A construção de uma sociedade verdadeiramente democrática depende de nós, ao começarmos em nosso dia a dia a rever nossas ideias e comportamentos para que assim possamos pensar mais e melhor sobre a condição humana. E educarmos, com nosso exemplo, as futuras gerações.

 

Luiz Carlos Polini

Colaborador ouropretoonline

Graduado em Geografia e História

Especialista em Educação e Gestão Ambiental.

 

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo