Regionais - Aposentados têm até o dia 31 de dezembro para provar que estão vivos! - Notícias
(1) 2 3 4 ... 7297 »
Regionais : Aposentados têm até o dia 31 de dezembro para provar que estão vivos!
Enviado por alexandre em 31/10/2014 12:12:43

A renovação de senha de vida é feita na agência do banco onde o beneficiário recebe o seu pagamento (FOTO: DIVULGAÇÃO)

O prazo para fazer o recadastramento no INSS vai até o final de 2014. Quem não provar que está vivo corre o risco de ficar sem o dinheiro da aposentadoria. Dos 32 milhões de beneficiários, até agora dois milhões de aposentados e pensionistas ainda não fizeram o recadastramento. Eles têm até o dia 31 de dezembro para provar que estão vivos e ir ao banco para renovar as senhas de recebimento dos pagamentos. É necessário um documento pessoal com foto (carteira de identidade, motorista ou trabalho).

Quem não puder ir ao banco tem a opção de fazer orecadastramento por procuração, mas é preciso cadastrar o representante legal em uma agência do INSS. O recadastramento, além de atualizar os dados dos segurados, também funciona como uma fiscalização. Evita que pessoas que não têm direito continuem recebendo os pagamentos dos aposentados que já morreram, por exemplo.

A  renovação de senha de vida é feita na agência do banco onde o beneficiário recebe o seu pagamento. O uso de biometria é facultativo, e os bancos que possuírem essa tecnologia podem utilizá-la.

Fonte: Tribuna do Ceará

Policial : CORAGEM
Enviado por alexandre em 31/10/2014 12:10:19


Lascou fogo no próprio corpo eita macho de coragem

LASCOU FOGO NO PRÓPRIO CORPO

Homens libaneses imigrantes incendiaram -se em Bruxelas para protestar contra a repatriação forçada de imigrantes ilegais. ( Repatriação - regresso a casa ) P.S. A maioria oferece ao imolar -se gritando arrancar suas roupas em chamas e tentar apagar o fogo . Então surge a pergunta: por que diabos eu tinha atearam fogo a si mesmo









Regionais : Promulgada lei que cria guarda municipal de trânsito
Enviado por alexandre em 31/10/2014 12:05:48

O Poder Executivo Municipal de Jaru, promulgou a lei municipal N.º 1.970/GP/2014 aprovado pela Câmara municipal de Vereadores que autoriza a celebração de convênio com o Governo do Estado de Rondônia, através da Secretaria de Estado de Segurança, Defesa e Cidadania, com interveniência da Policia Militar de Rondônia, visando à fiscalização do trânsito no âmbito do Município.

O objeto do convênio ora autorizado é o estabelecimento de Cooperação Mútua, entre os partícipes, no âmbito do Município de Jaru, para fiscalização, autuação e adoção de outras medidas cabíveis às infrações de trânsito pertinentes ao Código de Trânsito Brasileiro.

Também ficou estabelecido no acordo, que o Município destinará a Policia Militar, o valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) anual, pela cooperação.

A nova lei foi publicada no ultimo dia 29 de outubro no Diário Oficial dos Municípios.

Fonte: Jaru On Line

Regionais : Começa construção da ponte no rio Madeira ligando Rondônia ao Acre
Enviado por alexandre em 31/10/2014 12:02:34

Começa construção da ponte no rio Madeira ligando Rondônia ao Acre

A travessia é feita na BR-364, na altura do distrito de Abunã, que apesar da distância ...

A única forma de chegar ao Estado, de qualquer ponto do país, sem recorrer ao avião, é a bordo de duas modestas balsas que atravessam o rio Madeira na fronteira entre o Acre, Rondônia e a Bolívia. Promessa antiga, a construção de uma ponte no local começa a sair do papel, fomentando expectativas de ganhos econômicos e maior integração regional.

A travessia é feita na BR-364, na altura do distrito de Abunã, que apesar da distância de mais de 200 km do centro, pertence ao município de Porto Velho. A poucos metros da beira do rio, uma placa do governo federal anuncia a construção da "ponte do Abunã", projeto incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O informe aponta o início da obra em dezembro de 2013, mas os trabalhos começaram há poucos dias. Apesar do atraso, a previsão de entrega do empreendimento foi mantida em dezembro de 2016.

Até lá, o caminhoneiro Lucélio Souza Silva seguirá sua rotina na balsa. A carreta abarrotada de frutas atravessa o Madeira duas vezes por semana desde 2007. A principal queixa do motorista, contudo, não é a tarifa de R$ 92 cobrada a cada viagem na balsa do Abunã, mas o tempo perdido na travessia, que pode chegar a duas horas e meia, dependendo do movimento. "De noite é pior, porque a gente disputa a balsa com os caminhões-tanque", explica Lucélio.

Justamente por não haver acesso rodoviário, todo o combustível que abastece o Acre tem de passar pela balsa do Abunã. Um píer exclusivo para os caminhões-tanque funciona somente durante o dia. Como esse tipo de carga tem de viajar sozinha na embarcação, o tempo de espera à beira do rio fica bem mais longo à noite, explica o empresário Jucivan Santa Cruz, que vende confecções no eixo Rio Branco- Porto Velho.

Caminhões de todos os tipos e tamanhos são maioria na balsa do Abunã. Nas duas travessias feitas pela reportagem do Valor, eles transportavam frutas, vidro, material de construção e alimentos, entre outras cargas. A depender do porte, um caminhão carregado pode pagar até R$ 150 para chegar ao outro lado do rio. A tarifa para veículos de passeio está em R$ 15,50. Carroças pagam R$ 15, motos, R$ 4,50 e pedestres desembolsam R$ 1,55. Cerca de mil veículos usam a balsa diariamente.

O serviço de travessia é prestado há pelo menos 22 anos pelo deputado federal Roberto Dorner (PSD-MT), conhecido na região como "o rei da balsa". Como empreendedor individual ou por meio das empresas Amazônia Navegações e Rodonave Navegações, ele opera transporte de cargas, veículos e pessoas em vários pontos da bacia Amazônica. Além do Madeira, tem negócios nos rios Xingu e Tapajós.

As autorizações registradas na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) foram concedidas por prazo indeterminado. No caso específico da travessia do Abunã, o parlamentar é autorizado a prestar o serviço desde 1992, mas há quem garanta que ele está ali há muito mais tempo. "Tenho comércio aqui faz mais de 40 anos e quando cheguei já era o doutor o dono da balsa", conta Wanderleia Pinheiro Gomes, a Lalá, que vende bebidas e sanduíches na entrada da balsa.

Questionada, a assessoria de imprensa da Antaq informou que o caráter ilimitado das autorizações concedidas está previsto na lei que regulamentou a criação da agência, em 2001. A justificativa é que colocar um prazo final na autorização poderia configurar uma relação contratual entre o governo e o prestador do serviço, o que não é o caso. A Antaq não soube informar precisamente desde quando o deputado oferece transporte por balsa na região amazônica, alegando que a operação é anterior à criação da autarquia.

O Valor apurou em Porto Velho que a atuação de Dorner vai além de apenas operar as balsas. Suas empresas também constroem e comercializam as embarcações. Ao deputado são atribuídos outros negócios, como fabricação de bebidas e produção de soja e milho na região Centro-Oeste.

A reportagem visitou três vezes a sede da Rodonave Navegações, que fica em um sobrado no bairro de São Sebastião, em Porto Velho. Os funcionários, entretanto, não abriram a porta e se recusaram a prestar quaisquer informações. Procurado em Brasília, o deputado informou, por meio de sua assessoria, que não iria se manifestar.

Se para alguns, a construção da ponte vai agilizar a chegada de mercadorias e serviços ao Acre, para outros a perspectiva é incerta. É o caso de Luís Carlos Araújo, piloto da balsa e morador de uma pequena vila construída à beira do rio para os funcionários de Dorner. Ele vai e vem de uma margem a outra do Madeira desde 1998 e ainda não sabe o que vai fazer quando a ponte ficar pronta. "Acho que vou voltar para o Pará", diz.

Licitada em 2013 pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), a obra da ponte do Abunã está a cargo do consórcio Arteleste / Enersil e vai custar R$ 128 milhões. De acordo com o superintendente do órgão federal, Fabiano Martins Cunha, estão sendo feitas atualmente as fundações da ponte. O projeto executivo, porém, ainda está em análise.

Após anos cruzando o Madeira, muitos usuários da balsa ainda não sabem ao certo o que esperar da ponte. O caminhoneiro Lucélio, por exemplo, nem chegou a calcular quanto deixará de gastar para fazer a travessia na balsa toda semana. Ao ser informado de que não haverá cobrança de pedágio na ponte do Abunã, ele franziu a testa: "Não é possível que vão deixar de ganhar essa bolada".


Fonte:Assessoria

Regionais : Abandonado há anos, viaduto serve de “vitrine” para venda de carros
Enviado por alexandre em 31/10/2014 11:58:41

Porto Velho

Abandonado há anos, viaduto serve de “vitrine” para venda de carros

30102014-183643-viadu.jpg
Porto Velho ainda vive com a caótica situação do trânsito que aumenta com as obras abandonadas dos viadutos. Mas, em meio ao caos que se instalou nas obras paralisadas há anos, ainda há quem tira proveito da situação e usam o local como “vitrine” para vendas de carros usados aproveitando o espaço gratuito e o grande movimento de veículos que trafegam diariamente pelo deveria ser o viaduto no antigo Trevo do Roque.
Nesta quinta-feira, por exemplo dois veículos sendo uma van e um micro-ônibus, estavam expostos no barranco das obras do viaduto para venda, chamando a atenção de quem transitava pelo local.

O projeto dos viadutos seria para desafogar o “congestionado” trafego de veículos na Capital. Porém, até hoje as obras estão paralisadas e revoltando a população, inclusive as pessoas que moram na zona Sul de Porto Velho.

No viaduto da Avenida Jatuarana, a situação precária aumenta a cada dia. Buracos, lama retratam o atual cenário de abandono que se agrava a cada chuva.

Fonte: RONDONIAGORA

Autor: RONDONIAGORA

(1) 2 3 4 ... 7297 »